Entrevista com os autores do livro "Michael Jackson, La Totale"


Entrevista para o site MJ France com os autores do livro
"Michael Jackson, La Totale", a ser lançado no dia 10 de outubro de 2008

Este livro, apoiado com vários testemunhos de funcionários de Michael Jackson revelam alguns segredos, músicas e imagens que fazem parte do panteão da música pop.

Richard Lecocq, um grande admirador de Michael Jackson e da música negra americana, criou seu site mjdatabank em 2001. Regularmente procurado como um consultor de fãs ou gerente de comunidade, ele é o autor do livro King publicado em 2011, em seguida, editor da antiga revista Invincible, agora Jam. Richard também é o presidente da Associação MJStreet.

François Allard, que sempre foi apaixonado pela música negra americana, é o webmaster do mjstrangersite, ele também é secretário editorial da revista Jam e secretário assistente da Associação MJStreet. Sua especialidade é a busca por impressos não editados que contenham pepitas musicais e alternativas que foram encontradas nas contas Invincible e Jam e no MJStreet.

Entrevistador: Olá Richard, olá François, obrigado por nos conceder essa entrevista. Você poderia se apresentar aos nossos visitantes? Quantos anos vocês têm? De onde vocês são  e desde quando vocês se tornaram fãs de Michael Jackson e em que circunstâncias?

François Allard: Olá, em primeiro lugar obrigado por este convite, é um verdadeiro prazer falar com você. Tenho 42 anos e moro nas Ardenas francesas. Até onde me lembro, meu primeiro contato com o mundo de Michael Jackson foi quando o curta-metragem Billie Jean foi transmitido pela televisão em 1983.  Sendo criança, no caminho que me levava na escola, não entendia por que não conseguia iluminar as lajes do solo em que andava. Eu imediatamente pensei que esse artista tinha algum tipo de poder mágico.

Richard Lecocq
: Olá, obrigado por nos receber no MJFrance. Tenho 43 anos e moro na área de Paris. Eu descobri Michael Jackson em 1983, na época de Thriller. Eu já tinha ouvido Billie Jean no rádio, mas o primeiro choque visual foi Beat It. Um momento incrível em que todos os elementos que chegaram até nós foram percebidos como um evento.

Como vocês viveram suas vidas de fãs do Rei do Pop durante sua vida e desde sua morte?

François Allard: Minha verdadeira paixão por Michael Jackson estava motivada na época de Bad. Exceto a emoção do momento, de repente eu percebi a existência de uma primeira parte da carreira com Jackson 5 e Jacksons, carreira que tinha totalmente me escapado até então. Um pouco como todo mundo, criei meu próprio universo pessoal e comecei a devorar aqui e ali as várias publicações que pude encontrar.

Durante uma viagem escolar a Londres no final dos anos 80, trouxe o livro de Carol D. Terry "Sequins and Shades: The Michael Jackson Reference Guide", que foi um verdadeiro gatilho na minha paixão. Esta Bíblia, cheia de informações valiosas, ainda faz parte dos meus livros de referência.

Com a chegada da internet, no início dos anos 2000, revivi essa paixão nos fóruns, então conheci Richard no final de 2003, criamos com Arnaud Da Costa e Julien Ombredane, a comunidade MJStreet que era inicialmente destinada a reunir os fãs da música do Rei do Pop. 
Richard foi e continua a ser a locomotiva com a mecânica impecável deste maravilhoso projeto. Deixo a ele para detalhar a evolução.

Eu gosto especialmente de quebrar o círculo virtuoso da carreira de Michael Jackson. Além de seu gênio inato e trabalho incrível, eu permaneço absolutamente convencido de que o fenômeno Jackson é também o resultado de uma alquimia nutrida por uma infinidade de talentos que convergiram em uma mesma pessoa e em um momento muito favorável. Um momento raro, único e precioso, como um alinhamento perfeito dos planetas.

Eu nunca parei de dirigir perguntas aos seus colaboradores para sempre entender melhor os segredos do surgimento da maior estrela que o mundo já recebeu. Naturalmente, colaborações com outros artistas se tornaram o coração da minha paixão atual. Desde a morte de Michael Jackson, muitos deles entregaram segredos nunca antes revelados.

