Remember The Time: Protecting Michael Jackson


Bill: ''Ele [Michael] não confiava nos estranhos. Sempre que ele era pego em uma multidão, ele ficava verdadeiramente frenético e nervoso. Estávamos em um shopping center na Virginia uma tarde. Javon tinha ido para pegar o carro. Eu estava esperando com o Sr. Jackson pela saída com o segurança do shopping.

Alguém o havia reconhecido e uma pequena multidão havia se formado. Ele estava assinando alguns autógrafos, acenando para as pessoas. Era uma situação amigável, não uma multidão ou qualquer coisa.

Enquanto Javon parou e abriu a porta para o Sr. Jackson, esse cara na parte de trás da multidão gritou:

"F***** molestador de criança!"

Eu ouvi claro como o dia. Olhei para Javon; ele tinha ouvido isso também. Nós oramos para que o Sr. Jackson não tivesse ouvido. Mas depois que entramos no carro e nos afastamos um pouco, ele se inclinou para a frente e disse: "Gente, vocês ouviram alguém dizer algo lá atrás?"

"Não, senhor", eu disse. "Eu não ouvi nada. Você ouviu algo, Javon?"

Javon balançou a cabeça. "Não, senhor."

Jackson disse: "Eu pensei que eu ouvi alguém dizer algo muito mau. Eu poderia jurar. Vocês não estão mentindo para mim, estão?"

"Não, senhor."

Nós não queríamos mentir para ele mas sabíamos o que aconteceria se nós confirmássemos. Ouvir alguém o chamar de molestador de criança? Isso o derrubaria completamente. Ele fecharia a porta e desapareceria em seu quarto por pelo menos uma semana e nós não queríamos que isso acontecesse.

Nós dirigimos com ninguém dizendo nada pelos próximos dez, quinze minutos e em seguida, do banco de trás ele disse:

"Eu nunca machucaria uma criança. Eu cortaria meus pulsos antes que eu machucasse uma criança."

Para mim, eu nunca acreditei em nada disso sobre ele. Como um fã de longa data do Jackson 5 e dele, eu simplesmente não acreditava nisso. Crescendo, eu me relacionei com aquela família. Seus irmãos, seu pai, eram muito semelhantes sobre como era a minha familia.

Eles apenas pareciam ser a típica família negra que havia saído do gueto, que é o que todos nós estávamos tentando fazer naquela época. Eu acho que um monte de famílias negras sentiram-se assim sobre os Jackson. Nos identificávamos com eles.

Isso começou a mudar um pouco depois de Thriller. Você ainda amava Michael mas ele estava em um nível agora onde você não poderia identificar-se tanto com ele. Você começava a vê-lo fazer todas essas coisas.

Coisas exóticas. Ele estava saindo com Webster. Ele estava saindo com Brooke Shields. O cara tem um macaco. Você sabia que ele era diferente, mas eu nunca pensei que ele era diferente de uma forma que ele faria qualquer coisa como machucar uma criança.

Eu nunca acreditei desde na primeira vez. Eu não acreditei depois. Mas na época da segunda acusação e quando o julgamento chegou? Não importava mais no que você acreditasse. No tribunal da opinião pública já estava decidido. Ele era visto como uma aberração, um esquisito.''

Javon: ''Se você fosse um comediante iniciante e precisasse de algum material fácil, você mencionava o nome do Sr. Jackson e as crianças pequenas e você conseguiriam as cinco primeiras linhas para rir, com certeza. As pessoas não percebiam o quão sensível ele era sobre esse tipo de coisa.

Crescendo em South Central, eu teria rido daquelas piadas igual a todos. Eu não fazia parte da mesma geração de Bill, onde as pessoas tinham mais reverência para com os Jacksons. Eu era mais da geração hip-hop.

Nós amávamos a música de Jackson, mas só o conhecíamos como esta estrela do rock excêntrico. Você amava suas canções, mas você daria risada quando se tratasse de sua vida pessoal.

