Entrevista de Michael Bush


Entrevista concedida pelo estilista Michael Bush 
e recém publicada [12/02/2015] pelo HuffingtonPost

''O estilo militar, a luva branca e brilhante, as calças pretas e as meias juntas eram as marcas lendárias de Michael Jackson. E a equipe por trás deles? Durante 25 anos, Michael Bush, junto com seu parceiro Dennis Tompkins, que faleceu em 2011, criaram a maior parte dos figurinos de turnês e pessoais de Michael Jackson, projetando os trajes, vestuário, calçados e acessórios.

Algum tempo atrás, eu falei com Michael Bush e nós olhamos de volta para a era de ouro que durou quase um quarto de século.

Luka Neskovic: Você começou a trabalhar com Michael no set de Captain Eo, certo?

Michael Bush: Sim! Fui contratado primeiro para começar a fazer as roupas para o elenco: os dançarinos, os personagens... e então, quando as roupas foram feitas, eu fui contratado para cuidar de suas roupas. Isso era 1985 e, em seguida, depois eu trabalhei com ele, desde então.

LN: Qual foi sua primeira impressão sobre ele?

MLB: Ele era muito tímido. Eu acho que ele estava procurando - porque éramos da mesma idade - por alguém com quem ele pudesse se divertir, pois ele era um grande brincalhão. Ele gostava de jogar piadas sobre as pessoas. Ele me fazia rir, e eu poderia fazê-lo rir, e eu acho que foi a maior parte do trabalho - para ter bons momentos.

LN: O que você pensa sobre o seu estilo antes de começar a trabalhar com ele?

MLB: Ele estava procurando pelo seu próprio estilo, porque quando eu comecei com ele, ele ainda estava com seus irmãos, depois da Victory Tour, e ele começou a sair por conta própria para Bad Tour.

Ele estava procurando por algo que se encaixasse ao seu estilo de música, que no álbum Bad era muito street music, muito urbano, e ele estava à procura de algo que ajustasse o visual ao som que ele estava produzindo. Então, isso é o que estávamos fazendo: um monte de emblemas da polícia e um monte de moda de rua.

LN: Ele estava criando uma nova imagem para um novo álbum?

MLB: Sim, ele a recriava para cada álbum. Ele mudava um pouco para cada álbum, especialmente para cada turnê, mas ainda tinha uma influência militar muito forte.

LN: Como isso afetaria o desempenho dele?

MLB: Michael gostava de se apresentar ao vivo quando estava no seu melhor. Ele sempre se dava 100 por cento. Assim, ele perdia uma grande quantidade de água e de peso enquanto se apresentava e levava um par de dias para ele se recuperar e ser capaz de fazê-lo novamente. Ele era muito atlético, e muito forte com o que ele fazia. Michael dançava todos os dias para ensaiar, para ser forte o suficiente para fazer os shows.

LN: Você acha que a segunda parte da turnê foi melhor do que a primeira?

MLB: Para mim, a melhor foi quando começamos no Japão, porque isso era novo, foi a primeira turnê solo de Michael. Quero dizer, para mim, era o mesmo... Os fãs na Alemanha, França e Inglaterra, por exemplo, são muito agressivos, mas um monte de audiências na Ásia são muito tranquilos. Michael gostava de auto-expressão. Gostava que o público expressasse o quanto estavam felizes quando ele iria se apresentar.

LN: Naquela época, você sabia sobre vitiligo, a sua doença de pele que ele estava tentando disfarçar?

MLB: Não, Michael me disse em 87, no meio da Bad Tour. Era muito particular para Michael, eu quero dizer, a sua vida pessoal. Ele estava com muito medo de que as pessoas não gostassem mais dele por algo que ele não podia controlar. Ele era muito sensível sobre os sentimentos das pessoas.

LN: Eu acho que em algum ponto da Bad Tour ele começou a usar uma braçadeira...

