Um texto do jornalista Charles Thomson

World Music Awards 2006

''Conjurando um coro de vaias - A verdade sobre 
o retorno de Michael Jackson ao Reino Unido''

''Sinto-me compelido a escrever neste blog hoje, porque quando eu me sento aqui na frente do meu computador, completa sete anos hoje que eu experimentei uma espécie de epifania sobre a cobertura de Michael Jackson da mídia.

Eu tinha seguido o julgamento dele com muito cuidado, claro, comparando transcrições do tribunal à cobertura da mídia e ficava angustiado com o relato terrivelmente tendencioso.

Mas essas reportagens eram frequentemente, pelo menos, enraizadas na realidade. Jornalistas iriam deturpar testemunhos genuínos, na maioria dos casos simplesmente “mentindo” por omissão.

O que aconteceu há sete anos foi diferente. Eu testemunhei em primeira mão, a construção de uma história puramente inventada, uma que disparou em todo o mundo, mais uma vez fazendo de Michael Jackson um montante global de ridículo, e tornou-se imediatamente aceito como "fato".

Para este dia, eu li relatos da imprensa ocasionais que mencionam esse evento fabricado como se fosse uma verdade objetiva. Ele sequer foi listado como um evento significativo na carreira em biografias de Jackson.

Testemunhar a criação do mito foi uma experiência que ficou comigo, desde então. Para um estudante de jornalismo entusiasmado, foi uma visão chocante e triste das mais sinistras maquinações da mídia.

Em 15 de novembro de 2006, Michael Jackson participou do World Music Awards em Earls Court Arena, em Londres. Foi a primeira aparição oficial dele na capital desde que foi absolvido, em junho de 2005, e eu tive a sorte de estar lá.

Alguns fãs ficaram na fila durante todo o dia para garantir posições privilegiadas na frente do palco, mas eu tive que ir para a universidade e, em seguida, viajar para Londres à noite.

No entanto, meus amigos e eu facilmente conseguimos um ponto contra a barreira de frente, ao lado, logo ao lado do deck de mixagem. Passamos parte da noite conversando com a equipe de som e segurança, que nos avisou que eles estavam ensaiando e ouviram Jackson ensaiando “aquela música sobre salvar o mundo”. Nós até mesmo encontramos Katie Melua.

Parecia que todo mundo estava lá para ver Michael Jackson. Em qualquer lacuna na cerimônia, gritos do nome dele iriam irromper em torno da arena. Outros artistas na lista incluíam Enya, Beyoncé e Andrea Bocelli, mas a maioria recebeu respostas mornas e as performances eram frequentemente finalizadas por cada vez gritos mais altos de “Michael! Michael! Michael!”.

A noite foi atormentada por atrasos. Lindsay Lohan, anfitriã, afofou quase todas as linhas que ela falava e teve que gravar todos os links dela várias vezes. A transição entre os atos foi lenta. Em um ponto, houve uma meia hora ou mais de apenas nada: um palco vazio.

Quando Michael Jackson finalmente aparece para recolher um Diamond Award por mais de 100 milhões de álbuns vendidos, o lugar explodiu.

Eu vi Paul McCartney. Eu vi Madonna. Eu vi o Prince. Eu vi George Michael. Eu nunca na minha vida, antes ou depois, nunca testemunhei qualquer artista provocar a resposta que Michael Jackson provocou naquela noite. Ele recebeu a mais duradoura e estrondosa recepção que eu já vi.


Ele permaneceu no palco por alguns minutos para fazer dois discursos curtos – um pelo Diamond Award e um pela apresentação do Guinness World Record. Na duração dos discursos dele, eu quase não ouvi uma palavra que ele disse, apesar do sistema de som crescendo.

A maioria dos artistas recebe uma grande ovação quando anda no palco, em seguida, o público se acalma. Michael Jackson provocou histeria. Gritos e choros. Não se fez calmaria uma vez, a partir do momento em que ele apareceu no balcão até o momento que ele desapareceu nos bastidores de novo. Foi uma visão inesquecível.

