DPLA tentou submeter Michael Jackson à lei racista


Artigo escrito pelo jornalista Charles Thomson

''Os documentos contidos no arquivo do FBI de Michael Jackson mostram que o DPLA [Departamento de Polícia de Los Angeles] tentou processar Michael Jackson sob a mesma legislação usada no passado para difamar ícones negros como Jack Johnson e Chuck Berry.

Os registros mostram que o LAPD entrou em contato com o FBI em 7 de setembro de 1993 para perguntar se o departamento ajudaria na acusação de Michael Jackson sob a Lei Mann.


A Lei Mann, também conhecida como a "Lei da Escravidão Branca", foi introduzida em 1910. Permitindo que os policiais realizassem prisões com base na vaga premissa de "comportamento imoral", a lei era freqüentemente usada para difamar homens negros, particularmente aqueles que relacionam com mulheres brancas.

Jack Johnson, o primeiro campeão negro de boxe do mundo, foi o primeiro a ser processado pelo ato. De fato, Geoffrey C Ward escreve em seu livro Unforgivable Blackness [Negligência Imperdoável] que o potencial de difamar Johnson foi um dos principais fatores motivadores por trás da introdução da lei.


Johnson era visto pela imprensa e pela elite como um negro que não conhecia seu lugar. Johnson não só foi um campeão mundial negro mais de 50 anos antes da segregação ser levantada, mas ele ostentou seu sucesso em uma sociedade que exigia que ele fosse humilde. Ele usava roupas e jóias caras e investia seu dinheiro em uma frota de automóveis de luxo, um passatempo pelo qual ele era repetidamente punido por policiais brancos que lhe davam multas por excesso de tempo.

Mas o que mais irritou a elite foi que Johnson se relacionava com mulheres brancas. Johnson costumava ser acompanhado em suas viagens por prostitutas, mas também a maioria de seus contemporâneos brancos.

Em 1913, Johnson foi processado sob a Lei Mann por "transportar uma mulher através da linha estatal para fins imorais". Nenhum dos seus contemporâneos brancos que também viajaram com prostitutas foram presos ou acusados ​​de crimes semelhantes.

As supostas vítimas de Johnson viajaram com ele de bom grado e admitiram sob juramento. Além disso, as viagens em questão haviam ocorrido muito antes de a Lei de Mann ter sido introduzida. No entanto, um júri todo branco o condenou independentemente.

Anos depois, a Lei Mann também foi usada para sabotar a carreira do músico negro Chuck Berry [na foto abaixo com MJ].


Em 1959, Berry conheceu uma garçonete de 14 anos em El Paso e pediu a ela que trabalhasse em seu restaurante. A garota concordou e ele a levou de El Paso para St. Louis, quando voltava de um concerto.

Nesta premissa frágil, Berry foi preso por "transportar uma garota menor de idade para fins imorais". Ele foi condenado pela Lei Mann e condenado a três anos de prisão.

No mesmo ano, o imitador branco de Berry, Elvis Presley, começou a namorar Priscilla Beaulieu, uma garota de 14 anos [na foto abaixo]. Além disso, a biografia de Presley, de Scotty Moore, afirma que, antes de seu envolvimento com Beaulieu, a estrela estava namorando uma menina ainda mais jovem.


Ergo, em 1913, a Lei Mann foi usada para condenar um boxeador negro cujo único 'crime' era se entregar ao mesmo comportamento que seus contemporâneos brancos. Mais tarde, em 1959, a Lei Mann foi usada para processar um músico negro por dar trabalho a uma garota menor de idade, enquanto seu contemporâneo branco repetidamente dormia com garotas menores de idade e ficava impune.

A Lei Mann é uma lei inerentemente racista. Embora não tenha sido usada apenas para processar afro-americanos, a prisão potencial de Jack Johnson foi um fator motivador primário por trás de sua introdução e desde então tem sido repetidamente usado para condenar homens negros de crimes que não cometeram.

Que Jackson também tenha sido alvo da Lei Mann é certamente intrigante e pode ser visto para reforçar o argumento de que ele foi alvo de um processo malicioso por conta de sua raça.

