O Rei na África em 1992 (01)


Em fevereiro de 1992, Michael Jackson fez uma visita de 11 dias pela África. Nesta postagem lemos as mentiras criadas pela mídia durante a sua viagem, a entrevista que Michael concedeu á Revista Ebony, o vídeo e as fotos deste acontecimento.

'Quando Michael Jackson estava na frente como o vocalista de 14 anos de idade do grupo musical Jackson Five, Michael Jackson visitou a África pela primeira vez. "Quando saímos do avião em [Dakar, Senegal] África", lembra ele, "fomos recebidos por uma longa fila de dançarinos sfricanos. Seus tambores e sons encheram o ar com o ritmo. Eu estava ficando louco, eu estava gritando, 'Tudo bem! Eles tem o ritmo ... É isso. Este é o lugar onde eu venho. A origem. "

Dezenove anos depois, quando Michael, agora com 33 anos, saiu do avião no Gabão, um país vizinho do Oeste Africano do Senegal, foi saudado por uma multidão, gritando animados pelos alunos de uma escola que carregavam uma bandeira que proclamava: "Welcome Home Michael" (Bemvindo Michael).

Os sons novamente encheram o ar com o ritmo que fluía dos fãs que se reuniram no aeroporto e nas ruas antecipadamente para ver o " rei do pop, rock e soul ", que viria a ser coroado" Rei Sani "em uma aldeia do  Oeste Africano.


Apesar ou talvez por causa desta aclamação, o ídolo pop quase imediatamente se tornou o centro de uma controvérsia internacional baseada em uma campanha de mídia negativa. A mídia atacando com estas grandes mentiras:

'A viagem foi um desastre de relações públicas para Michael.'
A verdade: Foi um triunfo, teve mais espectadores do que Nelson Mandela no Gabão e mais do que o Papa na Costa do Marfim, segundo porta-voz africano.

'O cantor encurtou a sua turnê depois que uma parada gerou o tipo errado de animação.'
A verdade: Os patrocinadores queriam que ele estendesse sua turnê para atender à demanda por suas aparições em todos os lugares.

'Ele segurou a mão no nariz, porque as nações africanas cheiravam mal.'
A verdade: Ele às vezes tocava o nariz, um velho hábito nervoso que lhe valeu o apelido de "Smelly", dado originalmente por Quincy Jones.

'Ele entrou em colapso por causa do calor e ele foi a Londres para uma consulta médica.'
A verdade: Ele nunca ficou incomodado pelo calor. Seu médico pessoal, Dr. R. Chalmers,o acompanhou durante a viagem. Jackson não foi a Londres para uma consulta médica.



'Ele se recusou a apertar as mãos dos africanos.'
A verdade: Ele apertou as mãos de centenas de pessoas, abraçou e beijou crianças em hospitais e instituições para deficientes mentais..

'Ele não é "nem preto nem branco" e não é um bom modelo para as crianças.'
A verdade: Depois que Michael leu uma oração na Basílica de Nossa Senhora da Paz na Costa do Marfim, um menino de 9 anos de idade, exclamou: 'Michael é amor, amor, amor! Eu quero ser como ele.'

Porque ele é bem conhecido por sua humanidade e filantropia, o organizador da viagem Charles Bobbit refletiu sobre a turnê africana e disse: 'Fiquei impressionado com a interação entre Michael e as crianças. Ele sentou na cama com as crianças que estavam deformadas e crianças que estavam doentes.

Ele sentou e conversou com eles, abraçou-os. Apertou a mão e não usou uma máscara cirúrgica como ele faz, por vezes, na América ... Isto o qualifica como um modelo para crianças: Seus atos e não sua aparência.'

Enquanto a controvérsia internacional movimentava-se, Michael permaneceu distante, recusando-se a ler as histórias e dizendo que ele preferia deixar que os seus atos e canções falassem por ele. Estranha e significativamente, ele havia antecipado essa e outras críticas na canção Why You Wanna Trip On Me, do álbum Dangerous. Diz a canção, em uma parte:

'Eles dizem que eu sou diferente
Eles não entendem
Mas há um problema maior
Isso é muito mais exigente
Você tem fome no mundo
Não tem o suficiente para comer
Então não há realmente nenhum tempo
Para 'viajar' em mim ...'



