Conversas Privadas em Neverland... (17)


As canções do Beatles 

''Michael e eu estávamos conversando sobre música um dia e ele me disse que tinha comprado o maior catálogo de músicas que existia e que tinha ganho quase um bilhão de dólares.

"Eu presumo que seja o catálogo de músicas dos Beatles onde você ''bateu'' [ganhou de] Paul McCartney.''

Ele disse: "Sim, é esse. Paul se chateou um pouco comigo por causa disso. Mas foi ele quem me falou que a melhor maneira de ganhar dinheiro no mundo da música é sendo o proprietário de músicas. E o catálogo era uma enorme coleção de músicas - não somente dos Beatles - mas também de algumas milhares mais.''

Neste momento o telefone tocou e enquanto Michael atendia a chamada, eu saí para uma caminhada e apreciar a paisagem. Cerca de dez minutos depois Michael saiu para me encontrar.

"Chamada boa ou ruim?'' perguntei.

"Bem, não havia te contado que mantive à parte sete canções dos Beatles para nunca usá-las até que elas aumentassem o seu valor. As empresas querem usar músicas famosas para filmes ou anúncios e eles me pagam pelo seu uso se estiverem no meu catálogo. Essa ligação era de um representante de uma empresa canadense oferecendo-me oito milhões de dólares para a utilização de uma das sete canções dos Beatles no anúncio de um carro."

"Você aceitou?", perguntei.

"Não", respondeu ele. "Ainda a manterei guardada."

"É muito por uma canção, Michael."

Ele riu um pouco e disse: "Quanto mais tempo as mantiver inacessíveis, maiores valores alcançarão. Eu estou esperando por um preço justo e não sei qual seria esse ainda."

Prince e Paris

''Uma noite, Michael e eu estávamos sentados em seu quarto conversando, enquanto Prince e Paris brincavam ao redor de sua cadeira. Eles tinham alguns carrinhos de metal e estavam se divertindo, visto as suas risadas.

Michael interrompeu o que estava me dizendo, virou-se para as crianças e disse:

"Prince! Paris! Barney e eu estamos conversando e nós mal podemos ouvir um ao outro, por causa do barulho de vocês. Tentem manter o som mais baixo.''

"Ok papai'', ambos responderam. ''Sentimos muito."

Michael disse: "Eu lhes perdoo" e nós voltamos para a nossa conversa.

Não demorou muito tempo, porém, antes que o barulho de sua brincadeira fizesse Michael lhes pedir novamente que moderassem o ruído.

Eles pediram desculpas novamente e voltaram a brincar de forma mais tranquila por um tempo. Quando o barulho aumentou novamente, Michael olhou para mim com um sorriso e balançou a cabeça.

Virou-se para Prince e Paris e disse: "Vocês sabem, crianças, eu já teria sido espancado por isso.''

Perguntei-lhe se era realmente o caso e ele disse:

"Absolutamente. Meu pai costumava nos bater muito. Quando éramos crianças, eu me lembro quando ele cruzava a porta depois do trabalho, todos nós corríamos para nos esconder. Tínhamos tanto medo dele. Eu fiz uma promessa a mim mesmo, anos atrás, que eu nunca bateria nos meus filhos ou faria com que tivessem medo de mim, da forma como eu sentia medo do meu pai."

Tenho certeza de que você está se perguntando se eu conhecia algum parente de Michael. De vez em quando me dizia que Janet ou a sua mãe Katherine estavam a visitá-lo, mas nunca coincidi com elas. Em várias ocasiões durante o curso de uma conversa, ele mencionou que ele amava sua mãe.

Uma vez ele me disse que tinha nomeado uma montanha que estava na parte de trás do rancho, Monte Katherine, por causa de sua mãe.

Ele disse que tinha feito de modo que aparecesse oficialmente nos mapas. É a montanha a qual os moradores chamam de Bald Mountain Valley. Ela estava sempre coberta de papoulas laranja na primavera e neve no inverno.

Eu disse a Michael que havia conhecido La Toya alguns anos antes, quando ele estava na cidade para filmar o vídeo com Paul McCartney. Lembro-me de Paul tinha se hospedado no Palacio do Rio [uma linda mansão em uma colina sobre o rio].

"Mas vocês demais estavam no Chimney Sweep Inn que era de propriedade de meus pais naquela época. Você se alojou em uma das casas de trás", eu disse.

"Oh, eu me lembro disso", disse Michael. "Havia um cavalo de carrossel antigo pendurado na parede do andar térreo."

"Sim. Era um daqueles que eu trouxe do México. E a cabeceira da cama no andar de cima era uma caixa de janela em bronze e o carvalho de um velho banco que eu comprei ao sul de Illinois.''

''Bem, eu estava no escritório quando La Toya entrou, perguntando por alguma loja de roupas. Eu estava no meu caminho para a padaria e disse-lhe que a acompanharia até a loja. A poucos quarteirões mais abaixo eu apontei para a loja cruzando a rua e disse-lhe para se divertir e eu fui para a padaria. Lembro-me de ficar surpreendido quando percebi quem ela era, enquanto falávamos. Eu não sabia que você tinha irmãs. Ela era uma garota muito bonita, Michael!''

