Os Mestres da Dança

Michael com Fred Astaire
Depois da inesquecível apresentação do passo Moonwalk na música Billie Jean gravada no especial Motown 25: Yesterday, Today, Forever em 25 de março de 1983, que foi televisionado em 16 de maio do mesmo ano, o ator e dançarino Fred Astaire foi uma das celebridades que telefonaram para Michael para cumprimentá-lo.

Astaire ligou para Hermes Pan - coreógrafo e colaborador de Fred Astaire e Ginger Rogers, aos quais ensinou seus mais memoráveis passos de dança - para que fosse visitá-lo o mais rápido possível. Assim que Hermes chegou, Astaire colocou o vídeo da apresentação de Michael para que ele assistisse, e ele disse, ''Espere só até você ver isso!"

Os dois assistiram a grande performance e Astaire, que não tinha por hábito fazer elogios fáceis a outros dançarinos, se mostrou extasiado com a performance de Michael, dizendo que esse havia se tornado um dançarino fantástico.

Astaire disse que, ao ouvir a voz de Michael no telefone, ficou surpreso pelo fato de alguém que dança com tanta raiva, ter também uma voz tão suave. Ele também notou o quanto Michael era educado e o quanto ele ficou empolgado com o fato de ter recebido aquele telefonema.

Astaire ainda disse, "Gostei dele imediatamente, porque parecia imune às badalações do show business, ao estrelismo".

De fato, Michael não estava acreditando que Astaire havia lhe telefonado. Michael disse depois que os elogios que Astaire havia lhe dirigido foram os mais significativos para ele.


Em 1988, Michael demonstrou sua gratidão a Astaire, dedicando a ele sua autobiografia Moonwalk. Dentro dessa mesma autobiografia, Michael escreveu:

''No dia seguinte ao show da ​​Motown 25, Fred Astaire me chamou ao telefone. Ele disse - estas são suas palavras exatas - "Você é um inferno de dançarino. Cara, você realmente ***** na noite passada." Isso é o que Fred Astaire me disse. Agradeci a ele. Então ele disse: "Você é uma dançarino furioso. Eu sou do mesmo jeito. Eu costumava fazer a mesma coisa com minha bengala."

Eu o tinha encontrado uma ou duas vezes no passado, mas esta foi a primeira vez que ele havia me chamado para dizer: "Eu vi o especial na noite passada. Eu gravei e vou assistí-lo novamente nesta manhã. Você é um inferno de dançarino." Foi o maior elogio que eu já tinha recebido em minha vida, e o único que eu sempre quis acreditar.

Fred Astaire me falando aquilo, significou mais para mim do que qualquer coisa. Mais tarde, meu desempenho foi nomeado para um Emmy em uma categoria musical, mas eu perdi para Leontyne Price. Não importava. Fred Astaire tinha me dito coisas que eu nunca iria esquecer - era a minha recompensa.

Mais tarde, ele me convidou para sua casa, e havia mais elogios dele até que eu realmente corei. Ele quis assistir meu Billie Jean, passo a passo. O grande coreógrafo Hermes Pan, que coreografou as danças de Fred no cinema, veio, e eu mostrei-lhes o Moonwalk e demonstrei alguns outros passos que realmente lhes interessavam.

Foi uma experiência fantástica, porque eu me senti aceito na comunidade dos grandes dançarinos, e eu me senti muito honrado porque estas eram as pessoas que eu mais admirava no mundo.''





No video Smooth Criminal, de branco e fedora, Michael presta homenagem a Fred Astaire, que atuou brilhantemente no musical The Band Wagon de 1953 [detalhe para o terno branco com tons azul e o estilo gangster que inspiraram Michael Jackson para este video].


Em 2001, em uma entrevista, Michael reafirmou sua admiração por Astaire:

"Eu sempre fui louco por... quero dizer, eu poderia estar dormindo, em Indiana, quando eu tinha uns 5 anos, eu poderia estar dormindo e ser tarde da noite, como 1h da manhã, algum show acontecendo, eu me lembro de ver minha mãe correr para o meu quarto (...) "Fred Astaire! Eles estão passando um bom filme de Fred Astaire". E eu me sentava lá, apenas para olhar.... eu ficava tomado de admiração, apenas assistindo. Assim, quando os vídeos saíram, eu tinha uma coleção." [risos]

Outras observações de Fred Astaire sobre Michael

"Meu Deus! Aquele garoto tem um movimento excepcional. É o maior bailarino do século."

"Eu não queria deixar este mundo sem saber quem era o meu descendente. Obrigado, Michael!"


