Depoimento de Brad Sundberg (23)


''Nós pousamos no aeroporto JFK em New York em meio à chuva. Eu gosto de voar - na maior parte - e foi um voo sem incidentes. Mas enquanto a chuva passava pela janela, comecei a pensar em uma história que Michael compartilhou.

Bill Bottrell e eu estávamos com ele no estúdio, provavelmente por volta de 1990, durante o projeto Dangerous. Nós provavelmente estávamos no Larrabee North Studios em North Hollywood, CA.

Nós três estávamos trabalhando em uma das músicas de Bill [Who Is It ou Black Or White ou talvez Give In To Me, eu não me lembro com certeza], mas passamos muito tempo apenas trocando histórias. Algumas eram engraçadas, algumas eram curiosas, algumas era um pouco pesadas. Houve dias em que Michael talvez quisesse queria falar mais do que a respeito de trabalho! Este foi um daqueles dias.

Não me lembro de todos os tópicos, mas devíamos estar falando sobre viagens e turnês. Michael nos contou histórias sobre crescer na estrada, cantar em clubes desagradáveis ​​e ter mulheres adultas literalmente jogando-se nele -  menino. Ele continuou falando...

Ele nos contou sobre o quanto ele odiava voar, especialmente quando era mais jovem. Eu o lembrei do laptop IBM que compramos para ele em 1987 - o primeiro que eu já vi - então ele tinha entretenimento no avião durante a Bad Tour.

Conseguimos pilhas do "CD ROMs da Nature Computer", para que ele pudesse ter fotos e jogos intermináveis ​​sobre animais e coisas do tipo. Eles eram tão frágeis e primitivos, mas eram os melhores disponíveis na época, e acho que ele gostava de tentar fazê-los funcionar. 

[Miko Brando me disse uma vez que eles trouxeram uma extensão para Michael conectar seu laptop ao plugue de energia no banheiro de primeira classe nos aviões! Apenas Michael, e claramente antes do 11 de setembro.]

De qualquer forma, enquanto conversávamos sobre viagens e voos, Michael contou sobre um voo em particular com o pai e os irmãos, em uma das turnês do J5.

Foi quando a viagem aérea não era tão segura e confortável quanto é hoje. Ele descreveu um avião muito alto com propulsores, voando durante uma tempestade. Sua voz quebrou algumas vezes quando ele nos contou sobre relâmpagos e saltos do avião. Ele nos contou como estava com medo e chorando, procurando seu pai - mas Joe apenas olhou para frente. 

Uma das comissárias de bordo veio e se sentou ao lado dele e permaneceu abraçada com ele. Enquanto contava a história, lágrimas enchiam seus olhos - como se ele estivesse de volta naquele avião.

Michael era um cara muito interessante. Ele falava muito confortavelmente sobre o quanto ele amava estar no palco na frente de 80.000 fãs, mas o quão desconfortável ele ficaria em um pequeno grupo de pessoas que ele não conhecia. Ele adorava fazer turnês, mas odiava voar.

O engraçado era que, apesar de suas histórias circularem em torno de qualquer coisa que eu pudesse contribuir, ele estava intensamente interessado em nossas experiências também. Ele queria saber como eram as nossas infâncias. Ele queria saber como era o Natal. Ele queria saber sobre nossas famílias e nossas vidas - fora do estúdio.

Assim, embora meu desembarque hoje em NewYork tenha sido chuvoso e sem complicações, isso me traz de volta àquele dia no estúdio. E quando eu me preparar para embarcar no meu voo para Dublin hoje à noite, eu não estarei na primeira classe, nem terei uma extensão conectada ao banheiro - mas a coisa toda me faz sorrir. Quem faz isso?? Michael, é este.

Estou muito animado por voltar a Dublin, na Irlanda, neste fim de semana. Michael amava a Irlanda e não é difícil perceber o porquê. As pessoas são gentis, engraçadas e generosas. Há música em toda parte, misturada com risos e amor pela cultura deles. Talvez chova. E tudo bem.''

Brad Sundberg
(Profissional em sistemas de som)


Fonte: In The Studio With Michael Jackson

21 comentários:

  1. Ele realmente teve tudo que a tecnologia da época permitia né.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Elisa, e tinha esses tipos de privilégio, como embarcar em um avião comercial sem que seu nome constasse na lista de passageiros. Em termos de Estados Unidos, somente ele e figuras extremamente poderosas conseguiam ess exceção.

      Excluir
  2. E era recebido com pompas de chefe de estado em outros países. Era muito bonito isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bonito e digno para um dos maiores humanitários que por aqui passaram.

      Excluir
  3. Essa indiferença do Joe é incompreensível pra mim. Como um pai pode ver o olhar desesperado no rosto de um filho e não querer socorrer e consolar? Quem despreza um filho despreza a si mesmo, afinal, ele é uma parte de vc!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isabele, Joe Jackson, perto de meu pai, é uma rosa perfumada.
      Compreendo com exatidão todos os sentimentos que se passaram pelo Michael em relação ao pai dele.
      Meu pai já é falecido faz alguns anos, e posso dizer que sou uma sobrevivente da minha infância e adolescência.
      Pessoas como meu pai e como Joe Jackson... eu só posso compreender como sendo uma prova que nos é imposta ao longo da vida, e nós teremos que superar e aprender o que pudermos, para ao menos, tirar uma lição a respeito.

