Depoimento de Paul Hernandez sobre Michael e Jordan Chandler


Antes do roteirista Paul Hernandez ter sucesso com seu filme da Disney em 2005, Sky High, ele era um aspirante a escritor em Los Angeles. Sendo um fã de quadrinhos com aspirações de trabalhar nesse campo, ele assumiu um emprego na Golden Apple.

"É uma loja enorme em Melrose", explica ele. “Não só eles têm histórias em quadrinhos e figuras de ação, mas o lugar realmente é exagerado - adereços de filmes, itens incrivelmente raros e legais.”

Era comum a loja ser frequentada por celebridades como Mark Hamill, John Singleton e Samuel L. Jackson. No entanto, Paul foi avisado uma manhã que uma celebridade não nomeada estava chegando e "seria legal".

Mais tarde, no mesmo dia, um SUV preto parou e apareceu Michael Jackson, um assistente e Jordan Chandler. Hernandez foi encarregado de ajudar Michael enquanto ele visitasse a loja e disse: "Michael era um grande fã do Homem-Aranha" e que "Jordan estava interessado nos quadrinhos do Flash e nos bonecos de ação do Flash''.

''Michael passou a comprar múltiplos de certos itens porque ele os usaria em sacolas de presentes para as crianças que visitavam Neverland e ele me perguntou: “Não há nada de violento, nada de sexual em nenhum desses casos?” Para garantir que as crianças que visitavam Neverland não recebessem nada de inapropriado.''

"Deve ser algo para acordar ou levantar no meio da noite e esse é o seu quintal...", Paul perguntou, recordando as imagens da casa de Michael durante sua entrevista ao vivo na Oprah que tinha ido ao ar alguns meses antes. Mas Michael disse: "Não, é algo quando você acorda e vê todas essas crianças que nunca terão a chance de fazer outra viagem e que estarão felizes por um dia."

Paul nos disse: "Eu me lembro disso claramente porque eu pensei que ele não estava buscando para si mesmo, ele estava buscando para outras pessoas.''

Há uma seção de livros para adultos dentro da Golden Apple, explicou Paul.

"Jordan tinha voltado para lá e eu disse: 'Você realmente não quer ir até lá - não há nada realmente bom lá.' Michael então perguntou: 'O que tem aí?' E eu disse: 'Bem, é como os livros para adultos, os livros com censura sexual.'

Michael disse: 'Jordan, não chegue perto daquela seção - é onde estão os livros ruins.' Me lembro que ele disse 'livros ruins', mas Jordan riu ... ele agiu como se estivesse caminhando para lá e [Michael] disse: 'Estou falando sério, Jordan, se você for até lá, não vou comprar nada para você.' E [Jordan] disse: 'Não, não, ok, tudo bem.'

Michael era um fã de quadrinhos e apontou vários itens nos quais ele tinha interesse.

''Eu me lembro que o gibi que eu estava mostrando a ele se chamava The World's Finest e quando Michael se inclinou para pegar uma cópia, eu pude ver atrás de sua orelha esquerda. Ele tinha cicatrizes das queimaduras e eu reconheci o que era porque eu havia sido queimado. Quando ele se recostou eu não me atrapalhei em fazer isso - falo com alguém que foi queimado porque às vezes tenho problemas, então eu disse: 'Você ainda tem problemas com as queimaduras que você teve durante o comercial da Pepsi?'

Ele se virou e olhou para mim e eu disse: 'Eu não quis dizer isso de uma maneira ruim, eu também me queimei', e eu me inclinei imediatamente, para deixá-lo saber por que eu estava perguntando, e puxei minha perna.

Michael exclamou quando viu as cicatrizes de queimadura na perna de Paul e perguntou: "Como isso aconteceu?"

"Eu disse a ele que ambas as minhas pernas estavam queimadas e foi quando eu tinha dois anos. Michael estava simplesmente arrasado - e você podia ver na expressão dele que ele era como 'Oh meu Deus', e ele ficava repetindo isso várias e várias vezes.''

