Existem filmagens inéditas do concerto ''One Night Only''


Texto de Damien Shields

''Em 25 de julho de 1995, o Rei do Pop revelou que ele estaria participando de uma especial de televisão para ser transmitido no final desse ano. O especial, chamado Michael Jackson: One Night Only seria um evento íntimo de concertos organizado no histórico Beacon Theatre, em New York.

Filmado em 8 e 9 de dezembro com uma audiência ao vivo, a produção estava programada para ir ao ar exclusivamente na HBO às 8 da manhã. Em 10 de dezembro.

O concerto Michael Jackson: One Night Only foi cancelado alguns dias antes da transmissão: Jackson foi apressadamente levado para o hospital depois que ele desmaiou durante um teste no dia 6 de dezembro.

O cancelamento do show tem levantado uma série de questões, muitas das quais ainda estão à espera de uma resposta. Fãs de Michael Jackson até hoje me perguntam quais canções ele cantou, como você pode imaginar, se houve ou não gravações dos ensaios, quem foi o autor de um programa como esse, se Jackson tinha desmaiado ou teria simulado, porque nunca foi remarcada uma nova data para o concerto, e que influência que teve sobre sua vida e carreira.

Então eu decidi explorar estas questões e tentei encontrar as pessoas envolvidas no projeto. No mês passado, falei com dezenas de pessoas. Aqui segue um histórico detalhado de um concerto que poderia ter sido o maior de todos os tempos, mas não aconteceu.

"Seu entusiasmo não poderia ser maior", diz o gerente de ex-Jackson, Jim Morey. "Foi idéia dele. Michael queria fazer algo que nunca tinha feito antes. Ele sempre tinha uma espécie de cúpula ainda a ser conquistada, e este programa especial para a HBO seria sem precedentes. Michael e os seus homens tinham controle total do projeto. Ele escolheu o diretor. Ele escolheu a outra estrela do show. Seria mais uma montanha que Michael queria escalar. Faça algo que nenhum outro artista tenha sido capaz de fazer.''

video

[No vídeo acima, o comercial para a televisão do especial Michael Jackson: One Night Only.]

Para fazer este show, Jackson lançou o álbum HIStory apenas seis semanas antes do anúncio do evento, e se aproximou do seu velho amigo, um especialista em cinema e produtor Jeff Margolis.

"Michael veio até mim. Eu o conheci quando ele ainda era uma criança, e temos trabalhado juntos muitas vezes ao longo dos anos", diz Margolis, que produziu o programa para o 60º aniversário de Sammy Davis, Jr. em 1990, e o aniversário de Elizabeth em 1997 e Jackson apareceu em ambos os programas. ''Às vezes, ele vinha para o meu escritório, ou eu ia para Neverland, e passávamos o tempo juntos, apenas conversando.''

Com Jeff Margolis
Quando Michael e sua equipe de administração decidiu implementar um projeto deste tipo, eles realmente queriam tentar algo completamente diferente. Em vez de grandes estádios, Michael queria atuar de uma forma mais sincera, pode-se mesmo dizer, íntima, para estar mais perto de seus fãs e do público estadunidense. Então, ele veio com essa idéia, e ele me disse: 'Eu quero ser muito pessoal. Como funciona?' Então tudo começou.

Escolhemos o teatro Beacon em New York. Este é um belo antigo teatro de estilo Art Deco e estávamos à procura de um ambiente como esse, uma atmosfera íntima, para que Michael pudesse sentir mais perto de seus fãs, e eles pudessem estar mais próximos do artista.

"Isto é o que Michael tinha imaginado", concorda Jim Morey. ''Em vez de se apresentar no estádio do Yankee frente de 70.000 pessoas, ele decidiu cantar no antigo teatro Beacon, que só pode acomodar 3.000 espectadores. Este concerto teria sido muito mais no estilo de Frank Sinatra. Então, não há faíscas ou efeitos especiais. Apenas o artista e sua música."

"Eu acho que é a marca de um verdadeiro artista, ser capaz de trazer a sua criatividade para qualquer público, de todos os tamanhos", disse Jackson, quando perguntado sobre os desempenhos mais íntimos. "Se você pode estabelecer comunicação com um pequeno grupo, a mágica acontece. Comecei com estes concertos. O show na HBO é algo privado. O público estará muito próximo. Isto irá me permitir fazer coisas que eu nunca fiz antes.''

Definido o conceito e localização, Jackson e Margolis se comprometeram a organizar o show e selecionar a equipe que irá ajudá-los a prosseguir com suas ideias.

"Em geral, a música tem feito tudo o que Michael teria considerado aceitável neste caso", diz Margolis, ''de seus sucessos passados ao mais recente material. Ele queria executar um monte de sucessos antigos, porque todo mundo os conhecia.''

"Eu contratei um diretor de arte, que eu pensei que era melhor para o trabalho, um designer de iluminação e coreógrafos", diz Margolis. "Eu contratei uma meia dúzia de coreógrafos, já que queria as cenas tivsseme uma sensação diferente. Cada número não deveria ser semelhante aos outros. Cada coreógrafo trabalhou em dois ou três números. Perguntei para Jamie King [que posteriormente trabalhou nos shows Michael Jackson Cirque du Soleil] e eu levei o coreógrafo Barry Lather, que agora trabalha com Usher."

"Eu vim para o projeto em nome de MJ e Jeff como consultor", diz Kenny Ortega, diretor da turnê mundial Dangerous em 1992-93. ''Jeff é um bom amigo meu e temos trabalhado em muitos projetos musicais."