Ficou claro desde o início que o povo africano concordou com Michael. E a partir do momento de sua chegada, o nativo de Gary, Indiana foi recebido como um grande dignitário e um filho perdido há muito tempo.

Ele tinha vindo para a terra de seus antepassados ​​para participar de uma cerimônia histórica conduzida debaixo de uma árvore sagrada na aldeia de mineração de ouro de Krindjabo, habitado pela tribo Agni e localizado perto de Abidjan, Costa do Marfim.

Enquanto o povo da aldeia olhava com admiração, Amon N'Djafolk, o chefe tribal tradicional de Krindjabo, colocou uma coroa de ouro sobre a cabeça do monarca musical e pronunciou-o "Rei do Sani".

Quase vencido pela emoção, o filho tímido e sensível de Joseph e Katherine Jackson sorriu e disse: "Merci beaucoup", para o povo de língua francesa e repetiu em Inglês, "Thank you very much."

Ele então se juntou aos idosos da corte do rei, assinado documentos oficiais e sentou em um trono de ouro, como as mulheres dançarinas, vestidas com roupas brancas, que faziam uma performance deslumbrante de danças rituais.

Essas mulheres idosas são os guardiões da aldeia, e suas danças cerimoniais deram suas bênçãos para a coroação do "Rei Sani" e pediam proteção a Deus junto a uma árvore que simboliza a essência do poder.


O mensageiro musical, que viajou para os países ocidentais e do Leste Africano como auto-proclamado embaixador da paz, do amor e boa vontade, alcançou um sucesso que superou sua expectativa.

Desde a sua chegada no Gabão, onde mais de 100.000 pessoas o saudaram, até a sua parada no Cairo (Egito), país que ele homenageou em seu mais recente álbum, 'Dangerous', com o single best-seller e vídeo musical 'Remember the Time', Michael foi pego por um furacão de acontecimentos felizes.


Na rica Gabão, ele recebeu a Medalha da Honra das nações do Oeste Africano, do Presidente Omar Bongo, que foi o anfitrião oficial da turnê "Come Back to Eden" do performer. O presidente Bongo disse a Jackson que ele foi o primeiro artista a receber a medalha, que até então tem sido dada apenas a chefes de Estado e altos dignitários e diplomatas - incluindo Nelson Mandela.

Como anfitrião da turnê, o Presidente Bongo nomeou sua filha, Pascaline Bongo, ministra dos Negócios Estrangeiros do país, e seu filho, Ali Bongo, para coordenar a turnê junto com Charles Bobbit, um consultor para o presidente, que iniciou a ideia para a visita de Jackson.

Jackson concordou em ir na excursão com a condição de que sua prioridade era o seu "desejo de visitar orfanatos, hospitais infantis, igrejas, escolas e parques infantis.





Um vídeo raro

Durante sua visita ao Gabão, Costa do Marfim, Tanzânia e Egito, ele encontrou a "Michaelmania" em toda parte. Sua imagem estava em cartazes, camisetas, outdoors, um selo postal (na Tanzânia), e banners de rua.

Sua música foi tocada na rádio, canalizada para hotéis - Okume Palace, em Libreville, no Gabão; Hotel Ivoire, em Abidjan, Costa do Marfim, e o Hotel Kilimanjaro em Dar es Salaam, na Tanzânia.

Energético e intensamente interessado em seus fãs, ele registrous 30.000 milhas em 11 dias; passou por 11 fusos horários, dormia em cinco fusos horários e pousou em quatro continentes - América do Sul, África, Europa e América do Norte.

Sua comitiva de 26 pessoas viajou em um avião Boeing 707 Executive com cabine de banho privado, open bar, lounges, salas de jantar, vídeo e equipamento de áudio, telefones e aparelhos de fax.

E quando tudo acabou, o artista, ao contrário falsos rumores, tinha dado um novo giro ao diplomata Michael Jackson e tocou a vida de centenas de milhares de africanos orgulhosos.

'Dangerous' Na África
Entrevista à "Ebony Magazine", em maio de 1992.


EBONY: Você tem algum sentimento especial sobre este retorno ao continente da África?

MICHAEL:  Para mim, é como o "amanhecer da civilização." É o primeiro lugar onde a sociedade existiu. É visto muito amor. Eu acho que tem esta conexão por ser a origem de todos os ritmos. Todos. É o lar.

