Remember The Time: Protecting Michael Jackson


Javon: ''Durante semanas mais tarde, eu estava me perguntando. Eu ficava pensando, e se eu estivesse lá? Eu não posso dizer com certeza como eu teria me comportado, mas se eu estivesse lá quando ele foi declarado morto, eu sei que eu teria me culpado.

Eu teria dito, "Houve algo que eu não fiz bem? Esperei muito tempo para chamar a ambulância?" Alguma coisa. Isso iria me destruir, pensar que morreu estando comigo, seus filhos pensariam que não fizemos o necessário para manter seu pai vivo.''

Bill: ''Eu comecei a sentir que não estivesse lá. Nós não estávamos indo para ser uma parte disso, as cenas do falecimento. Todo mundo que fez parte disso tem que levar [a isso] pelo resto de sua vida. Alguém chegou a dizer para mim também. 

Um de seus fãs me disse. Ela disse para mim, ''Ele morreria em Los Angeles. Este concerto, esta pressão iria acontecer, e talvez seu relacionamento foi da forma como foi porque ele não morreu estando com você." Eu penso sobre isso ainda. "Não era suposto que estivesse lá." Eu não deveria? Talvez isso seja verdade, um pensamento louco, mas eu me pergunto sobre isso. Eu me apego a isso.

Olhando para trás agora, de certa forma, estou mais aliviado do que triste. Eu aceitei. Uma parte de mim honestamente acredita que ele não morreu. Ele se foi. ''Eu estou deixando este lugar. Eu estou deixando essa merda, esta vida. eu estou fora.'' Porque nunca seria adequado para ele. Nunca. Não neste mundo. Ele nunca teria a vida que você e eu temos, simplesmente se levantar e ir, ser livre.

Michael Jackson teria abutres atrás dele para sempre; Ele precisaria de segurança, observando todos os seus movimentos, para o resto de sua vida. Quem quer viver assim? Não havia paz para ele aqui. Isso é o que eu digo a mim mesmo. Agora, ele vai descansar. Foi assim que eu comecei a sentir nos meses após o ocorrido, mas me levou um tempo para chegar.

Nota do blog: A partir desse ponto segue uma parte do livro a qual eu já havia publicado tempos atrás, de forma aleatória, mas eu vou publicar novamente:

Bill: "Depois que ele morreu, passou uma semana antes da homenagem no Staples Center, eu estava em contato com uma senhora da AEG que dirigia a organização. Disse-lhe que precisava de dois bilhetes para mim e Javon.

Então, algo como dois dias antes da cerimônia, recebí um telefonema. Do outro lado, havia uma mulher que estava chorando.

Ela disse. ''Bill, sou Joanna."

''Joanna?? Eu não conheço nenhuma Joanna.''
Ela disse: "Bill, eu sou Joanna... a Amiga...''

"Ah... a amiga dele. A de Virginia. Disse-lhe, ''Olá, como está?''

Ela estava chorando. Disse-me, ''Bill, tenho que ver Michael. Eu tenho que dizer-lhe adeus. Por favor, Bill, você pode ajudar-me?''

Não conhecia a palavra ''homenagem'', continuou chamando de "o show''.

Ela disse: "Bill, eu tenho que ir ao show.''

Porém, fazê-la entrar era impossível. Sr. Jackson a tinha mantido escondida de todos, eu não sabia o que fazer. Eu disse-lhe que iria chamá-la de volta.''

Ele continuou, "Bill, por favor, você tem que me ajudar a entrar!" Não o fiz, se é que eu poderia fazer. Então chamei a Javon e lhe contei o que estava acontecendo.''

Extraído do livro Remember The Time: Protecting Michael Jackson in His Finals Days escrito por Bill Whitfield e Javon Beard - ex-guarda-costas de Michael Jackson.

Fonte: http://mjhideout.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...