"Eu contratei Kenny Ortega para supervisionar a coisa toda", diz Margolis. "Kenny e eu temos sido amigos por um longo tempo e, muitas vezes, trabalhamos em conjunto. Ele trabalhou com Michael antes, e eu sabia que ele gostava Michael e Kenny amava trabalhar com ele. E eu pensei, 'por que não?' Eu o convidei e ele ficou responsável por todos os coreógrafos. Ele entendeu, e fez Michael se sentir confortável sabendo que estava sob sua supervisão.''

Além da participação de Ortega ao projeto, foi convidada uma velha amiga de Jackson, Debbie Allen, a lenda da dança.

''Desde que eles se conheciam bem, eu pensei que seria divertido chamar Debbie ", diz Margolis.

"Kenny e Debbie têm ajudado jovens coreógrafos para que não desviem a sua tarefa e façam tudo em tempo", diz Lavelle Smith Jr, um dos coreógrafos do show. "Jeff Margolis precisava de pessoas que fossem capazes de estabelecer contato entre ele e nós, jovens bailarinos e coreógrafos."

Lavelle Smith um dos coreógrafos da coreografia de Dangerous, se apresentou com Jackson na premiação MTV Video Music Awards em 7 de setembro de 1995, e ele se lembra de como ele viajou pela Europa com Jackson e seu parceiro, o coreógrafo Travis Payne e o grupo de dançarinos que aparecem no programa de TV Wetten Dass - e divulgaram o novo número apenas cinco semanas antes das filmagens previstas para HBO.

"Travis e eu tínhamos acabado de voltar da Europa com Michael, mas ainda não tínhamos sido chamados para o show na HBO", diz Smith. "Michael tinha certeza que nós iríamos aceitar porque quando saímos Europa, ele disse, 'Vejo você em New York, rapazes'. Mas nenhum de nós tinha sido contatado. Portanto, Michael instruiu alguém para reservar os nossos voos e acabamos em New York.''

"Eu lembro que eu fui para a primeira reunião com os coreógrafos e eu pensei, 'o que está acontecendo aqui?', diz Smith. "Havia tantas pessoas. Como se dissesse, 'há muitos cozinheiros na cozinha'. Todo mundo estava fazendo um ou dois números."

"Nos disseram que iríamos trabalhar em um lendário programa de TV, seria histórico para Michael", diz o coreógrafo Barry Lather. "Tivemos realmente alguns coreógrafos cheios de entusiasmo, e cada um deles queria fazer algo muito especial e novo para Michael, desenvolver novos conceitos, novos movimentos de dança. Criar uma apresentação lendária."

Barry Lather em Captain EO [1986]
Os ensaios de dança para o concerto foram realizados nos estúdios da Sony em New York, com a participação de cerca de 100 dançarinos envolvidos nas diferentes salas.

"Foi um esforço coletivo, mas todos nós trabalhamos separadamente", acrescenta Lather. "Eu senti como se estivéssemos trabalhando para um projeto ultra-secreto. Todos fazendo suas coreografias especiais, por trás de portas fechadas. Não víamos o que os outros coreógrafos estavam fazendo. Era muito original, e todos trabalharam com muito entusiasmo."

"Todo o treinamento foi realizado separadamente", diz Smith. "Estávamos ensaiando no estúdio da Sony com 24 dançarinos. Nós nos mantínhamos em segredo de todos os outros, porque queríamos ter certeza de que nossos números seriam os melhores. Após a primeira reunião, eu realmente não passei a ver os outros coreógrafos. Um par de vezes nos encontramos com Jeff Margolis, e todos os dias víamos Michael, mas acho que Jeff tinha decidido não se preocupar conosco [...], ele nos deu o nosso espaço porque ele sabia que estávamos sob muita pressão e Dangerous seria um grande número."

"Todos os seus cabeleireiros, maquiadores e figurinistas estavam em constante comunicação com os coreógrafos", diz Margolis. "Os coreógrafos sabiam o que eles precisavam de Michael Jackson, e o que eles precisavam dos dançarinos, e eles passavam a informação para [o estilista] Michael Bush. Todo o trabalho foi coordenado. Brad Buxer fez arranjos com Michael e Michael estava trabalhando com os coreógrafos."

"Todos os ensaios de dança foram realizados nos estúdios da Sony e Brad Buxer ensaiava com os músicos em outro lugar, porque eles tinham uma orquestra sinfônica e precisava de um espaço maior para os ensaios com eles, por isso não poderia tentar o mesmo ambiente", acrescenta Margolis. "No entanto, antes de Brad começar os ensaios com a orquestra, ele passou muito tempo nos ensaios de dança, se certificando que os coreógrafos as músicas que precisassem. O gerente de iluminação veio assistir os ensaios para ver a melhor forma de definir a luz ambiente.''

"Apesar do fato de que eu era o produtor executivo e diretor do show, havia coisas com as quais eu não tinha necessidade de me preocupar", diz Margolis. "Brad Buxer estava envolvido na música e cuidou de tudo relacionado com a gestão da mesma. Eu era o responsável pelos coreógrafos, Michael e todo o resto. Michael Bush elaborava os figurinos. Os coreógrafos trabalharam com Michael Bush para obter tudo o que precisavam para executar. Quando eu escolho os coreógrafos, tenho total confiança neles. A maioria deles tinha trabalhado na televisão, eles sabiam o que podem ou não fazer com a câmera, como trabalhar com a luz, os materiais que podem ou não ser utilizados para os figurinos. Então, eu não interferi. Eu gosto de manter a situação sob controle e todos os conceitos antes de eu vê-los no palco, e eu vi tudo, mas eu não precisei participar do processo criativo."

Ao re-imaginar alguns de seus números de dança clássicos, Jackson e seus coreógrafos buscaram inspiração de várias fontes.

"Para Dangerous, nós fomos inspirados pelo filme policial Laranja Mecânica de 1971'', explica Smith, que co-coreografou a nova peça com Travis Payne. "Os visuais, as cores e os modos que você vê no filme.''

