O legado político e social de Michael Jackson


''A mensagem das músicas de Michael Jackson, falando de igualdade social e política entre as raças em todo o mundo, influenciou o pensamento político e social de muitos ao redor do globo, com uma ideologia liberal de progresso, mudança, emancipação humana e igualdade.

Significativamente, durante o auge da Guerra Fria, sua canção We Are The World era popular na Europa Oriental e na União Soviética, sem contar a popularidade de seu álbum Thriller entre os jovens desses países.

Dado o seu talento e gênio criativo, por isso, não é realmente nenhuma surpresa que a música de Michael vibre em lugares tão distantes como Kohima ou Dimapur em Nagaland, da Índia a Alice Springs, no coração da Austrália para Addis Ababa, na África e para as ruas de New York.

Assim, à luz da imortalidade da música do homem, sua passagem em 25 de Junho de 2009 deixou o mundo com um vazio físico, uma vez que não pôde realizar seus últimos shows This Is It, previstos para Julho de 2009 a Março de 2010.

Michael Jackson, o homem, foi finalmente sepultado em 04 de Setembro de 2009 [quase dois meses depois de sua morte] entre os grandes nomes do Hollywood, como Clark Gable, Jean Harlow, WC Fields e Red Skelton em Forest Lawn, Glendale, Califórnia, em um mausoléu oculto feito de mármore e argamassa.

Enquanto lamentamos por não vê-lo realizar seus shows mágicos pela última vez, com o benefício da retrospectiva pode-se argumentar que ele tenha sido, talvez, destinado a ser assim... seu súbito falecimento deixou o mundo com o desejo de praticar ardentemente o que ele acreditava em sua vida: a ordem mundial de paz, assentada na igualdade humana.

Enquanto controvérsias devastavam este músico brilhante e excepcionalmente talentoso nos últimos anos de sua vida, o ponto de inflexão que foi o caso de abuso infantil - do qual ele foi finalmente absolvido em 2005 - o mundo em geral, talvez, irá se lembrar de Michael como um homem e um músico que inspirou, seduziu, iluminou e provocou a muitos de nós a repensar nossas noções políticas e sociais a respeito de raça, cor, pobreza, política das nações, os mais desfavorecidos e sobre a saúde de nosso próprio planeta, através de canções como Man in the Mirror [1988] Heal the World [1991] Earth Song [1996] e Black or White [1991].

A última canção pede ao mundo para lutar contra as discriminações com base na raça e cor corajosamente retrata as pessoas de todos os países em pé de igualdade, seja na Índia, nos EUA, Quênia, Etiópia, China ou na França em seu vídeo com uma noção comum da humanidade: o progresso do pensamento e do espírito humano.

Que ele acreditava firmemente nas letras e no tenor dessas canções era mais do que evidente em seus shows onde, apesar de ser tão perfeccionista em relação a questões de estilo artístico e dança, Michael apaixonadamente solicitava diretamente ao seu público para "fazer essa mudança" e ajudar a sustentar os indigentes e os menos privilegiados do que eles.


O compromisso de Michael Jackson com a causa dos afro-americanos nos EUA, a pobreza no mundo em desenvolvimento, sua angústia em relação aos campos de morte da África, na natureza da violência e a capacidade destrutiva de armas foram surpreendentes, para dizer o mínimo.

Em Earth Song ele cantou:

O que fizemos para o mundo / Olhe o que temos feito / E quanto à toda a paz / Que você prometeu ao seu único filho / ... E sobre a floração nos campos / Existe um tempo, que sobre todos os sonhos .... Você já parou para notar todas as crianças a partir dos mortos na guerra / Você já parou para notar a Terra chorando, às margens chorando...

Em 1985, juntamente com o colega artista Lionel Richie, Michael compôs a música We Are The World para lidar com o desespero sem limites, conflitos e pobreza na África.

A canção se tornou um dos singles mais vendidos de todos os tempos, com quase 20 milhões de cópias vendidas e milhões de dólares doados para o alívio da fome na África.

Depois, Michael depois doou todos os lucros de seu single Man in the Mirror para a caridade e passou a formar a Fundação Heal the World em 1992.

Ele também abordou a questão do HIV/AIDS e sua canção Gone Too Soon foi uma resposta sincera e pungente à morte de adolescente americano Ryan White devido ao HIV/AIDS.

De fato, não é uma surpresa que o homem que viveu para o seu público, volte agora à sua memória após a sua passagem, enquanto milhões em todo o mundo baixam suas músicas a partir da Internet desde 25 de Junho de 2009.

Ironicamente, o seu próprio país - os EUA - não foi muito legal com ele desde o final dos anos 1990 -2000 devido às acusações de assédios da criança e as enormes dívidas financeiras que incorreram.

