Remember The Time: Protecting Michael Jackson


Bill: [Falando sobre Michael] ''Ele falava sério, que não era culpa dele. Mas, por outro lado, eu não acho que ele compreendia a profundidade do problema, o que acontece quando pessoas como nós não recebemos o pagamento, se corta a água, a luz. Ele não compreendia isso.''

Javon: ''Você pode dizer quando alguém está mentindo e quando você está sendo sincero e ele foi sincero de que realmente estava fora de seu controle. Mas ainda ficamos chateados. Queríamos agarrá-lo e dizer, ''Mas você pode controlá-los. Porque não assume o controle? Por que você não cuida do seu próprio pessoal?''

Bill: ''Em um ponto, ele me disse, ''"Está feito. Eles estão fechando um grande negócio, e vocês receberão esta semana."

O acordo veio e nada. Não havia salário. Ele me chamou e me disse, "Bill, eu sinto muito. Eu não consegui que paguem a você e aos rapazes, tem algo a ver com a assinatura de Greg, que é mais forte do que eu pensei que era, por isso, ele aplicou todo o dinheiro para o projeto de lei.''

Eu pensei, ''Que p**** é essa? Os advogados trabalham para você. Como é que o dinheiro não vai primeiro para você, assim você pode decidir como usar esses fundos? Greg fez um trabalho e esperava receber. Eu entendi isso. Mas nós estávamos na mesma posição, e estávamos quebrados.

Michael Jackson era um negócio multimilionário e não havia ninguém no comando. Não havia nenhuma organização, nenhuma empresa, apenas pessoas diferentes, com diferentes bolsos, todos competindo para diferentes agendas.

Nem sequer tinham um escritório. Seu escritório era onde ele estivesse. O telefone de sua empresa era o telefone que você colocasse em sua mão. Não havia um endereço de e-mail.

A maior parte de sua correspondência ia para Raymone. As pessoas enviavam seus materiais durante a noite, ali onde nós estávamos. Os fãs que sabiam quem eu era até enviavam correspondência para minha casa.

Sr. Jackson acreditava que Raymone tinha um escritório oficial para a sua empresa em DC. Um dia, eu tive que ir pegar um pacote com ela e parei em frente à sua casa. Era em casa. Ela estava levando seu negócio em sua casa.

Naqueles dias eu escutava Sr. Jackson dizer que Raymone tinha colocado um escritório para ele. Eu disse, "Senhor, Raymone não tem um escritório."

"Sim, é verdade. Ela tem o meu escritório em DC [Washington].''

"Não, Sr. Jackson. Ela vive em DC. Ela trabalha na casa dela.''

"Você quer dizer que eu não tenho um escritório?"

Ele não apenas não tinha um escritório como não sabia que não tinha um escritório. Greg e Raymone eram as duas pessoas com quem ele tinha a maior interação, mas havia muitas outras pessoas: advogados, contadores, empregados, assistentes. Algumas dessas pessoas tinham a autoridade para escrever e assinar cheques. Havia pessoas lá fora, fazendo acordos e assinando contratos em seu nome.

Mas quem relatava para quem, quem era o responsável por cada coisa, nunca ficou claro. Aquilo nunca teve nenhum sentido.

Parte disso, eu acho, estava fora de lugar, a confiança. Ele confiava nas pessoas erradas, e ele queria acreditar que eles se aproveitaram disso. Mas parte dele foi apatia. Fiquei tão impressionado com esse ponto. Ele queria estar com seus filhos, fazer seus projetos criativos, e, além disso, havia se distraído de outras questões.

Eu estava levando sua correspondência por meses, nesse ponto. Nada chegava a ele que não fosse através de mim. Então eu sei do fato que ele não estava recebendo qualquer das demonstrações financeiras mensais ou relatórios, nada. Ele não tinha um talão de cheques. Ele não estava sentado lá com eles, mantendo o controle sobre o que estava sendo feito.

Ele tinha sido tão rico por toda a sua vida que eu não acho que ele realmente captara a ideia de que ele poderia ''quebrar''. Ele apenas pensava que sempre haveria mais. Ele sempre tinha dinheiro. Ele tinha centenas de milhares de dólares guardados naquela casa em Las Vegas, guardados em pequenos lugares, e eu sabia que ele tinha um pouco desse dinheiro com ele na Virginia.

Para ele, isso era dinheiro de verdade, dinheiro em que ele poderia por suas mãos para conseguir o que eu precisasse naquele momento. E enquanto ele fazia isso, era como se ele não se importasse com o que acontecia com o resto, todos os seus investimentos e os direitos de publicação, nada disso.

E eu tenho a impressão de que seus assessores sabiam que se mantivessem uma grande quantidade de fácil acesso para ele, ele não iria perceber o que estava acontecendo com o restante. E ele não o fez.

Eu estava dirigindo em DC, um dia, e ele estava no telefone com Pedro Lopez. Eu podia ouvir os dois lados da conversa, e eu ouvi Sr. Jackson dizer, ''"Pedro, eu não sei onde está o meu dinheiro. Ou como. Quanto dinheiro eu tenho. Você poderia me ajudar?"

O fato de que essas palavras poderiam sair de sua boca era assustador para mim. E ao ignorar os seus problemas financeiros e confiar aos demais para liderar, eles criaram todos os tipos de problemas legais para ele, também. Michael Jackson era um bom atrativo para ações judiciais.