"Seria muito íntimo", ele acrescenta. "Eu me recordo da música que Brad Buxer havia entregue a mim. Sem sequer tentar, foi exatamente o que eu pedi. Era como... uau! [...] Acho que pedi a ele que aproveitasse mais, e finalmente chegamos lá e eu estava tipo, é isso! E correspondeu ao filme, a vibração; Foi simplesmente fantástico.''

Da nova composição Dangerous, Smith explicou que ele e Payne estavam ''com uma versão muito nua no início da música. Está ainda mais nua do que as versões que Michael realizou em Seul e em Munique em 1999. Não soa como Dangerous quando entramos no palco. E os caras: somos como um grupo de lunáticos enlouquecidos. Se você ver o filme, você entenderá."

"Michael amava tanto o número original de Dangerous, mas as pessoas diziam, 'Você faz esse número o tempo todo. Você deve mudá-lo. As pessoas estão cansadas disso.' Então foi aí que estávamos indo com ele; a Laranja Mecânica de Stanley Kubrick. Era doentio. Tinha uma vibração funky. Michael Bush saiu e comprou 25 chapéus-coco e todos nós tínhamos nossas próprias botas de combate. Nós mantivemos um olho em tudo. Nós estávamos indo todo o caminho."

"Era um conjunto nu, porque éramos o set", explica Smith o modo como o desempenho de Dangerous aconteceria no palco. "Nós queríamos assim. E foi uma espécie de performance estilizada [do coreógrafo] Bob Fosse. Menos é mais. E nós teríamos Naomi Campbell nele. Ela iria entrar no palco para caminhar. Isso seria ótimo."

"Para algumas das músicas, ele queria dançarinos, e ele as queria muito coreografadas. E para algumas das músicas, ele só queria estar sozinho no palco", lembra Margolis. "E havia algumas músicas onde eu queria que ele estivesse sozinho, e duas onde eu queria que ele tivesse coreografia completa, e nós concordamos em tudo. Seus sucessos clássicos, como Beat It, foram feitos com dançarinos. Eu me lembro de quão brilhante era a coreografia nesse número.''

"Oh, sim", lembra Smith da nova performance Beat It. "Travis e eu estávamos trabalhando nessa. Iria incluir coisas novas, como o clássico momento de dança no final. Você tem que fazer o clássico. O resto do número, que levaria a esse ponto, teria muito Kung-Fu. Fomos inspirados nos filmes de Kung-Fu. Michael nos pediu algumas fitas de Bruce Lee. Estávamos tentando fazer isso.''

"Tinha que ser cansativo para ele, porque nesse show ele não tinha apenas um ensaio ao dia; Ele tinha cinco ou seis", acrescenta Smith. "Era um grande empreendimento. Se ele fosse o tipo de artista que ficaria de pé e deixaria as pessoas dançar ao redor dele, teria sido bom, mas não era quem ele era. Ele tinha que estar envolvido no número. Ele tinha que inspirar o número. E isso é muita pressão e muito trabalho. Nossos dias foram longos, então eu sei que seus dias foram super longos.''

Um dos outros números que Jackson estava trabalhando diligentemente em aprender e ensaiar era a nova interpretação de Thriller de Barry Lather.

"Para Thriller, eu estava pensando em uma vibração punk/rock", lembra Lather, que já havia trabalhado com Jackson em 1986, como dançarino no filme Captain EO. "Nós tínhamos 20 dançarinos em ternos, chapéus e lanternas. Era extremamente específico, nervoso e cru. Eu estava tentando apresentar Thriller de uma nova maneira, o que foi um desafio. A proposta de Thriller, como eu mencionei, era muito nervosa e crua, com uma sensação de armazém industrial. lobisomem negro e tons brancos. Não era uma performance colorida, mas com uma intensa iluminação semelhante ao rock."

"Michael aprendeu totalmente a nova rotina de Thriller'', explica Lather. "Ele aprendia a coreografia quando ninguém mais estava na sala. Fiquei impressionado com o quanto Michael aprendia assistindo e mergulhando visualmente na coreografia.''

"Ele gostou muito, e foi dominar a nova coreografia", acrescenta Lather. "Havia um estadiamento específico e novos movimentos. As dançarinas e eu tínhamos ensaiado por cerca de doze dias e tivemos tudo pronto para Michael quando ele viu pela primeira vez a performance e decidiu aprender. Fiz com ele o desempenho; Onde a atividade estava se desenrolando, e os momentos que seriam para ele. Quando mostramos a rotina de Michael, dancei em seu lugar, então ele entendeu para onde os momentos e a atenção se encaminhavam. Isso foi realmente emocionante e lembro dele ser tão detalhista sobre tudo. Eu queria que ficasse perfeito e que ele gostasse do desempenho e da coreografia.''

Na verdade, Jackson adorou tanto a rotina de Thriller que utilizou vários passos de Lather em seu filme Ghosts de 1996.

One Night Only teria o típico estilo de concertos de rock que Jackson havia estado dando em turnê pela última década, e assim o cenário e o conjunto eram muito diferentes do que os fãs costumavam ver do Rei do Pop.

"O conjunto era realmente adorável", explica Margolis. "Havia uma orquestra completa envolvida em torno do palco, e a parte de trás era de dois andares de altura; Músicos no segundo andar e mais músicos abaixo. E então as duas partes laterais eram sua banda regular. Brad Buxer e todos os caras que normalmente tocavam com ele", incluindo Ricky Lawson na bateria, David Williams e Jennifer Batten na guitarra e Siedah Garrett nos vocais de fundo.

