A influência inigualável de Michael Jackson


''A influência inigualável de Michael Jackson''
by Hampton Stevens

''Michael Jackson foi o artista mais influente do século 20. Isso pode parecer chocante para ouvidos exigentes. Jackson, afinal de contas, era apenas uma estrela pop. E sobre grandes escritores do século, como Fitzgerald e Faulkner?

E sobre artistas visuais, como Picasso e Dali, ou os mestres do cinema, de Chaplin para Kubrick? Mesmo entre os músicos influentes, Michael realmente importa mais do que os Beatles

E sobre Louis Armstrong, que inventou o jazz, ou Frank Sinatra, que reinventou o jazz para as pessoas brancas? Ou Elvis Presley, que fez o mesmo com o blues e o gospel, fundando o rock no processo? Michael Jackson é maior do que Elvis?

Em primeiro lugar, não há dúvida de que os músicos do século 20 tiveram um impacto muito mais cultural do que qualquer outro tipo de artista. Não existe tal coisa, por exemplo, como um pintor do século 20 ser mais famoso do que um artista como Sinatra. Não há cineastas ou estrelas de cinema que tiveram mais influência cultural do que os Beatles, e não há escritores do século 20 que tocaram mais vidas do que Elvis.

Considere que milhares de seres humanos, a partir de Bangkok ao Brasil, fazem a sua vida imitando Elvis Presley. Quando foi a última vez que você viu uma boa matéria sobre Picasso?

Mesmo Elvis, no entanto, é ofuscado pela carreira de Jackson. Primeiro, com a possível exceção de Prince e Sammy Davis Jr., Michael Jackson simplesmente tinha mais talento cru como um performer do que qualquer de seus pares.

Mas o Rei do Pop reina como artista que assina o século não apenas por causa de seu talento excepcional, mas porque ele foi capaz de empacotar o talento de uma forma totalmente nova. Em forma e conteúdo, Jackson simplesmente fez o que ninguém tinha feito antes.

Louis Armstrong, por exemplo, aprendeu música como um artista ao vivo e adaptou sua arte para gravações e rádio. Sinatra e Elvis faziam também atos basicamente ao vivo e que eram gravados, finalmente expandindo essa persona do palco em outros meios de comunicação, através da pura força do carisma. 

Os Beatles eram um híbrido; uma grande banda ao vivo que se tornou popular através do rádio e TV, forçados por sua própria fama para se tornarem os primeiros grandes artistas do rock em estúdio.

Jackson, porém, foi algo totalmente diferente. Algo novo. Obviamente ele fez grandes discos, geralmente com a ajuda de Quincy Jones. A influência musical de Jackson em artistas posteriores é simplesmente inevitável, a partir de seus seguidores imediatos, como Madonna e Bobby Brown, para posteriores estrelas como Usher e Justin Timberlake.

Certamente, Jackson poderia também eletrificar uma plateia ao vivo. Sua verdadeira tela, no entanto, foi sempre a tela de vídeo. Acima de tudo, ele foi o primeiro grande artista televisual. De sua infância no Jackson 5, para sua passagem como adulto no especial Motown 25, e para as tristes manchetes dos tabloides.

Jackson viveu e morreu para a TV. Ele nasceu em 1958, parte da primeira geração de americanos que nunca conheceram um mundo sem TV. E Jackson não apenas cresceu com TV. Ele cresceu nela.

O resultado, como tipificado pelos vídeos Thriller, Billie Jean e Beat It, foi mais do que apenas ''a grande arte''. Foi uma nova forma de arte. Jackson virou o baixo-orçamento, as gravadoras passaram a promover cada single de sucesso em grande arte, um gênero totalmente novo que combina todas as formas de mídia de massa do século 20: o vídeo musical. 

Era cinematográfico, mas não um filme. Havia elementos de performance ao vivo, mas não era nada como um concerto. Uma mistura perfeita de música e dança que não era extravagante como Broadway, era na TV, mas totalmente diferente de qualquer coisa que as pessoas já tinham visto em uma tela.

O maior impacto do vídeo musical não estava na música, mas no vídeo. Ou seja, no cinema e na televisão. A geração que cresceu assistindo aos videos nos anos 80 começou a fazer filmes e programas de TV nos anos 90, utilizando, por sua vez, ousados elementos estilísticos da MTV como cortes rápidos, hand-helds de estilo vérité, narrativa não-linear e efeitos visuais pesados e transformando a esses em TV convencional e convenções dos filmes de cinema.

Madonna, sua única herdeira digna, foi quase tão talentosa em comunicar uma estética na tela. A estética de comunicação de Jackson, no entanto, foi muito mais poderosa, libertadora e globalmente ressonante do que a dela. Ele foi mais poderoso do que a comunicação de Elvis e Sinatra, também. Por isso, toda essa coisa sobre ''o mais influente dos artistas".

A música popular americana tem sido sempre sobre desafiar estereótipos e quebrar barreiras. Ao longo do século, seja no jazz, rock ou hip-hop, artistas negros e brancos misturaram estilos implicitamente, e muitas vezes, de forma explícita, defendendo a igualdade racial. 

A música popular sempre desafiou os papéis sexuais, também. Artistas como Little Richard, Leslie Gore, David Bowie, Madonna e Lady Gaga têm empurrado o progresso social por flexão e quebrando as regras de gênero.

Michael poderia ser absolutamente qualquer coisa que ele quisesse; Diana Ross, um dia, Peter Pan no próximo. Cada nota alta de tirar o fôlego, cada passo de dança impossível e incríveis figurinos projetavam a mesma mensagem: ''Não há mais barreiras de raça, sexo, classe ou idade'', ele disse ao seu público. ''Você, também, pode ser e fazer o que quiser. Estamos limitados apenas pela nossa capacidade de sonhar''.

Um artista que pode fazer você acreditar que, para senti-lo, mesmo que por um momento, vem uma vez na vida. Talvez. Se você tiver sorte.''

*Trechos selecionados do artigo ''A influência inigualável de Michael Jackson'' do escritor norte-americano Hampton Stevens.


Fonte: http://www.theatlantic.com

6 comentários:

  1. Verdade.

    Todos deveriam ler um artigo como esse.

    Aliás, todos, me incluindo, deveríamos nos informar antes de ter uma opinião sobre alguém ou algo.

    Uma das pragas da humanidade é a ignorância.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A partir da ignorância, surge o egoísmo, e assim por diante.

      Excluir
  2. Boa noite, Rosane!

    A influência inigualável de Michael Jackson. O escritor Hampton Stevens afirma isso e explica o porquê. É muito bom e gratificante! =D7

    ResponderExcluir
  3. ''Não há mais barreiras de raça, sexo, classe ou idade'', ele disse ao seu público. ''Você, também, pode ser e fazer o que quiser. Estamos limitados apenas pela nossa capacidade de sonhar''.
    Sublime!!!
    Como sempre comento, pena que enquanto estava entre nós foi tão massacrado. Se as pessoas tivessem falado 1/3 do que comentam agora, teria dado forças para ele superar vários problemas.
    A verdade sempre prevalece!
    Michael construiu seu caminho em bases bem sólidas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assino embaixo de cada palavra sua, Leda! :)

      Excluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

*Bem-vindos, Moonwalkers! :) Os comentários são moderados e estarão visíveis tão logo eu esteja on-line.
**Para assuntos privados e não referentes à matéria eu peço que utilize o email [cartasparamichael@gmail.com] ・。.。・゚゚・。.。・゚゚・。❊
*Rosane [admin. do blog]

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...