Dieter Wiesner (04)


''Ao acordar, Michael estava feliz e imediatamente pronto para o trabalho, e o continuávamos no seu escritório ou na cozinha. Ele se levantava e iria se deitar sem se importar se era dia ou noite. Se tivéssemos o café da manhã, nós nos sentávamos à mesa com as crianças.

Para ele, era muito importante compartilhar esses momentos tão frequentemente quanto possível, na medida em que a agenda permitiria. Ele me falou com toda a seriedade sobre as substâncias nocivas encontradas nos alimentos, me advertiu sobre o colesterol e agia como um homem que atribui uma grande importância à a saúde.

Com as palavras "Dieter, você tem que tentar isso", ele me entregou um frasco amarelo estranho, no qual estava escrito: ''Não é manteiga!''

Dentro, havia uma massa fluida condensada feita com soro do leite, óleo de soja e sal com lecitina e vitamina A, conforme explicou.

Portanto, as crianças têm os alimentos mais saudáveis​​. Mas, por mais saudável que fosse o estilo de vida que ele quisesse manter, Michael ficava feliz em comer asas de frango e fast food, quando ninguém estivesse olhando.

Se as crianças estivessem lutando no café da manhã, ele intervinha:

''Paris, não faça isso!'' ou "Prince, já chega!"

Eu tentava resolver o conflito: "Michael, apenas os deixe comer...''

Mas ele tinha seus próprios pontos de vista sobre o assunto:

"Você sabe, Dieter, eu tenho que ter cuidado, eles têm que agir de forma inteligente.''


Desde cedo, tiveram que aprender as regras de comportamento e boas maneiras à mesa.

Depois do almoço, muitas vezes, Michael e os filhos estavam perto da janela no andar de cima, para ver passar os cuidadores com os elefantes.

O maior - que foi um presente de Elizabeth Taylor em seu aniversário - seguia na frente. Ainda mais peculiar era a cena quando, junto com os com elefantes, seguia um camelo.

Esta estranha procissão acontecia quase que diariamente no rancho, eles iam para o lago onde os elefantes tomavam banho e se divertiam, espirrando água. Os animais eram banhados e depois, descansavam na pequena praia.

Desnecessário dizer que, para as crianças, era uma diversão que não cansava. Cresciam no país das fadas, mas para eles, o conto de fadas era realidade. As crianças não conheciam outra vida e os animais estavam sob as janelas, para eles.

Às vezes, as crianças poderiam alimentar os elefantes. Michael contratou um veterinário e muitos funcionários que estavam constantemente com os animais e cuidavam deles.

É bom que ele o tenha feito porque, eu posso confirmar que se você está imerso em seus pensamentos, andando ao redor do rancho e, de repente, tiver um elefante na sua frente e, aparentemente, de mau humor, você tem um problema sério.

Portanto, o monitoramento de animais, juntamente com os elefantes e lhamas que vivem no rancho, papagaios, cobras, tigres, camelos e girafas, era levado muito a sério.

Michael sabia que seus filhos estavam crescendo ao contrário da maioria de seus amigos, no entanto, ele sempre tentava injetar um pouco de normalidade em suas vidas.

As crianças tinham suas próprias babás e professores, mas era importante participar na educação dos seus filhos e organizar as suas atividades de lazer.

Muitas vezes, levava as crianças para a escola em Neverland. Michael cuidava para que outras crianças viessem para a aula, portanto, Prince e Paris foram capazes de se socializar com os colegas.

Se as crianças não quisessem ir à escola, ao passo que em outras famílias teriam problemas com o pai, Michael alegremente acompanhava as crianças. Até mesmo durante as inúmeras viagens, atribuía grande importância ao fato de que não se abandonasse sua educação.

Portanto, nos quartos de hotel estariam à disposição coisas como um quadro-negro, mesas, livros e outros materiais educativos para o professor [que também os acompanhava], para que fosse possível realizar as aulas. Essas aulas eram periodicamente revistas pela autoridade educacional competente.