"Era bastante espetacular", continua Margolis. "O designer de iluminação trabalhou com o designer do cenário, e tudo era iluminado de forma que a banda pudesse ser exibida, eles poderiam estar em silhueta ou poderiam desaparecer. E quando eles desaparecessem, o cenário se tornava um lindo céu estrelado. Parecia que Michael estava flutuando no espaço. O chão era um piso preto brilhante, e tudo mais era como se estivesse olhando para um céu iluminado por estrelas. Ficou bastante surpreendente."

"Nós até construímos um pequeno palco extra no meio do público, fora do palco principal, para que ele pudesse sair para fazer um ou dois números e apenas poder tocar o público, e eles seriam capazes de tocá-lo. Era realmente espetacular. Era realmente caloroso e íntimo. Era um palco circular no meio do público. Era muito pequeno, conectado ao palco principal por um corredor.

O número mais divulgado que aconteceria durante os shows de One Night Only era a interpretação de Childhood de Jackson, com uma aparição especial do lendário mímico francês Marcel Marceau.

"Ele originalmente não teria nenhum convidado especial", acrescenta Margolis. "Este seria o momento de Michael para brilhar. Michael de parede a parede. E então ele inventou essa brilhante idéia para Marcel Marceau fazr a mímica de Childhood e foi brilhante. Ele era o convidado perfeito para esse show.''

"Ele aprecia a poesia lenta da mímica", lembrou Marceau em uma entrevista de 1996 com a revista History. "Ele disse que escreveu uma música chamada Childhood. 'Eu adoraria se você pudesse levar esta música ao palco', ele disse, 'e eu faria isso com você. O movimento lento de seu personagem seria maravilhoso.' "

Marceau concordou em colaborar com Jackson na peça e os dois começaram a discutir a logística.

Michael e Marcel na era Bad
"Quando você está no telefone, um acordo verbal está longe de ser um contrato, afinal", explicou Marceau. "Então eu disse: 'Michael, vou lhe dar meu número em Paris. Me ligue se você quiser, e se o faremos juntos com um roteiro. Não muito depois dessa conversa, ele me ligou em casa. Ele começou a cantar a música por telefone. Perguntei: "Da forma como você vê, vamos fazer isso juntos? Me envie um roteiro'', para o qual ele respondeu, 'Não. Eu quero que você faça a coreografia e vamos fazer isso juntos. Eu vou ter que preparar um contrato.' "

"Michael o adorava e coube a mim fazer parte na negociação para poder fazê-lo", lembra Morey, "porque ele era alguém que simplesmente não fazia aparições convidadas. Eu me lembro de Marcel Marceau me dizendo, ''O que exatamente é que Michael quer fazer?" E eu disse, eu realmente não sei ainda, mas momentaneamente vamos nos reunir e vocês dois descobrirão. Foi uma negociação difícil com seu gerente, levando-o a concordar em fazer algo sem poder lhe dizer o que seria feito. Eu disse algo ao longo do caminho: "Certamente, dois dos maiores gênios criativos do mundo podem entrar em uma sala e descobrir algo para fazer.''

video

[No vídeo acima, Michael Jackson e Marcel Marceau posam para a mídia no palco do Beacon Theatre em 4 de dezembro de 1995.]

Uma vez que o contrato foi negociado com sucesso por Morey, Marceau foi levado para os Estados Unidos para começar a trabalhar com Jackson.

"Fui recebido por Michael Jackson em grande forma. Ele estava feliz por me ter e começamos a trabalhar imediatamente", lembrou Marceau. "[Ele] queria algo concreto. Imitar é enigmático, você não pode imitar gestos em uma música, deve haver algum tipo de opereta e Childhood é um ótimo vôo de letras de música. Para esta versão particular de Childhood, Michael disse que eu estava livre para fazer o que eu quisesse. No entanto, ao mesmo tempo, perguntei a Michael se ele gostava do que estava fazendo com sua música, então você poderia dizer que trabalhamos juntos. Eu fiz tudo [em New York]. O contato direto com Michael era essencial."

"O palco era preto, Michael estava em uma baga de luz, e Marcel Marceau estava em outro grupo de luz", explica Margolis. "Essa era a iluminação que havia. Michael estava um pouco mais alto do que Marcel, e em um grupo de luz levemente menor. Marcel estava dançando no andar de baixo em um grande grupo de luz, porque ele tinha mais movimento. Michael ficava de pé e cantava a música e Marcel fazia mímica com a letra. Era de tirar o fôlego."

"Há, em particular, uma passagem [em Childhood] na qual ele fala de piratas, reis e conquistas", explicou Marceau. "Fazer a transformação de um pirata para um rei no palco; Mímica, afinal, é a arte da metamorfose. É difícil para um dançarino fazer. Michael viu meu trabalho e ele sabe que eu posso expressar os principais temas e conceitos.''

"No final do nosso número de Childhood, um dueto", acrescenta Marceau, "ele veio até mim cantando Have you seen my Childhood? e com uma onda de mão ele mostrava o caminho. Terminamos a peça juntos ... como um corpo em movimento juntos. Era muito, muito puro. Poético. Para mim, Michael Jackson é um verdadeiro poeta; Um grande poeta de canção. [Ele] também é um dançarino extraordinário e um showman com um grande respeito pelo teatro, música e cinema. Michael estava muito feliz com o trabalho que fizemos juntos em Childhood.''

"É maravilhoso! Adoro esta versão de Childhood", expressou Jackson em uma entrevista anos depois. "É estranho, ninguém nunca viu. Há coisas como essa que ninguém jamais verá. Foi maravilhoso!"

"Marcel era a única celebridade convidada para o show", lembra Margolis. "Foi uma das peças de televisão mais brilhantes das quais eu já participei.''

