Phil Dusenberry

Em uma cena do comercial Pepsi: The Street
Phil Dusenberry, então alto executivo da agência de publicidade BBDO relembra o encontro com Michael pela primeira vez para discutir os anúncios da Pepsi em seu livro Then We Set His Hair On Fire [título alterado posteriormente].

''Alan Pottasch da Pepsi e eu encontramos Michael em Encino na Califórnia, em sua casa. Michael estava esperando por nós com seu pai Joe e seu advogado. Nós nos reunimos para acertar os detalhes que surgem em qualquer produção elaborada.

À medida que nos estabelecemos em uma agradável confirmação do que tínhamos acordado, Michael disse em seu tom soprano familiar, "Eu só tenho três coisas a dizer. Um, eu não gosto dos storyboards. Dois, eu não gosto da música. Três, você não pode mostrar o meu rosto.''

Um silêncio constrangedor se seguiu. É uma homenagem à minha vitalidade cardiopulmonar que eu continuava respirando. Sabíamos que as questões da música e do storyboard poderiam ser discutidas. Mas não mostrar o rosto de Michael nos quebrava. 

Finalmente, Michael explicou-se. "Eu odeio me ver na televisão. Que tal mostrar apenas a minha luva? E os meus sapatos e óculos de sol."

A partir desse momento, cada instante na tela do tempo no semblante de Michael foi uma grande negociação. Se você tivesse um cronômetro, você veria que terminou com cerca de quatro segundos.

Quanto à música, ele disse: "Por que você não pega uma das minhas canções? Por que não usar Billie Jean?"

"Isso é ótimo, Michael", eu disse. "Mas e quanto às letras?"

"Nós vamos fazê-las letras da Pepsi", disse ele. "Por que não podemos trabalhar nelas juntos?''

De repente me senti como [ganhando] US $ 5 milhões.

Mas ele ainda não tinha assinado sobre o storyboard [a versão em desenhos do roteiro de um filme - nota do blog]. Então eu decidi representá-las e deixar Michael preencher os espaços em branco com sua própria considerável imaginação coreográfica. Ele ouviu e assistiu com notável paciência. "Oooh, isso é ótimo. Vai ganhar todos os prêmios no livro. "

Com música e conceitos agora resolvidos, tudo o que restava era a própria filmagem. Fácil.

O que se dissipou no primeiro dia das filmagens. Michael se recusou a tirar os óculos escuros.

Eu disse: "Nós não estamos filmando para o Foster Grant [famosa marca de óculos - nota do blog]. Se ele não tirar os óculos de sol, teremos que interromper.''

Michael insistiu. Eu persisti. Vai e volta. Segundos antes do prazo final, tivemos a palavra de que ele iria tirá-los.

Os próximos três dias se passaram sem problemas. Estávamos no Shrine Auditorium em Hollywood no nosso último dia de filmagens. Michael e seus irmãos, o Jackson Five, estavam prontos para invadir o palco. 

Cinco mil estridentes contorcendo-se, as crianças estavam na plateia enquanto nos preparávamos para filmar as imagens do show com dança, luzes e fogos de artifício. As crianças cumprimentaram Michael com adulação tumultuada. Michael mandou beijos para seus fãs. E então o seu cabelo ficou em chamas...''

[Phil Dusenberry segue descrevendo a respeito do acidente, desnecessário revivermos aqueles momentos de tanta aflição para Michael, seus fãs e amigos.]

Fonte: http://tally777.tumblr.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...