Michael visita a África em 1974


''Foi uma visita ao Senegal que nos fez perceber o quão afortunados nós éramos e como nossa herança africana tinha ajudado a nos fazer o que nós éramos.'' [Michael Jackson]

Após uma turnê pela Austrália e Japão, em 29 de Janeiro de 1974 os irmãos do The Jackson Five entraram em um avião rumo a Dakar [Senegal] nas primeiras horas da noite. Eles estavam programados para tocar seus primeiros shows lá e, para os irmãos Jackson, esta seria sua primeira viagem ao continente africano.

Eles desembarcaram em Dakar na manhã seguinte, pouco antes do nascer do sol, com uma comitiva de cerca de duas dezenas de associados e membros da imprensa. Foram recebidos por dignitários, oficiais do governo, típicos dançarinos e multidões de fãs no momento do desembarque.


Rapidamente, eles foram levados para uma sala VIP dentro do aeroporto para uma rápida entrevista coletiva. Após o encontro com a imprensa, eles passaram mais tempo assistindo os dançarinos e eventualmente se juntaram a eles, tentando aprender os seus passos.


Embora a viagem tenha sido anunciada como uma turnê africana, na verdade, The Jackson Five realizou apenas três concertos - todos em Dakar - nos estádios Demba Diop e no Teatro Nacional Sorano, no início de Fevereiro de 1974.

Originalmente se conversou sobre eles viajarem para Gana, Zâmbia e Etiópia para alguns concertos adicionais, mas a turnê foi interrompida. Artigos da época variam a respeito dos motivos, alguns dizem que foi devido a questões técnicas e outros, dizem que se comprovou ser muito difícil para os irmãos Jackson se adaptar às mudanças na alimentação e água.

A repercussão na mídia

''The Jackson Five em Dakar, nesta manhã'', anunciam em grandes letras, duas páginas do jornal Soleil, na sua edição de 30 de Janeiro de 1974. A visita dos irmãos foi seguida de perto pelo jornal com publicação diária, na época.

Sua chegada também foi aguardada com grande expectativa pelos moradores locais. A passagem de Michael Jackson e sua família foi rica em contato humano e emoção. Eles visitaram as moradas humildes de alguns habitantes, posaram para fotografias e distribuíram autógrafos, entre passeios e compras. Eles também realizaram uma conferência de imprensa com uma rádio senegalesa.

Apreciando os artistas locais

Aconteceram visitas à Joal, uma tradicional vila de pescadores, à vila Fadiouth, à cidade de Linguère e claro, a inevitável peregrinação à Ilha de Gorée [que sedia a Casa dos Escravos, uma antiga senzala] em frente à Dakar.


O jornal informou em sua edição de 03 de Fevereiro de 1974 que o patriarca Joe Jackson recebeu das mãos de Moustapha Fall, então Diretor-Presidente do Turismo, a insígnia de Cavaleiro da Ordem do Mérito. O grupo, por sua vez, ofereceu ao Chefe de Estado um disco de ouro.



Durante esta estadia no Senegal, The Jackson Five também recebeu uma homenagem da Organização de Unidade Africana. [Esta organização foi, sobretudo um fórum de cooperação entre os chefes de Estado, fundada em 1963 e dissolvida em 2002.]

Mas ''o destaque do dia foi a visita de domingo à Ilha de Gorée'', relata Malal Ndiaye. Em 1978, esta ilha foi nomeada pela UNESCO como Patrimônio Mundial da Humanidade.

A Ilha de Gorée
Em seu artigo publicado em 04 de Fevereiro de 1974, o repórter do Soleil recorda o significado simbólico da visita a Jackson: "Para os negros americanos, a Casa dos Escravos é um testemunho de sua negritude.''

Em frente à Casa dos Escravos
O artigo não menciona mas, décadas depois, você pode sentir a atmosfera desta peregrinação. O anfitrião Boubcar Joseph Ndiaye ficou cercado por Michael Jackson e seus irmãos, todos atentos e abalados pela sua eloquência, lhes contando sobre as terríveis atrocidades que se cometiam na ilha.



A Ilha de Gorée era o ponto de partida para muitos prisioneiros africanos, que estavam para ser enviados aos E.U.A. na condição de escravos, em séculos anteriores.


