Remember The Time: Protecting Michael Jackson


Beard: ''Ninguém na sua família estava autorizado a passar da porta da frente sem aviso prévio, com exceção da Sra. Jackson, sua mãe. Se ela aparecesse, nós abríamos a porta e ela entrava direto para a casa. Ela poderia vir sem aviso prévio.

Todo mundo precisava agendar e essa era uma situação muito delicada de manusear. Nós tivemos fãs que chegavam o tempo todo. Eles vinham, davam a volta no quarteirão, paravam, olhavam ao redor e iam embora.

Por isso, em um dia particular por volta do início de fevereiro, vimos uma burgundy PT Cruiser indo e voltando na frente da casa. Tinha janelas coloridas, de modo que não podíamos ver quem era. Este carro circulou o quarteirão quatro vezes e foi embora.

No dia seguinte o mesmo PT Cruiser veio e chegou até o portão. Javon ficou no trailer para ver os monitores. Eu fui até o portão para ver quem era.

Eu estava lá embaixo e Joe Jackson, o pai do Sr. Jackson, estava saindo do carro. Eu coloquei minha mão através do portão para cumprimentar-lhe e disse: "Como vai, Sr. Jackson?"

Ele não quis apertar a minha mão. Ele apenas me olhou e disse: "Você provavelmente é um daqueles que colocam agulhas no braço do meu filho."

Eu não respondi. Ele disse: "Estou aqui para ver Michael."

Eu disse: "Ok" e o deixei lá, voltei para a casa para ir até o Sr. Jackson. Ele estava em seu quarto, ouvindo música muito alta. Bati na porta e ele saiu, e eu disse: "Senhor, seu pai está lá fora.''

Ele disse: "Ele marcou um horário? Ele está agendado?''

"Eu acredito que não, senhor."

"Não, não, não. Estou trabalhando. Eu não posso ser perturbado quando estou sendo criativo. Diga a ele que ele tem que voltar e marcar um horário.''

Voltei para o portão, pensando...''Droga, eu tenho que ir falar para esse homem que ele precisa de um agendamento? Para ver seu filho?'' Uh-uh. Eu não iria fazer isso. Eu ia ter que improvisar.

Eu fui até o portão e disse-lhe que Sr. Jackson estava ocupado, mas se ele voltasse amanhã, eu tinha certeza de deixar seu filho saber que ele queria lhe visitar. Então eu estendi meu cartão para ele. Ele não o pegou. Ele só se afastou de mim.

"Eu não preciso do seu maldito número! Se não fosse por mim, nenhum de seus bastardos teria um emprego! Eu sou a pessoa que começou essa merda!"

Uma vez que ele começou com tudo isso, a nossa conversa tinha acabado. Eu me afastei. Ele ficou ali na calçada, gritando com ninguém em particular. Eventualmente, ele entrou em seu pequeno carro e saiu.

Nesse ponto eu comecei a me perguntar para qual tipo de situação estávamos nos encaminhando. Eu não tinha assinado para esta parte, me envolver com a família.''

Javon: ''Sr. Jackson e Elizabeth Taylor eram velhos amigos e ela estava tendo uma festa de aniversário de 75 anos em um resort em Lake Las Vegas, este grande evento com tapete vermelho.

Seu pessoal tinha ouvido falar que Sr. Jackson estava morando aqui agora e entraram em contato com o seu gerente para perguntar se ele iria participar. É claro que Sr. Jackson queria ir. Assim, a cerca de duas semanas do evento, ele chegou até nós e as coisas começaram a acelerar o ritmo.

A primeira coisa que o Sr. Jackson fez foi chamar Roberto Cavalli, o estilista, para criar uma roupa feita sob encomenda para ele, para a festa. Cavalli tomou um vôo de emergência para cá. Nós o pegamos no MGM Grand, o levamos para casa e ele e Sr. Jackson começaram a desenhar aquela coisa toda de novo para ele, apenas para a festa.

Sr. Jackson estava obcecado por cada detalhe. Ele também fez sua cabeleireira e sua maquiladora pegarem um avião. Uma vez que vimos isso, sabíamos que ele estava realmente levando isso a sério.

Nós tínhamos estado a trabalhar para ele por mais de um mês e esta foi a primeira ocasião em que ele disse: "Certifique-se de que você tenham novos ternos. Não apenas ternos, novos ternos. Limpem os carros. Encerem os carros. Certifique-se que seus sapatos estejam brilhando como espelhos."