EBONY: Você visitou a África em 1974. Você pode comparar o contraste entre as duas visitas?

MICHAEL: Eu estou mais atento às coisas desta vez: as pessoas e como elas vivem e o seu governo. Mas para mim, eu estou mais atento aos ritmos à música e às pessoas. É o que eu tenho notado mais do que qualquer outra coisa. Os ritmos são incríveis.

Você pode dizer exclusivamente pela maneira que as crianças se mexem. Até os pequenos bebês, quando eles ouvem a bateria, eles começam a se mexer. O ritmo, a maneira como ele afeta a alma deles e eles começam a se mexer. As mesma coisa que os negros têm na América...

EBONY: Como é se sentir como um verdadeiro rei?

MICHAEL: Eu nunca tento pensar sobre isso porque eu não quero que entre na minha cabeça. Mas é uma grande honra...


EBONY: Falando em música e ritmo, como você produziu as canções gospel no seu último álbum?

MICHAEL: Eu escrevi "Will You Be There?" na minha casa em Neverland na Califórnia... Eu não pensei muito para escrevê-la. É por isso que é difícil levar os créditos para as músicas que eu escrevo, porque eu sempre sinto que elas são feitas por uma força superior.

Eu me sinto afortunado por ser o instrumento pelo qual a música corre. Eu sou apenas a fonte da qual ela vem. Eu não posso tomar crédito por ela porque é trabalho de Deus. Ele está apenas me usando como mensageiro...

EBONY: Qual foi o conceito para o álbum "Dangerous"?

MICHAEL: Eu queria fazer um álbum que fosse como "Nutcracker Suite" de Tchaikovsky. Para que em cem anos a partir de agora, as pessoas estivessem ainda o escutando. Algo que viveria para sempre. Eu gostaria de ver crianças, adolescentes e pais e todas as raças em todo o mundo, centenas e centenas de anos daqui, ainda ouvindo as canções deste álbum e dissecando-as. Eu quero que ele viva.

EBONY: Eu notei nesta viagem que você fez um esforço especial para visitar crianças.

MICHAEL: Eu amo crianças, como você pode ver. E bebês.

EBONY: E animais.


MICHAEL: Bem, há um certo senso que animais e crianças têm que me dá uma certa corrente elétrica de criatividade, uma certa força que mais tarde na vida adulta é perdida por causa do condicionamento que acontece no mundo.

Um grande poeta disse uma vez. "Quando eu vejo crianças, eu vejo que Deus ainda não desistiu do homem." Um poeta indiano da Índia disse isso, e seu nome é Tagore. A inocência das crianças representa para mim e fonte de criatividade infinita.

Este é o potencial de todo ser humano. Mas quando você se torna um adulto, você está condicionado; você está tão condicionado pelas coisas que acontecem com você e isto se vai embora. 

Amor. Crianças são amáveis, elas não fazem fofoca, elas não reclamam, elas têm apenas o coração aberto. Elas estão prontas para você. Elas não julgam. Elas não vêem as coisas pela cor. Elas são bem ingênuas.

Este é o problema com os adultos, eles perdem sua ingenuidade. E este é o nível de inspiração tão necessário e é tão importante para criar e escrever canções e para um escultor, um poeta ou um escritor. É o mesmo tipo de inocência, aquele mesmo nível de consciência, que você cria. E as crianças o tem.

Eu sinto isso facilmente em animais e crianças e na natureza. É claro. E quando eu estou no palco. Eu não posso me apresentar se eu não tenho esse tipo de sentimento com a platéia. Você sabe o tipo de ação causa e efeito, reação. Eles estão me alimentando e eu estou apenas agindo à partir de sua energia.

EBONY: E para onde está tudo isso indo?

MICHAEL: Eu realmente acredito que Deus escolhe pessoas para fazerem certas coisas, da maneira como Michelangelo ou Leonardo da Vinci ou Mozart ou Muhammad Ali ou Martin Luther King foram escolhidos. E esta é sua missão. E eu acho que ainda não penetrei na superfície da qual está meu propósito real de estar aqui. Eu estou compromissado com a minha arte. Eu acredito que toda arte tem seu objetivo de união entre o material e o espiritual, o humano e o divino.