Na verdade, não houve grandes mostras dadas para Michael nos EUA desde a década de 1990 e seus 50 concertos da série This Is It, que foram planejados a partir de Julho de 2009 a Março de 2010, a se realizar fora dos EUA.

A popularidade de Michael fora dos EUA era tal que pela demanda popular, tiveram que aumentar seus iniciais 10 shows para 50, shows que nunca se concretizaram, como sabemos.

Em uma conferência de imprensa em Março de 2009 em Londres, Michael Jackson falou com bastante carinho, mas com firmeza declarou a seus fãs que This Is It seria a última vez que ele iria se apresentar no palco, lembrando-lhes que a cortina teria que descer em suas performances musicais, que seus fãs teriam que aprender a viver uma vida pós-Michael Jackson. 

Uma declaração um tanto profética do cantor, feita dois meses antes dele partir para sempre.

Há muitas maneiras pelas quais o legado de Michael Jackson pode ser lembrado: como o primeiro artista pop afro-americano com fama vertiginosa no mundo; como um gênio criativo, cuja música e dança são incomparáveis: pelo seu Moonwalk, que estreou na show da Motown em 1983; sendo imitado por jovens e idosos em todo o mundo, desde as favelas de Mumbai até o canto mais remoto das Américas e da África; ou como o artista que criou o álbum perfeito de todos os tempos: Thriller.''

*Texto extraído da publicação Political and Social Legacy of Michael Jackson da Dra. Namrata Goswami.


*Mestre em Política e Administração pela Universidade de Pune [Índia] e Doutora pela Universidade Jawaharlal Nehru [Índia], também professora visitante no Instituto Sul da Ásia, da Universidade de Heidelberg [Alemanha] o La Trobe University, Melbourne [Austrália] e do Instituto Internacional de Pesquisa da Paz, em Oslo [Noruega].

Fontes:
http://www.mainstreamweekly.net
http://www.idsa.in/profile/ngoswami


17 comentários:

  1. Lindo, sincero e comovente! Mais uma vez fiquei muito emocionada.
    Acho que foi uma das descrições mais completa que eu já li sobre ele. Ela foi simples e objetiva, se eu tivesse a oportunidade, bateria palmas de pé para ela!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bacana de saber que foi escrito por alguém que não é um fã convencional, mas por alguém que observa a sociedade e a política e reconhece a influência positiva de MJ.

      Excluir
  2. Olá Rosane!
    Michael sempre cantou sobre amor e caridade em sua músicas, em como poderiamos fazer a diferença e mudar o mundo. É muito triste a forma como Michael foi menosprezado nos EUA.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia Lais! Os E.U.A. realmente não mereceram que Michael tivesse nascido em seu país. A ingratidão rolou geral.

      Excluir
  3. Amei também. Perfeito! ♥

    Ninguém tira o legado, o talento, a honra, o caráter e a dignidade do nosso anjo.

    O bem e a verdade sempre prevalecem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ♥ Lindas palavras, amiga. Perfeito. ♥

      Excluir
  4. O que os EUA fizeram a Michael em termos de indiferença foi inadmissível, mas o troco dado por outros povos em todo o mundo,foi grandioso: Michael brilha como o sol de verão, acalma como a lua cheia, cintila como um céu estrelado, derrama na humanidade tanto amor e paz porque aprendeu de Jesus que é disso que a humanidade precisa e ainda assim Ele não agradou a todos, não é mesmo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc tem alma de poetisa, Mari *--*

      Excluir
  5. Quem não se torna um(a) em se tratando de ser justo(a) com o nosso anjo, hein Ro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, e um dia eu vou publicar teu depoimento de fã aqui.

      Excluir
  6. Eu morro de vergonha, Rosane, juro. Sem contar com os deslizes que, às vezes, eu cometo e só vejo depois de publicado,rs; porém, me orgulho e muito de ser fã assumida de Michael, mesmo quando algum abusado me zoa. Fico uma fera´, mas não demonstro. Vc. deve saber como é isso, se for uma pessoa educada, eu converso
    mostrando o ser humano que ele foi e tudo o que ele fez, caso contrário, procuro sair sutilmente, me roendo por dentro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E vc acha que eu sou expansiva? Nem um pouco! Na verdade, pessoalmente, eu sou tão tímida quanto Michael.

      Excluir
    2. ...então, eu compreendo vc!

      Excluir
  7. Awn*........* ai gente chorei aqui, que texto maravilhoso. Concordo muitão com tudo que foi abordado nesse artigo sensacional!!!!
    Michael Jackson sinônimo de puro amor e esperança pro mundo, seu legado viverá pra sempre....
    Michael saudades eternas, love eternal for you :"(

    ResponderExcluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

*Bem-vindos, Moonwalkers! Os comentários são moderados e estarão visíveis tão logo eu esteja on-line. [Rosane, admin. do blog]

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...