Remember The Time: Protecting Michael Jackson



''Em 25 de junho de 2009, às 12:26 minutos, os paramédicos invadiram o quarto de Michael Jackson no 100 North Carolwood Drive, em resposta a uma chamada ao 911 que tinham feito poucos minutos antes. Eles encontraram Jackson inconsciente e sem respirar.

Depois de inúmeras tentativas frustradas de reanimação, às 01:07 minutos o colocaram em uma ambulância e o levaram ao UCLA Medical Center, a apenas três quilômetros de distância. Pouco mais de uma hora depois, às 14:26 minutos, Michael Joseph Jackson foi declarado morto por uma parada cardíaca. Uma autópsia completa foi ordenada para determinar a causa exata da morte.

Três horas mais tarde, o irmão de Michael, Jermaine deixou o hospital e emitiu uma declaração confirmando o que o mundo já estava sabendo há algum tempo. O site do tabloide TMZ deu a notícia da morte de Jackson poucos minutos após o pronunciamento, o que causou um aumento sem precedentes da mídia.

Nas horas posteriores à morte de Jackson, o tráfego na Internet disparou em todo o mundo, derrubando a Wikipedia, o Twitter e o site do Los Angeles Times. A taxa de atualizações de status no Facebook triplicou.

Igual ao resto do mundo, o Google e o Twitter transmitiram a notícia da morte de Jackson, uma multidão de fãs e curiosos começaram a se reunir do lado de fora do UCLA Medical Center para apoiar a vigília. e outros encontros também ocorreram fora da mansão em Carolwood e nos portões de Neverland.

À noite, multidões se reuniram em frente à sede original da Motown em Detroit e no Teatro Apollo no Harlem. Na manhã seguinte, encontros improvisados se espalharam pelas ruas de Londres, Paris, Cidade do México, Nairóbi, Moscou etc.



Um memorial público televisionado foi realizado para Jackson em 07 de julho, no Staples Center em Los Angeles. Os irmãos de Jackson, cada um usando uma única luva branca, atuaram como porta-vozes da cerimônia, com o caixão do cantor no palco.

Ele foi elogiado por Brooke Shields, o reverendo Al Sharpton, Berry Gordy da Motown. Entre os discursos, apresentações musicais de grandes sucessos de Michael Jackson foram realizadas por Mariah Carey, Stevie Wonder e Jennifer Hudson.

31 milhões de espectadores assistiram a transmissão nos Estados Unidos. Mais de 6,5 milhões assistiram na Inglaterra, 18 milhões no Brasil e milhões mais em outros países. Além da audiência televisiva, houve as 33 milhões de visualizações online, então o adeus a Michael Jackson foi o memorial mais visto de uma figura pública na história do mundo.

A avalancha global que se seguiu à morte de Jackson demonstra a popularidade que o cantor continuava a manter.

Somente na semana de sua passagem, Jackson vendeu 2,6 milhões de downloads digitais e mais 800 mil álbuns. Nos últimos seis meses de 2009, vendeu 9 milhões de álbuns nos Estados Unidos e 35 milhões de álbuns no mundo inteiro.

Michael Jackson This Is It, um documentário compilado de imagens dos ensaios para o concerto. Mais de 261 milhões de dólares foram levantados, se tornando o filme de música de maior bilheteria de todos os tempos.

A revista Billboard estima que nos anos após a morte de Jackson, seus fãs geraram mais de um bilhão de dólares em receita.

Em 03 de setembro de 2009, Michael Jackson foi sepultado em uma cerimônia privada no Forest Lawn Memorial Park em Los Angeles. Nas semanas que se passaram desde a sua morte, os acontecimentos que o rodeavam começavam a se esclarecer.

A notícia mais chocante tinha chegado em 27 de agosto, quando o escritório do legista de Los Angeles determinou a morte de Jackson como homicídio, citando a causa como "intoxicação aguda de propofol com efeito benzodiazepínico".

O Propofol, um poderoso anestésico, era uma droga que a maioria das pessoas nunca tinha ouvido falar, uma vez que somente é usado em hospitais para deixar os pacientes inconscientes para cirurgia de grande porte; Usado sem instrumentação adequada para medir os níveis de oxigênio, freqüência cardíaca e pressão arterial, pode ser extremamente perigoso.

Sob o intenso estresse físico e emocional dos concertos de Londres, aliados à insônia de Jackson, havia se convertido nisso... desesperado para dormir, seu médico pessoal, o Dr. Conrad Murray, lhe administrou a dose de propofol durante a noite.

Na noite de 24 de junho, Jackson tinha chegado no Staples Center para os ensaios. Depois de semanas se encontrando fraco e cansado, o cantor apareceu cheio de energia renovada fazendo todo o programado para dar uma performance que o diretor Kenny Ortega descreveu como "bioluminescente''.

Jackson saiu às 00:30, para voltar para casa e dormir à noite. Tentando dormir após o ensaio da noite, Dr. Murray primeiro administrou uma forte dose dos sedativos lorazepam e midazolam. Mas no momento em que o sol apareceu, Jackson ainda não estava dormindo, e às 10h40, Murray deu-lhe um empurrão final com vinte miligramas de propofol.

Uma hora mais tarde, o próprio médico descobriu que Jackson não estava respirando. Depois de vários minutos de pânico tentando fazer uma reanimação cardiorrespiratória por sua conta, Murray desceu correndo as escadas gritando por socorro.

A equipe de segurança que Jackson tinha em Los Angeles juntamente com Prince e Paris Jackson, Murray voltou ao quarto de Jackson, enquanto Prince testemunhou como o médico estava freneticamente tentando trazer seu pai de volta à vida.

Quase meia hora se passou entre o momento em que se encontrou Jackson sem respirar até que a chamada fosse feita para o 911.

Oito meses após a morte de Jackson em fevereiro de 2010, Dr. Conrad Murray foi acusado de homicídio involuntário por administrar a dose fatal de propofol.

Quando o julgamento médico finalmente aconteceu no outono de 2011, o Dr. Christopher Rogers, chefe de medicina forense para Los Angeles, disse que embora Michael Jackson estivesse abaixo do peso e cansado pelos ensaios, sua saúde era normal para um homem de 50 anos de idade. No entanto, se não fosse pelos eventos de 25 de junho de 2009, o cantor poderia ter vivido até a velhice.

Em 07 de novembro de 2011, Murray foi condenado por homicídio culposo e condenado a quatro anos de prisão.

Durante o julgamento, Bill Whitfield, o chefe de segurança de Las Vegas de Michael Jackson, foi chamado para depor na esperança de que o que ele e sua equipe haviam aprendido durante seu tempo no trabalho poderia fornecer uma imagem mais clara e melhor compreensão do que aconteceu no dia em que Michael Jackson morreu.''

Extraído do livro Remember The Time: Protecting Michael Jackson in His Finals Days escrito por Bill Whitfield e Javon Beard - ex-guarda-costas de Michael Jackson.

Fonte: http://mjhideout.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...