O Rei na África em 1992 (04)


Michael tem 33 anos. Ele me fala sobre a existência na Terra e reencarnação. Eu, então, lhe pergunto com quantos anos ele partiria. Visionário sem saber, ele respondeu com um sorriso: "Aos 50 anos!"

A história do encontro de Michael Jackson 
com o escritor e jornalista Gonzague Saint Bris

''Isso foi em 1992, quando Michael Jackson decidiu fazer a longa jornada para encontrar suas raízes no continente africano para descobrir suas origens, em Gabão e Costa do Marfim.

Ele pediu para ser acompanhado por um escritor e jornalista, que era eu. Quando o avião de Michael Jackson, um Boeing 707, partiu de Los Angeles e  pousou na pista do aeroporto de Libreville, um homem deu seu último suspiro... ele é o escritor negro norte-americano Alex Haley, o lendário autor desta obra-prima - que também é um best-seller - Roots.

Na avenida beira-mar, em Libreville, um enxame de adolescentes gritando invadiram nosso Cadillac cor de cacau.

Michael irradia: "Este é o meu retorno ao paraíso!" Chegou a este continente apenas uma vez, em 1974, no Senegal, com seus pais.

Michael na África em 1974

Têm milhares de crianças que estão por trás da limusine de Michael Jackson. Em pé, arqueado, com um casaco com a imagem do Mickey nas costas, ele lhes dá seu sorriso irresistível.

Agora, o carro segue a beira-mar e a multidão heterogênea faz sua aparição gloriosa com um rugido de amor. O casamento com suas raízes africanas está apenas começando.


Nunca tinha visto uma multidão tão disposta desde o advento de Nelson Mandela. Michael anda livre e gracioso nesta visita de Estado real e é levado a uma recepção no palácio presidencial de Omar Bongo, nos salões dos embaixadores.


Com o presidente Omar Bongo e o escritor Gonzague
Com Edith Bongo, a esposa do presidente
Mas antes das cerimônias oficiais, Michael exigiu seu encontro com seu mundo real e seu universo eleito, as crianças. Para eles, um encontro foi realizado no Hotel Intercontinental. Michael entra com Brett, um de seus primos.

Com Brett Barnes
Michael está impressionado com essas crianças que, para ele, apresentam a febre local e a dança étnica. Uma jovem, Fang, 13 anos, balança na frente dele e depois de sua demonstração, sopra orgulhosa em meu ouvido: "Eu o toquei."

À noite, jantamos juntos e sozinhos. Nós tivemos uma conversa sobre seus temas favoritos, o Renascimento, Michelangelo e Leonardo da Vinci.

Eu lhe contei sobre a festa dada por Leonardo ao rei da França, no Chateau du Clos Lucé, em Amboise. Esta casa oferecida pelo mestre toscano Francis vei a se tornar a casa de minha família.

"Não tem outra história de Leonardo?" Ele ainda quer discutir e ouvir.

A noite estava bem avançada, mas lisonjeado com seu pedido, eu prossigo. Conto-lhe uma sobre A Última Ceia.

No segundo dia, começamos nossa descida para Ogooué. Nós mergulhamos no mais profundo da África e visitamos uma missão cristã. As crianças trazem flores e serpentinas... "Bem vindo ao lar, Michael"

O ídolo é de extrema sensibilidade. Faz um discurso comovente.

Como guarda-costas do homem que iria para Abidjan para ser coroado rei Sanwi, um personagem me intriga particularmente. Este é o chef da lenda viva, barba negra, turbante e sari branco imaculado.

Já em Libreville, o digno hindu foi ofendido em sua profissão. Foi apresentado com placas de alumínio para servir o seu mestre vegetariano. Agora, ele me diz que elas escurecem ao cozinhar legumes.

Agora, ele é consolado. Ele finalmente encontrou potes adequados inoxidáveis para ele. Por acaso, eu aprendi que o hindu é, na verdade, um cozinheiro italiano autêntico. Atenção, as roupas não fazem o guru!

Durante a noite, Michael, que assiste a vídeos bem depois do anoitecer, pediu por desenhos animados. Nós encontramos fitas em francês, mas ele recusou.

No dia seguinte, nós mergulhamos profundamente no país profundo da província Woleu-Ntem - é o país da floresta em Fang.

Sou movido por sua escolha: uma visita a uma missão cristã a paróquia de Sainte-Thérèse d' Ango, fundada pelos Padres Brancos nos anos 20.

Nesta igreja, nesta escola, neste pequeno seminário de St. Kizito, sempre presentes as crianças com flores e bandeiras: 'Bem vindo ao lar, Michael!''




12 de Fevereiro, Michael vai do hemisfério norte, que está localizado na cidade de Oyem, ao hemisfério sul onde se junta a Franceville.

Não vamos viver a experiência milagrosa de verdadeiro regresso à casa, com a descoberta do majestoso vale Ogue, que irriga seus afluentes em todo o norte do Gabão. Estamos ambos fascinados pela beleza serena desta bacia hidrográfica, que é um grande reservatório de água.

Contei-lhe sobre o francês naturalizado italiano, Pierre Savorgnan de Brazza, nascido em Castel Gandolfo, que estava convencido que a montante do rio fazia junção com o rio Congo.

Aqui, Lambaréné Albert Schweitzer fundou a sua famosa colônia de leprosos em 1913. E Michael descobre Franceville, com suas cachoeiras e cayons. Este é o lugar onde eu vou assistir a uma cena alucinante.

Os pigmeus, que nunca deixam suas cabanas redondas, saem para ver Michael. Eles vêm dançar. Precedida por um trovão, uma chuva tropical cai como um sinal para o delírio da dança.

