Jonathan Morrish (02)


''Eu tinha sido incrivelmente afortunado e privilegiado por trabalhar com Michael e The Jacksons quando eles saíram da Motown para a CBS em 1976, e também por ter me envolvido em sua carreira até seu último álbum - Invincible - em 2001.

Muito simplesmente Michael Jackson foi o maior homem da música e dança de todos os tempos e sua morte não é apenas uma perda enorme e trágica mas, infelizmente, anuncia o fim de uma era. Michael mudou a tomada de música e a indústria da música. Seus vídeos elevaram os padrões e suas viagens ao redor do mundo levou a música de teatro a níveis sem precedentes em termos de excelência artística e técnica. Ele deixa para trás um corpo de trabalho que será ouvido por gerações vindouras.

O sucesso do grupo e seu próprio sucesso solo, o qual decolou com Off The Wall em 1979, fez com que ele viesse para a Inglaterra, um país que ele realmente amava muito nesse tempo. Ser uma estrela mirim é provavelmente o manto mais difícil de se carregar, e ele era um homem cuja confiança legitimamente precisava ser conquistada. Ele compreendia a dinâmica do show business - a disciplina, a necessidade de perfeição, o olho para o detalhe - e ele esperava isso, mais uma vez com a razão, das pessoas com quem trabalhava.


Mas ele poderia ser maliciosamente bem-humorado. Uma vez, na Alemanha, pouco antes de um programa de televisão, ele insistiu para que eu ficasse atrás do camera man de modo que se ele se sentisse tão ocupado, ele poderia me chamar para substituí-lo.

Escusado será dizer que depois de alguns minutos, ele acenou para mim e eu obedientemente fui para a frente - e aquele era um programa de televisão ao vivo que estava sendo transmitido para 30 milhões de pessoas - para me fazer aparecer enquanto ele saía! Eu não me chateei. Acho que era a sua maneira de se divertir e definir desafios.

Ele tinha uma mente envolvente e em nossas viagens ao redor do mundo e nas cidades em que ele estava se apresentando, ele se certificava de visitar as galerias e visitar os pontos turísticos. Sim, ele gostava de ir às compras e claro, as lojas fechavam por ele dada a impossibilidade de o homem mais famoso do mundo fazer isso nos horários normais. Mas ele criava a diversão para todos em torno dele e ele era incrivelmente generoso.

Como resultado, eu tenho tantas memórias que é difícil escolher apenas uma. O encontro de Michael com Nelson Mandela na Cidade do Cabo foi de um momento em minha vida que eu nunca vou esquecer.

Mas, como uma memória geral, os momentos que passei na área do fotógrafo durante seus shows, observando e testemunhando o puro poder físico e emocional de um concerto de Michael Jackson, a poucos metros do próprio homem, são inesquecíveis.

A exuberância, emoção e drama que ele colocava em seu cada performance é algo que vai viver para sempre comigo. ... E ter [a cobra] Muscles se enrolando em torno de mim também é algo que eu não posso esquecer.''

by Jonathan Morrish
(relações-públicas da gravadora Epic para o Reino Unido)

Fontes:
http://www.independent.co.uk
UK Loves MJ

http://www.billboard.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...