The King of Style: Dressing Michael Jackson (15)


Costurando uma meia

Michael gostava de suas meias brancas por três razões:

(1) Nenhuma pessoa usava meias brancas com sapatos pretos e calças, a menos que essa pessoa estivesse ancorada nos anos 40.

(2) As meias tinham ''pó de fada'' sobre elas.

(3) Colocavam o foco no que eles estavam fazendo com seus pés.

Em 1988, se preparando para o Grammy no Radio City Music Hall em New York, enquanto Michael assistia a fita dos ensaios, teve um desgosto. Por quê? Porque seus sapatos pretos se fundiam com o piso preto sobre o qual ele esperava dançar.

Suas meias brancas foram a solução: Coloque um par de meias brancas e a luz as captará. Michael sabia que o olho humano é atraído pela luz, o que era um dos motivos pelos quais tanto lhe atraíam lantejoulas e strass. Captam a luz e e isso fascinava a ele.

Se ele pudesse garantir que o público estivesse fixado em seus pés, eles poderiam, então, ver a magia de seus passos. Em turnê, Michael foi tão longe a ponto de construir um piso na cor cinza, para evitar confusão de cores.

No entanto, as meias brancas não foram suficientes. Michael precisava que fossem especiais. Deveriam ser funcionais e divertidas, também. As originais usados no especial de aniversário da Motown 25 para seu primeiro moonwalk tinham o strass ao longo de toda a meia. Antes de começarmos a trabalhar para Michael, ele deixava o palco sangrando.

Tivemos que fazer um novo par de meias que tivessem o strass desde o tornozelo para cima e que não ficasse dentro do sapato, devido ao peso. E deveriam ser strass, porque refletem melhor a luz.

Normalmente, em uma meia tinha 18 a 24 fileiras [114 strass em cada uma] e teriam que ser ligadas umas às outras. Compacto. A maioria das pessoas colocam strass aqui e ali para dar a impressão de cobertura total. Mas não Michael. Ele era a perfeição. Se uma pessoa está indo para fazer isso, ele fazia aquilo.

Nós costumávamos encontrar com Michael no estúdio durante a gravação para criar esboços, e ele colocava as pedras todas juntas, fazendo com que se tocassem, "Olhe, Bush, tem que se tocar. Compactas".

E ele estava certo. Finalmente fizemos o último par de meias para Billie Jean. as quais pesavam em torno de 1.100 kg e custaram milhares de dólares para cobrir. Depois de cada concerto, as meias precisavam de reparos e teriam que voltar para recuperar o pó de fadas perdido, o qual Michael havia espalhado entre um mar de fãs deslumbrados.

Fazer as pessoas verem seus pés se tornava seu próprio ato de magia. A luz é um amigo do ilusionista, desviar ou atrair o público, conforme solicitado. Quanto maior a multidão em frente a qual Michael iria atuar, maior preocupação com a capacidade de que olhassem para os seus pés. 

Poderia a última pessoa na parte de trás do estádio ver o que Michael fazia com os pés? O que tem de bom as meias brancas se você não pode ver a elas? Como poderia Michael tirar vantagem da luz para mostrar a sua capacidade? E quando você faz um movimento incrível, como o moonwalk, em seus bolsos? Como você o apresenta ao mundo? Você levanta suas calças.

Fazendo a meia Billie Jean

Nós usávamos meias esportivas compradas em lojas de departamento. As cortávamos pela parte detrás e ao longo da volta, costurávamos â mão cada pedra de strass aurora boreal, a fim de mantê-las firmemente agarradas à meia.


Quando todas estivessem costuradas, virávamos a meia do avesso e costurávamos por trás. O último passo consistia em costurar no interior da meia, na parte superior, uma peça elástica para que se mantivesse firme no tornozelo de Michael, e não caísse por conta do peso.''

Por Michael Bush (estilista de Michael Jackson)
Extraído do livro The King of Style: Dressing Michael Jackson

Fonte: MJHideout

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...