Jody Michael


"Quando eu tinha 16 anos, tive uma conversa de 45 minutos com Michael Jackson. Como você pode imaginar, a experiência foi emocionante. Mas o que eu desconhecia na época era que aquela breve conversa iria moldar a trajetória da minha vida.

Foi na primavera de 1974, quando soube que a minha banda favorita, o Jackson 5, estava chegando em Chicago. Eu imediatamente fui atrás dos ingressos.

Quando eles chegaram, eu não podia acreditar na minha sorte: Eu consegui assentos na primeira fila! Daquele momento em diante, tudo o que eu podia pensar era no meu encontro com Michael.

Quando o dia finalmente chegou, o meu pai levou a mim e à minha melhor amiga, Linda, para fora dos subúrbios e nos deixou no local do concerto. Nós encontramos nossos lugares, fortuitamente localizados junto à mãe de Michael, Katherine.

Ela era calorosa e amigável e depois nos engajamos com ela em uma conversa sobre o quanto eu amava os meninos, e ela conseguiu que todo o grupo autografasse o meu programa. Após o show, com o programa na mão, eu disse à Linda que tínhamos de conhecer Michael.


Nosso plano brilhante era simples: ficar após o show e esperar por ele do lado de fora. Infelizmente, cerca de 100 outras pessoas tiveram o mesmo plano brilhante, mas estávamos determinadas.

Durante as próximas duas horas, o grupo foi diminuindo até que éramos somente nós duas. Sabíamos, apenas sabíamos em nossos corações, que Michael ainda estava dentro do teatro.

Eventualmente, o gerente do local saiu e perguntou o que estávamos fazendo; Eu respondi o assunto com naturalidade, "Estamos à espera de conhecer Michael".

Ele nos disse que eles haviam saído horas atrás e eu com confiança respondi: "É o seu trabalho nos dizer que ele não está aqui. Eu sei que ele está e não vai a lugar nenhum."

Finalmente, farto das adolescentes obstinadas, ele destrancou o teatro e nos deixou verificar o lugar. Não havia nenhum membro da família Jackson para ser encontrado. Estávamos desanimadas.

Quando ele nos perguntou como tínhamos planejado voltar para casa, percebemos que o trem de volta para a cidade há muito tinha deixado de correr para a noite.

Em toda a emoção, tínhamos nos perdido completamente de tais questões práticas. Ele foi gentil o suficiente para nos dar uma carona. Na volta para casa, ficamos alheios ao nosso motorista; tudo sobre o que Linda e eu poderíamos falar era da nossa tentativa fracassada de conhecer Michael e o castigo que nos aguardava em casa.

Logo antes de nos largar, o gerente local teve piedade de nós e nos disse onde os Jacksons estavam hospedados. Senti uma onda de excitação e esperei por tudo de novo, assim como eu fiz quando os ingressos chegaram pela primeira vez. Mesmo ficar de castigo por uma semana não estragou o meu humor.

Determinada a encontrar Michael, no dia seguinte eu desafiei as ordens do meu pai e corri para o hotel depois da escola. Eu me sentei no saguão, esperando pacientemente por cinco horas.

Quando era óbvio que o show já havia começado e Michael não estava à vista, me aproximei do homem na recepção apenas para ele me dizer, "Eu não posso confirmar ou negar que o Jackson 5 se hospeda aqui."

Depois de muito ser incomodado, ele finalmente salientou que, se um grupo musical famoso estivesse hospedado no hotel, eles provavelmente não iria sair pelo saguão.

Esmagada pelo fato de que eu o tinha perdido de novo, me sentei e escrevi uma carta sincera para Michael, explicando o quão duro eu tinha tentado, quanto tempo eu tinha esperado para encontrá-lo e em quantos problemas eu tinha me metido através das minhas tentativas de falar com ele.

Quando eu tentei entregar a carta ao homem na recepção do hotel, ele se recusou a pegá-la. Imperturbável, entrei no elevador e parei em todos os andares.

Quando cheguei ao topo, havia um guarda de segurança desmedido que avisou, "Eu acho que você está no andar errado." Bingo! Eu sabia que estava exatamente onde eu precisava estar. Depois de muita persuasão, eu finalmente o convenci a pegar a carta. Então eu fui para casa e entrei em um enorme problema. Mais uma vez.

Tudo valeu a pena, porque naquela mesma noite, o telefone tocou às duas da manhã e eu estava meio que dormindo, quando eu ouvi a resposta do meu pai a dizer, "Michael? Michael quem?"

