Brad Sundberg (14)


''Para a maior parte de 1991, nós estávamos trabalhando no álbum Dangerous na Record One em Sherman Oaks, Califórnia, entre alguns outros estúdios na cidade.

Não era incomum para os moradores de Los Angeles ter algo ao qual se referem como Brown-Outs, significando que a força da luz poderia ser interrompida por um tempo ou, às vezes, ser desligada completamente.

Não tenho a pretensão de saber por que isso acontecia, mas tinha algo a ver com muitos aparelhos de ar condicionado, secadores de cabelo, amplificadores Marshall, fritadeiras, lavagens de carro etc, tudo o que está sendo usado de uma só vez em toda a cidade. 

As autoridades da cidade iria pleitear com as pessoas a economia no seu uso de eletricidade, mas esta era Los Angeles - você PRECISAVA ter um bom visual e se sentir confortável em todos os momentos. Então, a energia elétrica, às vezes, simplesmente era desligada.

Neste dia especial, estávamos trabalhando em músicas como Keep The Faith e For All Time quando as luzes começam a piscar e enfraquecer. Era o Brown-Outs.

Agora deixe-me explicar uma coisa. A coisa com muitos estúdios de gravação é que eles não têm janelas. Janelas permitem que o som da rua interrompa as gravações e incentivam os fãs a ficar com as mãos sobre a cabeça, tentando olhar o que estamos fazendo. Então... sem janelas.

Isto significa que quando a energia é desligada, fica escuro como breu, dentro. Então a força caiu e todos nós saímos em busca de lanternas. Houve um pouco de gritos e risos, mas todo mundo estava calmo. Sempre tivemos lanternas à mão, porque os estúdios são notoriamente escuros, então distribuímos lanternas para Michael e sua equipe de segurança.

Michael levou uma lanterna contra uma das paredes e achou a coisa toda divertida. Eu me lembro dele rindo para valer, em primeiro lugar, então nós apenas nos acomodamos e desfrutamos da companhia um do outro, e fizemos ''guerra de lanternas'' no escuro. Foi uma pausa boa e inesperada. Acontece que eu trazia minha câmera naquele dia e tirei algumas fotos [...]


Confira o casaco gigante em Michael. Ele sempre sentia frio. Sempre. Lembro-me claramente de que quando a força acabou, o estúdio muito rapidamente ficou abafado e quente, mas tenho certeza de que foi um prazer para ele, enquanto ele era capaz de descongelar. Há talvez zero dias por ano, quando você precisa de um casaco como aquele em Los Angeles, mas Michael sempre se mantinha agasalhado.

Depois, há o livro. Você já ouviu falar antes que ele amava livros sobre arte, história, natureza etc. Sim, tudo verdade. Ele sempre teve pilhas de livros na sua sala de estar... ele estava sempre observando, perguntando e aprendendo.

O que é mais difícil de ver é algo que é mais difícil de explicar. Eu tenho trabalhado com artistas que podem ser... difíceis. Já vi brigas no estúdio, os produtores assistiram tempestades e birras que fariam um homem crescido estremecer. 

Mas nunca com Michael. Ele era um pro's pro e um ato de classe. Será que a leitura de um livro com uma lanterna não significa nada em si mesmo? Claro que não, mas que representa como ele poderia lidar com o inesperado. Ele não entrou em pânico ou fez exigências impossíveis... ele riu e nos deixou confortáveis.''

by Brad Sundberg (Profissional em sistemas de som)

Fonte: http://inthestudiowithmj.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...