Neste ponto, Myriam Etoile, a correspondente de um canal de TV estrangeiro em Dakar, não consegue segurar as lágrimas.

Segundo todos os relatos, os irmãos ficaram profundamente afetados emocionalmente pela visita a Gorée, tanto assim que seus segundo e terceiro concertos foram muito menos exuberantes do que o seu primeiro concerto tinha sido.

Em um dos navios negreiros
No Senegal

A Casa dos Escravos

Em 1964, Boubacar Joseph Ndiaye transformou uma antiga senzala em um memorial que simboliza o tráfico e a deportação de 11 milhões de africanos para o continente americano, entre os séculos 16 e 19.


Desde então, esse local passou a ser visitado por milhares de turistas que, a exemplo dos irmãos Jackson, ouviam da boca de Boubacar Ndiaye as histórias do sofrimento dos escravos que eram levados para as plantações americanas.


A personalidade de Boubacar Joseph Ndiaye inspirou a realização do filme Little Senegal [2001] dirigido pelo cineasta francês Rachid Bouchareb.

[Ainda sobre a mídia]

O jornal também cita que ''esta peregrinação às fontes foi realizada na companhia do representante da Delegacia Geral do Turismo, Moustapha Fall, o embaixador dos E.U.A. e o Governador Birahim Thierno Ndao.''

No mesmo artigo, o jornal anuncia que os irmãos foram convidados para visitar uma área de desastre para testemunhar em primeira mão, a seca que assolava a região. Na primeira metade da década de 70, Senegal e países vizinhos tinham sido severamente castigados com a escassez de chuva.


''The Jackson Five visitou ontem o Petite Côte ", informava a edição de 01 de Fevereiro de 1974 do Soleil. O repórter também destacou a curiosidade e sede de descoberta que conduzia todos os irmãos.

Ele fala de uma "longa caminhada nas ruas de Fadiouth'' com ''centenas de metros de filme", ​​fotografias tiradas como recordação e ''um fluxo de perguntas para os moradores, uma infinidade de objetos de arte comprados [especialmente frutos do mar] e um almoço no Club Aldiana''.

O documento também descreve um ''ambiente descontraído e jovial'', com uma ''demonstração de dois jovens senegaleses, para grande satisfação dos irmãos Jackson".

O jornal da época
"Mas foram os jovens trabalhadores de Club Aldiana que mais se beneficiaram da estadia do Jackson Five'', afirma o repórter do Soleil. Ele também fala de ''uma verdadeira caça aos autógrafos'' e uma ''corrida quase indescritível por qualquer objeto pessoal no Club Aldiania''. O artigo também relatou uma recomendação do pai Joe aos seus filhos:

''Prestem atenção à música africana e seus artistas, porque eu acho que podemos nos inspirar para embelezar nossos arranjos musicais.''


Depoimento de Joe Jackson
[pai dos irmãos Jackson]

''A África é nossa "pátria histórica"; Alguns dos meus antepassados ​​nasceram lá. Eu a conhecia - assim como os meus filhos - apenas através dos livros, mas eu realmente queria visitá-la um dia, porque eu queria ver onde a história negra tinha começado. Então, eu planejei uma apresentação do The Jackson Five na África.

No início dos anos 70, fui colocado em contato com um africano do Leste, MaMa Do Johnny Secka, um grande muçulmano, bem vestido, de pele muito negra. Ele não era como os outros, e todos nós o amávamos.

MaMa era um grande promotor e ele realmente queria levar The Jackson Five para a África. Ele, é claro, discutiu os detalhes do contrato comigo - meus filhos ainda eram menores de idade.

Para a África, fomos particularmente bem preparados para os shows, e voamos de New York para Senegal. Os meninos não podia esperar para ver a pátria e os nossos antepassados.

Quando pousamos em Dakar, encontramos uma multidão admirada. As pessoas cantavam, batiam na bateria e gritavam : "Jackson Five! Jackson Five!"

E eles formaram uma roda e começaram a dançar. Eles convidaram meus filhos para a roda, um a um, a fim de dançar juntos.

Michael foi o último, então ele teve tempo suficiente para observar seus movimentos. E quando ele entrou para a roda, começou a dançar como um africano. Foi incrível, e as pessoas do comitê ficaram emocionadas.

