''Michael: O homem atemporal''


''Olhando para trás, 25 de junho de 2009 será sempre um capítulo indelével na história de Los Angeles. O anúncio da passagem de Michael Jackson foi um momento eternamente suspenso no tempo - um momento em que o mundo inteiro sentiria simultaneamente uma perda, tão repentina e tão entusiasmada, era como perder um membro da família.

Em Los Angeles, onde Jackson faleceu, o golpe emocional foi especialmente visceral. A descrença foi superada pela tristeza, quando a realidade começou a se estabelecer. Em uma cidade construída na fama, Jackson criou um legado mais próximo da mitologia do que do mero estrelato.

Na vida - e agora, dois anos depois de sua morte - Michael Jackson lança múltiplas reflexões. Para alguns, ele é o "Rei do Pop", um filantropo magnânimo, um ícone e um superstar do mais alto calibre. Para outros, ele era um criminoso e um **.

O advogado Thomas Mesereau Jr., conheceu bem Jackson. Mesereau defendeu Jackson no caso de abuso infantil de 2005 do pop star. Ele está completamente familiarizado com as alegações contra seu antigo cliente, mas também passou muito tempo com Jackson e conheceu o homem real no espelho.

O site LA Canvas entrevistou a Mesereau porque seu histórico como advogado, juntamente com sua reputação como um homem de integridade intransigente, fala muito sobre sua credibilidade.

Dezenas de pessoas utilizaram a cobertura da morte de Jackson para aparecer na mídia, mas Mesereau não era um deles. O Michael Jackson que ele conheceu era um homem amável e gentil, preso por percepções públicas distorcidas de sua vida pessoal reclusa.


Mesereau reavivou suas lembranças do caso, recordando Jackson e seus pensamentos sobre como a mídia tratava o todo.

"Michael pode ser o melhor cliente que já representei", disse Mesereau sem hesitação. Ele acrescentou: "A maior surpresa sobre Michael foi sobre como ele tinha 'os pés no chão' a respeito de com quem ele deveria lidar.''

Com a fama de Michael cresceu também o 'alvo nas costas'. E com cada acusação contra ele, os membros da mídia constantemente o tinham em suas vistas.

"As pessoas tomaram o que achavam incomum sobre ele e tentaram ampliá-lo em uma conduta criminal", observou Mesereau. "A maneira como ele foi torturado por pessoas que queriam lucrar com sua excentricidade foi uma das grandes tragédias do nosso tempo.''

Se o público pensava que sua vida era um circo de mídia, sua morte forneceu um exemplo ainda mais evidente do quanto egoístas e abomináveis ​​as pessoas poderiam ser. A cobertura era um ''quem é quem'' e sobre quem eram os ''cúmplices de Michael'', apresentando uma exibição torcida de pensamentos infundados sobre por que ele morreu, apresentado como fato.

"Havia pessoas, incluindo advogados dizendo que estavam perto dele e da família, e fazendo todo tipo de representações que não eram verdadeiras", lembrou Mesereau sobre a cobertura em torno da morte de Jackson. Ele continuou:

"Foi absolutamente nojento. Eu estava ouvindo fora do hospital, havia pessoas alegando que estavam perto dele, correndo de encontro com a mídia tentando lucrar financeiramente com a sua morte.''

É impossível exagerar o significado de Michael Jackson para o mundo. O efeito de sua morte, bem como o efeito de sua vida, ignorou o status socioeconômico e não exigiu tradução cultural.

Do criminoso mais durão à mais inocente das crianças [algumas das quais nem eram nascidas quando Jackson gravou um álbum pela última vez], o impacto de Jackson foi e ainda é universal. Tanto como artista como humanitário, Michael Jackson estabeleceu recordes mundiais que provavelmente nunca serão quebrados.

Enquanto ele tinha acusações criminais graves apresentadas contra ele, muitas vezes foi negligenciado que seus acusadores sempre se aproveitaram dessas alegadas transgressões, e por nenhuma delas ele foi condenado.

"O maior engano é pensar que ele era um agressor criminal e uma molestador", disse Mesereau. "Nada poderia estar mais longe da verdade. Infelizmente, porque ele era tão famoso, e porque ele era um artista eclético e um gênio artístico, as pessoas tomavam o que achavam incomum sobre ele e tentavam ampliá-lo em uma conduta criminal.''

Mesereau acrescentou: "Ele não era um pedófilo. Ele não era um criminoso. Ele não era um molestador infantil. E a maneira como ele foi torturado por pessoas que queriam torná-lo controverso e tirar proveito de sua excentricidade foi uma das grandes tragédias do nosso tempo.''

Acima de tudo, Jackson deixa para trás uma habilidade estranha para unificar pessoas através de sua música. Como o homem e como o artista, Michael Jackson promoveu a paz, o amor e a igualdade. Embora ele não esteja mais conosco, sua música e seu efeito permanente sobre a humanidade serão sempre congelados no tempo.''

Artigo escrito por Jacob Rohn em 2011.

Fonte: http://www.lacanvas.com

2 comentários:

  1. Olá angel,

    difícil é explicar esse fenômeno que aconteceu quando Michael se foi, essa ligação visceral como se ele fosse nosso irmão ou aquele amigo mais chegado.
    Por isso é tão difícil aos outros que não foram atingidos pelo seu amor de compreenderem ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, amiga! :) Verdade... sempre que um artista vem a falecer, fica aquela comoção na mídia no mesmo dia, às vezes, uma semana... e quanto mais o tempo passa, Michael se faz mais presente. Vejo crianças e adolescentes tão envolvidos com o nome dele nas redes sociais!

      Excluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

*Bem-vindos, Moonwalkers! Este é um espaço de amor à memória de Michael Jackson. Os comentários são moderados e estarão visíveis tão logo eu esteja on-line. [Rosane, admin. do blog]

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...