Devastadoramente sugere que, para todas as mudanças superficiais da América, pouco mudou desde os dias de Jack Johnson. É claro que a decisão do Procurador dos EUA de não processar Jackson sob a Lei Mann pode ser vista como um sinal de progresso, mas a decisão do LAPD de perseguir Jackson em primeiro lugar - dada a enorme abundância de evidências sugerindo sua inocência - permanece perturbadora.

Que Jackson não foi condenado quando ele finalmente entrou no tribunal indica, pelo menos, algum progresso. Dito isso, o fato de que as alegações de 2003 contra Jackson chegaram a ser feitas em uma sala de audiência foi prova em si de que Jackson recebeu uma alegação falsa - as alegações eram absurdas e seus acusadores eram comprovadamente burlões. Mas enquanto Johnson e Berry foram condenados, o júri de Jackson pelo menos tomou a decisão certa. No caso de Jackson, foi apenas a mídia que o considerou culpado.''


Fonte: http://charlesthomsonjournalist.blogspot.com.br

14 comentários:

  1. A garota em questão que acompanhou Jack Johnson, veio a se tornar a esposa dele, no futuro. Há alguns anos, a esposa e filhos de Jack Johnson recorreram a Barak Obama, então presidente dos Estados Unidos, solicitando o perdão oficial (uma espécie de anistia), a fim de limpar o nome do marido e do pai perante a história americana. Barack Obama negou o pedido.
    Pessoalmente não estranhei a atitude, pois foi este mesmo presidente negro que fez tão pouco caso no dia em que Michael Jackson faleceu. Naquele dia, Obama estava dando uma conferência de imprensa w foi indagado a respeito de Michael.
    Ele proferiu apenas algumas palavras vazias de emoção, ignorando o fato de que Michael foi a pessoa e o artista que abriu as portas para artistas, celebridades e até mesmo para ele.
    Enfim, Barak Obama foi feito da mesma matéria prima que Oprah Winfrey.

    ResponderExcluir
  2. Pois é, nunca consegui entender porquê todos o elogiam tanto.

    ResponderExcluir
  3. O coração dos outros é terra que ninguém anda....palavras simples que os antigos falavam, mas uma grande verdade...

    ResponderExcluir
  4. Li e reli essa matéria , e até agora eu não entendi aonde o Michael se enquadra nessa lei estúpida,o racismo dos estados Unidos tem uma história tremendamente vergonhasa , que foge da realidade...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É vergonhoso que esta lei ainda não tenha sido abolida. EUA é racista além da conta, muitas pessoas não têm a noção das reais barreiras que Michael ajudou a romper.

      Excluir
    2. No caso de Michael seriam "muralhas" cheia de invejosos em cima

      Excluir
  5. Os EUA nunca aceitou que o maior artista que eles tinham/tem era um negro e tentaram e continuam tentando o derrubar de diversas maneiras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, o racismo é uma chaga em várias partes do mundo, mas se evidencia nos EUA com mais destaque.

      Excluir
    2. Nossa! Nao sabia dessas coisas! Nunca gostei de Oprah e esse obama! NUNCA

      Excluir
    3. Politicamente, Obama foi um "enxugador de gelo". Tinha carisma com o público porém, com poucas ações práticas.

      Excluir
  6. Eu também penso o mesmo do Obama. Que decepção!
    Que absurdo, o DPLA querer submeter Michael a essa lei racista! E foi o mesmo DPLA que não aceitou a queixa de tentativa de extorsão sobre Evan Chandler, que Michael queria registrar em 1993, não foi?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se não falha a minha memória, foi sim!! Ouvi falar que havia pessoas por ali que não se conformavam que um homem negro fosse proprietário de terras tão vastas como Neverland.

      Excluir
  7. Não me surpreende.
    Sempre soube que havia racismo.

    ResponderExcluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

*Bem-vindos, Moonwalkers! Este é um espaço de amor à memória de Michael Jackson. Os comentários são moderados e estarão visíveis tão logo eu esteja on-line. [Rosane, admin. do blog]

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...