      Excluir
    2. Puxa, Rosane, sinto muito por vc! Espero não ter te deixado triste com o meu comentário
      Mas só pelo tamanho do carinho depositado nesse trabalho lindo e pela atenção ao responder cada um dos comentários, já dá pra perceber que vc não se deixou influenciar negativamente por essa experiência
      Ao contrário, vc tirou forças disso e reverteu tudo em amor! Isso diz muito sobre o seu caráter e mostra que as pessoas não precisam se render as dores e aos estigmas da vida
      Como diz a letra de uma musica do Michael - "Todo dia vc cria sua história" e nós podemos sim, fazer diferente e sair vencedores de qualquer situação!

      Excluir
    3. Obrigada pelo carinho, Isabele. Eu sempre penso assim: "A dor é inevitável, o sofrimento não."
      Parte de nós a determinação de focar nossa atenção no lado positivo ou negativo de cada desafio do dia a dia. Eu escolho srmpre o positivo.
      Foco em todos aqueles sentimentos maravilhosos que Michael nos inspira.
      Nossas vidas nesse plano são frágeis como um fio de seda.
      Não sabemos se estaremos aqui no dia seguinte.
      Posso lhe contar uma ironia a respeito do meu pai? Ele era um homem racista. Não permitia que eu colasse os pôsteres de artistas negros na parede do meu quarto, por exemplo.
      Provavelmente estaria se revirando no túmulo se soubesse que há anos vivo para divulgar a vida e a obra de um ser humano maravilhoso, nosso Michael.
      Ou talvez, do lado de lá, tenha aprendido alguma lição. Quero acreditar que sim.
      E a Lei do Retorno...essa é infalível. 🙏

      Excluir
    4. Essa situação com pais pode ser incompreensível, mas a verdade é que é muito comum - com celebridades e com pessoas "normais"
      As vezes aqueles que nos fazem o pior mal, são exatamente os mais próximos e que deveriam nos proporcionar segurança e bem-estar

      Só não sei pq essas pessoas decidem ter uma família sem antes se conscientizar da responsabilidade que isso significa
      Já que não tem instintos afetivos, pq colocar gente no mundo e depois fazer sofrer? se houvesse mais sensatez, haveria menos sofrimento!

      Tá vendo só como vc realmente não seguiu os mesmos padrões de preconceito? Aqui está vc, disseminando a mensagem de amor de um negro que também superou todas essas barreiras!
      Vou confessar uma coisa - eu tenho medo de que qualquer dia vc desista desse blog, por um motivo ou outro (como já aconteceu com tantos outros)
      Por favor, não faça isso kkkk

      Excluir
    5. Isabele, se eu fizer isso terá sido por pura necessidade, mesmo. Não por minha opção. Eu também amo estar aqui com vocês!

      Sobre seguir os mesmo padrões de preconceitoss, vcs se lembrarm do episódio em que a filha da Jaqueline Kennedy se recusou a beijar o Michael? Me doeu saber do quanto ele foi magoado com a atitude dela.

      Excluir
    6. Não me lembro não. Mas os pais tinham esse tipo de preconceito? Que triste.

      Excluir
    7. Quando jovem, Michael chegou a sair com Caroline Kennedy. Um dia, ele quis beijá-la. Mas ela não deixou, dizendo que sua mãe (Jacqueline Kennedy – a quem Michael tanto admirava e deseja conhecer) ficaria muito brava se soubesse que ela havia beijado um rapaz negro.

      Claro que isso deixou Michael triste. Ele até chorou por isso. Mas não desistiu de conhecer sua mãe Jacqueline. O fato dela supostamente ser racista não o fez perder a admiração que tinha por ela.

      Um dia, ele a conheceu. E quando já tinha alguma intimidade com ela, contou sobre o episódio acontecido com sua filha Caroline. Jacqueline ficou muito brava com a filha e respondeu que jamais diria algo assim. Enfim... Michael descobriu então, que racista era a filha e não a mãe.

      Excluir
    8. Jaqueline era maravilhosa, e ajudou Michael a publicar o livro Moonwalk, na época. Mulher à frente de seu tempo.

      Excluir
    9. Será que não foi com a Caroline que aconteceu aquilo que a Liza Minnelli contou, que o Michael comprou um anel e fez o pedido de casamento e quando a garota não aceitou ele ficou destruído? Pode ser, não é?

      Excluir
    10. Ah não....essa foi uma única tentativa de aproximação do Michael, e ela se esquivou de cara. Para Michael chegar a cogitar um casamento, teria que haver uma relação já fundamentada com a convivência.

      Excluir
  4. Acredito, sem desmerecer o sofrimento de Michael e sua Rosane, naqueles velhos tempos não era tão anormal ser desse jeito. Já vi e ouvi coisas medonhas das quais as pessoas sobreviveram.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, eu quase coloquei no comentário que meus pais foram frutos da educação de outra geração...ao mesmo tempo, alguém poderia me perguntar, "e vc Rosane, não foi fruto desta mesma educação? Não foi educada para ser racista?"
      Aí é que está....ainda nos tempos aruais, vemos racismo no mundo afora. Nós é que decidimos se queremos ou não seguir e perpetuar o que recebemos.

      Excluir
    2. Atuais* correção. (teclado de celular..afs)

      Excluir
    3. eu aqui só lendo os comentários...admirando e respeitando cada vez mais a Rosane,uma mulher incrível,te admiro...
      Ainda bem que nosso Mike nunca retribuiu estes vários episódios desagradáveis,pelo ao contrario ele era puro amor,retribuía o bem para mundo....

      Excluir
    4. Edna, obrigada pela tua presença e pelo carinho com o blog e com a minha pessoa.
      Verdade, Michael transmutava todo sofrimento em amor, é admirável! 🙏

      Excluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

*Bem-vindos, Moonwalkers! Este é um espaço de amor à memória de Michael Jackson. Os comentários são moderados e estarão visíveis tão logo eu esteja on-line. [Rosane, admin. do blog]

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...