Mas agora? Ao ouvir comediantes falar sobre o chefe, não era mais engraçado. Me deixava com raiva. Era como se alguém fizesse piadas sobre seu amigo ou sua mãe.''

Bill: ''Javon rapidamente ficava com raiva, rapidamente queria atacar. Nós pegamos um clipe de Katt Williams tirando sarro do Sr. Jackson uma vez e Javon começou a gritar para a TV.

Ele disse: "Se eu vir Katt Williams, eu vou arrebentar a sua boca por falar merda sobre o chefe."

E esse dia no shopping na Virgínia, quando o cara gritou "molestador de criança"? A segunda coisa aconteceu, Javon estava no meu ouvido, no rádio.

"Eu posso ver o cara que disse isso. Eu o vejo. Você quer que eu o pegue?"

Eu tive que dizer: "Não, Javon."

Ele estava falando sério. E era frustrante. Essa percepção de que as pessoas tinham dele era algo além do nosso controle. É como ''Friend'' e ''Flower'' [ mulheres com as quais Jackson teve relacionamento].

Com qualquer outra pessoa, se você ouvisse histórias sobre um cara tentando entrar nos hotéis com modelos européias ''quentes'' você não teria sequer perguntar do que se tratava. Mas porque é Michael Jackson, as pessoas ainda querem acreditar que seja algo estranho.

Mas isso não é o que eu vi. O que eu vi foi que sob todo o comportamento excêntrico havia um cara normal desesperado para sair e ser um cara normal. Uma vez que você estivesse ao seu redor em um nível pessoal, você perceberia que todos esses rumores e alegações eram simplesmente impossíveis.

Como pai, se eu tivesse pensado que ele tinha feito algo prejudicial a uma criança, eu mesmo teria chutado o seu traseiro.''

Javon: ''Sua perspectiva mudava completamente uma vez que o conhecesse de perto. Era a mesma coisa com o seu relacionamento com os seus próprios filhos. A pergunta que sempre recebo é: "Blanket se parece mais com ele do que Prince e Paris. Você acha que eles são todos dele?''

E quando começamos a trabalhar lá, nós nos perguntávamos uma porção das mesmas perguntas. "Qual é o problema? São aqueles realmente seus filhos?"

Mas uma vez que você passasse um tempo com eles e você visse o jeito que ele estava com eles, você simplesmente parava de pensar nisso. Aqueles eram seus filhos. Ele era o seu pai. Eles eram uma família, fim da história.''

Bill: ''Todos os dias, em todo o mundo, casais usam mães de aluguel, doadores de óvulos, embriões congelados. As pessoas usam todos os recursos para formar famílias e ninguém questiona a legitimidade dessas famílias. Ninguém aponta o dedo para as famílias e diz: "Aqueles não são realmente seus filhos."

Mas com Michael Jackson as pessoas questionavam seu direito até mesmo para ser um pai. Mas a partir de tudo o que vi, eles eram uma família melhor, mais amorosa do que um grande número de famílias que já vi. Não há realmente nada a dizer.

Em um dos finais de semana no qual nós levamos as crianças para DC, nós decidimos passar a noite no Four Seasons em vez de dirigir de volta para Middleburg.

Sr. Jackson me ligou e disse que as crianças queriam ir na piscina. Então entrei em contato com a gerência e eles concordaram em fechar a piscina por algumas horas para que o Sr. Jackson pudesse usá-la.

Seguindo o protocolo, fizemos uma varredura para verificar se a área estava segura. Havia três câmeras de segurança do hotel ao redor da piscina. Fomos atrás e fizemos com que todas elas fossem desligadas e desconectadas.

Então nós escoltamos o Sr. Jackson e os pequenos a partir de seu quarto e os levamos para baixo passando por uma escada. As crianças tinham seus trajes de banho, chinelos e acessórios para flutuar. Grace estava com a gente também.

Chegamos à piscina. Prince e Paris pularam; eles sabiam nadar. Blanket estava esperando por Grace para preparar suas bóias para que ele pudesse entrar também.