Em um determinado momento, havia centenas de casos pendentes contra ele, literalmente. Alguns deles eram banais. Demandas de paternidades das acusadoras, esse tipo de coisas. Mas muitos deles eram graves, reivindicações de vários milhões de dólares. Sem ninguém no comando de seu negócio, as pessoas não são pagas. Acordos deixavam de ser cumpridos.

Havia todo um elenco de personagens. Ex-gestores e colaboradores que afirmavam ser parte disso ou daquilo e que não tinham sido pagos ou que deveriam ter mais uma parte de alguma coisa. Pessoas que trabalharam em seus álbuns e vídeos de música, alegando que eles não estavam recebendo seus pagamentos de royalties.

Era um problema no que se seguia. Eu vi esses documentos legais do FedExed pedindo a sua assinatura, então eu vi quanto dinheiro ia embora pela porta. Se conformariam com um quarto de milhão de dólares, meio milhão, o que fosse preciso.

As pessoas simplesmente processam quando pensam que podem conseguir alguma coisa. E todo mundo sabia que se você processasse Michael Jackson, você teria um acordo.

Podem impugnar os banais, como o absurdo de paternidade. Mas se você tivesse qualquer evidência que poderia justificar e ir a julgamento? Ele pagaria, porque depois do que aconteceu em 2005, nunca poderia por os pés novamente em uma audiência.''

Javon: ''Enquanto estávamos em Virginia, o levávamos para debates no escritório de Greg Cruz em DC - havia acontecido vários deles de volta em Las Vegas e havia um par que teria que acontecer aqui.

Temia ir. Estes debates eram maratonas que duravam todo o dia. Eles o colocaram na cadeira e os advogados, em oposição, falariam por horas.

Normalmente oferecem almoço nestas coisas, porque te mantém ali por tanto tempo. Eles pegavam uma sala de conferências e colocavam um monte de sanduíches, lanches e frutas.

Em um ponto, Greg saiu e nos ofereceu um pouco de comida, e Bill e eu fomos até este quarto para pegar algo para comer. Nós estávamos do outro lado da sala, pegando os nossos sanduíches e conversando.

"Cara, quanto tempo vai durar isso? Estou pronto para quando pudermos dar o fora daqui." Então ouvimos um som do fundo da sala. Olhamos e era Sr. Jackson.

Ele disse, "Ei, rapazes!"

"Oh... Ei, Sr. Jackson!"

Fui pego de surpresa. Eles o haviam deixado sozinho naquela sala, sentado sozinho, como uma criança pequena no canto. Era como se estivesse esperando por algo. Eu juro que é exatamente o que parecia, como se os seus advogados o tivessem deixado a ele no canto, esperando.

Então, uma vez que o almoço acabou, eles o levaram de volta para a sala de conferência, o colocaram de novo na cadeira e o ''fritaram'' novamente.

Quando chegamos no carro para ir para casa, ele apenas desabou. Aconteceu o tempo todo no caminho de casa.

"Eu estou tão cansado de toda essa m****. Estou cansado disso., Estou cansado de dar declarações. Essas pessoas me fazem as mesmas perguntas estúpidas uma e outra vez. Só quero ir para casa estar com os meus filhos."

Bill: ''Pode-se dizer que isto foi demais para ele. A insônia poderia piorar. Em Middleburg, fazíamos patrulhas ao redor da propriedade, à noite. Não havia luzes da rua, apenas as luzes das casas.

Sua casa e a nossa casa eram praticamente as únicas na área imediata, por isso estava geralmente tudo escuro. Esta noite em particular, eu estava em patrulha em torno das 02:30hs. Era quase uma lua cheia, então não havia mais luz do que o habitual. Eu estava dirigindo em torno da propriedade e vi alguém andando.

Eu não poderia dizer quem era, em um primeiro momento. Ele usava uma jaqueta verde com um capuz e pijama por baixo. Eu estava pensando que talvez fosse um vizinho, alguém que vive na área.

Eu dirigi atrás dele por um minuto, em seguida, me coloquei atrás dele. Ele sequer se virou. Ele continuou andando com as mãos nos bolsos.

Então eu parei ao lado dele e disse, ''Olá?"

O sujeito olhou para cima, por debaixo do capuz, e vi que era o chefe. Fiquei surpreso. Eu disse, ''Ei, Sr. Jackson? Tudo bem?"

"Sim, Bill."

Eu disse, "Quer uma carona?"

"Não, Bill," disse ele. "Isso é bom para mim."

Eu não tinha certeza do que fazer. Fiquei surpreso, sem dúvida. Mas ele estava agindo normalmente, então eu pensei que era bom. Eu disse, "Muito bem, senhor. Boa noite."

Eu apaguei a luz e caí para trás e olhei para ele, fiquei observando até que ele voltasse para casa.''

Javon: ''Ele sempre nos dizia, ''Vocês não sabem a sorte que têm" ... ou "Vocês não sabem tudo de bom que vocês têm".

No início, quando eu ouvi dizer assim, eu pensei... ''Hein? Você é Michael Jackson''. Mas eventualmente, nós percebemos sobre o que ele estava falando.''

Extraído do livro Remember The Time: Protecting Michael Jackson in His Finals Days escrito por Bill Whitfield e Javon Beard - ex-guarda-costas de Michael Jackson.

Fonte: http://mjhideout.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...