Ele emergiu novamente, mais tarde, para um breve desempenho. Ele entrou no palco para outra recepção ruidosa como o single humanitário recordista dele, We Are The World, sendo tocada no sistema de alto-falante. Ele cantou algumas linhas e parecia olhar suplicante para a mesa de mixagem.

Minha suspeita é que os fãs estavam fazendo tanto barulho que ele não podia ouvir a si mesmo. Era como um dos shows dele desde os anos 80. Eu vi corpos retirados da multidão e sendo levados para longe em cadeiras de rodas.

Poucos minutos depois, o pessoal do som estranhamente desligou a música, assim que ele começou a cantar novamente. Não importa. O local ficou ainda mais louco. Foi um momento emocional, vendo-o receber uma recepção tão arrebatadora após os eventos do verão anterior.

Depois de ficar por um tempo na passarela que se projetava para fora do palco no meio da multidão, ele começou a sair, mas como a excitação crescendo – o público não queria perdê-lo de vista tão rapidamente – ele parou e se virou.

Brincando, ele levantou um dedo aos lábios como para fazer a pergunta: "Devo ficar ou devo ir?” Os gritos se intensificaram.

Ele ficou por um tempo, sorrindo e apenas relaxando na adulação, então levantou o punho em uma triunfante saudação black power. Com isso, ele se virou e caminhou calmamente para fora do palco, os aplausos continuaram ferozmente quando ele desapareceu de vista.

Eu nunca vi um ser humano como causa do caos. Foi ensurdecedor.

Você pode assistir a um vídeo da performance aqui

No dia seguinte eu estava de volta na universidade. Enquanto eu caminhava pelo corredor em direção a minha primeira aula, eu encontrei duas colegas. Olhando para mim com pena, perguntaram: "Como foi?"

Comecei dizendo a elas sobre a reação inspiradora que Jackson tinha recebido; como fiquei chocado na escala do derramamento. Tinha sido um dos espetáculos mais incríveis que eu já presenciei.

Eu percebi que elas estavam olhando para mim como se eu fosse um louco. Perguntei-lhes o que estava errado e soube que os meios de comunicação não relataram corretamente o processo da noite, como havia acontecido.

Uma vez que eu ganhei o acesso à internet, descobri que várias publicações estavam alegando que ele havia sido vaiado nos bastidores.

"Michael Jackson saiu do palco para um coro de vaias, na noite passada", Tom Bryant do Mirror escreveu. "A multidão, esperando uma versão apropriada da canção dele, vaiou a estrela que, em seguida, desapareceu nos bastidores."

Desapareceu para fora do palco.

Assista ao vídeo. Jackson não só não "desapareceu nos bastidores" para "um coro de vaias” – ele permaneceu no palco muito tempo depois do fim do desempenho, absorvendo a reação mais enfática e positiva que eu já observei em uma cerimônia de premiação.

Julia Kuttner do The Daily Record escreveu uma história quase idêntica:

“Michael Jackson saiu do palco para um coro de vaias ontem à noite – apenas quatro linhas na primeira apresentação dele no Reino Unido em nove anos. Jacko (sic) tinha pegado um gongo no World Music Awards, em Londres, minutos antes. Mas depois de cantar só o refrão do single de caridade We Are The World, ele parou para dizer repetidamente ao público: ‘Eu te amo'. Jackson desapareceu no fora do palco depois que ele foi vaiado pela multidão, que estava esperando a versão apropriada da música.”

O Evening Standard também entrou em ação. Os repórteres Chris Elwell-Sutton e Valentine Low escreveram: "O reaparecimento dele, tão apregoado, transformou-se em um desastre embaraçoso. Toda a performance consistia em uma linha mutilada, várias notas altas perdidas e uma saída para um coro de vaias da plateia. 'Eu amo. vocês', disse-lhes – embora se o sentimento era recíproco é uma questão em aberto."

Eu estava em completa descrença. Tivesse um repórter desonesto afirmando que Michael Jackson foi vaiado fora do palco, eu não teria ficado tão zangado. Toda profissão tem maçãs podres. Mas vários repórteres ter frequentado um evento no qual Michael Jackson expressa e categoricamente não foi vaiado para fora do palco e todos, em seguida, escrever artigos alegando que ele foi, demonstrou uma conspiração clara entre múltiplas partes para fabricar e perpetuar uma história falsa.