MLB: Usava um pouco antes, mas na maior parte, se tornou dominante no vídeo Smooth Criminal com o conjunto branco, com a braçadeira azul. É quando ela se tornou muito bem estabelecida, a marca registrada de Michael em suas roupas. Ele também usava uma no comercial da Pepsi, uma vermelha, mas depois de Smooth Criminal havia praticamente uma braçadeira em tudo.

LN: Qual era o significado disso?

MLB: Era Michael. Era algo que ele queria que seu público se identificasse. Se uma roupa tivesse uma braçadeira, seria Michael.

LN: E qual era o significado de um número 777?

MLB: Michael era o sétimo filho em sua família e ele nasceu em 1958. E se você somar 19+58. terá 77. Isso não quer dizer nada. Michael era como, "Se eu fizer algo parecido, as pessoas vão querer saber o que isso significa e eles vão se lembrar disso." Por isso, era como uma provocação, ''porque estava ali?''

LN: E o CTE?

MLB: CTE. Eram simplesmente três letras que saíram [do sorteio de] um chapéu, para colocar em suas roupas. Quando fizemos as primeiras camisas, elas estavam limpas e ele disse, ''Precisamos de algum detalhe" e vieram essas letras CTE.

LN: E a roupa dourada que ele usou na HIStory Tour... foi desenhada por Versace ou por você?


MLB: Por nós. Por mim e Dennis Tompkins.

LN: Mas por que todos os créditos foram para Versace?

MLB: Porque ela parecia com algo que Versace faria. E Versace não iria contar a ninguém que ele não fez isso. Assim, ele se tornou famoso por algo que ele não fez. Eu e meu parceiro sabíamos que a tínhamos feito, os fãs sabiam que tínhamos sido nós, e nós não precisamos contar a ninguém.

LN: Será que Michael teve qualquer colaboração com Versace?

MLB: Versace veio para o show que fizemos em Milão, na Dangerous Tour, e foi isso.


LN: O que você pensa sobre o trabalho de Ruska Bergman, que foi estilista de Michael?

MLB: O que fez a Vogue italiana? Ela fez algo diferente. Ela trouxe um monte de roupas - coisas que qualquer um poderia comprar e trazer para Michael. Eu nunca faço isso. Eu sempre fazia roupas sob medida para Michael.

LN: Você acha que ela mudou seu estilo?

MLB: Não, porque é de outra pessoa. É muito fácil ir a uma loja e comprar monte de roupas e trazer para alguém. É apenas um tipo diferente de trabalho, e ela deu para Michael o estilo de outra pessoa, não o estilo de Michael. Ela deu lhe deu o estilo barman, não o estilo pessoal de Michael. Isso é o que ela faz. Todo o trabalho que ela faz, é o que ela faz.


LN: Eu acho que o seu trabalho foi muito interessante. E sobre a Ebony?

MLB: Oh, muito agradável, bonito. Ebony mostrou Michael como um modelo de moda, assim como o meu trabalho com Michael foi para mostrar a ele como artista e dançarino.


LN: Como você o preparou para o tribunal durante o julgamento de 2005?

MLB: Todos os dias ele parecia diferente. Tivemos Dennis, meu parceiro. Ele ficaria no estúdio e fazia as roupas para o dia seguinte, para que eu pudesse colocá-las no carro às três horas da manhã. Eu saía de casa de carro para Neverland, para atender Michael às seis da manhã.

Sua maquiadora Karen [Faye] concluiria. Ele terminava seu desjejum e então poderíamos sentar e conversar um pouco, e então ele iria se certificar de que [toda a roupa] estava em ordem, a gravata, detalhes e, em seguida, ele iria para o tribunal.

LN: O que ele falava?

MLB: Ele falava sobre qualquer coisa que não fosse o julgamento. Ele falava sobre como estava o sol do lado de fora, ou sobre como as flores estavam bonitas em Neverland, ou sobre o que ele estava fazendo quando eu chegava na casa. Você sabe, coisas assim, e não sobre o que estava acontecendo no tribunal. Isso era muito difícil para ele.