Ele nunca tinha feito esse tipo de coisa antes. Esta seria a primeira vez em que estaríamos saindo em público, onde sabíamos que os paparazzi e a imprensa estavam indo para estar lá. Então, todos os dias, Sr. Jackson era como, "Vocês têm que estar ótimos. Quero que todo mundo esteja ótimo."

Whitfield: ''Nós fomos ao shopping algumas vezes, entrando e saindo disfarçados. Fomos à Tiffany's, à Hallmark. Ele escolheu alguns presentes, um cartão de aniversário. Nós o ouvimos falar no carro sobre como ele estava empolgado. Estávamos ficando animados só de estar perto dele. Foi a primeira vez que realmente tínhamos o visto assim.

Dia da festa, ele estava de bom humor durante todo o dia. Era contagiante. Espalhou-se a todos na casa. "Ei, Sr. Jackson está de bom humor!" Todo mundo foi bombeado. Toda a atmosfera do local estava alterada.

A equipe de segurança, estávamos nos verificando mutuamente, nos certificando sobre nós todos. Ternos alinhados. Sapatos engraxados. Até mesmo as nossas armas foram polidas. Merda, parecíamos ótimos!''

Beard: ''Nós estávamos nos preparando para caminhar no tapete vermelho com Michael Jackson. Era surreal para nós. Nós éramos seguranças, mas nós éramos fãs também. Como poderíamos não ser? Estaríamos escoltando o Rei do Pop à festa de aniversário de Elizabeth Taylor. Este este o topo da linha. Lista A.''

Whitfield: ''Nós estávamos prontos para sair, os carros estavam na garagem, tudo certo para ir e Sr. Jackson estava levando uma eternidade para ficar pronto. Enquanto esperávamos, eu saí para colocar gasolina em um dos veículos.

Eu voltei e eles abriram o portão para mim e eu me coloquei no lado direito da rodovia circular. O portão estava se fechando atrás de mim. Eu estava saindo do carro e o portão estava apenas um par de pés para se fechar quando, de repente, BAM! - foi aquele estrondo.

Eu me virei para ver aquela Mercedes SUV cinza se lançando a toda velocidade contra o portão. Começou a balançar para trás como quando uma porta de garagem faz quando não consegue se fechar.

A Mercedes deu um soco para a frente, raspando através da abertura e então ela correu até o lado esquerdo da entrada. Eu estava pensando que era uma pessoa perturbada prestes a bater seu carro contra a casa. Peguei minha arma e corri em direção ao carro.''

Beard: ''Eu estava na garagem, esperando para chavear após Sr. Jackson sair, que estava descendo. Eu ouvi o estrondo e olhei para cima e vi Bill pegar a sua arma. O patrão estava vindo pela porta da garagem naquele mesmo momento.

Eu gritei "Sr. Jackson! Não!"

Agarrei-o e empurrei-o para dentro da casa e tranquei-o lá dentro. Ele seguiu apavorado... ''O que está acontecendo? Está tudo bem?"

Whitfield: ''Tudo parecia se mover em alta velocidade e em câmera lenta, ao mesmo tempo. A Mercedes veio guinchando e parou bem em frente à porta principal. Eu vim entre ela e a casa, peguei a minha pistola e apontei para o motorista. Eu tinha a mira laser bem sobre o seu peito e a única coisa em minha mente era... ''quem quer que seja, eles estão prestes a levar um tiro.''

O motorista abaixou-se e com o canto do meu olho eu vi aquela mulher no banco do passageiro. Isso me derrubou. Eu não estava à espera de ver uma mulher. Em seguida, o motorista levantou a cabeça e vi quem era, e eu congelei. ''Puta merda'', eu pensei. ''Esse é o seu irmão. Esse é Randy Jackson.''

Eu tive apenas uma fração de segundo antes de puxar o gatilho. Tudo o que eu conseguia pensar era a loucura que teria acontecido se eu tivesse dado aquele tiro. Eu podia ver as manchetes: ''Irmão de Michael Jackson baleado pelos guarda-costas do Rei do Pop.''

Randy abriu a sua janela e gritou: "Tire essa arma da minha frente antes que eu chame a imprensa."

A imprensa? Essa era a última coisa que o chefe precisava. Fui até a janela e disse: "Sr. Jackson, você não pode estar fazendo isso."