Outros números planejados que o mundo nunca conseguiu ver incluem novas interpretações coreografadas de The Way You Make Me Feel e Bad, mais apresentações de Earth Song, You Are Not Alone, Black or White, Smooth Criminal e Smile.

"Havia uma garota linda com a qual Michael iria fazer uma rotina de dança solo", lembra Morey. "Ela era alguém que Jeff Margolis apresentou para mim e Michael. Não me lembro do nome dela, mas eu lembro que ela era muito bonita, muito talentosa, e que Michael estava bastante entusiasmado com ela.''

"O resto do tempo era Michael, Michael, Michael", diz Margolis. "E era o que deveria ser. E você iria ver todas as facetas de Michael que você pudesse imaginar, nessas duas horas.''

Havia até mesmo a conversa de Jackson fazendo uma coreografia totalmente nova para Billie Jean, que se tornou talvez o seu número de dança mais emblemático da época.

''Eu me lembro deles tentando fazê-lo", lembra Smith. "Mas por quê? Eles estavam tentando fazê-lo mudar tudo. De suas rotinas de dança até seus cabelos.''

É perfeitamente possível que Jackson tenha realmente iniciado uma nova versão de Billie Jean durante o especial One Night Only.

Anos depois, quando perguntado sobre qual era sua música favorita para executar, Jackson disse que era Billie Jean, ''mas só quando eu não tenho que fazer da mesma maneira. O público quer uma coisa certa. Eu tenho que fazer o moonwalk naquele lugar. Eu gostaria de fazer uma versão diferente."

"Michael era inteligente", diz Smith. "Ele teria feito o que quisesse no final. Se os novos números não estivessem preparados, ele simplesmente falaria, 'vamos ao clássico'. E as pessoas querem vê-lo fazer os clássicos. Mesmo que o novo material seja realmente bom, eles vão sentir falta dos clássicos.''

Apesar do fato de que o especial da HBO estava voltado a ser um evento íntimo, sem brincadeiras, "apenas o homem, apenas os movimentos, apenas a música", Jackson e sua equipe estavam trabalhando com a idéia de uma entrada espetacular de efeitos especiais assistida para o palco.

Da mesma forma que ele deu início a cada concerto de HIStory, menos de um ano depois, Jackson estava interessado em uma introdução de vídeo virtual na qual ele voava para o local para a apresentação.

"Ele tinha uma coisa planejada com um modelo para voar sobre a cidade de New York", lembra Morey, "e teria sido como se Michael tivesse se ejetado de um estádio algum lugar, na cidade, e se encontrasse de repente neste pequeno teatro no centro de New York para fazer um show. Mas não poderia ter sido feito fisicamente; Isso teria sido feito com efeitos especiais.''

Então, lembra Margolis, Jackson iria "surpreender o público através de uma das portas do lobby neste aparelho ele iria voar sobre a platéia e pousar no palco. Havia as pessoas de efeitos especiais que sempre cuidaram dos foguetes de Michael, e seu vôo no ar e todos os envolvidos. Era uma versão muito menor do que ele faria em um grande estádio. Quando você está fazendo algo assim em um local coberto, você precisa obter licenças do departamento de polícia e do departamento de bombeiros. Estávamos limitados com o que poderíamos fazer, então era uma mini versão do que ele havia feito no passado, mas dessa vez, seria ele voando.''

Durante a angerous Tour
À medida que as semanas se tornaram dias e as datas de filmagem de 8 e 9 de dezembro se aproximaram cada vez mais, ficou claro que, enquanto alguns dos novos números, como Thriller, estavam prontos, outros não estavam. No final, uma série de novas rotinas, incluindo "Clockwork Orange Dangerous" de Smith e Payne [como Jackson chamava] não seriam incluídas no show.


Acima: Cenas do filme A Clockwork Orange de 1971 e que inspirou Smith e Payne para a nova coreografia de Dangerous.

"Eu continuava com a sensação de que ele se sentia sobrecarregado ou inseguro sobre alguns dos números", lembra Smith, "e nós estávamos indo muito devagar porque queríamos que fosse tão bom quanto poderia ser, mas não tivemos nossa quantidade normal de tempo para preparar.''

"Chegou a um ponto em que eles nos deram um prazo e disse que tudo deve ser feito em três dias, o que foi justo o suficiente", diz Smith. "Então, Michael disse: ''Você sabe o quê? Nós faremos o antigo Dangerous.'' A maior parte dos dançarinos já conhecia e ensinamos os que não conheciam. Seria o clássico Dangerous de Michael Jackson, porque ele simplesmente amava, e ele o conhecia como a palma de sua mão.''

"Se fosse novo, e não tão bom como o original, ele teria sido retirado e ele o teria substituído por uma versão clássica. E então, os que eram bons, como Thriller, teriam ficado. O novo Thriller era realmente bom. Eu sei que Michael gostou muito disso. Então acho que teria sido um show incrível, mesmo que tudo não fosse novo. Você teria algum novo e algum antigo juntos. Isso teria sido maravilhoso.''

A sensação de que o show, e certos números, não estavam se juntando a tempo de ser incluídos no show, se devia em parte ao fato de que, como Smith e Lather expressavam, todo o processo era tão compartimentado que ninguém sabia o que o outro estava fazendo, ou até onde o processo estava.

"Todo mundo nunca entrou no mesmo lugar ao mesmo tempo até nos mudarmos para o Beacon Theatre", explica Margolis. "Nós estávamos no Beacon por um total de cerca de sete dias. No momento em que conseguimos entrar, iluminamos e conseguimos todo o equipamento técnico. Penso que ensaiamos no palco por quatro dias, e Michael não estava lá no primeiro dia, pois era principalmente um ensaio de dança para os dançarinos para encontrar o espaçamento no palco. E então Michael entrou e ensaiou no segundo, terceiro e quarto dia. No primeiro dia em que Michael esteve lá, ele fez um meio dia e o segundo e terceiro dias foram dias completos para ele.''

