Remember The Time: Protecting Michael Jackson

Bill e Javon
Bill: ''Naquela manhã, eu estava executando recados, ainda me debatendo se devia ir ou não ir para Los Angeles por ele. Quando cheguei em casa, eu tinha praticamente decidido que eu deveria ir. Eu pegaria o meu carro e iria. Para descobrir o que estava acontecendo.

Mas no momento em que entramos na casa, meu telefone tocou. Soprando. Alto. Os e-mails. Mensagens de texto. As mensagens de voz. Eu respondi uma chamada e era um amigo meu, e ele disse, "Ei, o que está acontecendo com o seu rapaz?"

"O que você está falando?"

"Ele está morto!"

"Quem?"

"Michael Jackson"

"Ah vá à m****!"

Eu não acreditei nele. Eu tinha ouvido isso antes. Tinha que ser um boato. Mas o meu telefone não parava de tocar. E fui para ver os nomes das pessoas que conheci em New York, com as quais eu não falava há algum tempo. Eu me assustei. Me levantei e liguei a TV, e eles estavam dando a notícia em todos os canais.''

Javon: ''Eu estava na Best Buy fazendo algumas compras e, de repente, meu telefone começou a tocar como um louco. Ao mesmo tempo que começou, uma das garotas na seção de vendas de CD gritou, "Oh, não! Michael Jackson está morto!"

Peguei meu telefone para atender e era meu primo Jeff. Ele disse, ''Sr. Jackson faleceu."

"Isso é verdade?"

"Isso é o que eles estão dizendo. Me deixe averiguar e ligo para você.''

Fiz uma pausa. Tudo o que eu conseguia pensar era, 'Onde estão as crianças? Será que eles viram quando seu pai morreu? Quem está com eles agora?' Corri para casa para que eu pudesse assistir a notícia por mim mesmo.''

Bill: ''Eu vi na televisão as equipes de TV acampadas do lado de fora do hospital. Agora era real. O locutor estava dizendo, "Estamos esperando um anúncio de um dos membros da família."

Foi quando eu vi Jermaine ir ao pódio, e eu estava pensando, ''Ele está a ponto de dizer o que eu acho que ele vai dizer?''

Jermaine fez uma pausa, respirou profundamente e finalmente disse, 'Meu irmão, o lendário Rei do Pop, Michael Jackson, morreu... Eu caí no sofá em choque.''

Javon: ''Uma vez que ouvi dizer que foi confirmado pela equipe legista, eu fui para o banheiro, eu quebrei e comecei a chorar. Eu estava olhando para mim mesmo no espelho, e meu coração, eu estava realmente sofrendo.

Eu não parava de pensar sobre as crianças. Onde elas estão? Como elas estão se segurando? Elas realmente não conheciam o restante da família. também. Ele as mantinha longe de todos. A única pessoa que conheciam era a Sra. Grace. Com seu pai desaparecido, para onde iriam agora? Quem iria cuidar deles?''

Bill: ''Quando mostraram as imagens da ambulância deixando a sua casa dela estavam, a primeira coisa que pensei foi, ''Eles esperaram por uma ambulância? Por que não o levaram ao hospital? Porque simplesmente não o pegaram e o levaram imediatamente ao hospital, ao primeiro sinal de algo errado?''

Nos dias seguintes, tudo que eu conseguia pensar era, ''E se eu tivesse estado lá? Eu poderia ter feito alguma coisa? Teria sido diferente se eu tivesse ido para Los Angeles quando ele me ligou?''

Depois, quando ouvi a chamada feita para o 911, você os escuta ao telefone dizendo ao operador, "Nós temos um senhor aqui. Ele não está respirando."

Ao diabo com isso. Eu teria colocado ele no carro e o levaria ao hospital por mim mesmo. Se havia apenas dois quilômetros de distância, eu teria tirado ele dali. Ele não está respirando? Vamos! Nós temos que ir!

Talvez pudesse ter sido diferente se eu tivesse estado lá. Eu fico imaginando como teria sido a minha reação, mas realmente não ficaria esperando a chegada dos paramédicos.

Esse cenário seguiu correndo na minha mente: ''...e se?'' Seguiu dando voltas na minha cabeça.

Mas eu posso dizer o que passou pela minha cabeça quando soube que ele tinha morrido. Eu sequer pensei no Dr. Conrad Murray. Eu não imaginava nem por um segundo que ele poderia estar envolvido. Propofol? Eu nunca tinha ouvido falar nele. Ele não estava usando nada parecido para dormir quando ele estava conosco, e nós sabíamos que ele não o fazia porque ele nunca dormia.

Tudo o que realmente sabia sobre Michael Jackson e medicamentos prescritos era o que os outros sabiam, o que você ouviu na mídia. Não há demasiado coisas negativas que eu não tenha ouvido falar de Michael Jackson, e elas são apenas rumores, então eu acho que eu vi com meus próprios olhos, e não vi muito.

Houve uma vez em que fomos para o hospital na Virginia no meio da noite. Isso era incomum. Mas isso foi real. Em todo esse tempo de estar em contato pessoal muito próximo com ele, isso foi tudo o que eu vi. Michael Jackson, a maior parte do tempo, estava na leitura de um livro ou ajudando as crianças com a lição de casa. Esse era o cara com quem eu trabalhava.

Dr. Murray visitou Sr. Jackson talvez três ou quatro vezes nos meses em que eu estava com ele. e as poucas vezes que veio, foi porque as crianças estavam doentes. Paris teve uma gripe, Blanket teve um mal estar no estômago, algo assim.

