Sobre negros e brancos


''Hoje o meu filho de 10 anos de idade trouxe para casa uma redação. Suas instruções eram para imprimir a letra de sua canção favorita e escrever sobre o que significa para ele. Parece bastante simples.

Meu filho é um fã de Michael Jackson graças aos velhos CD's de sua mãe e de seu pai e o jogo de dança The Experience para Wii. Então, ele me diz que ele quer que eu imprima a letra da canção They Don't Care About Us.

Conhecendo a letra, eu pensei que esta era uma canção muito profunda para um trabalho da quarta série e estava curiosa para saber por que meu filho escolheu esta canção para cumprir seu dever escolar. Então, eu perguntei, "Você sabe o que as palavras desta canção querem dizer?"

Ele olha para mim como se eu fosse de Marte e diz, "Eu sei de algumas das palavras, mas é a minha música favorita para dançar no Wii."

Então, meu marido e eu entramos em uma curta palestra sobre o quanto é importante compreender as palavras que você coloca para dançar. Nós pegamos a letra da canção e meu marido a leu em voz alta e, em seguida, tocou a música para o meu filho ouvir de novo, desta vez com atenção extra para a letra. Eu sabia em minha mente onde o significado desta letra encontra eco em minha cabeça.

"Qual evento recente isso lembra?" perguntou o meu marido.

Meu filho responde, "Michael Brown e... eu não posso respirar."

Eu sabia que ele tinha visto parte do [programa] Black & Blue na CNN, o qual retratava a trágica morte de Eric Garner.

Meu coração começa a afundar, enquanto eu o ouvia responder às perguntas do meu marido. O coro repetia em minha mente, ''All I wanna say is that They don’t really care about us.'' ['Tudo que eu quero dizer é que eles realmente não se preocupam com a gente.]

As lágrimas começam a descer, enquanto eu assisto o olhar de terror no rosto do meu filho, à medida em que meu marido explica quem "eles" podem ser, como "eles" podem vê-lo como um jovem menino negro e como "eles" podem maltratá-lo ou tentar puni-lo.

As lágrimas rolam mais rapidamente quando meu filho de três anos de idade me entrega uma uva passa e diz, "Isso vai deixá-la melhor, mamãe."

Meus meninos são tão inocentes. Tão inteligentes. Por que eu tenho que ter essa conversa com os meus meninos? Como é que isto vai afetar sua auto-estima? Sabendo que eles estão crescendo em uma sociedade que os desvaloriza e os marginaliza. Por que eu tenho que participar no plantio de sementes de inferioridade?


Meu choro se aprofunda quando eu penso em todas as famílias afetadas pela brutalidade policial, a discriminação racial, as mortes injustificadas que estão tão profundamente enraizadas em nosso país.

Dane-se o sistema de justiça para a forma como está a falhar com os nossos filhos, pintando-os como criminosos e bandidos. Desvalorizando o sistema educacional na tentativa de destruir todas as esperanças de uma igualdade. 

Minhas lágrimas se transformam em raiva enquanto a letra rola na minha cabeça, “You’re rapin’ me of my pride…Oh, for God’s sake.” [Você está violando o meu orgulho... oh pelo amor de Deus!]

Meu filho nunca vai olhar para  Michael Jackson: The Experience da mesma maneira novamente. Ele [Michael] será lembrado cada vez que ouvir a canção sobre a nossa conversa na cozinha. Ele será lembrado em seu medo sobre ''deles''. Ele será lembrado nas imagens que ele continua a ver na tela da televisão. Ele compreenderá que as letras foram escritas para ser ouvidas, não apenas dançadas.

"Diga-me o que aconteceu com os meus direitos
Eu sou invisível porque você me ignora?
Sua proclamação me prometeu liberdade, agora
Estou cansado de ser vítima de vergonha
Eles estão me jogando em uma classe com um nome ruim
Eu não posso acreditar que esta é a terra de onde eu vim
Você sabe que eu realmente odeio dizer isso
O governo não quer ver
Mas se Roosevelt estivesse vivo
Ele não deixaria isso acontecer, não, não
Algumas coisas na vida que eles apenas não querem ver
Mas se Martin Luther estivesse vivo
Ele não deixaria isso acontecer, não, não "

Eu percebo que muitas famílias em todo o país são obrigadas a ter este tipo de conversa com as suas crianças negras e pardas. Os pais são obrigados a ter uma sensação de desassossego sempre que seus filhos saem de casa. Mas isso não está certo e não devemos nos sentir confortáveis com isso.

Para reconstruir a auto-estima do meu filho e minha sanidade mental, nós trocamos a música para Man in the Mirror.

''Estou começando com o homem no espelho
Estou pedindo a ele para mudar seus caminhos
E nenhuma mensagem poderia
Ter sido mais clara:
Se você quer fazer do mundo
Um lugar melhor
Dê uma olhada em si mesmo
E então, faça uma mudança.''


by Tonayia Arca

*Tonayia Arca é mãe de quatro filhos e membro do Parents United Leadership Collective [Pais Unidos pela Educação Pública] uma entidade que representa as vozes dos pais que lutam pela melhoria da educação nas escolas públicas na Filadélfia [Pensilvânia, E.U.A.] e onde este texto foi publicado.