Ele riu disso e disse, sorrindo:" Eu sei e é simpática também."

Segui contando para Michael que a minha mãe tinha conversado um bom tempo com a mãe dele que estava lá, também. Ela me disse que achou a sua mãe uma mulher muito cativante. Era bastante acessível e modesta. Michael apenas sorriu em aprovação.''

by William B. Van Valin
*Médico e amigo de Michael Jackson.

*Em seu livro
Conversas Privadas em Neverland com Michael Jackson.

Fonte: Fórum MJHideout

18 comentários:

  1. Vale lembrar que o referido catálogo de músicas ficou à disposição para venda por dois anos antes de Michael adquiri-lo, mas Paul McCartney e Yoko Ono não manifestaram interesse na compra.



    ResponderExcluir
  2. Boa noite angel,

    amei esse depoimento, isso mostra mais um dos muitos talentos de Michael. Ser dono de um catálogo de músicas tão valiosos como dos Beatles e de tantas outras pode parecer que ele foi um tantinho ganancioso, mas eu penso que não. Acho mesmo que todas essas músicas foram parar nas mãos certas que souberam preservar e valorizar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, amiga, se o catálogo estava à venda, também fico feliz por Michael ter comprado e mostrar mais uma vez, o seu tino para os negócios.

      Excluir
  3. Não entendo o porque que o Paul McCartney ficou tão chateado. Foi uma jogada de gênio, a compra do catálogo. Afinal Michael só estava seguindo o conselho do Paul. ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu diria que o nome disso é frustração, para não usar outro termo.

      Excluir
  4. Ontem eu comentei algo parecido com o comentário da Laís sobre o assunto, mas infelizmente não apareceu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mari, vc parece que foi premiada.. não é o primeiro, não é?

      Bjs, ♥

      Excluir
  5. Pois é. Mas se não engano já vi outra pessoa se queixar da mesma coisa. Mas tudo bem, estou aqui de novo, se vc. me permite. Rs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou jogar um sal grosso por aqui rsrs Eu gostaria de lhe pedir que repetisse o comentário, quando não aparecer para mim.

      Não há nada que eu possa fazer a esse respeito, infelizmente.

      Excluir
  6. Eu sei disso, querida, vc. é muito atenciosa. Thank you.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ゚・。.。・゚゚・。.。・゚゚・。 ♥ ♥ ゚・。.。・゚゚・。.。・゚゚・。

      Excluir
  7. Imagino como Michael sentia medo do pai, todos os irmãos também. A gente perdoa, mas não esquece.

    ResponderExcluir
  8. ♥ Boa noite angel! ♥

    A história da perda do catálogo por Paul e John, começou no início da década de 60, quando eles foram aconselhados e orientados e concordaram em criar uma editora de música para que ficassem melhor para eles em termos de pagamentos de impostos.

    Eles entraram como sócios na editora, mas não eram os majoritários, o que foi a desvantagem para eles e que se tornou fatal para que o catálogo que tinham saíssem do controle de suas mãos.

    Por várias situações internas entre os envolvidos, incluindo empresários, a situação ficou desfavorável a eles, que não tinham voz de comando no assunto.

    Sendo assim, o catálogo foi vendido por dois outros sócios e desde então, John e Paul, que eram os maiores interessados no assunto, nunca foram capazes de superar as próprias discórdias que tinham e resolver a questão.

    Se tivessem tido o diálogo necessário e se tivessem ido atrás dos seus próprios interesses, esse catálogo não teria sido vendido desde a primeira vez.

    De 1963, quando toda a história começou até a morte de John Lennon em 1980 são 17 anos, com mais 5 anos que se passaram até 1985, são 22 anos.

    Só Paul McCartney pode explicar porque ele não tem o próprio catálogo musical.

    É muito fácil colocar a culpa nos outros. Ele deveria contar a história inteira, desde a década de 60, quando tudo isso começou porque ele sabe que a responsabilidade é dele e do John Lennon, e não de Michael Jackson.

    Se fosse ele que tivesse comprado o catálogo de Michael, seria tratado como um gênio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite amiga, obrigada por nos trazer essa explicação detalhada sobre esse episódio em geral, mal coompreendido pelas pessoas, fãs ou não-fãs. Valioso. ♥

      Excluir
  9. Ai que super fofo o nosso anjo homenagiar sua doce e linda mãe dona Kate colocando o nome dela em uma montanha....achei muito meigo
    awn <3333
    Amando de paixão esse livro <333

    Michael love too <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um filho de ouro, Tati!!

      Excluir
    2. Ai mega sim Rô *......* <3 <3 <3 XD

      Excluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

*Bem-vindos, Moonwalkers! :) Os comentários são moderados e estarão visíveis tão logo eu esteja on-line.
**Para assuntos privados e não referentes à matéria eu peço que utilize o email [cartasparamichael@gmail.com] ・。.。・゚゚・。.。・゚゚・。❊
*Rosane [admin. do blog]

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...