Remember The Time: Protecting Michael Jackson


Parte Final

''Do lado de fora do Staples Center estava uma loucura. A polícia em todos os lugares. Ruas e ruas isoladas. E eu tive que estacionar em uma garagem, deve ter sido cerca de dez quarteirões de distância, e eu caminhei.

Seus fãs foram às ruas atrás de barricadas da polícia, carregando cartazes e flores. As pessoas estavam vestidas como ele, com óculos espelhados e chapéu. Havia milhares de pessoas.

Uma vez lá dentro eu cheguei no meu lugar e percebi imediatamente que isto ia ser exatamente o que pensávamos que seria. Isso não seria uma coisa real, genuína. Iria ser Hollywood, um lugar para ser visto, um ''quem é quem''.

Olhei em volta e vi todas essas celebridades. As pessoas estavam conversando, rindo, socializando. Mesmo os Kardashians estavam lá. Até mesmo os Kardashian [familia de socialites - nota do blog]. Difícil de acreditar. Se Javon estivesse ali, teria enlouquecido.

Na área onde eu estava de pé, devia ter 1.500 pessoas e realmente sofrendo, em luto, eu vi apenas quarenta ou cinqüenta.

Eu vi a garota do carro vermelho que costumava sempre estacionar fora da casa em Monte Cristo. Ela estava lá. Quando eu a vi, eu pensei para mim mesmo, que é o que deveria ser. Eles são os únicos que deveriam estar aqui.

"Eles deveriam levar todas aquelas pessoas falsas e colocá-las na rua e abrir as portas e deixar seus fãs entrarem. Eles são os únicos que merecem estar aqui para isso. Seus fãs foram os únicos que nunca o abandonaram, sempre que os fãs diziam ''Nós te amamos Michael", ele sempre dizia ''eu te amo mais".

E ele estava falando sério. Eles significavam mais para ele do que ele para os fãs... ele cuidou tão profundamente que em alguns aspectos, eles constituíam a única relação de compromisso que sustentava a sua vida - seu único e verdadeiro caso de amor.

Começaram a celebração, o que estava acontecendo no palco não importava-me muito mais. Eu estava perdido em meus pensamentos. Pareceu-me que todas aquelas pessoas no palco estavam dizendo adeus a outra pessoa, diferente daquela que eu conhecia.

Os artistas estavam atuando um após o outro... Usher, Mariah Carey, John Mayer... porém sequer os notamos. Tinha razão, a Amiga. Não era um Memorial, era um show.'

No final, trouxe para o palco a família Jackson. Alguns dos irmãos disse algumas palavras, e então alguém disse, "Paris quer dizer algo.''

Quando eu ouvi isso, fui direto para o bolso do casaco e tirei meus óculos de sol e os coloquei. Eu sabia que eu iria chorar no momento em que ela começasse a falar. Ela veio e pegou o microfone de baixo em direção a ela.

Ela começou a falar e quando ela disse, "Papai foi o melhor pai que alguém poderia imaginar", eu perdi o controle. Eu estava totalmente perdido. Nem mesmo eu ouvi o resto do que ela estava dizendo. Foi muito doloroso.


Então, ela começou a chorar, e quando ela fez isso, eu percebi que eu nunca a tinha visto chorar antes. Eu só tinha visto uma menina alegre, sempre sorrindo e rindo. Prince e Blanket também. Prince chorou quando teve que deixar seu cão em New Jersey, mas foi a única vez.


Fora isso, eu nunca tinha visto essas crianças chorando, magoadas ou chateadas. Eles eram apenas as crianças mais felizes. Eles queriam ao seu pai e ele a elas. Eles foram a família mais feliz, sempre.

Depois que Paris falou, Marlon Jackson veio para agradecer a todos vocês por terem vindo. Ele e os outros irmãos se aproximaram do caixão a fim de levar a ele para fora do palco.

Man in the Mirror começou a tocar, e as pessoas gritaram, "Nós te amamos, Michael!" Assistindo a tudo o que estava acontecendo, algo me veio à mente, uma conversa que eu tive com a Grace de volta para a casa em Monte Cristo, quando eu comecei a trabalhar lá.