Esse mito deu a volta ao mundo. Michael Jackson vaiado para fora do palco tornou-se a maior fonte de alegria para muitos programas de auditório e bate-papos de celebridades. Isso gerou mais histórias.

Martin Hyde do The Guardian repetiu as mentiras, declarando Jackson o "ex- rei do pop” e afirmando que ele só tinha conseguido alguns versos “antes de as vaias começarem".

O Sunday Mirror encabeçou a seguinte história "O retorno do viciado em plásticas foi verdadeiramente diabólico".

Mesmo o publicitário das celebridades Max Clifford foi ludibriado para comentar a história falsa, dizendo ao Daily Record: “A única coisa que sempre o colocou em boa posição foi, como um artista, ele era um dos grandes nomes. Esta semana, ele destruiu a imagem. As reportagens da premiação dizem que ele cantou uma linha mutilada, várias notas altas confusas e saiu para um coro de vaias. Como um artista, isso foi extremamente prejudicial e isso é tudo que lhe resta. Acho que Michael está, provavelmente, além de ajuda.”

Pesquisando a história, anos mais tarde, usando o serviço de arquivo jornalístico Infotrac, descobri algo muito interessante, uma reportagem anterior do Mirror que contradiz completamente a versão fabricada que ele, mais tarde, estabeleceu.

Em pelo menos uma edição do jornal, de 16 novembro, em uma história de Eva Simpson e Caroline Hedley lia-se: “Ele está de volta! Michael Jackson foi o maior vencedor na premiação, onde ele deu a primeira apresentação pública durante nove anos. O astro foi homenageado com Diamond Award por vender mais de 100 milhões de álbuns na carreira. Tendo Lindsay Lohan como anfitriã no Earls Court em Londres, viu Jacko (sic) dar um desempenho impressionante de We Are The World. Você com certeza é, Jacko (sic)”.

Então, parece que, em algum momento, foi tomada uma decisão editorial que, em vez de continuar a relatar o que tinha realmente acontecido, o jornal decidiu reescrever os acontecimentos da noite para dizer o oposto exato da verdade – e várias outras publicações fariam o mesmo.

Pareceu- me que a mídia já havia decidido a história que queria contar sobre a aparição de Michael Jackson em Londres – era apenas uma irritação a eles que ele não tinha 'jogado bola.

Quando a aparição provocou uma forte onda de adulação – os fãs tiveram que levados embora em cadeiras de rodas, como nas turnês do apogeu dele – não atendeu à narrativa preconcebida da indústria. Certas figuras estavam decididas sobre Jackson ser o ' ex- Rei do Pop.

Quando Earls Court, na verdade, ficou tão louco por ele, como tinha ficado 20 anos antes, isso não se encaixava – então eles simplesmente ignoraram, por sua vez, os eventos inconvenientes e conjuraram um “coro de vaia” do ar.

Se Jackson não iria representar o papel de "ex-Rei do Pop”, como um bom menino, eles iriam tentar fabricá-lo. Era a clássica ação muscular dos tabloides britânicos.

A frustração e a tristeza que eu senti naquele dia, quando observei essa mentira que está sendo deliberadamente vendida e a impotência que senti, assistindo a apresentador de TV após apresentador de TV, comediante após comediante, reciclar o absurdo para o consumo de milhões de pessoas que não estiveram lá, e nunca saberiam que foi tudo inventado, sempre voltam quando eu me lembro do desastre.

Foi um dia triste para o jornalismo – mas a profissão já teve muitos daqueles onde Michael Jackson está em causa.

Eu não sei por que eu nunca escrevi nada sobre isso antes, mas um amigo postou um vídeo do evento no Facebook mais cedo hoje, para marcar o aniversário.

Foi a última vez que vi Michael Jackson se apresentar ao vivo, mas a memória é sempre marcada pela tristeza e frustração pelo que aconteceu nos dias seguintes. É hora de alguém ajustar o registro correto sobre esta falácia particular.

Créditos:
*Texto escrito pelo jornalista Charles Thomson
*Tradução da Daniela do blog The Man in the Music

Outras matérias aqui publicadas referente ao
World Music Award 2006


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...