Saltei da cama e gritei para ele não para desligar. Ele olhou para mim como se eu fosse uma pessoa louca e disse, "Você diga ao Michael Jackson, seja ele quem for, para nunca mais ligar para cá novamente a esta hora!"

Peguei o telefone e passei 45 minutos conversando com Michael Jackson. Ele foi afável e gentil - era como falar com um amigo. Tínhamos a mesma idade e a maior parte da nossa conversa ficou focada em sua curiosidade em torno da vida de um adolescente normal.

Ele perguntou sobre a escola e as minhas experiências cotidianas; nos reconhecemos através de nossas lutas com nossos pais rigorosos. Foi uma conversa íntima entre dois jovens.

À medida que a conversa estava terminando, eu me lembro de pensar, "Ninguém vai acreditar nisso. Eu tenho que guardar uma evidência".

Então eu pensei, "Não". Intuitivamente, eu sabia que pedir uma foto personalizada como prova iria estragar o momento. A conversa foi tão autêntica e pura. Eu não pedi.

Conversar com Michael Jackson foi a minha primeira meta de expansão - algo tão grande e tão improvável que a maioria das pessoas não se incomodaria de ir atrás dela. Sem que eu soubesse na época, a chamada de 45 minutos foi uma das conversas mais importantes da minha vida. Ela me fez destemida e obstinada para ir em busca dos meus objetivos.

Muitas vezes, nós aceitamos um "não" como um sinal de que não somos inteligentes o suficiente, poderosos o suficiente ou suficientemente capazes. Criamos e contamos a nós mesmos histórias que nos limitam. A trajetória de nossas futuras mudanças - muitas vezes de forma dramática - quando "não" não serve mais como um absoluto, e nós poderosamente mudamos nossas histórias a fim de apoiar a ação que precisamos para avançar.''

Jody Michael
*Jody Michael é CEO e fundadora da Jody Michael Associates, empresa sediada em Chicago, especializada em consultoria organizacional. Jody é licenciada assistente social clínica e psicoterapeuta da Universidade de Chicago, treinada com mais de 15 anos de experiência corporativa na indústria financeira e mais de 20 anos de experiência treinando indivíduos, equipes e organizações. 

11 comentários:

  1. Ela foi perseverante igual a Michael e recebeu a recompensa... 45 m falando com ele!!!!
    Eu ficaria mega feliz se escutasse pelo menos um alô dele.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Você diga ao Michael Jackson, seja ele quem for, para nunca mais ligar para cá novamente a esta hora!"

      Eu ri nesta parte. :D

      Um belo depoimento sobre a virtude da perseverança!

      Excluir
  2. Incrível como atendia a um fã. Acho que para ele também foi uma conversa agradável e enriquecedora. Assim, não se sentia tão só.
    Mas nenhum outro artista faria igual.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ...e bons tempos onde um fã tinha fácil acesso aos andares de um hotel onde Michael se hospedasse, bastava entrar pelo saguão, pegar o elevador, até ser barrado por algum segurança. :)

      Excluir
  3. A atenção de Michael para com os fãs era algo fora do comum.
    Mais um lindo depoimento sobre ele!
    E a imagem é linda também: o sorriso maraviloso que ele sempre teve! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele sempre foi lindo, não é? Desde pequeno. :-bd

      Excluir
  4. Que emocao senti ao ler este depoimento. E Michael desde sempre se sensibilizando pelos fas. Gostei muito da mensagem final dela sobre perseveranca e ir em busca dos objetivos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Importante que ela citou que esse encontro por telefone a estimulou a seguir uma carreira empreendedora na área das relações humanas.

      Excluir
  5. Ele sempre foi o mais bonito dos irmãos. A quem será que puxou?

    E para mim ele só melhorou.

    Exceto na Era Invincible, que é uma época que não é das minhas preferidas em sua aparência, não em sua música.

    Mas, ele voltou ao que era, depois. Na época do julgamento ele já estava lindo outra vez. Como isso foi possível, Rosane?

    É possível fazer cirurgia para voltar ao que era?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho que cirurgias podem fazer milagres, ao meu ver, Michael nunca precisaria ter feito nenhuma, a prova está na foto desta publicação acima. Mas era o corpo dele, e se ele se sentia melhor a respeito, por mim, tudo bem.

      Eu acredito que Michael puxou à familia de sua mãe Kathe, que tem os traços suaves.

      Excluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

*Bem-vindos, Moonwalkers! Os comentários são moderados e estarão visíveis tão logo eu esteja on-line. [Rosane, admin. do blog]

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...