Richard Lecocq: Da era Thriller, senti que tudo era diferente quando se tratava de Michael Jackson. A Thrillermania me atingiu quando eu tinha 8 anos de idade. Então, naquela época, quando você é uma criança e um fã de tal superstar, você olha principalmente revistas, com uma imprensa jovem e musical, então muito rica. Então Michael ficou longe por um longo tempo. A espera entre Thriller e Bad foi longa, e eu acho que foi como um teste para os fãs: eles iriam permanecer e ainda estariam lá quando ele voltasse?

Então Bad saiu. Foi aqui que comecei a colecionar. Eu vendi minha bicicleta de BMX para comprar vinis na Fnac Montpellier. Foi assim. Então os aparelhos com cassetes duplos me encorajaram a fazer minhas próprias compilações, meus remixes muito artesanais. Um tempo impossível de reviver hoje em dia. E percebo que foi uma chance de experimentar tudo isso.

Então, no início dos anos 90, assim como Francis, fiz uma viagem a Londres. A Virgin Megastore britânica era então como um paraíso na Terra. Eu me lembro de sair com 50 quilos cheios de esperança. E no departamento de livros, o famoso guia Sequins & Shades já havia aumentado 28 libras, mais da metade do meu orçamento. Mas não me arrependi. 

Eu vivi muito intensamente o Período Dangerous. Então o retorno de Michael com HIStory me deixou menos seduzido. Para ser honesto, fiquei triste ao ver que o caso Chandler havia sido resolvido dessa maneira pelos advogados de Michael. Durante esses anos 93-94, vimos Michael sofrer, e acho que vê-lo dessa maneira me fez entender muito sobre a natureza humana.

A chegada da internet permitiu a muitas pessoas se expressassem. Eu queria criar um site que listasse tudo que pudesse ser encontrado como conteúdo de áudio e vídeo sobre Michael Jackson, em mídia clássica ou promocional. Então, no final de 2004 veio a aventura MJStreet, um conceito que é importante para nós.

O anúncio da morte de Michael foi um choque e algo difícil de se conviver. Demorei vários meses para lamentar, porque no dia seguinte, fui pego em um redemoinho violento o suficiente para continuar animando nossas plataformas o máximo possível. Foi tão trágico quanto injusto.

Como você conheceu e como começou este projeto de livro cuja ambição é propor "La totale" sobre MJ?

François Allard: No final do ano de 2003, nos reunimos nos Champs-Elysées em Paris e passamos muito tempo conversando acompanhados de um lanche "brioche dourado" (risos) antes de percorrer as balsas no La Fnac e na Virgin Megastore. Nós então iniciamos o MJStreet para transferir nossa paixão na era do 2.0 nas redes sociais e um site de portal www.mjstreet.fr.

Richard veio a mim no final de 2016 com este projeto de livro sobre a carreira de Michael Jackson. Nos encontramos com a editora em janeiro de 2017 e tomamos nota da coleção "La Totale" na qual este livro está inscrito. Nós trabalhamos algumas páginas como "teste" antes de receber o editor E / P / A e Octopus para a versão em inglês. Começamos nosso trabalho a partir de maio de 2017.

Richard Lecocq: Eu confirmo todas as informações dadas por François, especialmente sobre o "brioche dourado" (risos). No final de 2016, os editores da Hachette me contataram para discutir o volume The Total Collection dedicado a Michael Jackson. Foi para publicar um livro que acompanhasse os volumes dedicados aos Beatles, Rolling Stones e muitos outros. 

Dois autores estavam encarregados desses livros e, para esse novo projeto, Hachette queria encontrar um autor mais sensível à cultura pop dos anos 80. Aceitei o projeto e só tinha duas condições: ter François como co-autor. do meu lado, e a oportunidade de citar os curtas-metragens de Michael. A coleção só olhou para as músicas dos artistas estudados.

Da esquerda para a direita, François Allard e Richard Lecocq

O que encontraremos neste livro e especialmente o que descobriremos mais do que já existe na biblioteca de fãs?

François Allard: Estamos injetando o resultado de nosso trabalho de pesquisa há muitos anos. Pessoalmente, tentei dar à luz essa noção de círculo virtuoso que já falei com você no preâmbulo. A ideia era também injetar elementos ou retratos de colaboradores por vezes esquecidos da galáxia de Jackson. Com certeza, haverá debate e interesse por alguns deles. 