Nota deste blog: Achei oportuno publicar junto a este depoimento as imagens de uma campanha de conscientização que roda nos E.U.A.


''Escute. Uma dia, você será parado pela polícia.''


''Quando isso acontecer, esteja sempre certo de que eles podem ver suas mãos...''

''Ok.''

''Nunca se mova precipitadamente.''



''Seu trabalho é chegar em casa seguro, compreende?''

''E sempre demonstre um respeito a mais, mesmo que eles não façam [o mesmo].''



''E... ei! Se você sentir que está em problemas, apenas chame a polícia. Eles estarão lá para ajudar.''

[Narrador] ''Você quer uma América ou duas?''


Fontes: 
http://parentsunitedphila.com
http://app.siz.io

25 comentários:

  1. Antecipei a publicação da matéria que estava programada para ser publicada amanhã. Que esse feriado de Carnaval seja proveitoso para uma reflexão sobre os direitos humanos e na forma como a discriminação pode nos cercar no dia a dia.

    ResponderExcluir
  2. Sim, muito oportuna para qualquer época. Pais conscientes o dessa publicação.

    A gente costuma pensar que isso já acabou e que hoje em dia não é possível esse tipo de injustiça, mas a realidade é outra.

    O Michael, como sempre, procurou mostrar e lutou contra o preconceito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E não se trata apenas de negros e brancos, nós navegamos um pouco pelas noticias da internet e já encontra terriveis conflitos entre povos. Quanto à familia da matéria acima, dá para fazer uma ideia de como é mais acirrada a discriminação racial nos E.U.A. Me fez lembrar de quando Michael foi levado a uma delegacia ao ser flagrado dirigindo seu próprio carro, porque o policial não o tinha reconhecido.

      ''Foi com esse carro azul que ele foi parado por um policial na estrada, que desconfiou do carro, achando que ele era roubado. Ao parar Michael, o policial não o reconheceu, pediu seus documentos e descobriu que ele tinha uma multa vencida. Por conta disso, Michael teve o carro guinchado e passou uma noite na delegacia de Van Nuys.

      Ao voltar para casa, na manhã seguinte, ele comentou com a família:

      "Eu não falei quem eu era para o policial e ele deve ter achado que um negro não poderia ser dono de um Rolls-Royce. Mas eu também queria saber como era estar na cadeia..."

      http://cartasparamichael.blogspot.com.br/2011/03/im-bad.html

      Excluir
  3. Nos EUA o preconceito sempre foi muito mais latente, embora tentem mascarar de todas as formas.

    O Michael é uma figura ele se divertiu com tudo isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É... mas deve ter doído, também... e na mãe dele, ao saber do que aconteceu.

      Excluir
  4. Ehh... Rosane.... Ai Ai Ai... só dá p/ dizer isso agora, acho que vai entender e, eu nem vou poder desabafar lá....

    ResponderExcluir
  5. E... ainda ontem eu estava vendo uma entrevista do Joãzinho Trinta de 1990... incrível "coincidência"!!! Boa noite! :)

    ResponderExcluir
  6. Michael nunca se conformou com a discriminação racial e social e sempre lutou contra esses males da sociedade.

    Achei bacana a iniciativa dos pais que criaram a entidade "Pais Unidos pela Educação Pública", na Pensilvânia, EUA, visando a melhoria na educação.

    Linda a imagem de Michael junto com os policiais brasileiros. Você pode me confirmar se são PMs de verdade que participaram do vídeo, Rosane? Se for, eu acho bacana, pois demonstra que a polícia brasileira estava do lado de MJ. :)


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Regina, acredito que sejam policias de fato, alguém me corrija se eu estiver enganada. Ainda hoje eu estava revendo um video que está na matéria [O REI NO Brasil (03) ] e a repórter fala sobre os policiais que fazem o cerco quando ele desce do helicóptero, e ela diz... '' será que eles sabem que vão aparecer no filme?'' porque o cinegrafista particular de Michael ou da equipe do TDCAU está ali a filmar eles. :)

      Excluir
    2. Sim, eu me lembro dessa matéria, mas os que aparecem na foto são da Bahia e, se não me engano, são policiais de fato. :)

      Excluir
    3. Também acredito que eram policiais de fato.

      Excluir
  7. Bom dia , Rosane

    Fiquei chateada porque na quarta-feira, depois que postei o primeiro comentário, a net não funcionou mais, nem no lugar para onde fugi do carnaval. Mas, graças a Deus estou de volta.
    Na minha opinião, o preconceito racial é feroz em todo o mundo, principalmente contra os negros. Aqui no Brasil, as estatísticas mostram que morrem mais jovens negros e de periferia; é um assunto complicado; entre os artistas a coisa fica mais velada, mas até mesmo Pelé, falou que ainda sendo considerado o Rei do futebol, em muitas ocasiões, passou por situações constrangedoras, imagine então quem não tem, ou teve, a sorte de, ao menos, frequentar uma escola e outras coisas que não cabem neste espaço. Mas, é importante lembrar sempre que Michael lutava pela
    igualdade ente os povos.



