Remember The Time: Protecting Michael Jackson


Bill: ''Quando Michael Jackson via as crianças africanas que vivem na pobreza, ou via as crianças que vivem com câncer no hospital, seu coração se colocava imediatamente até eles.

Ele poderia ler uma carta de um fã em uma família com dificuldades financeiras, e ele literalmente começava a chorar. Ele poderia ser a pessoa mais sensível e bondosa que eu já conheci.

Durante sua vida, doou centenas de milhões de dólares para a caridade. E eu não estou falando apenas de entregar um grande cheque para a United Way na frente das câmeras.

Estou falando de alcançá-lo diretamente e ajudar os necessitados. Tal como acontecia com Dave, o homem de Nova York que tinha sido queimado. Houve dezenas de pessoas como Dave, ao longo dos anos. Em alguns casos, Michael Jackson literalmente salvou suas vidas.

Essa compaixão dele era totalmente genuína, e que vinha através de sua música, também. É por isso que muitos de seus fãs o veem como um anjo, essa pessoa incrivelmente generosa e amorosa. E ele era. Nesse nível. Mas quando se tratava da dor causada por suas próprias ações para as pessoas bem à sua frente? Ele não podia ver. Não queria vê-lo.

Considerando a vida que ele viveu, sendo isolado desde tenra idade, eu não acho que tivesse realmente desenvolvido as habilidades necessárias para lidar com as relações pessoais. Então ele calou esses sentimentos, ele se recusou a lidar com eles.

Se você tivesse pessoas trabalhando para você e não fossem pagas ao final do mês, você deve entender como isso os afetaria. Você deve saber. Você iria vê-lo. Ele não o fez. Ele não poderia. E então eu disse a mim mesmo, ''Não devo criticá-lo. Não é culpa dele."

Assim que passamos por toda a loja, fomos até a caixa registradora. Sr. Jackson estava atrás, enquanto eu observava como o funcionário carregava tudo. A fatura estava perto de dez mil dólares.

Quando o cara me deu total, virei-me para o Sr. Jackson, esperando para me dar o dinheiro, como de costume. Em vez disso, ele tirou um cartão de crédito.

Eu não sei de onde veio o cartão de crédito. Eu nem sabia que ele tinha um. Era algo novo. Ele ainda tinha aquele adesivo branco que pede ativação, como se nunca tivesse sido usado. Entreguei o cartão de crédito ao rapaz. Passou. Não foi rejeitado, mas ele veio como "não autorizado".

Eu disse, "Sr. Jackson, precisa autorizar o cartão."

Ele disse, "Sim, eu autorizo para que você possa usá-lo.''

Ele disse isso muito sério. Como, "Claro, Bill. Pode ser usado."

Ele pensou que isso é o que significava autorizar o cartão de crédito, bem como se as suas palavras fossem uma espécie de mágica "abracadabra", que iria fazê-lo funcionar.

Eu tentei falar com ele, ver se havia um número para ativá-lo. Ele honestamente não sabia sobre o que eu estava falando. Ele nunca teve que usá-lo por si mesmo.

Ele continuou, "Oh, tem um monte de dinheiro nele. Faça de novo. Faça novamente.''

O cara tentou de novo. Nada. Um par de vezes. Nada. Eu estava para lá e para cá sussurrando para o Sr. Jackson, para ver o que ele queria fazer. Ele disse, "Basta dizer a eles que vamos voltar e pagar.''

Eu era como, ''você realmente acha que eles vão nos deixar sair daqui com dez mil dólares em brinquedos, voltar e pagar por isso mais tarde? E ainda pedir que embrulhe todos os presentes?''

Eu sabia que não ia acontecer, mas eu pedi ao gerente, de qualquer maneira. Eu disse, "É possível que possamos voltar depois e pagar por isso?"

Ele apenas olhou para mim com aquele olhar tipo, ''Realmente? Você realmente acha que eu vou fazer isso?''

Eu estava tentando negociar alguma coisa com esse cara e entretanto, tinha Sr. Jackson no meu ouvido, dizendo, "Eu compro aqui o tempo todo. Basta dizer-lhe que está tudo bem."

