Remember The Time: Protecting Michael Jackson


Bill. ''Em janeiro, uma vez que enviamos a maioria de seu material para Los Angeles, em Las Vegas não havia muito a fazer. Recebíamos uma chamada - uma vez por semana ou menos - de Peter Lopez ou Michael Amir, alguma mensagem para Sr.Jackson, mas era isso. Javon e eu começamos a fazer algum trabalho em tempo parcial para outros clientes, para preencher as lacunas.

Eu estava em uma posição difícil. Uma parte de mim sentia que deveria estar em Los Angeles, cuidando a sua guarda. Eu estava executando recados e verificando o portão principal para a recepção de documentos e manipulação de informações delicadas, e ele tinha fé de que eu não iria vendê-lo para os tabloides.

Eu senti como se ele confiasse em mim, e é bom sentir que alguém confia em você. Ele tinha tão pouca fé em outras pessoas, eu gostei de dar a ele a sensação de poder confiar em alguém. Ele conhecia alguns dos caras da equipe de segurança em Los Angeles. Ele poderia ter vindo para eles, falar com Pedro Lopez. Ele não o fez.

Tenho orgulho de trabalhar para Michael Jackson, para Sr. Jackson. mas isso foi na Virgínia. Aquela era uma época diferente. Ele já não era Sr. Jackson. Este era agora o ''modo Rei do Pop''. Eu não conheço esse cara. Era um mundo do qual eu não queria participar. Ver o que estava acontecendo. Você vê aquelas pessoas que vêm para ele de todos os lados, todos com as mãos estendidas. Eu não gostava daquelas pessoas e eu não confiava nelas e eu não queria trabalhar com elas.

Continuamos a ouvir que isso era apenas uma trégua, que iríamos voltar a trabalhar em breve, que algo iria acontecer em Londres que implicaria em uma viagem ao exterior. Eu não acreditei em nada disso naquele momento.

Isso era algo que eu aprendi rapidamente no mundo do Sr. Jackson. Você não vai acreditar em nada até ver o que acontece com seus próprios olhos. Era algo que eu também estava ouvindo nas notícias. Quando se tratava de Michael Jackson, a mídia sabia pouco sobre o que realmente estava acontecendo; Apenas circulavam muitos rumores e boatos. Eles falavam de algo grande no horizonte, sobre uma turnê. Além disso, [diziam que Michael] estava mal quase o tempo todo.

Eu estava realmente com ele quando soube que ele tinha morrido - a primeira vez que ouvi que ele estava morto. Estávamos na Virginia, dirigindo. Tínhamos deixado a Walmart e estávamos voltando para Chuck E. Cheese para pegar as crianças.

Sr. Jackson estava sentado no banco de trás quando o locutor interrompeu a transmissão do rádio e disse, ''Espere, temos uma notícia... esperem um minuto, gente... sim, nós simplesmente temos a notícia de que Michael Jackson, o Rei do Pop, faleceu.''

Eu me virei e disse, "Sr. Jackson, ouviu isso?"

"Não, o quê?"

"No rádio. Eles dizem que o senhor morreu."

Ele apenas riu consigo mesmo. Ele disse, "Sim, acontece o tempo todo.''

Em 05 de março de 2009, Michael Jackson subiu ao palco no O2 Arena, em Londres. Vestido de preto e de pé sobre um estrado com um fundo vermelho chamativo. Para o observador casual, Jackson parecia estar montando o retorno de todos os retornos.

Há três meses, no início de dezembro, AEG concordou em sair do Hotel Bel-Air para um novo lar em 100 North Carolwood Drive, no exclusivo bairro de Holmby Hills. A mansão de dezessete mil metros quadrados que custava US $ 100.000 por mês, [estava acertado que] o promotor assumiria as despesas de Jackson [por conta do] concerto no O2.

Pouco depois do Ano Novo, Tom Barack e Colony Capital tinham colocado um pequeno exército de empreiteiros para reabilitar Neverland, fazendo as reparações necessárias para devolver à propriedade a sua antiga glória.

No final de janeiro, Jackson e AEG concordaram com os termos para This Is It. A Jackson se deu um adiantamento de 6.200.000 que garantiram o compromisso de realizar dez shows em Londres naquele verão. O que Jackson não sabia naquele momento era que AEG já esperava que a demanda por bilhetes excederia em muito a capacidade de dez shows.

E Tohme Tohme, tendo visto as finanças de Jackson de perto, sabia que apenas dez performances nunca seriam o bastante para acabar com a dívida do cantor. Tohme e AEG já haviam explorado o número de atuações se a demanda dos consumidores exigisse.

Imediatamente após o anúncio de Jackson em 05 de março, os fãs foram informados de que eles poderiam fazer via on-line a reserva dos ingressos. Mais de um milhão de pessoas foram cadastradas apenas nas primeiras 24 horas. Tohme e AEG imediatamente começaram a falar sobre o aumento do número de shows, primeiro em vinte, depois em trinta e um e finalmente, para um total de cinqüenta shows.

Jackson aceitou relutante o aumento nessas condições: AEG teria que alugar uma fazenda nos arredores de Londres para a sua residência. E para garantir a sua saúde, AEG teria que contratar um personal trainer, um chef pessoal e um médico pessoal. Para esta última posição, Jackson insistiu que contratasse Dr. Conrad Murray, o médico particular em Las Vegas.''

Extraído do livro Remember The Time: Protecting Michael Jackson in His Finals Days escrito por Bill Whitfield e Javon Beard - ex-guarda-costas de Michael Jackson.

Fonte: http://mjhideout.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...