''Michael Jackson: Póstumo''


''Michael Jackson: Posthuman'' é um texto recém-publicado por Susan Fast, Professora de Estudos Culturais e Diretora do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Gênero na McMaster University.

''A capa para o álbum Dangerous de Michael Jackson foi pintada pelo artista americano pop-surrealista Mark Ryden. Nela, ele descreve um mundo em que as fronteiras entre humano e animal, vivos e mortos, inteiros ou em parte, celeste e terrestre são cruzados e fundidos.

Pintores surrealistas como Ryden, muitas vezes, têm como objetivo recolher essas categorias - de conciliar, na sua arte, o que parece ser irreconciliável na vida.

Mas, na verdade, esse cruzamento de fronteira faz acontecer na vida - cada vez mais - e corresponde ao que alguns têm chamado de pós-humanismo.

Cary Wolfe, um professor e autor do livro What is Posthumanism [O que é pós-humanismo] escreve que somos "criaturas fundamentalmente protéticas," que dependem de entidades fora de si mesmas - outros seres humanos, animais, tecnologia - a fim de funcionar e prosperar. Em outras palavras: os limites do nosso corpo e intelecto não são tão firmes e finitos como nós queremos acreditar.

O Pós-humanismo também defende o desmantelamento da hierarquia, que coloca os seres humanos - em grande parte por causa de nossa capacidade de "raciocinar" - acima de outras formas de vida e tecnologia. Ambas as ideias foram fundamentais para a vida e arte de Michael Jackson.

É um pouco surpreendente que tão poucos têm considerado a ele através deste foco; em vez disso, muitos têm simplesmente rotulado a ele como estranho ou excêntrico. A mídia foi rápida para rotular Jackson sem considerar suas intenções artísticas.


No entanto, toda a carreira de Jackson foi definida por sua rejeição aos limites normais. Isso inclui não apenas o mais óbvio deles [raça e sexo] mas também as barreiras geracionais, os limites do seu corpo físico e as divisões entre as espécies reais e fictícias - para não mencionar a forma perfeita que poderia fundir gêneros artísticos.

Jackson celebrava a ideia protética do humano de inúmeras maneiras. Por exemplo, através da cirurgia plástica, do uso de cosméticos, maquiagem, penteados e vestuários, ele nos pede não só para reconsiderar a dualidade dos gêneros [que é a parte relativamente fácil] mas para questionar as ideias prevalecentes sobre a beleza estética e que pode ser chamada de "normal".

Nossas aparências são todas produtos de intervenção externa [até mesmo pelo uso de cremes e lixas de unhas]. Modificações extremas de Jackson poderiam ser pensadas como um comentário sobre isso.

Jackson foi um pós-humanista, borrando as fronteiras tradicionais. Em Moonwalker, ele aparece como um cyborg: metade humano, metade robô.


O personagem da ficção também foi uma característica de sua prática artística - onde, em vários pontos, ele se apresentou como um lobisomem, um zumbi e uma pantera.

No filme Moonwalker ele se transforma em uma nave espacial; em Ghosts, ele se torna um esqueleto dançando, um monstro grotesco e um rosto gigante que bloqueia a porta.

Ghosts, de fato, é um filme onde ele aborda diretamente a percepção de que ele é um "freak" e "anormal". É notável que tanto de sua metamorfose neste filme seja focada em seu rosto - um objeto de escrutínio constante e escárnio na mídia.

Em Ghosts, Jackson confronta diretamente seus críticos. Quem tem autoridade para declarar o que é normal e que não é? Tanto em sua vida e sua arte, ele estendeu seu corpo como um trabalho em andamento, totalmente aberto e confiante na experimentação sem limites.

Há uma longa tradição de artistas que se envolveram em modificação do corpo como um meio através do qual testar os limites da carne, como Orlan e Stelarc.

Talvez o aspecto mais controverso de mudanças físicas de Michael Jackson tenha sido o clareamento de sua pele. Devemos ter em mente que este foi o resultado do vitiligo, uma doença de pele. Pensa-se, erroneamente, que a sua cor da pele simplesmente ficou mais leve, mas ela realmente flutuou - tanto que sua intenção era, certamente, longe de querer "ser" branco, como muitos concluíram.

Houve uma longa tradição de artistas [como Stelarc, retratado abaixo] que se envolveram em modificação do corpo. Nenhum deles recebeu o montante de críticas que Jackson recebeu.


Em vez disso, é possível que o vitiligo - doloroso como deve ter sido para ele - tenha servido como uma oportunidade para iniciar uma conversa sobre raça e cor da pele. Ele queria desafiar a ideia de raça como fixa ou ligada à biologia, ao invés de socialmente construída.

Jackson também estendeu a sua noção de família, o que pode ser descrito como uma espécie de "parentesco queer''. Isso não tem nada a ver com a orientação sexual, mas com a forma como ele desafiou ideias normativas sobre o que constitui a família. Sua família foi formada por animais [Bubbles, o chimpanzé, sim, mas também Muscles, a cobra e Louis, a lhama].


Ela incluía crianças [Jackson ainda podia brincar como uma criança, com as crianças, quando ele era um adulto, testar idrias sobre a progressão normal, linear, desde a infância até a idade adulta]. 

Ele incluiu celebridades mais velhas de Hollywood, como Elizabeth Taylor e Liza Minnelli [novamente rompendo os limites da filiação geracional normativa]; e incluiu famílias de classe média como a de Frank Cascio de New Jersey, a qual Jackson adotou como sua, regularmente passando tempos em sua casa, onde ele ajudava na limpeza e arrumava as camas junto com a mãe dos Cascio.

Grande parte disso tem sido visto como patológico, porque é uma maneira de construir família que não se conforma; que atravessa fronteiras normalmente não cruzadas. Isso faz com que muitas pessoas se sintam desconfortáveis. 

Mas a visão de Jackson do corpo e de parentesco foram realmente voltadas para o futuro, uma espécie de alcançar além de normas sociais que, muitas vezes, é comemorado em outros artistas e ativistas, mas ainda visto com grande suspeita no caso de Jackson.

Em outros lugares, eu argumentei que isso é porque Jackson cruzou tantas fronteiras ao mesmo tempo. Foi a combinação de transgressões sociais o que levou as pessoas a temer - ao invés de comemorar - a sua diferença. Foi também que ele realmente viveu essas transgressões: não havia nada para mitigar as diferenças de Jackson. 

Quando outros artistas como Lady Gaga transgridem as fronteiras no palco, o impacto é freqüentemente diminuído por suas vidas privadas, as quais estão em conformidade com as normas da sociedade.

Em um ensaio de 1985 sobre Michael Jackson, James Baldwin escreveu que "loucos são chamados de loucos e são tratados como eles são tratados - em sua maioria, abominavelmente - porque eles são seres humanos que provocam ecos dentro de nós, nossos terrores e desejos mais profundos.''

Michael Jackson - de gênero ambíguo; adorado e insultado; humano, homem lobo, pantera; preto, branco, marrom; criança, adolescente, adulto - quebrou os pressupostos de uma sociedade que anseia por categorias puras e compartimentalização.

'Ordem e normalidade são ilusões', ele disse sobre sua vida e arte.''

Fonte: http://theconversation.com
Tradução deste blog

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...