Enquanto as crianças nadavam, Sr. Jackson estava andando por aí. Ele estava cantando, perdido em uma música em sua cabeça. Havia algo nele que parecia um pouco estranho. Ele parecia um pouco mais animado do que o normal, um pouco mais otimista. Ele começou a cantar baixo, apenas cantarolando um pouco.

Então ele estava fazendo um pouco de percussão e cantando mais alto. Olhei para Javon. Javon olhou para mim. Nós achamos que ele estava em sua zona de conforto e fazia sua coisa.

Fui fazer uma passagem pelo vestiário e sala de ginástica só para ter certeza que eles ainda estavam vazios e ninguém tinha acidentalmente entrado.''

Javon: ''Tudo estava bem até que de repente o Sr. Jackson olhou para cima e viu uma dessas câmeras de segurança. Ele perdeu completamente sua mente. Ele começou a gritar. "Eu disse a vocês sobre isso! P****, eu te disse!"

Foi como se algo dentro dele explodisse. Ele correu para a câmera e ele saltou e a agarrou e começou a puxá-la, como se ele estivesse tentando arrancar a coisa para baixo.''

Bill: ''Eu ouvi Grace gritando, "Bill! Bill!" E eu vim correndo pelos cantos, Sr. Jackson estava literalmente ao meio da parede, pendurado naquela câmera, empurrando-a e puxando-a.

Corri em direção a ele gritando: "Sr. Jackson! Éstá desligada! Não está ligada! Ele não funciona!"

"Eu não me importo! Eu não me importo!"

Ele tinha soltado o suporte e aquela câmera ficou pendurada apenas por alguns fios e ele saltou mais uma vez e deu-lhe mais uns puxões e ele rasgou a coisa toda para a direita para fora da parede.

Apenas rasgou-a com as próprias mãos e em seguida, pegou-a e atirou-a para baixo e esmagou-a no chão. Ele estava gritando com ela [a cãmera] gritando: "Eu te odeio! Te odeio!"

Eu corri até ele. Ele olhou para mim. Seus olhos estavam vermelhos de sangue. Havia sangue em suas mãos, cortes profundos em seus dedos, onde esses fios de metal tinha cortado ele.

Ele começou a gritar comigo. "Vocês rapazes tem que prestar atenção para isso! Vocês tem que tomar cuidado com isso! Estes são os meus filhos! Eu não quero as pessoas tirando fotos de meus filhos!"

Javon: ''Todo mundo ficou quieto e calado. Ficamos sem palavras. Nós não sabíamos o que fazer, como reagir, como lidar com isso. Ele finalmente se acalmou e decidiu ficar na piscina. Bill foi e trouxe o kit de primeiros socorros para baixo para obter uma gaze e peróxido e um Band-Aid para sua mão. O hotel acabou cobrando oito mil dólares pela câmera.

Nós nos sentíamos mal em momentos como aquele. Nós realmente nos sentíamos mal a maior parte do tempo. Porque era o nosso trabalho protegê-lo, mas não poderíamos protegê-lo das coisas que já tinham acontecido, as coisas que já tinham machucado a ele.''

Bill: ''Houve uma noite em que ele me ligou enquanto estávamos na Virgínia. No início da noite, ele me pediu para lhe trazer uma garrafa de vinho. Eu trouxe-a para o seu quarto e que foi praticamente a última coisa que eu fiz para ele antes de sair.

Então por volta das três da manhã, meu telefone tocou. Era o número do quarto de Jackson no identificador de chamadas. Eu respondi, pensando que poderia haver algum tipo de emergência.

Ele disse: "Bill, você está dormindo? Eu espero que eu não tenha lhe acordado.''

"Eu estou bem, senhor. Está tudo bem?"

Ele disse que estava ligando para conversar, então nós conversamos. Sobre os filhos, sobre Raymone.

Ele disse: "Às vezes eu fico de saco cheio."

"Sobre o quê, senhor?"

"Tudo isso", disse ele.