Em primeiro lugar, Michael queria proteger seus filhos. Ele tomava o cuidado de protegê-los das más influências. Por exemplo, com a idade de cinco a sete anos, as crianças não eram autorizadas a assistir televisão ou usar a internet, a fim de que não assistissem a programas ou notícias que pudessem assustá-los ou confundi-los.

Em vez disso, Michael ia com eles ao cinema do rancho, e todos assistiam aos antigos desenhos animados e filmes da Disney. Ou jogavam jogos de vídeo e computador adequados para crianças de sua idade. E Michael, contra suas próprias crenças, muitas vezes sentava-se com as crianças no chão e comiam pizza.

Às vezes, em tom de brincadeira, Michael fazia de conta que Prince e Paris haviam se tornado estrelas internacionais, e tentava entrevistá-los.

Para isso, ele pegava, por exemplo, um objeto específico e o segurava como um microfone, e acenava para o filho e perguntava.

Prince respondia rapidamente de forma muito inteligente a todas as questões. Mas quando Michael dizia "Paris, agora você!" O bebê se virava com ar de ressentimento e se escondia em um canto.

''Paris, me dê uma resposta, vamos fazer a entrevista, concorda?"

Michael a pressionava, quase como um jornalista de verdade. Mas Paris apenas ficava zangada e não dizia uma palavra. Às vezes, ele ficava por meia hora na frente dela, tentando convencê-la.

Uma vez, eu levei Michael para o lado e disse: "Michael, você vê que ela não quer dar uma entrevista, compreende? Ela não quer fazer isso, Michael. Venha, é o suficiente!"

Então, ela a deixou sozinha.

Se os visitantes chegassem ao rancho, o que acontecia muitas vezes, as crianças deveriam estar bem vestidas. Se Paris não estivesse pronta a tempo, Michael poderia se impacientar, apesar de que ele mesmo precisava de mais tempo para se vestir.

Quando ela finalmente saía de seu quarto com um longo vestido branco e uma fita em seu cabelo, era como uma pequena princesa. O rosto de Michael imediatamente se iluminava:

''Oh, você está linda! Prínce, ela não está linda? Diga se ela não está fantástica! Lhe dê um abraço!''

E Prince se aproximava e abraçava a irmã.

Então, Michael, segurando nas mãos das duas crianças, descia as escadas em direção ao grande salão da casa principal.

Pouco antes de entrar na sala, na maioria dos casos, você poderia literalmente "sentir o cheiro".

Michael tinha o hábito de usar dois perfumes em combinação, nessas ocasiões. Um, que tinha recebido como um presente de seu pai, e outro, tinha sido um presente de sua mãe. E ele ia arrastando consigo um forte aroma de rosas.

Michael e as crianças nunca apertavam a mão em saudação.

"Esta família não aperta as mãos, dá abraços.''

E abraçavam todos os visitantes. Depois dos abraços de boas vindas, as crianças se sentaram no sofá, muito retas e se comportavam com calma.

Paris, um pouco enciumada e Prince, um pouco desobediente. Ele voluntariamente apresentava seus próprios pontos de vista, cantando e dançando para os convidados.

Quando Michael deixava o local com as crianças, o cheiro ficava na sala, e ficava por um longo tempo, como se você estivesse sentado em um jardim de rosas.

Seus três filhos eram o mais importante na vida de Michael. E se juntava a eles o mais rápido que pudesse. Estando em casa, lhes perguntava o tempo todo:

''O que vocês querem fazer hoje? O que vamos fazer? Qual é o plano?''

Observo também que os meninos estavam muito ligados a Grace, a babá, e às vezes, embora Michael soubesse que era certo e bom, o fazia se sentir um pouco inseguro e "ciumento". Ele pensava que tal afeto era demasiado forte.''

by Dieter Wiesner (ex-gerente de Michael Jackson)

Fonte: http://tally777.tumblr.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...