Eles imediatamente receberam Michael como um deles e, a partir desse momento, nos sentimos em casa e tínhamos compreendido o significado dessas palavras: "Bem-vindo à África.''


Nós adoramos cada minuto da nossa estadia. Banners com os nossos nomes foram pendurados por toda a cidade, as pessoas dançavam na rua com a nossa música. Repetidamente, ouvíamos: "Jacksons... Jacksons... nós te amamos!''


Nós nos sentimos lisonjeados e, ao mesmo tempo, felizes pela sua animação sobre a nossa chegada. Ficamos uma semana em Senegal, os meninos se apresentaram no Demba Diop. A atmosfera africana provavelmente havia lhes afetado e dançavam melhor do que nunca.

Em seguida, fomos convidados lá ou nasceu presidente do Senegal, Leopold Sedar Senghor.

Na estrada, vimos um monte de espeleólogos [exploradores de cavernas] e outros artesãos que vendem suas criações diretamente na rua. Ao nos afastarmos da cidade, a atmosfera nos pareceu mais primitiva.

O presidente nos convidou para jantar em sua aldeia natal e nós apreciamos a hospitalidade de nossos novos amigos africanos.

No dia seguinte, estávamos na ilha Gorée. A partir daí, os vendedores de escravos arrastavam os nossos antepassados ​​em navios para a América, e inúmeras pessoas morreram durante a viagem.

Assim que saímos da balsa, eu estava com medo e, quando entramos em um velho calabouço onde os escravos ficavam no passado, acorrentados às paredes, fiquei muito deprimido.

Ele começou a ficar frio, eu tremia, e os meninos também estavam aterrorizados. O docente nos contou uma história horrível sobre como eles tratavam as pessoas infelizes e Jackie caiu em prantos. Outros também foram profundamente afetados.

Eles nos deram um presente de despedida - um artefato em que os escravos eram acorrentados às paredes da prisão. Foi doloroso para mim ouvir sobre a forma bárbara como eles eram tratados. No entanto, eu nunca vou esquecer este dia.

Em Dakar, o presidente do Senegal me deu mais uma medalha de prata, porque eu tinha chegado em seu país como "o embaixador da arte." No meu discurso de aceitação, expressei o desejo de que "a conexão entre a África e E.U.A. se tornasse mais forte''. Eu considero uma grande honra ter esta medalha. A única outra artista que a tinha recebido era Duke Ellington.

Na partida, a multidão de senegaleses reunidos novamente no aeroporto dançou para nós. Antes de entrar no avião, eu novamente respirei o ar africano.

Durante o longo voo de regresso, nós olhamos deliciosamente as pequenas figuras de madeira com as quais fomos presenteados. Nós amamos tudo sobre África: as pessoas felizes e seu dom incrível de música e dança, lendas passadas de pai para filho, de geração em geração, e o cheiro do Oceano Atlântico na costa do Senegal.

Quando pousamos em New York, nos demos conta de que nunca iríamos esquecer a África. No aeroporto, dezenas de jornalistas estavam esperando por nós, nos empurravam microfones e nos faziam perguntas tolas. Eles queriam saber se tínhamos visto selvagens, e se o perigo ameaçou nossas vidas!

Tentamos explicar como as pessoas eram amigáveis ​​lá e que grande país era o Senegal. É estranho que no início dos anos 70, a maioria dos americanos ainda acredita que a África seja ocupada por caçadores de cabeças que cozinham os turistas nos caldeirões.

Isto foi em parte por causa de filmes racistas. Felizmente, há mais diretores como Spike Lee, que mostram os negros como eles eram. De qualquer forma, depois da primeira viagem, eu realmente queria voltar para a África para ver tudo neste continente. O meu maior desejo seria organizar uma turnê do Jackson Five por todos os países africanos.''

Michael Jackson em sua autobiografia Moonwalk

''E depois houve a África. Tínhamos lido sobre a África porque nossa tutora, Rose Fine, tinha preparado lições especiais sobre os costumes e história de cada país que nós visitávamos. Não conseguimos ver as partes mais bonitas da África, mas o oceano e a costa e as pessoas eram inacreditavelmente lindas perto da costa onde nós estávamos.

Um dia, fomos a uma reserva de caça e observamos animais selvagens andando. A música era de arregalar os olhos, também. O ritmo era fenomenal.