Ela e eu estávamos na garagem. Eu estava montando alguns dos equipamentos de segurança e Grace estava na pequena estação de trabalho que ela tinha criado. Sr. Jackson tinha dito a ela para tentar entrar em contato com alguém.

Ela estava ficando frustrada e disse, "O chefe quer que eu entre em contato com essa pessoa e eu continuo deixando mensagens mas ninguém está me chamando de volta. É como se ele se esquecesse, às vezes, que as pessoas não querem ter nada a ver com ele depois de toda essa confusão.''

"Eu disse, "Que confusão? Sobre o que você está falando?"

"O julgamento", disse ela. "Desde o julgamento um monte de gente simplesmente não me retorna as ligações.''

Ela estava me contando como as coisas funcionavam, como sempre fazia. Ela começou a me contar sobre os dias logo após o julgamento terminar.

"Depois que ele foi absolvido" disse ela, "tivemos uma festa em Neverland para ele para comemorar e ninguém veio."

"Ninguém?"

"Algumas pessoas", disse ela "mas não muitas."

Ela disse que tinha feito uma lista de convidados de todos esses amigos e pessoas com as quais Sr. Jackson tinha trabalhado ao longo dos anos. Eles convidaram perto de 300 pessoas. Talvez 50 tenham aparecido.

''E um monte de gente que veio eram pessoas que trabalhavam para ele. Pessoas que trabalhavam nos fundamentos em Neverland. Pessoas do escritório de seu advogado. As pessoas que foram pagas para estar lá. Todo mundo me ligou e disse que não poderia fazê-lo ou eles tinham outras coisas planejadas.''

"E ele sabia", disse Grace. "Ele sabia por que eles não vieram. As pessoas o chamavam e diziam que o amavam e que eles estavam orando por ele, mas muito poucas pessoas foram a público para dizer que acreditavam nele. Muitas pessoas agem como seus amigos mas elas não são realmente seus amigos. Se ele não está ganhando dinheiro, elas não estão realmente por perto."

Quando o julgamento terminou, Sr. Jackson realmente queria acreditar que sua vida seria como tinha sido antes. Ele achava que o mundo iria ver que ele era inocente, que ele tinha sido acusado injustamente, em seguida, todos voltariam para ele e o amariam novamente.

Mas isso não aconteceu. Isso partiu o seu coração. Nós seguimos tendo todos essas provas e declarações, as pessoas dando voltas e apontando o dedo e fazendo perguntas, todos processando todo mundo, todas as disputas sobre quem ou o que matou Michael Jackson.

Para mim, é perfeitamente óbvio o que matou Michael Jackson. Enquanto eu me sentei lá naquele estádio, olhando para todas aquelas pessoas que preencheram os assentos em torno de mim, eu não conseguia afastar essa conversa com Grace para longe da minha cabeça.

Eu só queria ficar sozinho com meus pensamentos, ter meu próprio tempo para lamentar. Mas eu não podia. Porque tudo o que eu sentia era raiva. Isso acima de tudo.

Eu sentei lá com todas as pessoas que foram ao palco e falaram sobre terem sido amigos de Michael e o quanto ele significava para eles, e tudo que eu conseguia pensar era... Onde eles estavam? Onde estavam eles quando os dias se passavam e o telefone não tocava? Quando ele não conseguia dormir à noite e não tinha ninguém no mundo para conversar?

Ou quando era o aniversário de Paris e ninguém apareceu para ver a ela e lhe dar um presente, exceto pela babá e um par de guardas de segurança? Onde estavam eles quando nos retiravam dos hotéis e aos seus filhos e sequer tínhamos dinheiro para colocar gasolina nos veículos? Onde estavam essas pessoas, então? Onde estavam todas essas pessoas, quando se precisou delas?''

Extraído do livro Remember The Time: Protecting Michael Jackson in His Finals Days escrito por Bill Whitfield e Javon Beard - ex-guarda-costas de Michael Jackson.

Fonte: http://mjhideout.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...