Conhecendo um pouco mais sobre Fred Astaire

Frederic Austerlitz Jr. nasceu em Omaha em 10 de maio de 1899, filho de um cervejeiro austríaco radicado nos Estados Unidos e de uma americana de ascendência alemã. Começou sua carreira artística aos cinco anos de idade nos palcos de vaudeville, ao lado de sua irmã mais velha, Adele.

Estudioso de dança e sempre buscando novos passos e ritmos, aos 17 anos, ele conheceu o compositor George Gershwin e a amizade dos dois teria um impacto profundo na carreira de ambos. Durante os anos 1920 e começo dos anos 1930, Astaire e Adele se apresentaram na Broadway e em palcos londrinos, justamente em musicais compostos por Gershwin, entre eles Lady Be Good (1924), Funny Face (1927) e The Band Wagon (1931). Quando Adele se casou em 1932, a dupla se separou de vez.

Adele Astaire e Fred Astaire
Reza a lenda que no seu primeiro teste para o cinema, ele foi avaliado da seguinte maneira: "não sabe interpretar, é ligeiramente calvo e sabe dançar". Muitos anos mais tarde, a única pessoa da época que poderia rivalizar com seu talento, Gene Kelly, declarou: "A dança em filmes começou com Fred Astaire".

Antes de Fred Astaire estrear no cinema, os dançarinos apareciam nos filmes apenas "em partes": os pés, as cabeças e os torsos eram compostos na sala de edição. Astaire, por sua vez, exigia ser filmado de corpo inteiro. Para isso, eram necessários longos ensaios - certa vez, ele chegou a três meses com dez horas diárias de trabalho, com repetições feitas passo a passo e movimentos de câmera acompanhando a coreografia. 


Em seus filmes, Astaire conseguiu dar nova emoção à dança, fosse ela banal ou trágica. Sua interpretação se enriquecia pelo que James Cagney chamava de "o toque do vagabundo". Sempre trajado a rigor, seu charme se tornou lendário.

Sua estréia em cinema foi em 1915 e em 1933, ele pareceu ao lado de Joan Crawford em Dancing Lady. Nesse mesmo ano, atuou no primeiro filme ao lado de Ginger Rogers. Apesar de não simpatizarem muito um com o outro [ele estava acostumado a dançar com a irmã e relutava em ter uma nova parceira. 

Ginger Rogers e Fred Astaire
Ela se irritava com seu perfeccionismo e chegou a afirmar, "Faço tudo o que ele faz, só que para trás e de salto alto!"] os dois fizeram dez filmes juntos, tornando-se sinônimo de boa bilheteria para o estúdio. Katherine Hepburn explicou o sucesso da dupla: "Ele tem classe. Ela tem sensualidade".

Mesmo no começo de carreira, Astaire tinha liberdade total para desenvolver suas coreografias e, num feito quase inédito na época, recebia uma porcentagem da bilheteria. Ele inovou a maneira de se filmar cenas musicais, exigindo que a câmera ficasse parada ["ou os dançarinos giram ou a câmera", dizia ele] e também fazendo a música e a dança casar com o enredo do filme. Não por acaso, Hollywood lhe conferiu um Oscar especial em 1949, por sua contribuição à técnica dos musicais no cinema.

Em 1933, Astaire se casou com Phyllis Potter, que morreu em 1954, com quem teve dois filhos, Fred e Ava. Fora dos estúdios, ele não gostava de dançar e dizia que as danças de salão o entediavam. Grande fã de corrida de cavalos, voltou a se casar em 1980 com a jóquei Robbin Smith, 35 anos mais nova que ele.

Em 1959, Astaire se aposentou dos filmes musicais e fez sua primeira aparição em um drama, no filme On the Beach. Acabou indo dançar na televisão e seu programa An Evening with Fred Astaire, ganhou nove prêmios Emmy, só na temporada de estreia. 

Continuou a atuar mesmo na terceira idade e fez pontas emThe Towering Inferno, de 1974 [recebendo uma indicação ao Oscar por seu papel], That's Entertainment! um documentário sobre os anos clássicos da dança no cinema, e no cult trash The Amazing Dobermans, de 1976. Sua última aparição foi em Ghost Story, ao lado de dois outros grandes monstros do cinema antigo, Melvyn Douglas e Douglas Fairbanks Jr.

Astaire pontuou suas rotinas de dança com graça, elegância, leveza e originalidade. Perfeccionista ao extremo, exigia muitos ensaios e inúmeras refilmagens de cena. Deixou como legado sua dança e o indefectível fraque, sempre acompanhado de uma cartola. Um estilo que dificilmente aparecerá de novo. Astaire faleceu em Junho de 1987. 