O livro também é apoiado por depoimentos de entrevistas de rádio ou televisão dados pelos próprios colaboradores ou recolhidos por outros entusiastas. Nós tomamos um cuidado especial para trabalhar em uma tela que se encaixa perfeitamente com os diferentes aspectos da carreira de Michael Jackson. Trabalhamos em fichas detalhadas para as quais, às vezes, precisávamos pedir o valioso trabalho dos arquivistas da Motown.

Nós primeiro tratamos a primeira parte de sua carreira com títulos que encontraram um compromisso pessoal da estrela no Jackson 5 e as peças que foram significativas em seus primeiros anos. Aquela com os Jacksons é tratada no mesmo modelo. Finalmente, para a maior parte do livro, a totalidade de sua carreira solo é detalhada da Motown para títulos póstumos através de inúmeras colaborações que o cantor poderia compartilhar ou escrever para outros artistas. 

O editor também nos permitiu injetar análises de curtas-metragens que são inseparáveis de sua música com outras planilhas de dados... Você já pode ler algumas páginas do livro em muitos sites ou plataformas.

Richard Lecocq: O livro segue o mesmo padrão dos outros volumes já publicados: cada música é estudada sob dois eixos: sua gênese e sua realização. Cada "folha" também contém informações técnicas e algumas histórias. Para François e eu, é uma oportunidade para congelar por um momento o fruto de nossas pesquisas individuais e comuns. Queremos que este livro viva nas mãos dos fãs e de um público mais amplo. O objetivo é transmitir e compartilhar todas essas histórias incríveis e muitas vezes surpreendentes que explicam por que e como Michael Jackson se tornou esse artista global.

Como vocês se organizaram para escrever um livro desses? Qual foi o papel de cada um? Quanto tempo vocês demoraram? Quais são as dificuldades que vocês encontraram?

François Allard: Um pouco mais de um ano e meio de trabalho foi necessário para levar a cabo este projeto, muitas vezes durante a noite e madrugada, quando a vida profissional cessa, as atividades desportivas e as famílias adormecem.

Passamos incontáveis horas trocando informações verbalmente durante visitas regulares a um ou outro. Reuniões pontuadas com encontros culinários italianos ou coreanos, outra paixão comum (risos). Também trocamos ideias pelo telefone e trabalhamos de perto com Laurence Basset, nosso editor, que foi extremamente solidário, rigoroso e paciente.

Em cada estágio da carreira de Michael Jackson nós costumávamos dividir as músicas para serem analisadas e finalmente percebemos que, conforme o projeto progredia, de acordo com nossos desejos de escrita e nossos interesses musicais, muitas vezes mudamos a distribuição básica. O trabalho foi intenso, na revisão, até às vezes esquecíamos quem escreveu o quê.

Nosso desejo era criar vários tópicos ao longo do livro. Eles são representados por retratos de colaboradores e introduções que informam sobre as evoluções musicais ou econômicas da indústria do disco. Muitas vezes, as colaborações artísticas de Michael Jackson em outros álbuns fecham o período analisado. Retratos, projetos de filmes ou turnês também pontuam as páginas do livro.

Queríamos contar uma história fluida, lógica e virtuosa, a qual esperamos que seja compreendida pelo público em geral e apreciada pelos mais apaixonados e viciados. Pequenas notas chamadas "Para os viciados de Jackson" ou "Em seus fones de ouvido" completam a história das músicas com informações que os colecionadores e admiradores mais implacáveis, sem dúvida, apreciam.

Em relação às dificuldades, é necessário respeitar uma carta e não derrogar para que o livro seja fluido. Às vezes tivemos que desistir de alguns pequenos detalhes em favor de uma certa legibilidade. O livro, já com mais de 600 páginas, tinha que permanecer interessante e claro.

Richard Lecocq: Nós escrevemos o livro sabendo que o leitor poderia navegar por "cartões" ou segmentos, como um dicionário ou desenhar uma história aleatoriamente ouvindo uma música em particular. Mas também queríamos escrever uma história global, que pode ser lida de um lado para o outro. Além de retratos, há também introduções para cada período que explicam o contexto em que cada álbum nasceu.

Nós criamos o livro também enquanto nos inclinávamos para as especificações precisas da coleção. Em várias ocasiões, propusemos e argumentamos mudanças para adaptar o formato do livro à nossa história: isso nos provou mais uma vez como a carreira de Michael Jackson é fora do comum.