Quando nós saímos do avião pela primeira vez, era madrugada e havia uma longa fila de dança africana em seus trajes nativos com tambores e chocalhos. Eles estavam dançando ao redor, nos acolhendo. Realmente estavam ali. Cara, isso era alguma coisa. Que maneira perfeita de receber-nos na África. Nunca esquecerei aquilo.

E os artesãos no mercado eram incríveis. Pessoas estavam fazendo coisas enquanto nós assistíamos e vendendo outras coisas.

Lembro de um homem que fazia lindas esculturas em madeira. Ele perguntava a você o que você queria e você dizia: "O rosto de um homem" e ele pegava um pedaço do tronco de árvore, cortava-o e criava um notável rosto.

Você podia vê-lo fazer diante dos seus olhos. Eu tinha acabado de sentar ali e via pessoas se aproximando e pedindo para ele fazer alguma coisa e ele fazia tudo isso repetidas vezes.


Foi uma visita ao Senegal que nos fez perceber o quão afortunados nós éramos e como nossa herança africana tinha ajudado a nos fazer o que nós éramos. Nós visitamos um antigo e abandonado acampamento de escravos na ilha de Gorée e ficamos tão comovidos. O povo africano tinha nos dado os dons de coragem e resistência que não podíamos esperar para pagar.''

Trecho da entrevista de Michael 
publicada na Jet Magazine em 1979

''De todas suas viagens, ele [Michael] diz que suas experiências mais emotivas e tocantes vieram das viagens para Dakar, Senegal.

"Eu vou levantar a minha mão [para Deus] nesta aqui", ele se acendeu como uma lâmpada. "Eu sempre pensei que os negros, em termos artísticos, eram a raça mais talentosa na Terra. Mas quando eu fui à África, eu fiquei até mais convencido. Eles fazem coisas incríveis lá... Eles têm as batidas e o ritmo. Eu realmente vejo de onde a bateria vem. Faz você pensar que todos os negros têm ritmo... Eu não quero que os negros jamais se esqueçam que este é o lugar do qual nós viemos e de onde nossa música veio. E se nós esquecermos, isto [a história negra] realmente irá se perder. Eu quero que nos lembremos."

O filme Jackson 5 in Africa

A partir do momento em que The Jackson Five pousou em Dakar, as câmeras estavam rodando para gravar todos os seus movimentos para um documentário que foi ideia do promotor de concertos Johnny Secka, cineasta senegalês [não deve ser confundido com Johnny Secka, um ator ator senegalês].

Secka conheceu Michael e Joe Jackson na cerimônia do Oscar em 1973, e consta ter sido nesse momento que ele revelou para Joe seu desejo de levar The Jackson Five para a África.


O promotor, então com apenas 26 anos, era um promissor empresário. Ele havia se mudado para os E.U.A. para prosseguir a sua carreira, mas seu coração permaneceu na África, e ele foi inspirado a levar artistas norte-americanos para o continente africano.

Ao mesmo tempo , ele também estava trabalhando para conseguir James Brown, BT Express, os Staple Singers e Stevie Wonder para ir à África. Ele estava agindo também com a esperança de estimular as economias dos países do Oeste Africano e levar os americanos a prestar atenção a alguns dos talentos locais na África.

O trailer do filme

A turnê do The Jackson Five à África foi o primeiro grande sucesso de Secka. O documentário virou um filme chamado Jackson 5 in África





Assistindo o filme, nós aprendemos mais sobre Dakar e a moderna África Ocidental do que o próprio grupo musical. Neste sentido, Secka era realmente o estrategista brilhante e homem de negócios, não muito diferente de Berry Gordy , Jr. Ele era essencialmente um homem "E.U.A. para a África ", cerca de uma década à frente do seu tempo.

O filme estreou nas Nações Unidas em Novembro de 1974, mas não chegou a ''estourar'', conforme eles esperavam.

A parte mais interessante do filme para os fãs do The Jackson Five é, sem dúvida, o concerto filmado ao vivo. Nós os vemos cantando Hum Along and Dance, Feelin' Alright e You Need Love Like I Do [Don't You], entre cenas deles no Palácio Nacional visitando os artistas locais, e um tanto tímidos para responder às perguntas em uma coletiva de imprensa realizada na maior parte em francês.