E eu acredito que esta é a verdadeira razão para a existência da arte e do que eu faço. E eu me sinto afortunado por ser aquele instrumento do qual a música jorra...Bem dentro de mim eu sinto que este mundo do qual vivemos é uma grande, enorme e monumental orquestra sinfônica. Eu acredito que em sua forma primordial de criação é som e não apenas som, é música. 

Você já ouviu a expressão, "música das esferas"? Bem, esta é uma frase literal. Nos Evangelhos, nós lemos, "E o Senhor Deus criou o homem da areia da terra e respirou dentro de suas narinas a respiração da vida e o homem se tornou uma alma viva." Esta respiração da vida para mim é a música da vida e ela penetra cada fibra da criação. 

Em uma das canções do álbum "Dangerous", eu digo: "Life songs of ages, throbbing in my blood, have danced the rhythm of the tide and flood." Esta é uma declaração literal, porque a mesma música que governa o ritmo das estações, o pulsar dos nossos corações, a migração dos pássaros, o andamento dos oceanos, os ciclos de crescimento, evolução e dissolução.

É a música, o ritmo. E minha meta na vida é dar ao mundo o que fui sortudo em receber: os êxtase da união divina pela minha música e dança. É o meu propósito, é o porque eu estou aqui.

EBONY: E sobre política?

MICHAEL: Eu nunca entro em política. Mas eu acho que a música acalma a besta da floresta. Se visualizar células num microscópio e colocar música, você verá que elas irão se mexer e dançar. Afeta a alma... eu ouço música em tudo. 

[Pausa] Sabe, isso foi o máximo que eu disse em oito anos. Você sabe que eu não dou entrevistas. Mas porque eu conheço você, eu confio em você. Você é a única pessoal em quem eu confio para dar entrevistas.'

Fonte: revista Ebony - maio 1992

Nota do blog: Eu encontrei a imagem abaixo - de Michael com o presidente Omar Bongo - e provavelmente ela não pertença a essa matéria da Ebony, mas achei por bem publicá-la também.


Dois vídeos emocionantes registrando a passagem
de Michael pelo continente africano em 1992



Michael deixando Los Angeles para visitar a África








7 comentários:

  1. Rosane obrigada por todas essas postagens lindas e maravilhosas!!!!! Obrigada por manter vivo o legado do Michael e espalhar pelo mundo através do blog a obra e vida do nosso anjo iluminado.

    ResponderExcluir
  2. PARABÉNS PELO BELO CANTINHO FEITO POR VC DEDICADO AO NOSSO AMADO MJ.
    AMO DE PAIXÃO QUEM PROSSEGUE COM OS FEITOS DO NOSSO AMADO.
    BJS
    GOD BLESS YOU

    ResponderExcluir
  3. FLOR, VOU COLOCAR NO CANTINHO QUE TENHO PREPARADO PARA FALAR DO NOSSO AMADO E QUERIDO MJ ESSE ASSUNTO, TÁ? MAS OS CRÉDITOS SÃO SEUS MÉRITOS, TÁ?
    QUALQUER COISA, FLOR, É SÓ USAR O LINK FALE CONOSCO DE LÁ CASO QUEIRA, OK?
    DESDE JÁ DESEJO A TI UMA EXCELENTE SEMANA.
    GOD BLESS YOU, BABY. POW!

    ResponderExcluir
  4. A Ebony sempre apoiou Michael, né?
    Essa postagem é preciosa, um retrato do ser elevadíssimo que é Michael. Se eu tivesse essa revista, iria guardá-la para sempre.
    Se você me permite, vou salvar as fotos que eu ainda não tenho, bem como a entrevista.
    Isso tem que ser tópico obrigatório para todos os fãs de Michael.
    Obrigada por trazer esse tesouro histórico de Michael aqui amiga.
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Eu adoro esta matéria. já li um monte de vezes, kkk, ma não me canso.

    ResponderExcluir
  6. Mto legal Rosane, e eu não me lembro da revista Ebony falando mal do Michael nenhuma vez, e eu acho que é a única tbm. Michael deve ter ficado tão feliz, o povo africano sempre deu valor a ele.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu cito três revistas em especial, Bruna:

      EBONY, JET e BRAVO.

      Excluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

*Bem-vindos, Moonwalkers! Os comentários são moderados e estarão visíveis tão logo eu esteja on-line. [Rosane, admin. do blog]

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...