Pouco antes das 17:00 em 6 de dezembro, durante o segundo dos vários ensaios planejados de dia inteiro no Beacon Theatre, e apenas dois dias depois que ele e Marcel Marceau lideraram a mídia para promover o especial HBO, Jackson entrou no palco.

"Ele já estava doente e estava doente por alguns dias", lembra Lather, que havia ensaiado sua nova performance de Thriller com Jackson no palco no início desse dia. "Mais tarde, naquela tarde, quando estávamos fazendo o trabalho com a câmera adicional, ele desabou no palco e teve que ir imediatamente ao hospital.''

Enquanto Lather diz que Jackson estava sentindo mal por alguns dias, Marceau, que também estava ensaiando com Jackson nos dias que levaram ao seu colapso, e estava presente para testemunhar isso, não detectou nenhuma doença por parte de Jackson.

"Eu teria notado algo", lembrou Marceau. "Não havia nenhum sinal de que ele estava à beira de uma crise... Eu estava no Beacon Theatre, assistindo os [ensaios], que eram maravilhosos. Michael estava no palco com cerca de quinze dançarinos. Em um ponto, eu me afastei para beber algo e então, de repente, houve um grande silêncio. Ele parou tudo. Pouco antes que a música estivesse alta, as luzes piscaram e, em um momento, houve um silêncio total, era como se o mundo tivesse chegado ao fim.''

"Estávamos todos de pé no palco", lembra Smith, "e eu o vi caminhar até a frente do palco e descer, batendo seu rosto na grade do palco.''

"Ele tinha ambas as mãos ao seu lado, com o microfone em uma delas, e caiu primeiro na grelha metálica", lembra Michael Prince, um dos engenheiros de som do show. "Ele nem colocou as mãos para amenizar a sua queda. Foi assustador. E ele caiu duro. Estou surpreso que ele não quebrou o nariz ou a mandíbula na grelha.''

A grelha de metal é parte do palco que foi especialmente construída no chão. Jackson a usava para criar um efeito em certos números, incluindo Black or White com luz brilhante, vento e fumaça saindo de baixo dele. Testemunhas recordam que foi durante o corte da câmera para Black or White que ocorreu o colapso de Jackson.

"Ele estava fora", diz Margolis. "Ele caiu tão duro, e bateu a cabeça nas grades com tanta força, que ele estava frio.''

"Ele desmoronou, perdeu a consciência e estava no chão", lembrou Marceau. "Nós estávamos todos petrificados. Havia pessoas ao seu redor, ele não se movia. Os paramédicos chegaram e, quando vi o palco, tive muito medo.''

"Seus guarda-costas se precipitaram e formaram um círculo protetor ao redor dele, segurando seus casacos para lhe dar alguma privacidade", diz Prince. "Alguém gritou para uma ambulância e, em poucos minutos, uma chegou".

"Fui eu quem ligou para o 911", lembra Morey. "Ele estava respirando, mas definitivamente não respondia. Pensei que talvez ele tivesse sofrido um ataque cardíaco.''

"Devo dizer que os atendentes do 911, mesmo com o trânsito naquela cidade, chegaram ao Teatro Beacon em menos de cinco minutos. Foi incrível", diz Margolis. "Primeiro, eles o examinaram ainda no chão, então o levaram a uma maca, em uma ambulância e tão rápido. Eles partiram como balas."

Jackson foi apressado para o Centro Médico Beth Israel no 170 East End Avenue, no Upper East Side de Nova York. Enquanto isso, uma reunião foi feita no lobby do Beacon Theatre.

Prince lembra que, uma vez que Jackson foi levado para o hospital, "um anúncio foi feito sobre o sistema de PA no Beacon pedindo a todos os dançarinos, a banda, o elenco e a equipe para se reunirem no lobby do teatro.''

"Parecia que provavelmente esse show inteiro seria cancelado ou atrasado de alguma forma", lembra Lather. "Ninguém sabia o que aconteceria para o resto desse dia. Ainda estávamos manuseando a câmera e colocando o show em conjunto com Jeff Margolis. O show inteiro nunca foi executado do principio ao fim. A produção ainda não estava pronta para isso. Mais alguns dias de manuseio de câmera ainda estavam no cronograma.''

Em última análise, foi decidido que o show, ou pelo menos os ensaios nesse ponto, continuaria sem Jackson, que não estava programado para estar no Teatro Beacon naquela noite, de qualquer forma.

Jackson estava programado para comparecer no Billboard Music Awards de 1995 no New York Coliseum naquela noite, onde ele receberia o Special Hot 100 Award por suas excelentes conquistas fonográficas. Em vez disso, Jackson estava em uma cama de hospital, com profissionais médicos trabalhando para estabilizá-lo.

O elenco e a equipe da One Night Only continuaram a rodar números e trabalhar com a câmera no Teatro Beacon naquela noite, e no dia seguinte, enquanto Jackson aguardava a chegada de seu médico pessoal, o Dr. Allan Metzger, que estava viajando para New York a partir de Los Angeles para avaliar Michael Jackson.

Quentin Schaffer, vice-presidente de Relações com a Mídia da HBO, emitiu uma breve declaração sobre a noite do colapso, informando o público que Jackson havia se estabilizado, enquanto confirmava que os ensaios continuavam. Schaffer reconheceu que o futuro do especial era incerto, acrescentando que a principal preocupação da HBO era a saúde de Jackson.

A pressão sanguínea de Jackson estava anormalmente baixa com 700x400, avaliada por uma equipe do Serviço Médico de Emergência que chegou ao Beacon Theatre apenas quatro minutos após o colapso, informou John Hanchar, porta-voz da E.M.S.