LN: Você teve contatos com Michael após o julgamento?

MLB: Um pouco, porque Michael foi para Bahrain e eu não tive muito contato com ele, por causa das diferenças de tempo. Ele queria estar com sua família. Eu criei o guarda-roupa para seu uso pessoal, que ninguém nunca viu, porque é a sua vida privada.

LN: Como ele estava sobre o retorno?

MLB: Oh, muito animado. Ele queria mostrar a seus filhos o que ele fazia para viver.

LN: Qual foi a sua última memória de Michael [na noite antes de sua morte]?

MLB: Eu disse para Michael quando ele estava sentado no carro, "Obrigado por mudar minha vida de novo" - porque eu estou indo para uma turnê e toda a minha vida se alterava - e Michael disse, "Oh Burst..." - era assim que ele me chamava - "...você está mudando a minha!'' e eu nunca vou esquecer daquele nosso grande abraço.

Fontes: 
http://www.huffingtonpost.ca
Imagens do meu arquivo

23 comentários:

  1. Sobre a roupa dourada sempre tive dúvidas. Interessante eles não se zangarem de não ter reconhecimento de uma vestimenta tão, tão famosa e especial.

    Outra pessoa que afirma que ele era atlético e muito forte, eba.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eba, mesmo... ahah a gente não tem cura! :D

      E eu fiquei chocada sobre Versace, porque até mesmo nos fóruns de fãs de MJ se encontra publicada a informação de que teria sido ele [Versace] o criador da roupa dourada.

      Excluir
    2. Rosane ali ficou claro que a roupa dourada foi Bush e Denis mais a que Versage fez foi a da Dangerous se não me falha a memoria

      Excluir
    3. Olá Rita! :)
      Se vc se refere à roupa de esgrima, ela foi feita pelo Bush e pelo Thompkins, também. Segundo esse link

      http://cartasparamichael.blogspot.com.br/2013/11/michael-bush-34.html

      Excluir
  2. Voce pode sentir pelas palavras o amor e consideracao e respeito que Bush tem por Michael. As historias dele me tocam sempre, como este final.

    Sobre a roupa da History tour, fiquei sabendo agora ter sido Bush e Tompkins que fizeram. Versace ganhou a fama e acredito que muuuitos fas pensem ter sido ele o criador de tamanha belezura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verônica, eu também soube por essa entrevista. Na época em que publiquei algo a respeito dela, eu pesquisei e tudo o que eu encontrava fazia referência a Versace.

      Bush e Tompkins estavam muito inspirados com o Ferrero Roch... quero dizer, a roupa dourada, não é?

      Excluir
    2. Eu também fiquei tocada com o último parágrafo da entrevista. Com um nó na garganta.

      Excluir
    3. Sou uma eterna dependente dessa roupa. Nao tenho cura :)

      Excluir
    4. Agora eu fiquei sem uma resposta adequada. :D

      Excluir
    5. Veronica, então somos duas!
      Essa calça dourada e aquela roupa preta de Stranger in Moscow são os meus pontos fracos.

      Excluir
  3. ''Michael era o sétimo filho em sua família e ele nasceu em 1958. E se você somar 19+58. terá 77.''

    ...e eu sou cismada com essas coisas. @-)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá angel, bom dia!
      Está meio difícil comentar agora, sobre a matéria em si, porém sobre esse nr tbém tenho curiosidade, se pensarmos que o primeiro e último nome dele tem 7 letras, e pesquisando sobre o nome Jackson, descobri algumas coisas interessantes, mas ñ dá p/ comentar agora, assim que eu puder faço um comentário!
      Bjs! :)

      Excluir
    2. Lady, boa tarde. O número sete encontra vários ecos na vida de Michael, interessante ter tempo para se debruçar sobre isso, já fiz um estudo faz muito tempo atrás, não lembro se cheguei a arquivar.

