Tony Urquidez


Quando a notícia da morte de Michael Jackson se espalhou por todo o vale de Santa Ynez, onde o Rei do Pop tinha muitos admiradores, um morador em especial sentiu uma tristeza profunda, porque ele sabia que a sua amizade de 20 anos com Jackson jamais poderia ser reavivada.

No entanto, nada pode tirar as memórias de Tony Urquidez e a extensa construção que ele fez para transformar uma fazenda de gado em Neverland - da portaria ao parque de diversões, estação ferroviária e outros elementos - e até mesmo a parte de equipamento que ele construiu para o clipe da música Smooth Criminal.

Relembrando seu primeiro projeto em 1988, ele disse, "Eu fui chamado por um arquiteto local para licitar uma proposta de uma casa com portões, mas eu não sabia na época para quem era. Nós não éramos os mais baratos, mas estimamos construí-la mais rápida do que os outros lances."

Urquidez, dono da Urquidez Construction em Los Olivos, passou a encarar sua relação com o falecido cantor como mais do que apenas um negócio, pois muitas vezes eles se falavam ao telefone e socializavam nos anos que se seguiram.

Enquanto ele construía o portão, ele disse, uma limusine desceu a calçada e ele teve que mover rapidamente o caminhão que estava bloqueando a entrada do rancho. Enquanto a limusine seguia, ela parou e a janela desceu o suficiente para ele ver dois olhos olhando para ele e, então, seguir de vez.

Naquela noite de domingo, depois que o projeto foi concluído, Urquidez recebeu um telefonema de uma pessoa que afirmava ser Michael Jackson. Ele desligou na cara dele, pensando que era uma piada.

O telefone tocou novamente e a pessoa do outro lado garantiu que era, de fato, Michael Jackson. Ele pediu a Urquidez para vir a uma reunião na próxima semana - e este foi o início de Neverland.

"Nós sentamos em volta desta enorme mesa de reunião, e quando Michael apareceu todo mundo levantou e o cumprimentou. Ele imediatamente me pediu para sair com ele, e nós sumimos da vista de todos, até de seus seguranças. Nós demos a volta no rancho em um carrinho de golfe e ele explicou a sua visão para Neverland, o parque de diversões, o grande jardim zoológico, teatro, trem, tudo. Eu apenas pensei comigo mesmo, 'Esse cara é um pateta'", disse Urquidez.

O próximo projeto no qual Urquidez trabalhou em Neverland foi o teatro, com um sistema de som inovador, uma lanchonete com doces e pipocas, uma sala de dança, assentos que possuíam camas, e um palco grande o suficiente para caber um elefante sob ele se fosse necessário.

"Ele não era o tipo exigente, mas mais um garotinho que queria as coisas imediatamente. Tivemos equipes trabalhando todas as horas do dia, e dava pra ver que Michael estava animado. Ele colocou pressão sobre mim, mas era um tipo diferente de pressão, uma pressão divertida", disse Urquidez.

Assim que o teatro foi concluído, Urquidez começou a receber telefonemas de Jackson no meio da noite, pedindo a ele para vir assistir um filme ou apenas conversar sobre as ideias que tinha para o próximo projeto.

"Michael me deu uma visão mental do que ele queria, e eu tive a liberdade para criar. Depois de vários projetos, como o 'Caminho Mágico', a ponte para casa da árvore, o navio pirata, e o forte de água, já tínhamos um linguagem nossa. Eu sabia o que ele estava imaginando e eu fiz acontecer," disse Urquidez.

O filho de Urquidez, Aaron, agora com 28 anos, disse que Jackson o telefonava quando ele era adolescente e o perguntava sobre as últimas tendências em brinquedos e jogos, e então levava ele e seu irmão mais velho, Chris, para testá-las.

"O meu favorito era o forte de água. Ele foi criado num estilo do 'Velho Oeste' e formávamos equipes para lutar uma contra a outra, com tiros de canhões de água e armas," disse Aaron.

Ao pesquisar todos os brinquedos do parque e os jogos que Jackson tinha em seu rancho, Urquidez ia para convenções em todo o país e até mesmo para parques de diversões para testá-los pessoalmente.

"Michael sempre tinha de ter o maior e o melhor. A vantagem de todos os pedidos estranhos foi de que eu pude trabalhar em projetos que nunca vou conseguir fazer de novo", disse ele. [...]

Quando Jackson se despediu de vez de Neverland, diz Urquidez, ele começou a ouvir cada vez menos do astro pop.

"Ele me ligava e tínhamos conversas pessoais, mas eu posso dizer que no período de tempo que passei em Neverland eu nunca vi nada fora do comum. Sim, tinha festas de pijamas, mas eu nunca tive um sentimento estranho.

"Ele pediu algumas vezes para os meus filhos passarem a noite, e a única razão pela qual neguei foi porque eu sabia que eles iam passar a noite acordados comendo açúcar, e eu não queria que eles fizessem isso," disse Urquidez.

Urquidez ainda tem uma alta opinião de Jackson e pensa nele como um filantropo. Jackson amava abrir o seu rancho para crianças desfavorecidas, do interior da cidade, ou que moravam na área, ele diz, e quando Urquidez construiu o trem a vapor que dava voltas em torno da propriedade, ele teve ordens diretas de Jackson para torná-lo possível também para pessoas acamadas.

Logo após a conclusão do layout do trem, um menino acamado, doente terminal com câncer, visitou Neverland e morreu dias após sua visita. Urquidez ouviu falar que o menino ficou todo feliz com o passeio de trem, e morreu em paz.

Enquanto Urquidez vasculhava caixas de recordações que ele manteve de Neverland, como fotos dele trabalhando na locomotiva ou a edição da revista Time de 1993 que apresentou o parque de diversões do rancho, ele relembrou traços da personalidade de Jackson.

"Trabalhando com ele tão regularmente, você esquecia o quão grande ele era. Eu tive um raro vislumbre de sua vida e, por vezes, ele simplesmente começava a cantar ou dançar e eu pensava comigo mesmo, 'Uou, é o Michael Jackson!'", disse Urquidez.

Ele também tem uma seleção de ítens que Jackson deu pessoalmente a ele, como os testes para o símbolo do número 1 na lateral do trem do rancho, e o chapéu do clipe de Smooth Criminal, em que Jackson desafia a gravidade.

Urquidez construiu o engate que permitia a Jackson se inclinar para a frente, além do seu centro de gravidade.

"Ele era sempre tão caridoso e atencioso. Nos anos que passamos juntos, ele nunca tentou comprar o meu carinho. Michael era brilhante," disse Urquidez.

Publicado no Santa Ynez Valley News por Raiza Canelon

Tradução: Bruno Pórpora 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...