O Dr. William Alleyne II foi o diretor de cuidados críticos no hospital Beth Israel North em dezembro de 1995 e foi responsável por fornecer os cuidados médicos que, em última instância, salvaram a vida do Rei do Pop.

"Sr. Jackson estava em estado crítico", disse Alleyne à Herald Online. "Ele estava desidratado. Ele tinha pressão arterial baixa. Ele teve uma freqüência cardíaca rápida.''

Enquanto isso, o público percebeu a situação de Jackson e começou a se reunir em massa fora do hospital para mostrar seu apoio ao superstar.

"Eu olhei para fora da janela, e a multidão estava ombro a ombro, enorme, muito mais do que quando a mansão do prefeito hospedou o Papa, o Presidente, até Nelson Mandela", lembrou Alleyne, acrescentando que era o mesmo "pandemônio absoluto" dentro do hospital.

Não demorou muito para que a mídia soubesse do incidente, com especulações sobre a gravidade da condição de Jackson correndo desenfreadas.

"Michael Jackson entra em colapso nos ensaios", foi o título do New York Times na manhã seguinte, informando que Jackson entrou em colapso enquanto ensaiava no palco a tarde anterior, ''lançando incerteza sobre os planos de um especialista em televisão nacional altamente divulgado para ser transmitido no domingo."

Entertainment Weekly tomou a notícia do colapso de Jackson com um grão de sal, executando uma história onde perguntava, "Jacko desmaiou no palco ou está fraco?"

O artigo da EW afirmou que uma fonte sem nome lhe revelou que Jackson estava desagradado de que as ruas da cidade de New York não estivessem bloqueadas em seus concertos e que o Teatro Beacon de 2.800 lugares era tão pequeno que era incapaz de facilitar a enorme quantidade de iluminação - nada disso era verdadeiro.

A irmã de Jackson, LaToya, ligou para o New York Daily News com a afirmação de que ela conhecia "todos os pequenos movimentos de Michael e seus pequenos esquemas quando ele acha que ele precisa de atenção", acrescentando que seu colapso foi "um movimento publicitário".

"Eu não acho que alguém é um ator bastante bom para fingir cair de cara como ele caiu'', diz Prince, que testemunhou o colapso dramático de Jackson com a equipe de som.

O médico de Jackson também insiste em que o colapso dele foi muito real e muito grave. "Ele estava perto da morte", ressaltou Alleyne, acrescentando que Jackson "estava inconsciente quando chegou" no Hospital Beth Israel North.

"Sua maior preocupação era se ele poderia se apresentar", lembra Alleyne sobre Jackson.

Infelizmente para todos os envolvidos, Dr. Alleyne informou Jackson não estava de "nenhuma maneira" em condições de se apresentar em breve.

Jackson permaneceu hospitalizado e sob cuidados médicos rigorosos ao longo das noites 8 e 9 de dezembro planejadas para a gravação e além da data de transmissão da HBO em 10 de dezembro, resultando no cancelamento de tudo.

Não só o colapso de Jackson e o cancelamento subseqüente do especial HBO prejudicaram seriamente sua saúde, mas também danificaram suas vendas recordes nos Estados Unidos e mancharam a percepção do público estdunidense sobre a sua capacidade de atuar.

"Sem dúvida, o especial HBO teria sido um grande impulso para as vendas até o Natal", disse o vice-presidente de marketing da HMV, Alan McDonald, ao The New York Times.

"Jackson ficou sem gás", disse o analista de mídia de New York, Porter Bibb, na ocasião, acrescentando que "pode ter visto seu dia como o Rei do Pop".

No dia 8 de dezembro, poucas horas antes do primeiro show ter programado o palco com uma audiência ao vivo, o elenco e a equipe do Beacon Theatre foram novamente convidados a se reunir para uma reunião com Margolis, entregando a notícia de que ninguém queria ouvir: O show não continuaria.

"Nós entendemos que estava sendo cancelado", lembra Lather. "Foi tão decepcionante, porque todos trabalharam tão fortemente, e tantas pessoas especiais criativas estavam trabalhando no show para realizar algo que nunca antes havia visto para Michael.''

"Em retrospectiva, é realmente estranho que minha carreira trabalhando com MJ tenha sido consertada por concertos cancelados", lembra Prince, cujo primeiro show com Jackson foi One Night Only; Seu último seria This Is It.

Uma vez que o cancelamento foi confirmado, a atenção foi voltada para se o show seria ou não reprogramado em uma data posterior.

"O show estava praticamente pronto para acontecer", lembra Margolis. "Eu mencionei em um ponto de sua administração que, quando sua saúde melhorasse, poderíamos tentar refazer. Eles disseram que iriam discutir isso com Michael e então nunca mais ouvi falar de ninguém sobre nada. Mas sim, a música estava completa. As mixagens estavam todas limpas. As orquestrações estavam todas concluídas. Tudo estava terminado. E por algum motivo, isso nunca aconteceu. Acho que quando a HBO e todos disseram One Night Only [apenas uma noite] eles não estavam brincando.''

A falta de reprogramação foi menor devido ao desejo da HBO de tentar novamente e, mais ainda, uma combinação da hesitação de Jackson para retornar ao conceito e a liquidação da companhia de seguros da reivindicação da HBO.

"A HBO tinha seguro nos shows", explica Morey, "então a agência de seguros se envolveu. Basicamente, uma vez que o show se tornou uma reivindicação de seguro, todo o conceito acabou de sair.''

Durante uma entrevista de 1996, Jackson foi questionado sobre se ele ainda estava planejando gravar os shows da HBO.