Michael está fascinado. Sentado em um banquinho, como um chefe tribal na selva, ele se move ao ritmo do batedor de tambor. Imerso no coração de suas raízes, o Rei do Pop vibra todas as suas células. O momento é mágico.

No café da manhã, ele me conta sobre sua paixão por Nicolas Poussin: "O que você vê não é o que é pintado, e o que é pintado, não é o que você vê .''

Antes de voar para Abidjan, ele me recebeu em sua suíte salmão no Okoume Palace. Naquela noite, segurando em sua mão direita que estava sobre uma Bíblica de capa preta, me confidenciou:

"As pessoas pensam que me conhecem, mas eu sou uma das pessoas mais solitárias no mundo. Eu tenho um esquema com o tempo que provavelmente não é fácil de entender. Eu sou uma alma antiga em um corpo jovem."

Ele tem 33 anos. Ele me fala sobre a existência na Terra e reencarnação. Eu, então, lhe pergunto com quantos anos ele partiria. Visionário sem saber, ele respondeu com um sorriso: "Aos 50 anos!"

Em um país onde os costumes são expressos através de máscaras, ele deixa a sua de lado e me conta a verdade sobre o seu rosto pálido.

"Minha maior alegria é saber que eu posso escolher o meu rosto. Uma vez feito isto, não se pode deixar de olhar no espelho e se sentir sublime."

Passamos da floresta tropical para as savanas. Búfalos, gazelas e antílopes o fascinam.

"Aqui é tão bonito que cada olhar deve ser preservado!''

Ele é seduzido pela beleza das mulheres. É no meio do coaxar dos sapos e grilos que ele me fala sobre a sua maneira de fazer música. As canções vêm a ele em seus sonhos. Como ele não conhece teoria musical, ele grava o que ouviu.

Uma manhã, em um pequeno trecho do rio, três meninas tocam tambores. Michael: "Quando a música está tocando, ela me toma, os instrumentos me levam e me controlam.''

O sonho dele é proteger a Terra. Mais tarde, ele cantou Earth Song para lutar contra o desmatamento, a poluição e a crueldade contra os animais.

Durante esses dias no coração da África, descobri um homem de palavra, totalmente feliz e livre. Um encontro maravilhoso com um homem adulto.

No Lekoni Palace Hotel, Michael Jackson não dorme. Sem dúvida, ele agora sabe que os Bakotas - uma etnia do norte do país - ... dizem que eles se metamorfoseiam - como no vídeo - em panteras! Talvez ele tenha aprendido que o papagaio cinza do Gabão com cauda vermelha é o que melhor imita o tom de sua voz.

Durante a noite, ele mudou o plano e pediu, pela primeira vez, frango com bananas fritas cortadas bem finas. Às três horas da manhã, ele acordou o chef para pedir pão de madrugada, e ele chegou com cereais matinais encomendados.

Às sete da manhã, quando eu saio na minha varanda, eu gosto da visão que tenho. Michael está lá, em sua varanda rodada, posando de perfil como uma figura de proa da África, silencioso e quieto, olhando para o amanhecer, para uma paisagem verde da estação chuvosa, banhada por uma névoa azulada.

É ele com o nariz redesenhado e sua clivagem ao queixo, imóvel como uma estátua de sal em uma bandeja Batékés. No início, eu lhe dou M'bolo de boas-vindas. Ele me responde com um Samba amável.

No culto dos ancestrais, Michael Jackson foi imbuído a contemplar a árvore Torre Eiffel, cujos ramos voltam a transplantar o chão, pois são as raízes que têm conhecido o ar.

Michael Jackson na África real, nadando em felicidade.

Confissão de um mutante do século: "Eu me sinto como um estranho na vida, com as pessoas, todos os dias... É algo que eu estou tentando superar.''

Na África e no Gabão, ele conseguiu uma fusão em todos os momentos, cruzando com mais de 40 grupos étnicos, como se seu esplêndido silêncio e gestos fraternos falassem às multidões em sua única linguagem.


Como foi tão bem escrito por Steven Spielberg: "Michael é um dos poucos inocentes no mundo.''

Eu vejo as mãos do cantor, que, em contraste com seu rosto, têm mantido os traços de sua jornada através do tempo. Suas veias estão inchadas e bastante expostas, devido ao ritmo louco da África sobre uma pele americana.

Entendo que foi dito sobre ele, certa vez, que ele era uma criança em um corpo de adulto. E agora eu começo a pensar: "Você já sofreu o suficiente, Michael. Agora, descanse a sua alma." Porque ele foi crucificado pela mídia.


Como Oscar Wilde escreveu: "Tudo o que é um símbolo fica por sua conta e risco."

Antes de nos despedirmos, ele me citou um antigo provérbio indiano: "Não julgue um homem até que você não ande por duas luas em seus mocassins", que é o que eu tentei fazer por oito dias, durante os seus passos na África, e é isso o que eu nunca vou fazer: traí-lo.

Assim, foram suas últimas palavras. Um testamento para o passado, uma recomendação para hoje e um princípio para o futuro.''


*Gonzague Saint Bris é um escritor e jornalista francês, e publicou em 2010 um livro chamado Au Paradis avec Michael Jackson [No Paraíso com Michael Jackson] onde ele fala de momentos vividos com Michael Jackson, na África e na França.





*Na imagem acima, Michael em passagem pela França em 1997.

Outras matérias sobre a viagem à África em 1992:

Fontes: 
Imagens do meu arquivo
http://archives-lepost.huffingtonpost.fr
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...