Remember The Time: Protecting Michael Jackson


''No final de setembro de 2008, as conversas preliminares de Tohme Tohme e Tom Barrack com AEG tinham dados seus frutos, resultando em um acordo sobre uma série de concertos na O2 Arena em Londres, no ano seguinte.

Pouco depois do acordo ser alcançado, Jackson deixou Las Vegas para uma estadia por tempo indeterminado no Hotel Bel Air em Los Angeles, onde ele começou a ter reuniões com vários coreógrafos e músicos que esperavam se reunir com ele para o novo concerto.

Além de obter o acordo com a AEG, Tohme Tohme continuou fazendo coisas para seu novo cliente. Inclusive com a Sony, a respeito dos 12 milhões em direitos autorais que foram retidos com as vendas de Thriller 25.

Já que Sony Music e Sony / ATV Music Publishing são duas entidades separadas, a empresa não tem direito aos recursos captados por um para cobrir os custos administrativos da outra.

Jackson instruiu Tohme para economizar cada centavo do Thriller 25 para uma coisa e apenas uma coisa: para usar como pagamento inicial da enorme propriedade em Durango, a qual ele vinha olhando desde o ano anterior. Aquela casa, seu país das maravilhas, era a recompensa que Jackson prometeu a si mesmo por fazer os concertos em Londres.

A indústria da música agora estava alvoroçada com a notícia de que Michael Jackson iria voltar a trabalhar, e todo mundo começou a se acotovelar para conseguir uma fatia. Em segundo lugar na fila atrás de AEG, estava a família Jackson.

Ao fazer uma aparição pública na Austrália, em outubro, Jermaine Jackson anunciou à imprensa local que os Jacksons, incluindo "Michael, Randy e toda a família" estavam "no estúdio e em planejamento para estar lá no próximo ano."

Isso era novo para Michael, que não estava no estúdio com seus irmãos, não estava falando com Jermaine, Randy ou qualquer outra pessoa, e não tinha intenção de se reunir de qualquer forma. O dia depois dos comentários que Jermaine deu à imprensa australiana no Halloween, Michael emitiu um comunicado dizendo que amava sua família, mas não tinha "planos de gravar ou sair em excursão com eles."

A partir desse momento, as manobras em torno do retorno de Jackson começou a ficar estranhas. Joe Jackson começou a se reunir com um promotor de concertos, Patrick Allocco do AllGood Entertainment, prometendo uma reunião da qual incluía Michael Jackson.

Apesar dos desmentidos públicos de Michael, Patrick Allocco escolheu acreditar no que Joe Jackson estava dizendo - a tentação de estar no negócio com Michael Jackson era poderosa.

Joe Jackson instruiu Allocco para se aproximar de Frank DiLeo, a quem Joe descreveu como ''o gerente de Michael."

Mas Frank DiLeo não tinha nenhuma relação comercial com Michael Jackson desde que foi demitido em 1989.

No entanto, DiLeo se reuniu com Allocco e disse ser capaz de chegar a um acordo com Michael para uma reunião de família. Em 26 de novembro, DiLeo assinou um acordo com AllGood Entertainment para que se fizesse a reunião da família Jackson.

Apesar de Michael Jackson estar interessado na ideia de uma reunião, havia pouca chance de que AllGood ou qualquer outro promotor pudesse corresponder ao que AEG estava disposta a colocar em cima da mesa.

Tohme Tohme tinha começado as negociações para os concertos em Londres, e entre eles tinha um grande adiantamento em dinheiro, uma casa em Los Angeles para Jackson e sua família vivesse lá até o concerto. Tudo em acordo com AEG.

Em 17 de novembro, o caso do Sheikh Abdullah contra o cantor foi a julgamento em Londres. Grace Rwaramba foi chamada para depor e Jackson foi chamado para depor, também. Para evitar o espetáculo público da aparição do cantor - e porque não haveria acordo para os concertos do O2 até que se resolvesse as reclamações de Abdullah - AEG interveio e pagou 5.000.000 pelo acordo, liberando Jackson do contrato [com Abdullah].

Mas igual a Sony que não impediu o refinanciamento da dívida de Jackson por simples caridade, AEG não estava ajudando Jackson pelo seu grande coração, também. As obrigações de Jackson não desapareceram. Elas simplesmente trocaram de um rico benfeitor do Oriente Médio para uma empresa dos EUA. e AEG esperava recuperar seu investimento.