"Estou aqui para ver o meu irmão", disse ele.

"Não desse jeito. Eu agradeceria se você voltasse para fora do portão. Volte para fora e eu vou informar Sr. Jackson que você está aqui."

"Eu não vou me mover até eu ver o meu irmão!"

Beard: ''Ele começou a gritar, praguejar, falando todas aquelas coisas sobre um dinheiro que lhe era devido e como ele não iria embora sem ele.''

Whitfield: ''Deixei Javon e os outros para olhar Randy e entrei na casa para falar com Sr. Jackson.

"Seu irmão Randy bateu contra o portão'', eu disse a ele. "Ele diz que está aqui para vê-lo sobre algumas questões financeiras e ele não vai sair até que ele fale com o senhor.''

Sr. Jackson ergueu as sobrancelhas por um momento. Então ele fez uma careta e olhou para longe. "Livrem-se dele", disse ele.

Eu voltei para tentar falar com Randy novamente. Ele não tinha se movido.''

Beard: ''Eu tive a ideia de bloquear Randy com um dos caminhões, trazer o chefe para fora pela entrada lateral, fazê-lo subir em um carro diferente e depois escapar. Mas Sr. Jackson discordou. Ele disse: "Ele simplesmente vai descobrir como seguir-nos para a festa de Liz e causar uma enorme cena; ela não merece isso."

Whitfield: ''Após cerca de 30 minutos, eu fui na casa e disse ao Sr. Jackson mais uma vez que Randy permanecia lá. Sr. Jackson ficou lá por um momento, então ele soltou um suspiro e disse: "Ok. Eu simplesmente estou indo para a cama."

Ele subiu as escadas, fechou a porta e não voltou.''

Beard: ''Isso nos matou. Nós estávamos devastados, pelo Sr. Jackson e por nós mesmos. Eu tinha orgulho de trabalhar para ele e eu queria a chance de fazer isso em público, para mostrar às pessoas que eu trabalhava para Michael Jackson. Tínhamos ternos novos, estávamos muito animados.

A festa de aniversário de Elizabeth Taylor? Você está brincando comigo?! Eu sou apenas um cara normal. Era apenas a natureza humana que estivéssemos animados.

E o Sr. Jackson? Ele tinha estado fazendo planos por duas semanas. Isto era tão importante para ele. Então, para ele se retirar e ir para a cama? Aquele foi um momento que nos avisou ... ok... esta família tem algum poder real sobre ele. Acabou com a sua noite.

Depois disso, Sr. Jackson não deixou a casa por três dias. Nós não o ouvimos. Nenhum telefonema, nenhuma comunicação, nada. Ele apenas se fechou.''

Whitfield: ''Um par de semanas mais tarde, toda a família mostrou-se, todos eles. Por volta da meia-noite caminhamos até a frente e vimos um monte de pessoas do lado de fora do portão. Havia um monte de rostos conhecidos. Parecia que todo mundo, exceto Randy e Marlon. Por um minuto, foi como se eu estivesse olhando para algum tipo de reunião especial dos Jackson.''

Beard: ''Todos eles usavam chapéus e óculos de sol. Era muito incógnito, esta grande família de pessoas famosas em pé na calçada, no meio da noite e tranquilo ao redor.''

Whitfield: ''Eu andei até o portão, perguntei-lhes do que se tratava naquela hora da noite. Eles disseram: "Nós ouvimos falar que o nosso irmão está doente. Viemos para nos certificar de que ele está bem."

Eu lhes disse que não tinha visto nenhum sinal de que Sr. Jackson não estivesse bem. Eles me disseram que queriam ver por eles mesmos e que não partiriam até que fizessem isso. Então agora eu estava em apuros.

Tivemos instruções estritas do Sr. Jackson de não incomodá-lo mas, ao mesmo tempo, não poderíamos deixar toda a família Jackson na rua à 01:00 sem que isso se transformasse em uma cena, o que Sr. Jackson também não desejava.

Eu disse-lhes para que aguardassem. Voltei para casa, toquei a campainha. Quando Sr. Jackson veio até a porta, eu disse: "Senhor, a sua família está na frente e eles insistem em lhe ver."

Ele não estava feliz. Ele estava chateado e eu poderia dizer que ele estava chateado comigo por não lidar com a situação sozinho. Eu disse: "Eles ouviram que o senhor estava doente e eles querem saber se o senhor está bem."

