As Memórias de Corey Feldman (04)


Texto extraído do livro Coreography: A Memoir de Corey Feldman

''Eu fui amigo de Michael Jackson por cerca de um ano, e logo após as filmagens de Stand By Me, ele me ligou para me convidar para uma festa em sua casa. Eu nunca tinha ido a Hayvenhurst - uma casa de luxo em estilo Tudor a qual Joe Jackson tinha comprado para sua família na década de setenta, mas a história desta casa se tornou uma lenda: Michael comprou a casa de seu pai no início dos anos oitenta e a restruturou, uma reforma que levou dois anos.

Ele construiu um teatro com 32 lugares, um lago, um jardim zoológico, uma loja de doces no estilo da Disney e um diorama de dois metros com a Branca de Neve e os Sete Anões [muito parecido como os jornalistas gostam de descrever].

Para minha decepção, não havia Piratas do Caribe - isto provou ser um mero boato. Hayvenhurst, no entanto, era para Michael uma espécie de experimento para Neverland, que viria em seguida.

Quando ele ligou para me convidar para a festa, meus olhos não tinha visto nada disso.

Lá havia muitas crianças: Sean Astin e Ke Huy Quan estavam lá [nem pensar em convidá-los eu mesmo] e outras pessoas em um ou outro relacionamento com a família Jackson. Fui apresentado ao Dr. Steven Hoefflin, o cirurgião plástico de Michael, que era um mágico como um segundo emprego, e seu filho, Jeff, que no futuro se tornaria meu cirurgião plástico. Mas Elizabeth Taylor não estava na festa.

Dr. Steven Hoefflin 
[arquivo do blog]

Havia um artista da época de Vaudeville, contratado para ficar equilibrado em um monociclo.

No primeiro andar, junto a uma parede da sala de estar havia uma sala de jogos: o canto era uma escada em espiral e outra para fora que levava para a varanda. Michael usava as escadas exteriores para entrar e sair da festa - ele entrava na sala de jogos a partir do pátio.

[Ele aparecia e desaparecia e sempre chegava por último. Ele gostava de se apresentar de forma espetacular.]

Eu notei que seu cabelo estava mais longo do que o normal - ele já tinha começado a experimentar a sua nova imagem para o álbum Bad.

"Corey, você se encontrou com o mágico?" Ele disse quando me viu.

Eu tentei lhe dizer que eu já tinha conhecido o médico, então eu percebi que Michael estava se referindo a alguém - provavelmente um segundo mágico. Mais tarde, eu descobri que, na verdade, havia na festa três assistentes.

"Eu gostaria de apresentá-lo ao único mágico Majestic", disse ele, estendendo a mão para o amigo.

"Majestic, este é Corey Feldman. Um dos Goonies.''

Majestic sorriu.

Nos últimos anos, Majestic muitas vezes tem aparecido em público, especialmente após a morte de Michael em 2009 e no julgamento do Dr. Conrad Murray. Alegremente aparece com Joe, em vários eventos e entrevistas e, às vezes, fez declarações em nome da família.

A verdadeira natureza de seu relacionamento com Jackson é um mistério. Talvez seja seu parente de sangue. Com certeza, eu sei que ele estava perto da família durante vinte anos, com os Jacksons desde que eu me lembro.

Nota deste blog: Um belo depoimento de Majestic sobre Michael se encontra aqui

A festa continuou sem problemas e eu circulei livremente através das salas no piso térreo. Então eu me deparei com uma série de caixas, assinaladas com a inscrição Jackson Victory Tour, empilhadas em uma sala adjacente. Eu estava tão curioso que eu olhei para elas. Eu peguei uma luva de lantejoulas e eu coloquei.

"...e aí?", disse Michael, de repente, ao aparecer na sala.

Michael tinha um monte de diferentes luvas bordadas com lantejoulas, as quais ele vinha usando por muitos anos. Havia luvas azuis, vermelhas, cobertas com cristais, mas a luva que eu peguei era branca e bordada com minúsculos cristais Swarovski. Eu não podia acreditar: a minha mão - ela estava usando um pedaço da história.

Michael, no entanto, tinha uma atitude indiferente em relação a essas coisas. Para ele, não eram peças históricas, apenas uma parte de seu guarda-roupa. Por exemplo, se você gostasse de seus famosos óculos de sol Ray-Ban, ele lhe entregava. Ou, se você perguntasse sobre a jaqueta com o "M", a que ele usava no vídeo Thriller, um momento depois você já estava vestindo ela. A jaqueta estava lá pronta em seu armário.

Após esta festa em Hayvenhurst não vi Michael por muitos meses.