Swing Time com Ginger Rogers e Fred Astaire



Fontes de pesquisa:
http://mjmoonwalker.ativoforum.com
A autobiografia Moonwwalk de Michael Jackson
Imagens do meu arquivo


18 comentários:

  1. Numa época em que a dança para homens não devia ser visto com olhos amistosos, ele foi o rei.

    Bem as características de Michael, ensaios à exaustão, perfeccionismo ao máximo, criatividade e ousadia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O encontro entre os dois foi uma alegria para ambos.

      Excluir
  2. Elisa tem razão. Até a chegada de Fred Astaire, a dança para homens não era vista com olhos amistosos. Ele, dançando com raiva, mas com charme e elegância, provou que a dança pode ser masculina. E possuía a genialidade, a dedicação e o perfeccionismo que o tornaram rei, assim como Michael!

    Michael foi seu sucessor, como ele mesmo disse. E MJ é definitivamente influente e atemporal.

    Apesar da aparência andrógina do rosto de Michael, sua dança é bem masculina e fica bem, por exemplo, quando um lutador de UFC entra no ringue imitando-o, como fez Anderson Silva ou quando um soldado fardado também o faz no quartel, como em um vídeo que vi dia desses.

    https://www.youtube.com/watch?v=qyLx5m3Tt68

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Regina, eu me lembro a respeito do soldado, e eu acho que ele foi bem valente em enfrentar os olhares curiosos dos colegas.

      Michael foi sucessor de Astaire. E quem será o sucessor de Michael?

      Excluir
    2. Sucessor de Michael? Eu acredito que não haverá! Não tão impactante e influente quanto ele! :)

      Excluir
    3. Eu penso igual a vc sobre isso. :)

      Excluir
  3. Olá Regina, verdade, a dança de Michael é com raiva e bem masculina, bem sexy. E quanto a dança dos presidiários? Achei fantástico.

    Verdade, Rosane, um soldado, em sua valentia. Não só dançando, mas dançando Michael, provando que, o gosto, não é da conta de ninguém.

    Acho que vai demorar muito para que apareça um.

    ResponderExcluir
  4. A dança dos presidiários também foi ótima, Michael alcançava até mesmo esses homens que estão privados de sua liberdade. É incrivel.
    Como na entrevista que eu publiquei noutro dia com o radialista entrevistando Michael, onde ele, o entrevistador contou, que os presidiários de determinado local aguardavam ansiosos por uma entrevista com Michael.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sobre o sucessor, Michael não teve a mesma sorte de vê-lo, ainda em vida.

      Excluir
    2. Verdade, gente! Até os presidiários dançam como Michael, a coreografia de Thriller é unanimidade, né? Aqueles flash mobs reuniam pessoas de qualquer idade ou sexo! Já vi também policiais e guardas de trânsito dançando como Michael.

      Excluir
  5. Dois visionários, ícones e mestres no que executavam.
    Não se conformaram com o trivial, criaram, inovaram e se superaram.
    Acredito que nunca haverá sucessor para Michael artista e humanitário.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É... talvez a gente tenha que esperar que ele retorne..
      {sim, eu sou reencarnacionista!)

      Excluir
  6. Eu comecei a ver alguns videos de Fred Astaire depois que li sobre a grande influência dele na dança de Michael e amei principalmente quando ele dança com Ginger Rogers ( não sei se é assim que escreve), um verdadeiro espetáculo.
    Quanto a pergunta quem vai suceder Michael eu penso que será muito, muito difícil!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ginger Rogers também dançava muito!!!

      E eu imagino como será daqui a 3 ou 4 décadas, como as pessoas olharão para o passado e falarão sobre Michael da mesma forma como estamos falando de Fred Astaire nesse momento.

      Excluir
    2. Nossa Rosane, deu um aperto no coração
      "... como as pessoas olharão para o passado e falarão sobre Michael..."
      Não consigo me acostumar com Michael no passado.
      As vezes fico triste ao ver fotos e vídeos ficando com as imagens desgastadas... a distância aumentando...
      Acho que nunca vou aceitar o que aconteceu...

      Excluir
    3. Leda,eu acredito que nada nos dá mais força do que compreender que a morte não existe de fato, é apenas uma passagem para outro plano, e lá, Michael continua a estar vivo.

      Excluir
  7. E feliz, em paz, com Deus, fazendo o que sempre sonhou, cantando, dançando e sendo criança, sem julgamentos.

    ResponderExcluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

*Bem-vindos, Moonwalkers! Os comentários são moderados e estarão visíveis tão logo eu esteja on-line. [Rosane, admin. do blog]

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...