O Rei na Itália (04)


Depoimento de Loredana Alibrandi

''Em Maio de 1988, eu tive a sorte de conhecer pessoalmente Michael Jackson, mas me parece que isso aconteceu apenas alguns dias atrás. Naquela época eu me ocupava da Proteção Monumental e uma das minhas atribuições era a de controlar as autorizações para a filmagem e fotografia de pessoas famosas.

Mas, geralmente, eu não acompanhava pessoalmente, porque não me importava particularmente sobre celebridades; tanto assim que meu chefe me perguntou uma vez: "Mas deve haver alguém que você gostaria de acompanhar, não há?''

Eu respondi em tom de brincadeira que eu, de bom grado, acompanharia apenas Michael Jackson.

Na verdade, apesar de não segui-lo muito, eu sempre pensei que ele era um grande artista, mas eu o imaginava como uma pessoa estranha, fora do mundo, inacessível e presunçoso. E então, eu tive que mudar definitivamente este pensamento.

Bem, um dia, no escritório, quase no fim da manhã, fui chamada pelo meu chefe e ele me disse com um sorriso: ''Há uma celebridade americana que gostaria de visitar o Altar da Pátria, quer acompanhá-lo?''

Desde o início eu soube que naquele momento Michael estava na Itália, de fato, em Roma, por isso eu entendi imediatamente. O pessoal de David Zard tinha pedido para visitar o monumento no dia seguinte, às duas e meia da tarde.

Isso significava que eu tinha que organizar tudo em questão de horas. Com a ajuda de uma outra garota, Flavia Peroni, eu avisei a polícia, a prefeitura e outras instituições; eu devo dizer que foi bastante pesado, mas mesmo assim a forte emoção recompensava os custos do trabalho.

O fatídico dia chegou antes que eu pudesse realmente perceber o que eu ia fazer: Me parecia estar em um sonho. Primeiro, eu já estava na entrada do monumento onde está o Instituto para a História do Ressurgimento italiano. No horário combinado chegou a van - branca e com vidros fumê - seguida por uma multidão. 

O plano que tínhamos inventado foi permitir a van entrar e fechar a porta imediatamente. Mas é óbvio que não tínhamos calculado bem as medidas da entrada, porque os espelhos da van atrapalharam a entrada do veículo.

Naquele momento eu compreendi o que significava trazer Michael Jackson, porque eu me encontrei diante de uma parede humana gritando. Cenas de histeria em todos os lugares, rapazes e garotas com chapéus, broches, bandeiras, cantando seus corações para fora,.. a primeira coisa que me veio dizer foi: "Oh meu Deus!", 

Mas ainda não era nada comparado ao que me esperava. Era um puxar de cabelos, outros atacando a van, tentando abri-la; para onde quer que eu me virasse, eu via cenas incríveis: até mesmo um fã não muito jovem [cerca de 50 anos] pulou para tentar ver alguma coisa entre o vidro e, simultaneamente, mandando beijos para onde ele acreditava estar Michael.

O condutor gritou: "Vire para trás!" Em vez disso, momentos depois, a van conseguiu se soltar e, graças à agilidade do Batista Ragoni [um dos guardiões do monumento], se conseguiu fazer entrar uma pessoa de cada vez e fechar as portas. 

Depois de um momento, as portas da van se abriram: primeiro vieram os guarda-costas [três ''armários de 12 portas''] então Louisa Grasso [da equipe de David Zard, e ela me disse ''Não se preocupe, Loredana, nós estamos acostumados''] e depois eu vi descer Michael, com o rosto coberto. Com ele estava o seu fotógrafo pessoal e a maquiadora. 

Então eu o alcancei, me apresentei e dei as boas-vindas no idioma italiano. Ele me agradeceu e eu perguntei por onde ele preferia começar a ver o monumento. Ele respondeu: "Você decide.''


Então nós começamos a partir do exterior. De mãos dadas nós caminhamos, eu realmente percebi o que estava acontecendo comigo... até então eu não tinha percebido que Michael estava perto de mim e falava comigo! A partir desse momento, eu comecei a falar em Inglês e Alemão juntos e eu tive que pedir ajuda à Louisa: "Sinto muito - eu disfarcei - mas não estou em condições.''

Eu acho que todos os fãs podem me compreender. Então eu comecei a fumar nervosamente, o estranho é que eu nunca havia fumado em toda a minha vida!

Durante o passeio para os diferentes pisos, nós chegamos no elevador; Eu tinha um cigarro aceso e, em seguida, me lembrei que Michael não gostava de fumaça de cigarro, então eu tentei escondê-lo. 