No final do filme, o narrador Robert Hooks faz um apelo para outros artistas negros voltarem para a África.

Johnny Secka apresenta uma fotografia tirada durante a viagem
Infelizmente, Johnny Secka nunca chegou a realizar seu sonho. Ele morreu cinco anos mais tarde, aos 32 anos. No momento da sua morte, ele estava apenas dando os retoques finais em uma turnê que levaria Bob Marley e The Wailers para Gabão.

Após o falecimento de Michael, solicitaram uma autorização para que esse documentário fosse exibido, e assim aconteceu no dia 14 de Julho de 2009 no National Black Harlem Theater [New York]. Ele também foi exibido na noite de encerramento do Downtown Film Festival, festival de cinema de Los Angeles.

A versão completa do filme em 06 partes

01 02 03 04 05 06


Sobre as revistas

É provável que a melhor cobertura sobre esta viagem tenha sido feita pela revista musical britânica Blues & Soul, com a jornalista Kwame Brathwaite que, além de ser fã do The Jackson Five, teve a oportunidade de acompanhá-los em sua viagem, e esteve a bordo do voo Pan Am Flight 184


Com o promotor Johnny Secka em Dakar


A revista Rock and Soul de Julho de 1974 registrou a presença dos irmãos em uma escola, após seu retorno de Dakar. Os Jacksons compartilharam com os estudantes as experiências e emoções de sua viagem ao continente africano.


A revista Jet Magazine de Maio de 1974 também levou a aventura dos irmãos para a capa de sua revista e uma matéria especial.


Mais imagens da viagem



























Fontes:
Jet Magazine 1979

http://fr.wikipedia.org
http://www.seneweb.com
http://mjjtime.blogspot.com.br
http://j5collector.blogspot.com.br
http://onmjfootsteps.canalblog.com
A autobiografia Moonwalk de Michael Jackson
http://michaeljacksonhumanitarian.blogspot.com.br

18 comentários:

  1. Esta matéria é o meu presente de Páscoa aos leitores. Eu estou certa que vocês vão se emocionar como eu me emocionei, ao ler cada linha e embarcar nesta que foi a primeira viagem de Michael [com seus irmãos] ao continente africano. *--*

    ResponderExcluir
  2. Nossa, vc se superar a cada matéria.
    Essa foi de tirar o fôlego e do tipo que a gente precisa ler várias vezes para assimilar cada detalhe.
    Matéria linda, emocionante, rara e inédita para mim.
    Fico imaginando o tempo que você ficou ficou pesquisando, elaborando o texto, montando a matéria....
    PARABÉNS ROSANE !!!!!!!!!!!!


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia Lêda, obrigada pelo carinho, que bom que vc gostou da matéria. É verdade, ela precisa de tempo para ser lida, na verdade, são várias matérias dentro de uma só.

      Essa viagem foi muito especial no coração de Michael e a gente observa que tão pouco se fala a respeito dela. Por acaso, ontem a noite passava na TV um programa sobre a África e a preservação dos raros leões brancos, eu assisti e fiquei observando a beleza deste continente exótico. Muito lindo.

      Excluir
  3. Puxa Rosane,
    que belo presente angel!

    Adorei ler essa reportagem e me emocionei com o depoimento de Joe. A visita a casa dos escravos deve realmente ter marcado a cada um deles.
    Comecei a entender porque Michael sempre teve uma íntima ligação com a África, ele tinha 16 anos na época.
    Abençoado cineasta Senegalês que teve essa ideia e pena que morreu tão jovem.
    Eu não sabia que os Jackson five tinham se apresentado lá, foi muito bom saber. Vou assistir as 6 partes do filme.

    Obrigada Rosane!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A África sempre o recebeu muito bem, nesta e nas próximas visitas que aconteceriam. Nunca faltou calor humano e respeito, por isso Michael considerava passar a viver nesse continente junto dos seus filhos. *--*

      Excluir
  4. Rosane mais um trabalho incrivél e super completo realizado por vc. Amei essa matéria sobre a viagem pela África, continente que sempre acolheu Michael com respeito e amor.*-*
    Lindas imagens,verdadeiras preciosidades!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se vc gostou, eu fico contente, Lais! Vc já pensou se todos nós tivéssemos as condições de fazer viagens como essa, ainda tão cedo em nossas vidas? Michael era um homem com tanta cultura absorvida de todas as suas viagens a tantos países diferentes, e ele foi merecedor disso. E acho que essa passagem pela África em 1974 foi predestinada, também. Como ele disse .. ''Foi uma visita ao Senegal que nos fez perceber o quão afortunados nós éramos e como nossa herança africana tinha ajudado a nos fazer o que nós éramos.'' Tudo veio a somar em sua riqueza pessoal para desenvolver seu espírito e sua arte, pelos anos que viriam a seguir.