Então, finalmente, eu era como... bem, eu chamei Londell. Era quase quatro horas, horário de Nova York, mas eu não me importei. O chamei e lhe contei sobre a situação na qual estávamos e Londell disse, ''Passe o gerente para mim e veremos se ele pode passar o meu cartão por telefone''.

Londell fez isso, tudo foi pago, e foi isso. Quando tivemos tudo embrulhado, nós voltamos para Palms e colocamos tudo debaixo da árvore.

Depois disso, eu estava mais ou menos. Eu tinha feito acordos com os seguranças do hotel para ficar de guarda na frente de sua porta, então Javon e eu pudemos ter algum tempo livre. Esses caras apareceram, e eu fui para minha casa.

Eu senti que precisava desabafar com alguém. Como Londell e eu tínhamos compartilhado aquela situação estranha, pensei que estaria bem se fosse com ele. Eu o chamei para falar sobre algumas coisas e o coloquei a par da situação que estávamos passando, eu e Javon.

Ele ficou surpreso. Ele disse, "Desde quando vocês não estão sendo pagos? Precisa de algo? Do que precisa?'' Felizmente, ele conseguiu sem que eu tivesse que pedir ajuda ou me envergonhar dessa maneira. Ele nos adiantou $ 2,500 para que pudéssemos fazer uma pausa para as férias. Isso foi um grande alívio.

O Natal chegou sem muito o que fazer. Liguei para Sr. Jackson naquela noite para desejar Feliz Natal a ele e às crianças. Ele me perguntou, "Sua filha tem o que ela queria?"

Eu disse, "Sim, senhor. Ela está bem.''

Ele disse, "Ela tem um iPhone?"

"Não, senhor."

"Providencie um iPhone e diga a ela que é da minha parte. Vou pagar."

Ele se sentia bem fazendo isso, e talvez ele percebesse pelo o que estávamos passando.

Então, eu comprei para a minha filha um iPhone e o embrulhei como se ele tivesse feito isso. Ele me reembolsou o dinheiro. Um par de dias depois, eu estava conversando com Sr. Jackson por telefone e lhe disse, ''Senhor, minha filha gostaria de lhe agradecer o iPhone."

Ele disse, "Sim, claro."

Lhe dei o telefone e conversaram por um minuto. Ela agradeceu e ele disse, "De nada".

Se pudessem ver a alegria no rosto da minha filha enquanto ela estava falando com ele. Ela não podia acreditar que ela estava no telefone com Michael Jackson. Esse foi um dos poucos bons momentos que tivemos.

Logo após o Natal, fomos convidados a mudar de quarto. As pessoas vieram para celebrar o Ano Novo e eles queriam o quarto para um hóspede pagante. Pedro Lopez me chamou e me disse, "Bill, precisamos levar Sr. Jackson para outra suíte." Nós nos mudamos para um quarto menor no lado oposto do corredor.

Enquanto tudo isso estava acontecendo, em uma manhã a UPS entregou três pacotes em minha casa. Havia três grandes caixas embrulhadas em plástico bolha. A conta do eBay que Sr. Jackson usava foi criada em meu nome e cada vez que ele pedia algo, era enviado para a minha casa.

Eu liguei para ele e lhe disse que o seu pacote tinha chegado. Ele estava muito animado e me pediu para trazer as coisas. Levei as caixas para Palms e consegui um carrinho de bagagem para levar do carro até o quarto. Quando as viu, Sr. Jackson estava tipo, "Ótimo, ótimo!"

Nos deram uma faca e começamos a abrir as caixas. Abrimos a primeira e a única coisa que vi foram pés e pernas de manequim. Tipo de cor de porcelana e com sapatos vermelhos. Isso era estranho.

Em seguida, abrimos a segunda caixa. Dentro dele estava um torso. Tinha asas no mesmo, saindo da parte de trás. Tirei essa coisa e eu estava pensando, ''Ei, isso parece a Tinker Bell [a personagem Fada Sininho de Peter Pan - nota do blog].

Mas isso pode não ser Tinker Bell. Tinker é minúscula e essa coisa é enorme. Em seguida, abrimos a terceira caixa. Sim, essa é Tinker Bell, amigo.