      Excluir
    3. Oi angel, boa tarde!
      Como assim, não se lembra de ter arquivado?? Oh... darling, mas por que não publicou? Desculpe :D
      Tive que sair daqui antes de concluir meu comentário anterior, mas eu ia justamente te perguntar sobre isso, eu sei que vc entende desse assunto, portanto imaginei que já tivesse feito algum estudo sobre isso e, então, isso está respondido, porém a outra pergunta seria se vc não têm intenção de publicar? Seria interessante saber suas conclusões!
      Bem... na verdade, eu fiz somente uma consulta por mera curiosidade, quando surgiu o assunto sobre a origem do nome Jackson, nada especificamente sobre o Michael e e esse nr, e a relação entre o nr 7, e o nome foi só o fato que, o sétimo presidente dos EUA se chamava Andrew Jackson, existem outros fatos curiosos sobre ele, e ainda, outros fatos que nesta breve consulta eu constatei, porém é algo que como vc bem disse, é preciso ter um tempo p/ pesquisar. Realmente, muitos estudos hão de ser feito sobre a vasta história do Michael.
      Sobre a matéria, tbém fiquei surpresa c/ a revelação do Bush, sobre a famoso "roupa dourada", por aí podemos ver quantos equívocos foram cometidos em relação ao Michael, mas que esses sejam esclarecidos no decorrer do tempo.
      E a Regina têm razão em dizer que ele sabia o motivo de usar esse nr, porém acredito que ele disse sim, mas em forma de poema, nos poemas Um peixe c/ Sede, Criança Mágica 1 e 2!

      Bjs! Bom final de semana! Até mais! :)

      Excluir
    4. Boa tarde, Lady... eu não arquivei porque era curiosidade particular minha, nada para publicar.
      Talvez eu encontre em outro momento! :)

      Curiosa também mais essa associação com o nome do sétimo presidente.

      Eu fiquei contente que a verdade sobre a roupa dourada veio à tona, deve se fazer justiça aos criadores.

      Sobre os poemas, não somente os poemas como a sua autobiografia e as letras das músicas que ele compôs, cada um deles revelava um tanto de sua verdade. Sem dúvida!

      Abraço,. angel! Bom fim de semana! :)

      Excluir
    5. Olá angels do Mike!

      Lady tem razão, mas quando eu disse que Michael não queria dizer o porquê de usar o número 777 (entre outros símbolos), eu quis dizer que, com o lançamento de HIStory, ele optou por não passar as mensagens sobre igualdade e sobre Deus, de forma explícita como fez em Dangerous - principalmente com a música Heal The World, e em vários textos do livro Dancing The Dream, que foi lançado na mesma época - mas sim de forma implícita. Penso que foi para não ser tão perseguido como foi na era Dangerous, quando estava indo ‘de vento em popa’ com a turnê e com sua Heal The World Foundation e, em 1993 acontece aquilo que nem gostamos de lembrar...

      Em 2002 ele realizou aquele protesto falando abertamente contra a Sony Music, Tommy Motolla e contra a força do mal e, no ano seguinte acontece de novo (as falsas acusações)! Talvez não seja coincidência.

      Excluir
    6. Olá, angel! Eu compreendi a tua colocação perfeitamente. :)

      Excluir
  4. Então, eu também pensava que foi o Versace quem criou a famosa roupa dourada da HIStory Tour. :D Michael Bush é uma pessoa muito bacana e demonstra verdadeiro amor e respeito por MJ em suas palavras, realmente!

    Quanto ao número 777, eu penso que Michael sabia o porquê de usá-lo em sua jaqueta, mas não queria dizer. Acredito que faz parte de sua missão aqui na Terra, uma vez que este é o número da perfeição, de Deus, o antídoto do 666, que nem gosto de comentar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, Michael era muito estudado em várias áreas, visto que era um grande leitor e autodidata, também. Sim, eu concordo com a tua visão sobre o número 777.

      Excluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

*Bem-vindos, Moonwalkers! Os comentários são moderados e estarão visíveis tão logo eu esteja on-line. [Rosane, admin. do blog]

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...