      Obrigada pela presença e pelo carinho.. bjs!

      Excluir
  5. Obrigada pelo presente, Ro, foi uma experiência incrível e o depoimento do Joe, muito emocionante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela presença, Marco.. \0/

      Excluir
  6. Desculpe, Ro, na verdade o comentário que saiu com o nome de Marco, meu filho, é meu. Que confusão!
    Boa noite.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkk .. vc me pegou! Bjs amiga!

      Excluir
  7. Às vezes eu me distraio kkkkk. Normal. Bjs.

    ResponderExcluir
  8. Olá Angel, bom dia!

    Pra variar ñ tenho muito tempo e ñ consegui ainda ver a matéria, vc tem razão qdo me disse q eu iria curtir, e eu já sabia q seria uma excelente matéria, como tudo q vc têm feito, e nem preciso ver inteira p/ dizer q eu ñ curti, e sim eu A M E I.

    Parabéns mais uma vez e essa terei q reservar um tempo especial p/ ver e comentar c/ calma, sou suspeita p/ falar sobre as viagens dele à África, esse assunto me interessa bastante, qdo ler a matéria na integra volto a comentar, obrigada pela dedicação e competência!

    Bjos! Bom feriado! até mais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Lady, bom dia! Então está combinado, vc vai ler a matéria - que é extensa - no momento em que for possivel e depois nós trocamos nossas ideias a respeito do conteúdo. Bjs!

      Excluir
  9. Namastê amiga!

    "A passagem de Michael Jackson e sua família foi rica em contato humano e emoção."

    Com certeza! E Michael, particularmente, vivenciava tudo com sua alma e coração. Coisas de anjo. ♥

    "Para os negros americanos, a Casa dos Escravos é um testemunho de sua negritude."

    Imagem histórica da família em frente à Casa dos Escravos e que linda a imagem da ilha de Gorée.

    Eu não sabia desses 11 milhões de africanos sendo exportados. De cortar o coração os relatos sobre isso.

    "... expressei o desejo de que "a conexão entre a África e EUA se tornasse mais forte."

    Não por acaso, em 1985, houve o projeto "USA for África"...

    "Eles queriam saber se tínhamos visto selvagens, e se o perigo ameaçou nossas vidas!"

    Aff!

    Que legal Spike Lee ser citado. E a importância da tutora Rose Fine para Michael e os irmãos.

    Eu amei e me emocionei com todos esses conteúdos amiga. Ainda não terminei de ver todos os vídeos, mas, mesmo assim, o sentimento é o mesmo de uma passagem que vai ficar para sempre na nossa memória sobre Michael e os seus familiares.

    Maravilhoso registro. Thank you angel!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Namastê, amiga Wendy! Eu acredito que as passagens de Michael pela África também foram de forte simbolismo para ele. Crescer sendo negro em um país como os E.U.A. não deve ser nada fácil, poder fazer essa viagem de regresso á terra-mãe deve ter feito um bem danado para a alma dele [e a todos os familiares].

      Tenho a certeza que Michael voltou ainda mais orgulhoso - no bom sentido - de sua origem negra e da cultura dos seus antepassados.

      Todas as passagens que vc citou me chamaram a atenção, também.

      Obrigada pela presença, angel do Mike! *--*

      Excluir
    2. ♥ Namastê! ♥

      Eu também acredito que Michael voltou ainda mais orgulhoso depois de ter feito essa viagem. Estava escrito que eles fariam essa viagem. ♥


      E realmente, amiga, não é nada fácil crescer sendo um negro nos EUA.



      Excluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

*Bem-vindos, Moonwalkers! Os comentários são moderados e estarão visíveis tão logo eu esteja on-line. [Rosane, admin. do blog]

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...