O Rei na Austrália (07)


Depoimento de fã

''Minha história começa quando eu tinha cerca de 8 ou 9 na escola primária. Eu estava sendo provocada tanto que eu voltava para casa e chorava. Eu não tinha muitos amigos porque eu era uma criança quieta e, fora da escola, não era melhor. Minha melhor amiga do mundo [Sara] e suas irmãs estavam sendo espancadas e abusadas sexualmente por seu padrasto. Minha vida era horrível. Eu não conseguia escapar da dor.

Um dia, durante a aula de música na escola, nosso professor nos disse para abrir nosso livro de canções em Heal The World. Eu rapidamente mergulhei nas palavras e a sensação foi maravilhosa. Finalmente, havia uma canção que significava algo e poderia mudar a forma como as pessoas tratavam os outros. 

Eu acho que nós cantamos a música por cerca de um mês e toda vez um novo sentimento lavava a minha alma. Eu levei um dos livros de música para casa para mostrar à minha melhor amiga que não falava muito inglês. Eu disse a ela que tinha sido escrito por alguém chamado Michael Jackson e nós lemos as letras juntas. Foi um conforto para nós duas.

Com o passar do tempo a minha vida escolar e fora da escola não melhorou. Ficou muito pior. O padrasto de Sara estava bebendo mais e se tornando mais abusivo. Ele nos ameaçava nos matar se disséssemos a alguém... então nós mantivemos nossas bocas fechadas.

Sara estava constantemente no Royal Children's Hospital por causa de lesões causadas por ele e eu constantemente eu faltava a escola para visitá-la. Ela tinha um enorme medo de homens, nenhum médico do sexo masculino poderia entrar em seu quarto ou ela iria gritar até derrubar o hospital abaixo.

25 de novembro de 1996


Eu faltei novamente à escola para visitar Sara no hospital novamente. Por sorte, a minha mãe trabalhava a uma quadra do hospital e sempre que eu estava doente, ela me levava para ficar com ela no trabalho, ela me deixava na biblioteca, mas eu nunca ficava lá. 

Naquele dia, eu caminhei até o hospital e havia tantos carros e pessoas com câmeras lá fora. Normalmente, eu poderia apenas seguir a pé e ir até Sara, mas desta vez eu fui parada e me perguntaram quem eu estava visitando, etc. 

Eu estava com Sara por cerca de 2 minutos quando cerca de seis enfermeiras entraram no quarto dizendo que ela tinha um visitante. As enfermeiras se separaram e Michael entrou com presentes. Ele apenas olhou para mim e sorriu, então ele se sentou na cama de Sara. Ela não gritou, mas apenas se sentou lá. 

Ele se apresentou e perguntou "o que havia acontecido com ela?''

Ela apenas se sentou e olhou fixamente em mim, significando "você lhe diz". 

Eu lhe disse rapidamente que ela tinha sido espancada por seu padrasto. Ele apenas olhou para ela tentando compreender tudo e tentando não chorar. Mas havia uma lágrima. Eu me sentei e ele colocou os braços em volta de nós duas e Sara se encolheu e o empurrou para longe. Eu garanti a ela que estava tudo bem. Ele sussurrou algo para ela e ela sorriu.

Eu conhecia Sara há cerca de 2 anos e meio e eu nunca tinha visto o seu sorriso. Ele apenas nos abraçou por um momento e nos disse que estava ok e para não nos preocuparmos. Ele deu um presente para Sara e, quando se levantou para sair, disse: "Jeová te abençoe". Beijou Sara na testa e me deu um abraço e me disse "para manter o bom trabalho". 

Eu sabia que ele queria cuidar de Sara. Ele puxou um dos médicos do sexo masculino lá fora e eles continuaram olhando para nós. Nunca descobrimos o que tinham conversado. Ele fez o moonwalk no corredor para as crianças e continuou a visitar outros quartos. Foi um dia mágico!

Infelizmente Sara era enviada de volta para seu padrasto cada vez que ela estava no hospital, mas seu espírito mudou. Ela pode ter passado por um inferno em casa, mas quando estávamos juntas, mencionávamos aquele dia e sorríamos. Michael fez isso.

26 de junho de 2009

Mamãe ligou o rádio às 7.30am como ela fazia todas as manhãs para ouvir as notícias e eu fiz a coisa usual, ignorei e tentei voltar a dormir, mas desta vez foi diferente. Ela me disse que Michael tinha sofrido um ataque cardíaco. 

Eu me senti tão doente e eu estava voando para a Nova Zelândia naquela manhã. Mamãe saiu para o trabalho e eu me preparei enquanto minha cabeça estava zumbindo. Na viagem, o piloto tocou as músicas de Michael por todo o caminho. Eu comecei a cantar para acompanhar. 

Na Nova Zelândia, meus amigos me disseram que Michael tinha falecido. Meu coração afundou, mas eu também não podia acreditar. Voltei para casa e falei com os amigos sobre Michael. Amigos que tinham ficado em Neverland e os únicos amigos que entenderiam. 

Foi assim até o dia 1 de julho. Eu estava com os meus pais e apenas andando pela porta quando eu simplesmente quebrei. Não tenho certeza o quanto mal eu fiquei, mas fui levada para o hospital. Eu finalmente tinha aceitado sua morte em minha mente, mas meu coração ainda tinha problemas com isso. Eu assisti seus filmes e vídeos e ouvi sua música constantemente por cerca de um mês, pensando que se eu parasse seria oficial que ele realmente tinha partido. Eu já aceitei, mas certamente não foi fácil.

Christina [depoimento de fã]

Nota do blog: Esse relato se refere à visita que Michael Jackson fez ao Royal Children's Hospital em Melbourne [Austrália] em 25 de Novembro de 1996 durante a HIStory Tour.
Mais imagens desta viagem se encontram aqui

Fonte: http://mjhideout.com


Nenhum comentário

Postar um comentário

*Bem-vindos, Moonwalkers! :) Os comentários são moderados e estarão visíveis tão logo eu esteja on-line.
**Para assuntos privados e não referentes à matéria eu peço que utilize o email [cartasparamichael@gmail.com] ・。.。・゚゚・。.。・゚゚・。❊
*Rosane [admin. do blog]

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...