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, Mari! :) Ninguém merece uma net que deixa a gente na mão, eu fico muito chateada quando acontece comigo.. :(

      Sim, já conhecia essa estatística sobre a morte dos jovens negros e ela é anunciada todos os anos, parece que não regride. :( esse é um assunto que sempre me penaliza, por isso fiquei tocada com o depoimento desta mãe. Não se restringe apenas aos E.U.A., diz respeito a todos nós.

      Há poucos dias eu estava no youtube e encontrei vários comentários maldosos contra o povo do nordeste, e fiquei chocada. Moro no sul e sempre tive respeito e afeto pelo povo nordestino [além de gostar de ouvir o seu sotaque!] não me contive e deixei meu comentário lá, também. :(

      Mas é um trabalho lento, começa pela conscientização das pessoas... negros, brancos, homens, mulheres, crianças, idosos, pessoas ricas ou pobres, deficientes físicos... tantos grupos sofrem discriminação e as pessoas se esquecem que somos todos feitos pelo mesmo Deus.

      Excluir
  8. Olá angels, não dá p/ comentar direito agora, mas gostaria de participar desse assunto de alguma forma, então gostaria de deixar um link, avisando que é longo caso interesse, é preciso um pouco de paciência e estomago tbém :D, mas é muito interessante, há algum tempo tenho visto algumas partes deste documentário e, agora estou acompanhando inteiro.

    https://www.youtube.com/watch?v=0Ly5qygNyWc&ab_channel=univesptv

    Boa tarde! Bjs! :-bd

    ResponderExcluir
  9. Oi, acabei passando outro episódio, o que eu queria passar mesmo era esse:

    https://www.youtube.com/watch?v=56lz0xFJxZQ&ab_channel=univesptv

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lady, eu só peço que a gente observe de não desviar sobre o assunto da matéria publicada.

      É com A.M.O.R.

      Excluir
  10. Oi Rô... acho que comentário anterior não saiu, sim eu sei, o segundo vídeo é sobre negros e brancos, e o Michael já falava sobre isso, dos nossos antepassados. Desculpe se desviei o assunto, ok? Agora vou ter que sair da net, tá? depois comento, mais uma vez desculpe! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não peça desculpas, Lady, eu falo pensando nos leitores que gostam de acompanhar a sequência dos comentários, a fim de que eles não percam a linha do raciocínio. Está tudo ok.

      Excluir
  11. Então, Rosane, esse assunto como você citou, vai além da cor da pele, ele estende-se pelo poder aquisitivo das pessoas, deficiência física, opção sexual e por aí vai. Mas no que se refere à cor da pele, na minha família, graças a Deus nunca houve, pelo menos que nos sentíssemos ou passássemos por constrangimentos, porque por parte de mãe, há uma verdadeira miscigenação, inclusive com alemão, e por parte de pai, toda a família é da raça negra, então nos somos mulatos -mulatos? - e meus pais sempre priorizaram nosso estudo, tínhamos que frequentar faculdade, trabalhar, respeitar os mais velhos... e eu segui na mesma linha com os meus dois filhos, porque eu acho que o preconceito de forma geral é uma doença contagiosa e que pode levar à morte aquele que não suportar a pressão. Lembro de uma jovem num colégio americano que terminou se enforcando em casa por não ser bem aceita por alguns colegas pelo simples fato de não ser americana. É um horror. Não precisava chegar a extremos,
    mas acho que no fundo, o Sr. Joe Jackson, tirando o fato de ter uma natureza forte, ao modo dele, tentou tirar os filhos de entrarem nas estatísticas do negro americano marginalizado, e conseguiu, graças a Deus.
    Imagine o orgulho do Sr. e Sra. Jackson com seus filhos(as). E o que seria do mundo sem o nosso anjo Michael Jackson. Deus sabe o que faz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Mari, as vezes eu penso sobre o aspecto de nenhum filho de Katherine ter sido noticia por se envolver com drogas ou violência ao longo de décadas. Mais dificil ainda estar crescendo em uma cidade [Gary] com altos indices de violência.

      Noutro dia eu contava para o meu marido sobre Michael ter sangue de indio por parte de mãe e por parte de pai. E até uma ascendência chinesa por parte da mãe dele, também.

      Ele ficou totalmente surpreso e então eu li para ele a matéria que eu publiquei a respeito de seu antepassado que era um xamã.

      Eu fico contente que vc tenha tido a oportunidade de crescer dentro de uma familia que sempre priorizou os valores morais e de educação, porque são valores que ninguém pode lhe tirar.

      Excluir
  12. Eu acredito na força dos antecedentes, dos antepassados, na nossa família
    também corre o sangue índio, vale dizer que somos guerreiros, lutamos pelo que queremos. E com certeza, com tantos filhos, em Gary, naqueles tempos,o cuidado e esforço do Sr. Jackson não foram qualquer coisa, não.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal, Mari.. é mais uma identificação que vc tem com Michael. :)

      Excluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

*Bem-vindos, Moonwalkers! Os comentários são moderados e estarão visíveis tão logo eu esteja on-line. [Rosane, admin. do blog]

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...