"Eu estou bem, eu estou bem", disse ele. "Diga-lhes que estou bem."

"Senhor, eles não vão embora até que eles lhe vejam.''

Ele ficou em silêncio por um momento, então disse, "Ok, eu vou encontrar com eles. Mas eu não os quero na casa."

"Eu posso trazê-los para o trailer da segurança. O senhor pode falar com eles lá dentro."

"Tudo bem. Mas eu vou falar somente com meus irmãos."

Então ele perguntou se Randy estava lá. Eu disse que eu não o tinha visto.

"Bom", disse ele. "Eu não quero ver Randy."

Eu voltei para o portão e disse: "Sr. Jackson só quer ver seus irmãos."

Esta voz da parte de trás disse: "E eu?"

No começo eu não conseguia ver quem era. Então eu percebi que era Janet.

"Desculpe, senhora. Ele disse que apenas os seus irmãos."

Ela não estava feliz com isso.

Os irmãos entraram. Eu os escoltei até o trailer e eles entraram. Então eu liguei para Sr. Jackson e ele desceu e se juntou a eles. Eles fecharam a porta e conversaram por cerca de 20 minutos. Sr. Jackson saiu primeiro. Foi direto para a casa. Não disse nada. Os irmãos saíram, foram até o portão, e foi isso. Sobre o que eles conversaram, eu não sei.''

Beard: ''Eles vieram por causa de um boato que tinham ouvido falar que o seu irmão estava doente, mas Sr. Jackson não estava doente. As crianças estavam. Em janeiro, todos eles pegaram resfriados. Os arranjos foram feitos para ver um médico particular em seu escritório uma noite, depois de horas regulares.

O (a) recepcionista naquele consultório vazou a história de que Michael Jackson havia entrado e a família tinha ouvido falar sobre isso. Parecia suspeito para eles. Eles ouviram que ele foi visto indo para um consultório médico no meio da noite e eles queriam ter certeza de que ele estava bem.''

Whitfield: ''Essa era a dificuldade de ser Michael Jackson e tentar se movimentar no mundo. Só para levar seus filhos ao médico exigia dias de planejamento e trabalho com antecedência. Você usaria todas as precauções e bastaria 15 segundos passando pela pessoa errada, alguma recepcionista intrometida e, de repente, você tinha esse boato circulando.

Paris não melhorava. O seu resfriado não ia embora e Sr. Jackson estava preocupado que evoluísse para uma gripe. Não podíamos ir para a sala de emergência e Sr. Jackson não confiava em entrar em um consultório estranho. Ele queria que um médico viesse à casa. Assim, foi dito para se encontrar um médico particular que atendesse a domicílio. Foi-me dado um nome e me foi dito para quando deveria esperá-lo.

Na noite marcada, aquela BMW 745i prata encostou na calçada e um homem alto e magro saiu. Ele estava usando um jaleco médico azul. Ele caminhou até a porta e se apresentou.

"Eu sou o Dr. Conrad Murray", disse ele. "Eu estou aqui para uma visita."

Eu disse que ele era esperado, abri o portão e lhe falei sobre onde poderia estacionar o seu veíciulo. Ele dirigiu, estacionou e saiu. Eu tinha um formulário confidencial. Antes de conduzí-lo, perguntei-lhe se ele sabia quem ele estava para ver. Ele disse que não. Eu disse a ele que ele precisava assinar o acordo antes que eu pudesse deixá-lo entrar. Ele disse que sim.

Peguei o formulário e ele olhou para o título do documento e viu o nome de Michael Jackson. Suas sobrancelhas levantaram-se e ele me deu aquele olhar, como... ''Você está falando sério?''

Assenti com a cabeça. Ele assinou seu nome. Nós caminhamos para a frente da casa e eu toquei a campainha e nós esperamos. Eu podia ver a silhueta do Sr. Jackson através do vidro enquanto ele vinha em nossa direção.

Ele abriu a porta e eu disse: "Sr. Jackson, este é o Dr. Murray. Dr. Murray, este é Sr. Jackson."

Extraído do livro Remember The Time: Protecting Michael Jackson in His Finals Days escrito por Bill Whitfield e Javon Beard - ex-guarda-costas de Michael Jackson.

Fonte: http://www.slate.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...