Michael disse a Paul: "Eu não tinha metade disso quando aconteceu comigo. Na época, eu apenas pensei que era o fim do mundo e pensei: 'Eu não posso acreditar nisso, meu cabelo se foi.' Mas quando eu comecei a conhecer pacientes de queimaduras, percebi que não tinha o que chorar, tive sorte.''

"Michael falou comigo sobre como ele realmente não se preocupa com isso quando está usando um chapéu e está em público. Mas no palco ele teria que usar, eu acho que pequenos apliques e coisas assim, e quando ele girava, ele não queria que as pessoas vissem que ele ainda estava com cicatrizes lá em cima”, Paul lembrou e apontou para essa conversa com o superstar como sendo um momento particularmente pungente.

“Eu tenho que mencionar também que ele não estava usando luvas, e que você poderia ver o vitiligo em suas mãos. Você poderia ver os pontos onde a pele dele tinha a pigmentação diferente. Isso me lembrou muito do meu tio, porque meu tio estava assim nos braços dele. O mesmo tipo de padrão e forma. Eu não pensei nisso quando conversei com ele.''

Os dois homens estavam falando sobre super-heróis quando Paul perguntou: “Você alguma vez estaria em um filme de história em quadrinhos?” [''E isso, é claro, antes dos filmes de quadrinhos entrarem na moda.'']

Com essa pergunta Michael exclamou: "Ah sim, eu adoraria interpretar um super-herói! Eu acho que você carrega essas coisas com você - como momentos em filmes. Quando somos jovens e não podemos decidir o que é certo e errado, é sempre bom ter imagens poderosas que você já viu ou leu e que o guiam na direção certa.''

Paul relembra: “Começamos a falar sobre heróis negros. Agora há mais, mas naquela época você tinha Pantera Negra. Michael continuou dizendo que ele criou um personagem chamado MidKnight e era algo que ele realmente queria fazer. Eu acho que o que ele disse foi que eles nunca poderiam obter a história para onde ele aprovaria."

Hernandez afirmou que este encontro foi pouco depois, "Michael tinha acabado de fazer uma pequena entrevista de rádio com Rick Dees para promover seu novo álbum" em 5 de junho de 1993. Ele perguntou a Michael sobre isso porque no final da entrevista - Rick perguntou a ele, o que as pessoas podem esperar do seu novo álbum? Há algum segredo? Michael respondeu, 'Oh, eu tenho que ir, Rick... eu te amo... eu te amo Rick.''

Paul perguntou a ele, ''Era você mesmo?'' Michael começou a rir, então Paul começou a rir e Michael disse brincando, 'talvez eu devesse colocar uma música chamada "I love you Rick" no meu próximo álbum.' [...]

Quando estávamos falando sobre todas as coisas do filme de super-heróis, ele estava dizendo como era bom ter memórias gravadas em seu nível subconsciente, essas grandes coisas que você viu quando criança. E é verdade que todos nós carregamos isso. Antes de sair da loja, Jordan juntou os brinquedos que ele queria e não era muita coisa. Era como uma pequena pilha de livros e qualquer coisa em que parássemos ou [Michael] dizia: 'Ah, seria legal tê-los.' Jordan diria: 'Posso pegar um desses?'

E eu lembrei que Michael o corrigiu poucas vezes. Como quando alguém aparecia e perguntava alguma coisa. Jordan dizia: "Sim", e Michael dizia "Sim, senhor", e ele dizia "Diga a eles, obrigado" ou "Diga a eles, por favor". Você sabe, como um pai orienta.

Nesse ponto, as demandas de Evan haviam começado e, se Michael Jackson tivesse acabado de dar essas demandas naquele momento, nada daquilo que aconteceria mais tarde teria acontecido. Foi a recusa de Jackson em dar a Evan qualquer coisa que o fizesse refém de tudo o mais que pudesse acontecer - um “plano” que Evan diz a Schwartz que estava em andamento, e já ter sido “ensaiado” sobre o que dizer da última vez que viu ele, parece que o plano tinha sido algo quase imediato de conhecer Michael.