Este livro é, para vocês, o resultado de tudo o que vocês poderiam colocar em um livro ou outros livros poderiam fazer parte de seus projetos?

François Allard: A missão deste livro é colocar um ponto de análise sobre a carreira artística e as canções de Michael Jackson. Centenas de temas ainda podem ser tratados e desenvolvidos, o mundo de Michael Jackson é tão rico de dança, desenhos, poemas... Se eu tiver a possibilidade no futuro, gostaria de complementar ou desenvolver este livro
"Michael Jackson - The Total" com descobertas e lançamentos futuros. Eu não pretendo trabalhar em outro trabalho para o momento, outros livros já estão escritos e no meu círculo de colaboradores e amigos da esfera Jackson, você vai ouvir sobre isso em breve, eles já anunciam tudo muito promissor.

Richard Lecocq: Muitas vezes falamos sobre projetos futuros com François, e estamos nos movendo no nosso próprio ritmo, porque existe o que é chamado de "o tempo das coisas". O total é uma visão da carreira de Michael Jackson e estamos satisfeitos por termos concluído com sucesso este projeto. Em qualquer caso, o assunto Michael Jackson pode ser estudado de tantos ângulos que as idéias são abundantes.

Se a internet causou estragos na indústria da música, isso não democratizou o mundo dos livros? Esse lado materialista da cultura parece resistir ao ogro da rede e ao mundo de Michael Jackson, o que vocês acham de todos esses livros lançados desde seu desaparecimento, cheios de referências infelizmente ausentes durante sua vida?

François Allard: A França é culturalmente muito ligada ao livro, eu não estou ciente do impacto que o livro ainda pode ter em outros países. 
"Michael Jackson - The Totale" é um inventário. Nós aprendemos muito sobre o processo criativo de Michael Jackson após seu desaparecimento. O véu subiu gradualmente ao longo de uma receita que ele também, e com razão, queria manter em segredo em sua vida, nem todo mundo é "Rei do Pop". O diretor em questão não está mais lá, muitas foram as declarações para florescer aqui e ali, às vezes até mesmo uma certa história foi reescrita, nós tentamos fazer uma análise muito boa de todas essas declarações para extrair a medula artística da qual nós precisávamos. Toda produção, todo livro.

Richard Lecocq: Desde o desaparecimento de Michael, vimos muitos livros florescerem. Alguns são interessantes, mas paradoxalmente esquecidos pelo público em geral. Houve uma loucura real nos anos 2009 - 2010, a ponto de saturar os livreiros que começaram a não querer mais destacar os livros sobre Michael Jackson. 

Como indivíduo, esperei que as coisas se acalmassem para o meu primeiro livro, ''King''. É uma tarefa longa e difícil documentar e transmitir e valorizar o máximo possível o legado de Michael Jackson. Nós nunca desistimos, muito pelo contrário. E eu me junto a Francis quando ele diz que está infeliz em ver o quanto a história foi reescrita. Com ''La Totale'' nos limitamos aos fatos, e nossas investigações nos permitiram retornar a certas certezas. Isso é o que é fascinante. E essa coleção de "livros bonitos", para usar os termos do mercado de livros, é destinada a entusiastas e amantes da música.

Neste livro, você certamente encontrará esse desejo de preservar o patrimônio artístico de Michael Jackson. O que vocês acham do trabalho do Espólio nessa área? Álbuns póstumos, o escândalo das faixas Cascio, hologramas e assim por diante... Por que vocês acham que o Espólio está tão longe do que um artista como Michael Jackson merece como um trabalho de respeito pelo seu trabalho?

François Allard: Claro, focamos nosso livro no legado artístico musical de Michael Jackson. Eu tenho uma opinião calma e decidida sobre o trabalho do Espólio de Michael Jackson. Se eu não puder apreciá-lo completamente, é porque meus interesses e meu modelo de consumo musical foram moldados por outro modelo de negócios em que Michael Jackson e suas equipes estiveram envolvidos na formação de um grande negócio à parte. Desde então, novos vetores para o desenvolvimento da economia musical tomaram precedência sobre o padrão tradicional.