Parecia que ele estava tentando não chorar, como se estivesse sufocando as lágrimas.

"Por que as pessoas não me deixam em paz? Eu não sou um número de circo. Eu não sou um animal no zoológico. Eu só quero ser deixado em paz. Por que as pessoas não conseguem entender isso?"

Não foi realmente uma conversa de ambos os lados. Ele falava. Eu escutava. Um monte de coisas que ele estava dizendo, eu realmente não tinha uma resposta.

Eu nunca tinha lidado com a maioria das coisas que ele estava lidando, então eu não ia sentar lá no telefone e fingir que eu poderia me relacionar com ele nesse nível. E eu sabia que ele não estava realmente me chamando para saber os meus pensamentos e opiniões sobre nada disso. Ele estava ligando para desabafar.

"Eu só quero que meus filhos tenham uma vida melhor do que eu", disse ele. "Eu nunca quero que eles passem por aquilo que eu tive que passar. Como é que vocês se sentiria se seus filhos lhe pedissem alguma coisa e você tivesse que enviar alguém para buscá-la? Eu aprecio o que vocês fazem pelos meus filhos, mas eu sou seu pai. Eu devo ser o único a fazer essas coisas, mas eu não posso simplesmente entrar no carro e ir embora. Há tantas coisas que eu não posso fazer por eles, porque as pessoas lá fora não me deixam. Você não tem idéia de como é se sentir [a respeito disso]. Você realmente não sabe. Eu só quero viver a minha vida com meus filhos."

Eu disse: "Eu compreendo, senhor. O senhor merece isso."


Ainda me lembro de estar lá no meu quarto, olhando para mim mesmo no espelho e realmente não acreditando que aquilo estava acontecendo, que eu estava ouvindo Michael Jackson desabafar comigo no telefone.

Foi difícil para segurar minhas emoções. Foi uma coisa boa que eu estava no telefone, caso contrário ele teria visto o seu segurança de ter um momento de fraqueza.

Eu estava sentindo o peso de tudo o que ele estava passando. Por esse ponto, protegê-lo tinha se tornado a minha vida. Eu não estava em Virginia porque eu queria estar na Virgínia. Eu estava lá porque ele estava lá. Se ele quisesse ir para Maryland amanhã, íamos para Maryland amanhã. Eu iria para onde ele iria.

Sua realidade tornou-se a minha realidade. E eu não posso dizer que foi um passeio agradável, a sua vida. Não era divertido. Tivemos momentos de diversão, mas não era divertido. Não era alegre. Havia um monte de confusão, um monte de cabo-de-guerra. A ansiedade constante. Nunca sabendo em quem confiar.

O fato de que ele estava chamando o seu segurança às três da manhã diz muito sobre ele. Se ele estava me chamando então ele realmente não tinha mais ninguém para chamar.

Javon e eu sentimos isso também: o isolamento. Ele e eu poderíamos, pelo menos, falar um com o outro, partilhar as nossas frustrações. Mas não podíamos falar com nossas famílias, aos nossos amigos. Tivemos que dar desculpas sobre por que não estávamos sendo pagos.

Tudo tinha que ser guardado, mantido em segredo. Você leva essas coisas ao redor dentro de você e ela te devora.

Então quando ele estava falando sobre como ele estava de saco cheio, eu entendi de onde ele estava vindo. Eu só tinha vivido assim durante sete, oito meses e já estava me cansando. Ele vinha fazendo isso desde que ele tinha dez anos.

Conversamos um pouco mais. Ele continuou pedindo desculpas por ter me chamado. Ele disse: "Eu não quero incomodá-lo com isso, Bill. Sinto muito. Eu realmente sinto muito."

"Está tudo bem, senhor."

"Obrigado. Eu vou dormir agora. Boa noite."

Extraído do livro Remember The Time: Protecting Michael Jackson in His Finals Days escrito por Bill Whitfield e Javon Beard - ex-guarda-costas de Michael Jackson.

Fonte: http://10eveningflowers.wordpress.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...