Remember The Time: Protecting Michael Jackson


Bill: ''Eu levei um par de horas e eu fui para casa e vi a minha filha. Eu tive que dizer a ela o que estava acontecendo. Ela sabia que eu tinha trabalhado para um monte de celebridades, mas Michael Jackson?

Eu disse a ela e ela olhou para mim e disse: "Você está mentindo, pai."

Eu não tinha como provar isso para ela, também. Não estive a tirar fotos com Michael Jackson e seus filhos. Mas eu tive que convencê-la. Não eram apenas os feriados, o seu aniversário estava chegando, também.

A Véspera de Ano Novo é o aniversário dela e eu tive que dizer a ela que eu iria trabalhar na Véspera de Natal, dia de Natal e seu aniversário. Como um pai solteiro, acredite em mim, não me deixava viver isso. Ela começou a chorar na minha frente.

Essa foi a única vez que eu parei para pensar se eu deveria aceitar o emprego ou não. Eu estava em conflito. Por um lado, eu tinha a minha família. Mas, por outro, é difícil de explicar. Eu apenas senti este cabo de guerra, esta obrigação. Ali estava aquele homem e sua família naquela situação estranha e ninguém para olhar por eles. Eu tinha que ver no que isso iria dar.

Eu discuti as coisas com a minha filha, tomei banho, comi alguma coisa e voltei naquela noite. Havia uma família com a qual Sr. Jackson era amigável - os Cascio - uma família italiana de Nova Jersey. Tinha sido seu amigo. Um de seus filhos, ''Angel'', estava em Las Vegas de férias e ele apareceu para visitar na véspera de Natal. 

Uma vez que Angel estava lá, Sr. Jackson decidiu que queria ir para a FAO Schwarz no Forum Shops, dentro do Caesars Palace. Ele queria fazer alguma compras de última hora para o Natal.

Essa foi a primeira vez que ele tentou sair. Tomamos todas as precauções que deveríamos tomar. Ainda era uma bagunça. Jeff e eu passamos a manhã fazendo a rota desde a casa até o shopping, a topografia do estacionamento para um acesso mais seguro dentro e fora da loja. Fizemos acordos com a segurança do shopping para deixá-los saber em que direção estaríamos chegando. 

Nós não lhes dissemos que era Michael Jackson. Nós nunca fazíamos isso. Nós sempre dissemos "dignitário de alto perfil" para que eles soubessem que deveriam estar preparados e não deixassem vazar todas as informações para a imprensa. 

Nós contratamos três SUVs no mesmo serviço de carros que usamos no aeroporto. Pegamos o Sr. Jackson, Feldman, Angel e as crianças e depois fomos para a loja, através da garagem e, em seguida, pela porta dos fundos da Galerie Lassen - esta loja vende muitas pinturas caras. Nos encontramos com a segurança do shopping e, em seguida, decidimos separar as crianças de seu pai.

Jeff e Angel pegaram Paris, Prince e Blanket para que eles pudessem ir às compras sozinhos. Feldman e eu ficamos com Sr. Jackson. Demos-lhes cinco minutos para sair na nossa frente, então fomos para o shopping.

Nós não tínhamos posto os pés dentro, talvez um minuto, quando alguém o viu e gritou: "Michael Jackson... é Michael Jackson!"

As pessoas pararam e olharam. Sr. Jackson estava dizendo ''Olá'' e apertando as mãos das pessoas. Elas estavam gritando, "Nós te amamos, Michael!"

Sr. Jackson disse: "Eu lhes amo mais. Obrigado, Deus te abençoe!"

Ele estava prestes a chorar, realmente tocado por todo esse amor que ele sentia lhe acercar.

Foi um pouco difícil no começo. Naquela época, ninguém sabia que ele estava de volta no país, de modo que o impacto de vê-lo foi muito maior. As pessoas começaram a cercá-lo, querendo tocá-lo. As pessoas estavam gritando, seus rostos tinham uma emoção apaixonada. Em questão de segundos,tudo se tornou uma loucura completa e absoluta. 

Eu estive em algumas situações delicadas com celebridades antes, mas isso eu não tinha experimentado na minha vida. Estar no meio desse tipo de ataque, as pessoas te cercam por todos os lados, é assustador. Há muito poucas coisas que você pode fazer para controlar a situação; a única resposta racional é sair o mais rápido possível. 

Quase tão logo como começou, Sr. Jackson virou-se para mim e disse: "Nós temos que ir antes que alguém se machuque." Contatamos pelo rádio com a outra equipe para levar as crianças ao estacionamento. 

A segurança do shopping e a polícia em Las Vegas ajudaram a descongestionar o caminho de volta para os veículos. Em seguida, fomos todos para casa.''

Extraído do livro Remember The Time: Protecting Michael Jackson in His Finals Days escrito por Bill Whitfield e Javon Beard - ex-guarda-costas de Michael Jackson.

Fonte: http://mjhideout.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...