Desde a morte de Michael Jackson, se tornou automaticamente uma marca que deve ser alimentada e alimentada, todas as camadas da economia ainda foram alimentadas. Um novo círculo, que eu pessoalmente acho não muito virtuoso, partiu para alguém da minha geração. Eu certamente acolhi os álbuns póstumos com curiosidade, mas menos interesse. Eu notei esses sons e adições modernas de todos os tipos que não me seduziram. 

Xscape é o mais "vintage" dos projetos desde o desaparecimento de Jackson com as demos originais e nas quais eu pude me encontrar um pouco. Não sou especialista no impacto que um show como "ONE'' pode ter, a necessidade de instalar máquinas caça-niqueis com a imagem de Michael Jackson ou devolvê-lo na forma de um holograma. Eu tento entender esse novo modo de consumo sem realmente ter sucesso. Espero que isso afete outras audiências, talvez mais novas. estranhamente, 

Eu dificilmente posso ir a eventos ou seminários que são endereçados ao meu "velho mundo" com muita audição organizada ou histórias, às vezes, revisadas por funcionários da carreira de Jackson. Estas nomeações não têm moldura e, finalmente, não valorizam o legado de Michael Jackson e, mais importante, não usam nada. 

Quando surgir um novo modelo de negócios, talvez possamos falar sobre a música de Michael Jackson novamente. Vamos ser pacientes. O legado está lá e todos nós o animamos da melhor forma possível. Espero que "Michael Jackson - The Totale" lhes agrade. Eu não farei nenhum juízo de valor no caso Cascio, só posso dizer que no livro nós tivemos as palavras "Somente as músicas cantadas por Michael Jackson são tratadas neste capítulo". Se não ouvimos, não tratamos a música.

Richard Lecocq
: O Espólio é um conglomerado de 12 advogados que administram o patrimônio de Jackson sem o diretor em questão. De lá, tudo é dito. Estamos em uma gestão feita por financistas e advogados. Nós rapidamente entendemos que seria complicado quando a música I Never Heard fosse renomeada. Depois houve o escândalo das músicas de Cascio. Nunca vi na história da música. E ainda estamos nisso. Nós apenas não estudamos essas músicas no livro porque elas não têm lugar nele. 

O projeto Bad 25, além do show em VHS-DVD, foi interessante. Idem para Xscape. Eu nunca fui fã de hologramas para ninguém. As oferecidas no programa ONE e no Billboard Music Awards me deram a impressão de que usaríamos agora a versão do Michael Jackson Canada Dry.

Suas vidas de fãs fizeram vocês colecionarem sem querer, ou vocês são mais colecionadores convictos? Vocês têm uma coleção? O que vocês fizeram com tudo que vocês compraram sobre Michael Jackson?

François Allard: Eu sou um colecionador de mídia que valoriza a música de Michael Jackson. O conteúdo é meu critério. Se a prensagem é amarela, vermelha, azul, editada na América do Sul ou no Japão, isso não importa. Eu gosto de descobrir uma mistura alternativa, uma versão rara ou longa até então esquecida. Minhas peças mais bonitas encontradas estão atualmente com meus amigos a quem eu lhes ofereci. Um pouco como laços inabaláveis de paixão que nos une. Eu não sou materialista.

Richard Lecocq: Eu tive vários períodos como colecionador. Comecei a comprar discos aos 12 anos, e quando descobri as lojas Fnac e depois as convenções do disco, eu queria coletar tudo, especialmente as partes mais raras e, portanto, muitas vezes muito caras. Pude viver minha paixão e encontrar essas pepitas, mas finalmente voltei.

Eu também estava mais interessado mais no conteúdo do que na embalagem. Um dos melhores momentos para lembrar é a busca de Michael Jackson por todos os seus duetos e todos os seus outros projetos. É uma discografia paralela que me permitiu entender algumas de suas escolhas para seus álbuns solo. Mais uma vez, a carreira de Michael é tão densa e rica que contém muitas coisas bonitas.

O que vocês esperam do futuro em relação à exploração do legado artístico de Michael? Novos álbuns? Títulos não publicados? Um trabalho sobre o domínio de seus clipes, seus shows? O que mais?

François Allard: Claro que eu quero tudo isso! Com respeito e uma avaliação antiquada (risos).