Se Dr. Murray estava tratando Jackson, prescrevendo coisas, eu gostaria de saber, é claro. Mas ele nunca ficou na casa por mais de uma hora, uma hora e meia, no máximo. Nunca durante a noite. Se Dr. Murray o ajudou para dormir, ele não estava dando voltas por lá.

E por que não? Por que Dr. Murray não esteve na Virgínia? Por que não esteve em New Jersey? Ele não estava lá porque Michael Jackson não precisava de tudo isso. O Rei do Pop traiu a ele, pois ele tinha todos esses abutres atrás dele, tratando de fazer todos esses concertos, toda essa pressão. Isso trouxe todo o drama.''

Extraído do livro Remember The Time: Protecting Michael Jackson in His Finals Days escrito por Bill Whitfield e Javon Beard - ex-guarda-costas de Michael Jackson.

Fonte: http://mjhideout.com

17 comentários:

  1. Eu me perco pensando como Bill: "e se"?... nao ha como superar tudo isso! Ele era um homem que na maior parte do tempo estava lendo ou ajudando as criancas :(...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tenho comigo que Deus quis poupar esses dois homens - Bill e Javon - de de viver um momento que eles levariam com culpa no coração, por não conseguir salvar a vida de Michael.

      Sei lá... a gente fica procurando respostas... imagina eles, então! De qualquer forma, eles também irão levar o ''...e se?'' para sempre.

      Que aflição. :(

      Eu gostaria que lhes fosse permitido rever os filhos de Michael, afinal, eles tratavam as crianças com um sentimento extra de proteção.

      Excluir
    2. Boa tarde Rosane. Seria muito bom que eles se reencontrassem. Quem sabe, agora com a Paris e o Prince com mais idade isso aconteça por vontade deles. Anteontem eu enviei um Twitter para o Bill dizendo que gostei muito do livro e etc etc e ele acabou respondendo, como ele está fazendo com todos os fãs que deixam comentários para eles. E não é resposta pronta porque estava lendo e cada um tem uma resposta diferente. Ele agradecéu muito e me desejou muito amor. Achei de muita elegância da parte deles, responder cada fã que escreve e não só as críticas. O que muitos fazem. Eu penso que o caráter deles aliado ao que Michael os ensinou sobre seus fãs reflete em suas atitudes agora.

      Excluir
    3. Boa tarde, Verônica! Uau... eu fiquei muito feliz por vc ter tido esse contato com o Bill e acho que é como vc diz, são as duas coisas, o caráter e a convivência com Michael.

      Além disso, ele aprendeu cedo que deveria tratar bem aos fãs de Michael e depois de tudo o que ele viu no memorial, tanto Bill como Javon dão os seus créditos a nós, os fãs. Muito legal o que vc contou para a gente! :-bd

      Excluir
    4. Corrigindo: esse acento em apareceu.

      Rosane, eu fiquei muito emocionada. Mesmo que algo tão simples mas fez a diferença. Não imaginava que eles iriam responder. E Bill ainda desejou feliz ação de graças. Eu nao disse que era do Brasil.

      Não ha o que agradecer :)

      Excluir
    5. É uma grande emoção...

      Me faz lembrar que eu tive a sorte de trocar algumas palavras com o pintor Nate Giorgio, a cozinheira brasileira, a dona Remy e o ex gerente do Michael, Dieter Wiesner.

      ... e David R. Holloway, que foi coleguinha de classe do anjo! Dá uma emoção danada na gente!

      Excluir
    6. Guarda bem essa sua emoção, angel! Não acontece todos os dias! :-bd

      Excluir
    7. Que bênçãos você teve Rosane :) são momentos inesquecíveis que para nós fãs são especiais.

      Excluir
    8. Sim... nos dias de hoje, com a Internet, nós podemos ter acesso relativamente fácil a qualquer pessoa, graças às redes sociais.

      Excluir
    9. Verônica e Rosane, fiquei feliz com as bênçãos que vcs tiveram em trocar algumas palavras com pessoas tão especiais, que foram tão próximas do nosso anjo! :) :)

      Excluir
    10. Obrigada, Regina! :)

      Excluir
  2. Boa noite angel! :)

    Eu acredito que, mesmo se eles estivessem lá, poderiam ter sido até responsabilizados se levassem, por conta própria, Michael ao hospital.

    Os abutres tirariam o corpo fora e jogariam a responsabilidade para eles.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, amiga... :) sim, que horror seria isso, levarem a culpa no lugar dos verdadeiros culpados! Nesse caso, Deus os protegeu. :(

      Excluir
    2. Eu também penso que os dois anjos da guarda de Michael foram foram poupados por Deus de presenciar o momento triste, pois se não tivessem tido sucesso em levar Michael ao hospital, se sentiriam culpados e ainda poderia acontecer o que disse a Wendy.

      Emocionante saber sobre o amor e a preocupação deles pelo Michael e pelos seus filhos!

      Excluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

*Bem-vindos, Moonwalkers! :)
Os comentários são moderados [a fim de evitar spams]
e estarão visíveis tão logo eu esteja on-line.
Esta página é feita com amor e eu agradeço a sua presença.
*Rosane [admin. do blog]

Obs.: Para assuntos não referentes à matéria eu peço que utilize o email [cartasparamichael@gmail.com] ・。.。・゚゚・。.。・゚゚・。❊

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...