Frank Cascio revelaria: “Quando eu estava mais velho, Michael me dizia que o pai de Jordy queria que Michael investisse em um filme que queria fazer. Michael inicialmente gostou da ideia, mas seus conselheiros foram contra. Eles dispensaram o pai de Jordy de maneira irrefletida, e Michael, que não era de confronto, também o surpreendeu. Michael achava que isso, mais do que qualquer outra coisa, deixara Evan Chandler de fora.''

O artista David Nordahl estava na época trabalhando em projetos para Jackson dentro da empresa e ele confirmou que as demandas de Chandler de seu amigo tinham sido motivadas pelo seu zelo em se tornar roteirista: “A Sony deu US $ 40 milhões para Jackson iniciar esta produtora e o pai do garotinho, que se considerava do show business porque tinha escrito parte de um roteiro. E sendo amigo de Michael, e seu filho sendo amigo de Michael, esse cara tinha assumido que Michael ia fazer dele um parceiro nessa história. na produtora de filmes. É aí que a figura de US $ 20 milhões veio. Ele queria metade desse dinheiro da Sony.''

Chandler pode ter sentido que ele era capaz de escrever roteiros de qualidade, mas outros em Tinseltown pensavam diferente.

"Houve um roteiro que foi passado para mim pelo meu amigo Richard Jefferies há muito tempo, e é um roteiro horrível", diz Paul Hernandez. ''O pai de Jordan Chandler escreveu esse roteiro. Eu não consegui superar o fato de que ele escreveu aquilo e é meio que famoso na cidade por ser um roteiro ruim”, disse Hernandez, ainda rindo.

Fonte: https: //turningthetableonthechandlerallegations.wordpress.com

11 comentários:

  1. Mais um depoimento importante!
    Além de fala de como Michael se portava com Jordan, em relação a coisas adultas , Também fala de como Michael estava cuidando de Jordan, com Respeito e o ensinando a ser educado com os mais velhos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pensei o mesmo, por isso trouxe para vcs. Este é o real Michael. ☺

      Excluir
    2. Pois é, ainda tem gente que o chama de "estranho" e "louco".
      Dá-me paciência senhor...

      Excluir
  2. Michael era tão educado e ele tentava repassar isso para as crianças, para os filhos dele.
    Como uma vez ele disse ",todas a crianças são nossos filhos, nós somos responsáveis por todas as crianças"
    Ele realmente acreditava nisso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Michael seria um excelente professor, não tenho dúvida!!

      Excluir
  3. Isso comprova o que aquele psiquiatra alemão disse sobre o Michael. Ele queria ser pras essas crianças o que o pai dele não foi pra ele.
    Nossa esse depoimento é tão esclarecedor em tantos níveis.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me lembro.... ''Michael era a criança e o pai''.
      A verdade sobre Michael é tão cristalina, me surpreende como algumas pessoas têm dificuldade em captar essa essência.

      Excluir
  4. Nossa... um importante e esclarecedor depoimento que vai ao encontro do que disse a testemunha chave do caso Chandler (defesa de MJ) Geraldine Hughes, em seu livro "Redemption: The Truth Behind the Michael Jackson Child Molestation Allegations".

    A Dona Remy disse, em um programa de TV, que Michael sempre ensinava esses bons modos aos seus amigos crianças e também lhes dava conselhos sobre obedecerem e respeitarem os pais deles.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bom a gente encontrar depoimentos que corroboram a verdade.

      Excluir
  5. Oi Rosane, é como você diz...onde está seu coração é a sua percepção...

    ResponderExcluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

*Bem-vindos, Moonwalkers! Este é um espaço de amor à memória de Michael Jackson. Os comentários são moderados e estarão visíveis tão logo eu esteja on-line. [Rosane, admin. do blog]

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...