Conversas Privadas em Neverland... (14)


Michael tinha bom paladar?

''Uma noite Michael chamou Manuel Rivera. Acredito que fosse seu funcionário favorito. Ele foi enviado para uma escola especial para aprender a dirigir um trem a vapor que fazia a viagem até o zoológico. Lhe fez vir com um carro para nos levar para Santa Barbara a fim de comer alguma coisa.

Michael viu um restaurante japonês no topo da State Street enquanto circulávamos e perguntou se era bom. Assegurei-lhe que era e ele disse: "Bem, vamos ali.''

Manuel nos levou lá e encontrou uma área de estacionamento na parte de trás. Estávamos no Lincoln Navigator, mas estávamos de óculos escuros e não havia perigo de que Michael fosse reconhecido.

Este tipo de jantar acontecia dentro do carro, é claro, não no restaurante. Naquela noite eu perguntei: "Você tem certeza que não quer ir jantar em uma mesa, pois é tarde e não há praticamente ninguém? Eu posso perguntar e quando a mesa estiver pronta, Manuel pode vir te buscar.''

Michael disse: "Barney, eu gostaria, mas você não sabe o que está me pedindo. Poderíamos até mesmo sair feridos. As pessoas, mesmo com as melhores intenções que possam ter, nos cercam e nos empurram até o ponto que chega a te aterrorizar.''

''Eu também aprendi com a experiência passada que alguém pode anotar tudo o que você pediu e fazer uma ''análise psiquiátrica'' com conclusões ridículas sobre a minha saúde mental de acordo com a comida que você tem sobre a mesa.'' 

''Eu sei que isso pode acontecer porque eu fui a uma perfumaria uma vez e comprei creme dental, uma escova de dentes, shampoo, lâminas de barbear e desodorante. Poucos dias depois uma revista de fofocas tinha usado para avaliar a minha personalidade.''

Rindo, Michael concluiu: "Então, eu vou me contentar em ficarmos aqui no carro."

Perguntei a Michael e a Manuel o que eles queriam e ambos disseram que não tinham preferência particular, apenas um pouco de tudo, uma seleção do menu, na verdade. Eu pedi tudo ''para levar'' e levei uma caixa cheia de sushi e três sopas mistas, as quais colocamos entre o assento de Michael e o meu, para que Manuel também pudesse alcançar.

Em momentos como este eu sempre me assegurava de ter dinheiro suficiente para pagar o jantar. Eu sei que era algo sobre qual Michael realmente não pensava, não porque fosse mesquinho ou quisesse que eu pagasse - ele não lembrava deste aspecto porque sempre havia alguém que cuidava disso para ele.

Ademais eu ficava feliz em fazê-lo. Nunca poderia lhe devolver a generosidade que ele tinha demonstrado para com a minha família.

Assim, os três começaram a comer no carro e essa noite foi quando eu tive a primeira impressão de que Michael não poderia ter muito bom sentido do paladar. E a tive porque a primeira coisa que eu peguei foi uma grande porção de ovas de salmão rodeada por algas. Tinha cerca de duas polegadas de espessura e com algo parecido com maionese por cima.

Era definitivamente mais do que um bocado. Provei uma das ovas e embora eu aprecie caviar, tinha um gosto de peixe forte e desagradável e eu pensei que apenas os comedores de sushi mais obstinados poderiam achar que fosse comestível. Michael simplesmente comeu e eu me ri.

Ele olhou para cima e perguntou: "O quê?"

Eu perguntei: "É bom?"

Ele disse: "Sim!" E continuou a comer o sushi de ouriço do mar sem se queixar.

Eu gosto de ouriços do mar quando consumidos frescos na praia. Na verdade eu acho que eles são muito bons assim. No entanto, a forma como eles terminaram no sushi, já havia passado por uma série de alterações degenerativas, na minha opinião, não eram frescos em tudo.

Na verdade, eu achei o gosto questionável. Eu não sei, mas que... o que ele comia em casa - sem trocar as comidas - me fazia pensar se ele teria perdido um pouco do paladar.

Eu nunca perguntei sobre isso, é claro. Eu perguntei por que eu não tinha um cozinheiro francês ou chinês para mesclar um pouco. Ele disse: "Oh, não. Eu não preciso. Tenho três chefs que podem preparar tudo."

No entanto, eu nunca vi um menu para o jantar na casa que tivesse algo além de varas de peixes, cachorros-quentes, frango empanado, hambúrgueres e chimichangas. Eu amava aquelas chimichangas fresquinhas! Lembro-me que pedíamos no quarto de Michael quando estávamos assistindo a um filme.''

by William B. Van Valin
*Médico e amigo de Michael Jackson.

*Em seu livro
Conversas Privadas em Neverland com Michael Jackson.

Fonte: Fórum MJHideout

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...