Nota deste blog: A partir deste momento entramos na ''era Bad''

''Michael estava em sua Mercedes. O motorista era Bill Bray, o chefe de segurança, Michael e eu estávamos no banco de trás. Ele estava à procura de um local adequado para filmar o novo vídeo, Smooth Criminal; nós estávamos indo para o estúdio 20th Century Fox, para ver um dos filmes de The Two Jakes, a sequela Chinatown. O vídeo de Smooth Criminal precisava de uma ação com trinta gangsters e ele esperava que isso poderia lhe dar inspiração.

A amizade com Michael tinha suas dificuldades - ou ninguém acreditava em mim - crianças com quem eu conversava e que não faziam parte do mundo do entretenimento reagiam com ceticismo às minhas histórias - ou todo mundo queria conhecê-lo graças a mim. Naquele dia eu tinha colocado no bolso das minhas calças largas um pequeno gravador de fita.

"O que é isso?", perguntou Michael, dentro do carro.

"Onde?"

"Parece que você tem um tijolo no bolso!"

"Oh!" Eu tinha esquecido que eu tinha deixado lá. "Este é um gravador. Eu queria perguntar se eu posso gravar algumas de nossas conversas de hoje, bem, apenas para tê-las! Para eu me recordar.''

"Sim, é claro!" Ele respondeu, sem hesitação, como se ele não se importasse. Enquanto nós nos dirigíamos a partir de Encino, a conversa foi sobre o tema de sua pobreza e sofrimento suportado na escola e em casa com sua família e, em seguida, sobre a questão do negócio. Ele perguntou sobre meu gerente e coisas nas quais eu nunca tinha pensado.

''Você tem um advogado? Um agente? Um gerente de negócios? Quem é o seu contador? Que tipo de instruções que você deu a ele? Qual é a percentagem que eles tomam em seu salário, essas pessoas? Como você investe seu dinheiro? Você tem uma carteira?''

Eu me lembro de ter rido, tudo parecia muito engraçado, como se ele tivesse esquecido que eu era apenas uma criança. Que inferno se eu sei algo sobre gerente e carteira? Hoje eu lamento não ter levado a sério ou ter tentado compreender por que ele estava me perguntando.

Em algum ponto nós começamos a discutir a sua próxima turnê mundial por dezesseis meses que iria passar por quinze países. A turnê estava programada para começar no próximo verão.

"Após a turnê, eu vou parar", disse ele.

"O que você quer dizer?"

"Eu vou mudar tudo: minha imagem, eu não vou usar mais a luva e o chapéu."

"Como é possível? Sem uma luva... " eu disse. "Você não pode abandonar a luva!"

"Eu vou ter que fazer isso, Cory. Eu não posso continuar fazendo a mesma coisa. Nós precisamos mudar e crescer. Esta é a nossa magia. Você não pode ser previsível. Quando os seus fãs, em primeiro lugar, imaginam o que você faz - você se torna desinteressante. Nós temos que seguir em frente, sempre!"

"Isso faz sentido", eu disse, brincando com o gravador que eu mantinha em meus joelhos. "Mas você tem que usar a luva. Pelo menos quando cantar Billie Jean.''

"Você acha?"

"Os fãs vão se decepcionar se você cantar Billie Jean sem a luva. Eu vou me decepcionar. Você tem que usá-la, pelo menos, nessa música."

Ele pensou um pouco sobre essa possibilidade.

"Ok, eu vou. Eu canto algumas canções, então eu vou tirar a luva, e todo mundo vai entender o que vem a seguir."

"Eles vão entender."

"Ok, eu vou usar a luva e chapéu, mas apenas por Billie Jean.''

No Quarto de Memórias em Hayvenhurst

Jeff Hofflin, Corey, Michael, Emmanuel 
e Latoya no cinema de Michael em Hayvenhurst

Corey e Michael nos bastidores da Bad Tour

[Imagens acima do arquivo do blog*]

Não importa o quão louco parecesse o mundo de Michael Jackson, para mim, era um lugar incrível. Michael era absolutamente contra drogas e álcool, e ele era educado. Na presença dele eu não poderia blasfemar. A amizade com Michael me fez retornar à inocência, e eu me sentia como um menino de dez anos de idade.

"Vamos fazer algo divertido", disse ele.

Nós tínhamos acabado de jantar, sentados na sala de jantar no Hayvenhurst. A noite era especial, porque não havia mais ninguém em casa.

"Tem alguma ideia?"

"Sugira você!", eu disse. "Esta é a sua casa."

"Por que não ir para a Disney?"

Era sete da noite e já estava escuro lá fora.

"E como nós fazemos com a sua segurança?"

"Nós não contamos para ninguém para onde vamos. Só você e eu!"

Parte 1
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...