Richard Lecocq: Eu estou principalmente procurando por projetos respeitosos: para destacar em ótima qualidade o que ele criou e validou durante sua vida, especialmente seus curtas-metragens em HD. Então ofereça ao mundo a riqueza dos arquivos de Michael, especialmente em vídeo. Como costumo dizer: para uma foto tirada, há o vídeo correspondente. 

Michael tem documentado tudo desde 1980. Para as músicas, também há muitas maravilhas que tenho certeza que estão apenas esperando para serem lançadas. Michael trabalhou com muitos produtores, o que aumenta as apostas com o Espólio assim que um título precisa ser recuperado. É por isso que a maior parte do material inédito desde a sua morte são demos produzidos por Michael.

Vocês anunciaram através da página do facebook da revista Jam que uma convenção de décadas para os fãs terá lugar no dia 20 de outubro em Paris. Você pode nos dizer mais sobre isso, qual é o propósito desta convenção e o que vamos encontrar lá?

Richard Lecocq: Décadas é um evento tornado possível graças à galeria G.Spot em Paris. Confrontado com a observação de que os fãs são bastante negligenciados nos dias de hoje, especialmente pelo Espólio, a ideia é despretensiosa, para propor uma consulta em que eles podem admirar objetos raros e fotos de Michael Jackson e participar de diversas atividades, como debates ou uma exposição de obras de artistas independentes. 

Vincent Paterson é nosso padrinho nesta aventura. Ele preparou uma surpresa para este evento em outro lugar. E para lhe dar uma dica, entre os convidados, teremos a felicidade de receber Jean Michel Dupont, editor da revista Photo Rock. Antes das [revistas] JAM e Black & White, havia o a francesa Photo Rock.

Obrigado, Richard e obrigado, François, por nos dar esta entrevista. Vocês têm algo a acrescentar sobre seus projetos ou uma palavra para nossos visitantes?

François Allard: Neste verão, tive o prazer de lhe entregar um artigo sobre o CD de amostras contendo algumas pérolas de áudio da carreira de Michael Jackson. Estou procurando o próximo tema que motivará a redação de um artigo para o site www.mjstreet.net ou na JAM Magazine. 

Encorajo os muitos entusiastas a continuarem a valorizar a sua herança em todas as formas de expressão que o nosso tempo permite não esquecer, que é a estrela Michael Jackson! Nós somos muitos e devemos ser mais para inundar as livrarias, a rede, as tabacarias para o legado de Michael Jackson sobreviver! Obrigado por esta janela aberta, foi um prazer.

Richard Lecocq: Eu só quero dizer aos fãs que é importante alimentar sua paixão. Muitas vezes você se depara com incompreensões ou perguntas de sua família e amigos. Mas ter uma paixão, no final, é muito mais raro do que você pensa. Então, continue a cultivar sua paixão por Michael Jackson e compartilhe com outros fãs. E não vamos esquecer que as pessoas só morrem quando não falamos mais delas. Obrigado por nos receber no MJFrance, e até breve!

Tradução : Rosane / Blog Cartas para Michael

Fonte: https://mjfrance.com

4 comentários:

  1. Há 10 dias atrás eu publiquei uma entrevista com Riad Bettouche, co-autor do livro "Michael Jackson - L'Intégrale" e agoram esta entrevista acima!
    Me dá aflição que esses livros estejam sendo publicados em francês e não em português ou inglês. Parecem ser livros muito bons, feitos por fãs e certamente, são riquíssimos em informações e pesquisa detalhada.

    ResponderExcluir
  2. Que bacana e importante o trabalho desses dois dedicados fâs de MJ!! Pena que os livros estejam sendo publicados em francês.

    Olha eu encontrando afinidade com eles: Eu não disse em meu depoimento, mas Billie Jean foi a primeira canção de Michael que me chamou a atenção e eu também, de repente percebi a existência de uma primeira parte da carreira de Michael, com o Jackson 5 e The Jacksons. Lembro-me que foi porque a Rádio América de São Paulo apresentava um programa especial com MJ todos os dias e nele tocava as cançãos dessa fase. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Continue a revelar mais memórias e lhe faremos escrever um segundo depoimento! kkkk

      Excluir
    2. Olha que dá para fazermos a parte 2, parte 3... :D

      Excluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

*Bem-vindos, Moonwalkers! Este é um espaço de amor à memória de Michael Jackson. Os comentários são moderados e estarão visíveis tão logo eu esteja on-line. [Rosane, admin. do blog]

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...