Remember The Time: Protecting Michael Jackson


Bill: ''Houve várias reuniões com diferentes artistas e produtores. Alguns deles trabalhando no remixes de Thriller 25... Will.i.am do Black Eyed Peas, que estava trabalhando em algumas dessas faixas. Foram realizadas reuniões com Babyface [...] e Akon. Ele também estava fazendo um faixa de Thriller e estavam colaborando em outra canção juntos chamada Hold my Hand.

Nós ouvimos Sr. Jackson ensaiando muitas das versões de demonstração dessa. Muitas dessas reuniões foram realizadas no Palms. É um complexo de hotel e cassino que tem uma gama alta e o estado dos estúdios de gravação de arte. Um monte de grandes artistas vêm à cidade para gravar lá.

Com exceção de Brad [Sundberg], o Sr. Jackson não passava muito tempo trabalhando com essas pessoas 'cara a cara'. Se reuniam durante um par de horas colaborando e em seguida, trabalhando com essas ideias e conceitos por si mesmos. Conversavam e colocavam as trilhas por telefone.

Às vezes enviavam para mim as músicas por e-mail, eu gravava em um disco e o levava para Sr. Jackson e ele ouvia no carro. Nada disso estava muito bem organizado.

Sempre tinha falado sobre montar essas partes e peças em um grande álbum de retorno, mas como algumas coisas neste mundo, esse projeto nunca parecia se materializar. Para a maior parte, somente escrevia e criava música porque ele amava fazê-lo. 

Havia também coreógrafos que vinham à casa de forma regular. Ficavam no estúdio com ele por horas, mesmo que não houvesse shows em espera. Faziam por prazer, pelo prazer de fazê-lo.''

Javon: ''Não eram apenas músicos e produtores chegando naquela época. Um monte de pessoas estavam ansiosas para visitá-lo porque ele esteve fora do país por muito tempo. Andrew Young, ex-prefeito de Atlanta, chegou a visitá-lo em sua casa. Jesse Jackson veio à casa. Eddie Griffin, o comediante, era um visitante regular. Chris Tucker veio, o levamos, e Sr. Jackson conversou com Nelson Mandela por telefone várias vezes.''

Bill: ''Dr. Murray o visitou em um par de ocasiões, talvez uma vez a cada seis semanas ou mais, normalmente para observar uma das crianças. Ele nunca ficava lá por muito tempo, em média meia hora a 45 minutos, no máximo. Honestamente eu não prestava muita atenção. Não havia nada de incomum nisso. Era apenas mais uma daquelas pessoas que iam e vinham.

Havia muitas pessoas que vinham através da vida de Michael Jackson, mas ninguém estava realmente em sua vida. Ele era muito amável com essas pessoas que nos visitavam, mas essas reuniões eram reuniões de negócios, em sua maior parte, como com Andrew Young e Jesse Jackson, que era só para discutir um programa de caridade na África. 

Não havia quase ninguém na sua vida pessoal para chegar a dizer: "Ei, vamos sair." Em todo o tempo que eu trabalhei para o homem eu nunca ouvi alguém chamar para dizer: "Ei, adivinha que filme que eu acabei de ver?" nada disso acontecia. Era puramente negócios.''

Javon: ''Seu principal contato com o mundo exterior era através dos fãs. Ele tinha toneladas de cartas de fãs. Pessoas com a Sra. Raymone as pegava e as empacotava e todos os dias chegavam aqueles grandes sacos. Eles vinham de todo o mundo, Canadá, Inglaterra, Egito, Japão, Índia, Irlanda, Espanha, ele lia tudo.

Ocasionalmente, no início da manhã de sábado, os levaríamos em longas viagens e ele mergulhava nas suas cartas de fãs. Eu dirigia, Bill montava guarda. Nós íamos para as montanhas, onde ainda havia neve no chão. Nós gostávamos de fazer todo o caminho até a represa Hoover no Arizona e em seguida, dar a volta e retornar para casa.

Sr. Jackson sentava-se na parte de trás, tocando música clássica, com a cortina descida. Você podia ouvi-lo abrindo carta por carta. Às vezes, nos dizia:

''Ei, escutem isso, pessoal. Isto é tão doce..."

E ele nos lia algo que alguém tinha escrito. Pessoas escreviam sobre crianças morrendo de doença e o quanto a sua música significava para eles. Coisas assim o deixavam comovido. Se podia ouvi-lo tendo um nó na garganta. Ele nos dizia:

"Vocês podem não compreender mas é aqui que eu encontro muita inspiração para escrever minhas músicas.''

Extraído do livro Remember The Time: Protecting Michael Jackson in His Finals Days escrito por Bill Whitfield e Javon Beard - ex-guarda-costas de Michael Jackson.

Fonte:  http://michaeljacksonmyobsession.blogspot.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...