O fotógrafo disse algo que eu não compreendi bem, tipo "na América, só os tolos fumam'' e ele respondeu: " Mas na Itália somente as pessoas tolas dizem que isso é porcaria.'' Michael Jackson disse isso para me defender! Eu poderia pensar que era um sonho e, ainda assim, era a realidade!

Nós continuamos com o passeio. Caminhando sob as colunas, eu expliquei os mosaicos que estão no topo: em um ponto eu olhei para baixo e um pouco à frente de nós. Devido ao trabalho em andamento, faltava uma pedra com cerca de dois metros! Nós olhamos e eu disse: "Você pode imaginar...", e ele começou a rir.




Eu mostrei a ele o Túmulo do Soldado Desconhecido, mas não conseguimos nos aproximar porque havia uma grade de acesso para além da qual havia uma massa de pessoas que tentava subir. Além disso, também devo dizer que esta é uma zona militar e, portanto, com o devido respeito, fomos escoltados e autorizados [conosco estava um coronel do exército]. Nós não poderíamos nos arriscar a ter uma "invasão" por parte do público.



Michael era fascinado pela Polícia. Louisa me disse que ele tinha uma queda por uniformes militares e tinha manifestado o desejo de ver Roma a partir do topo, então eu perguntei a ele: "Michael, gostaria de subir ao alto?" 

Ele respondeu entusiasmado: "Sim, claro." Mas havia um detalhe: o andar superior realmente não poderia ser visitado porque há apenas os cavalos e um terraço rodeado por uma grade muito baixa, então só poderia passar uma pessoa de cada vez. 

Assim, com a ajuda de Louisa, nós insistimos que Michael fosse sem os guarda-costas. Nós levamos vários minutos para que ''os gorilas'' permitissem isso, mas no final tivemos o melhor... conosco foram o cinegrafista e o fotógrafo. 

Nós subimos as escadas e, sendo elas muito estreitas, permitiam a passagem de apenas uma pessoa. Nós ficamos de mãos dadas uns com os outros para nos ajudar [Michael deu a mão dele para mim!] 

Enquanto nós subíamos, eu fiz com que ele prometesse que ele não iria se inclinar sobre as grades. Eu lhe dei um milhão de recomendações e ele me garantiu que estaria tudo bem.

Assim que chegou, ele começou a correr perigosamente de um lado da balaustrada! Devo salientar que nós estávamos a uma altura de mais de cem metros! Eu me virei para Louisa e lhe disse: "MEU DEUS. Louisa! O que ele está fazendo?''

Então eu o chamei: "Michael! Tenha cuidado, não se exponha!''

Naquele momento, ele se virou e olhou para mim de um modo tão doce e reconfortante que eu nunca vou me esquecer: ele não disse nada, mas eu sabia pelo olhar que ele queria me dizer "Não se preocupe, está tudo bem, eu só quero ter um pouco de diversão."

Eu não sei como explicar: nos olhos dele havia uma doçura infinita. E lá eu pensei de novo: "Meu Deus!" E eu me senti morrendo de emoção.




Ele também era uma pessoa extremamente agradável. De vez em quando acontecia uma piada; por exemplo, ele queria tirar uma fotografia próximo a um dos cavalos, e sem perceber, colocou uma das mãos nos testículos... do cavalo. Quando ele viu, disse: "Não vou pegar alguma doença?" E riu.

Nós apreciamos a paisagem romana ao longo de meia hora; ele queria saber de todos os pontos principais da capital: o Panteão, o Fórum Romano e, graças ao dia claro, ele pôde ver o Castelo.

Michael ao lado de Loredana Alibrandi e amigos

Quando nós terminamos, eu não pude resistir à forte tentação de pedir um autógrafo. Eu tinha trazido um bloco e ele começou a escrever [deixando nas folhas em branco as marcas da caneta!] 

Momentos depois, eles se aproximaram dos funcionários do serviço interno, sendo que um deles tirou uma foto com o flash a dois centímetros de distância do rosto. Eu fiquei com raiva porque eu considerei este ato uma total falta de respeito por ele. 

Logo depois, os guarda-costas chegaram a nós, provavelmente porque eles perceberam que de outra forma Michael não teria conseguir sair.''

Nota do blog: Nas primeiras cenas do vídeo abaixo nós podemos ver Michael junto ao monumento, em seguida, ele visita um museu.

video

Fontes: 
Imagens e video do meu arquivo
http://michaeljacksongold.forumfree.it
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...