"Oh, sim", Jackson respondeu hesitante. "Estamos planejando fazer isso na África. Na África do Sul."

Perguntei a Margolis se ele tinha ouvido falar sobre isso. "Não", disse ele. "Não sei nada sobre isso.''

"Isso parece ser uma hipérbole de Michael Jackson, realmente", concordou Morey. "Não houve discussão sobre fazê-lo na África, ou em qualquer lugar.''

"Não", acrescentou Smith. "Foi demais. Nunca mais falamos sobre isso. Ele mencionou que ele amava o novo Clockwork Orange 'Dangerous', e ele disse que desejava que pudéssemos ter feito isso. Mas não, ele nunca falou sobre fazer o especial HBO novamente."

Anos mais tarde, Jackson foi novamente perguntado sobre os shows cancelados, e se ele iria fazê-los.

"Não, acho que não", disse Jackson à revista Black and White. "Eu trabalhei tanto para preparar esse show, houve uma tal pressão; Pessoas me empurrando para fazer esse show, não importasse o quê! Então, finalmente, a natureza seguiu o curso e disse: "pare!" Ela decidiu que não deveria fazer esse show.''

Embora Jackson nunca concordou em rever o show, há um pequeno vislumbre de esperança de que os fãs verão um dia. Os ensaios para Michael Jackson: One Night Only foram gravados em fita.

"Michael queria olhar tudo", revela Margolis, "então tudo durante o ensaio foi gravado. Michael tinha sua própria equipe de filmagem documentando tudo o que ele fazia. Muitas vezes, quando ele fazia uma performance, ele pedia ao diretor do show uma cópia do seu ensaio para poder levar para casa e estudar, para ver o que ele poderia melhorar. Ele era tão perfeccionista.''

"Ele nos deu câmeras e filmamos, e nós lhe demos as filmagens para estudar", explica Smith. "Houve muitas filmagens sobre mim e Travis. A equipe de Michael estava lá quando ele estava lá, e ele estava muito conosco. Eles se colocavam em um lugar onde não pudéssemos vê-los, o que eu achava que era legal, e todos nós apenas fazíamos nossa parte sendo nós mesmos.''

Mas... há um problema.

"As fitas desapareceram", diz Margolis. "Elas desapareceram. Michael ficou com todas as fitas. Isso fazia parte de seu acordo. A HBO não tem nada. Sua empresa de gestão não tem nada. Seus advogados não têm nada. Eu não tenho nada. Ninguém tinha nada, exceto Michael, e é preciso dizer que elas desapareceram anos atrás.''

Jackson era famoso por perder materiais importantes.

"Uma vez que você entregasse algo para Michael Jackson, você também poderia simplesmente lhe dar adeus", diz Brad Sundberg, um dos engenheiros de estúdio mais confiáveis ​​de Jackson, "porque você nunca mais vai voltar a vê-lo.''

"Quando eles limparam Neverland, tenho certeza de que, em algum lugar dessa propriedade, ele tinha uma biblioteca que tinha todas as músicas, e todas as fitas de áudio que qualquer um lhe dava, que caíam no buraco negro de Michael Jackson", brinca Margolis. "Conhecendo Michael, e sabendo o quanto de um perfeccionista ele era, tenho certeza de que todas as coisas da One Night Only foram arquivadas em algum lugar.''

Como é visto na filmagem capturada durante o início de sua série de shows de 2009, This Is It, e em imagens vazadas dos preparativos para a turnê Dangerous, as fitas de ensaio de Jackson fazem uma visualização convincente.

"Michael sempre aparecia apresentável", diz Margolis. "Então, mesmo quando ele vinha ao ensaio, seus cabelos e maquiagem sempre estavam feitos, e ele tinha o chapéu e tudo isso, porque ele sempre estava sendo filmado. Sua própria equipe sempre o filmava, então ele estava sempre pronto para a câmera. Então, mesmo que você olhasse para a metragem do ensaio, parecia um show apropriado. Se alguém pudesse encontrar essa metragem e juntá-la, você poderia realmente fazer um show com ela. Toda vez que Michael estava no ensaio, era documentado. Podermos ver novamente seria absolutamente fantástico.''

"Nós estávamos fazendo ensaios de vestuário quando ele entrou em colapso, e até mesmo isso foi registrado em fita", diz Margolis. "Para cada número, os dançarinos estavam vestidos com o figurino que deveria estar no show. Foi um desastre. Eu chorei quando descobri que nunca seríamos capazes de fazer o show. Seria mágico.''

"Nós estávamos todos lá para ele e para fazer história", diz Lather. "Jeff Margolis trabalhou duro preparando esse show. Isso seria fantástico. Todos sentimos que esta seria uma oportunidade única na vida. Estávamos todos juntos para Michael. Todos nós nos sentimos honrados de estar trabalhando neste show! Isso seria definitivo. Havia esse zumbido no ar que isso seria outro grande destaque na carreira de Michael; Um show que seria falado durante os próximos anos.''

"Se o especial fosse no ar, o espectador teria visto coisas que nunca tinha visto antes", diz Morey. "Teria havido coisas sobre as quais teria sido falado em todo o mundo; Do aquecedor de água ou da estação de café em cada escritório, até a mesa de jantar em cada casa. Depois dos Estados Unidos, teria sido transmitido por todo o mundo.''

"Eu me recordo da sensação de fazê-lo", lembra Smith. "Foi apenas um sentimento incrível e impressionante. Se pudéssemos ter apresentado, teria brilhado dos céus. Isso teria sido glorioso.''

A parte 01 da matéria Michael Jackson: One Night Only 
se encontra aqui


Texto de Damien Shields autor do livro Xscape Origins: The Songs & Stories Michael Jackson Left Behind

Fonte: http://www.damienshields.com
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...