Nós colocamos tudo junto e eu fiquei lá assistindo aquela Tinker Bell com cerca de sete pés de altura. Ele adorou. Ele a queria em uma determinada área da sala. Ele era, "Isso é ótimo! Isso é ótimo!"

Esse foi um momento difícil. Aqui estava eu, realmente fazendo o impossível para tentar lhe ajudar em tudo o que eu pudesse, mas ele ainda estava fazendo as mesmas coisas que o colocaram nesta confusão. Ele não poderia sequer pagar o teto onde estava vivendo, e ele está comprando m**** no eBay?

De certa forma, eu não o culpei e de alguma forma eu não o fiz. Houve momentos em que eu senti que esta era a sua responsabilidade e eu estava furioso com ele.

Outras vezes, eu pensei que era tudo por causa do que os outros tinham feito para ele e que não era justo que eu ficasse zangado com ele. Havia dias em que eu realmente sentia e compreendia o que estava acontecendo, e havia dias em que eu não compreendia nada.''

Javon: ''Naquele dia em que estávamos na FAO Schwarz, foi o dia em que eu estava chateado com ele. Mas, mesmo assim, você não poderia ficar zangado com ele por mais de dez minutos. Tenho certeza que ele disse algo no caminho de casa que me fez esquecer tudo.

Havia algo sobre ele, sua atitude. Ele era tão doce e de fala mansa. Você poderia estar de mau humor, e o seu bom espírito e energia imediatamente iriam lhe suavizar e lhe animar. Essa era a maneira como o seu ser interior contagiava as pessoas.

Ele sabia como fazer as pessoas se sentirem contentes. A maneira como ele falava com você é que lhe fazia pensar que tudo o que saía de sua boca era genuíno.

Eu vi como esse homem trazia sorrisos a todos que estivessem ao seu redor. Todos que chegavam queriam se colocar em contato com ele, desde celebridades, pessoas que iluminavam suas vidas.

Não podíamos ver por que, nos negócios, ele não colocava pessoas em quem pudesse confiar. Não podíamos acreditar que tão brilhante como ele era, ele não poderia aproveitar e observar a maneira como os outros se aproveitavam.

Eu me sentia triste por ele e pelas crianças. Eles estavam vivendo fora, com as malas. Não havia nenhuma estrutura para onde eles iriam ficar. Dava vontade de você querer protegê-los e garantir que nada acontecesse com eles.

É por isso que deixou de ser apenas um trabalho para nós. Era mais como você se estivesse em uma missão.

Ele era tão ingênuo e você poderia pensar, esse cara não pode sequer autorizar o seu próprio cartão de crédito. Ele está tão acostumado às pessoas que cuidam dele, realmente não era culpa dele que eles não nos pagassem.

Mas, ao mesmo tempo, ele poderia fazer uma emboscada com um paparazzi para me testar, a fim de ver se eu sou uma pessoa de confiança. Para mim, esse é um cara que é bastante antenado e muito consciente do que está acontecendo.

Eu tive um tempo duro com Bill. Ele estava chateado, e Bill sempre me dizia, ''"Não é culpa do Sr. Jackson." E eu dizia, "Mas Bill, em algum momento tem que ser culpa dele."

Sim, ele tinha todas essas pessoas que se aproveitavam dele, mas ele era o único que contratou essas pessoas. E mesmo que outras pessoas fizessem para ele, qualquer problema que você tem em sua vida, acabará por se tornar sua culpa se você não fizer nada para resolvê-lo.

É por isso que eu sempre quis agarrá-lo e dizer, ''Sr. Jackson, reaja, homem! É a hora de tomar conta do que você construiu. Tudo isso é para você colocar os pés no chão."

Mas eu não poderia. Eu estava com medo de dar ordens. Ele pisava em cascas de ovos em torno de seus próprios empregados. Eu não conseguia compreender.''

Extraído do livro Remember The Time: Protecting Michael Jackson in His Finals Days escrito por Bill Whitfield e Javon Beard - ex-guarda-costas de Michael Jackson.

Fonte: http://mjhideout.com


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...