Philip Anschutz, Tohme Tohme, Randy Phillips, Tom Barrack, Joe Jackson, Jermaine Jackson, Patrick Allocco, Frank DiLeo, Londell McMillan, Peter Lopez, Michael Amir Williams - a lista de jogadores competindo para ser parte do retorno de milhões de Michael Jackson estava crescendo a cada dia.

Antes que tudo estivesse terminado, o ex-assessor de Jackson e advogado de longa data - John Branca - se reuniria no pacote, também. Algumas destas pessoas apenas tinham a melhor das intenções, um desejo real de ver o cantor livre de dívidas e voltando ao topo.

Outros foram levados por diferentes motivos. Mas todos eles têm uma coisa em comum: eles agora tinham um grande interesse no retorno de Michael Jackson aos palcos no Verão de 2009, estivesse ele pronto para isso ou não.

Bill: ''Uma vez que o plano para o concerto começou a tomar forma, teve prioridade sobre tudo o mais. Agora ele estava no ''modo Rei do Pop'' em tempo integral. O que nos levaria uma vez por semana, talvez a cada duas semanas, ir para Los Angeles para uma grande quantidade de reuniões, passando ali mais tempo.

Eu voltei a receber chamadas para localizar documentos e coisas, porque eu era responsável por uma grande quantidade de informações. Todas as coisas que armazenamos em Las Vegas e Virginia, eu ainda levava isso. A partir do momento que Sr. Jackson voltou a Palms, estava perguntando por todo equipamento de filmes que tínhamos deixado na Virgínia, por isso estávamos fazendo arranjos para trazer de volta um monte de coisas.

Era como se ele estivesse tentando criar dois mundos diferentes. Ali estava a sua vida pessoal, e logo havia todo esse maquinário do concerto que ele estava preparando o concerto, e estava tentando mantê-los em separado.

A professora da escola: seu trabalho tinha terminado, então ela teria que voltar para Bahrein. Sr. Jackson estava tentando obter sua cidadania. Eu estava conversando com um advogado de imigração, que estava trabalhando em seus papéis.

Nós estávamos tentando manter uma conexão com ele, lidar com essas coisas. Mas em um nível pessoal, estava sendo empurrado cada vez mais para um lado, e estavam nos empurrando para fora dele.

Nós não sentíamos que estivesse sendo feito através dele. Nós sentíamos como se estivéssemos sendo excluídos pelos demais. Tive a impressão de que Sr. Jackson realmente não sabia o quanto eles tinham nos feito por um lado.

Ainda que eu não estivesse lá com ele o tempo todo, ele agia como se eu ainda estivesse fazendo algumas das coisas que eu fazia antes. Ele dizia para as pessoas, ''Ligue para Bill."

Voltei a receber telefonemas de advogados, pessoas da produção, empresários, alguns deles eu nunca tinha ouvido falar deles antes. Eles me chamavam e diziam, ''Ei Bill, eu acabei de falar com Michael. Ele nos disse para lhe enviar estes documentos que ele assinou."

Mas eu não estava mais cuidando dessas coisas. Isso era tudo. Era Michael Amir agora. Javon e eu ainda estávamos na mente do Sr. Jackson. Mas eu senti que não saber sobre a nossa situação era um sintoma dele não estar plenamente consciente do que estava acontecendo ao seu redor.

Quando ele me falou sobre Michael Amir, ele falou como se nós dois tivéssemos uma boa relação de trabalho, como se fôssemos parceiros e tudo corresse bem. "Oh, é só chamar Michael Amir." Ele não sabia o que estava realmente acontecendo.''

Javon: ''Michael Jackson tinha um efeito sobre as pessoas. É difícil de descrever. Uma vez que ele deixasse as pessoas entrar, você começaria a se sentir possessivo sobre ele.

Como se... ''ele é meu!'' As pessoas não faziam isso de propósito; Era esse efeito sobre eles, porque ele [Michael] era maior que a vida. Ele está chamando a eles pessoalmente, lhes dando liberdade para ditar certas coisas, e elas começam a sentir que ''bem, ele confia em mim''.

Eles vêem que ele está vulnerável e ferido. Eles vêem todas essas outras pessoas tentando usar a ele e tirar proveito dele. Então começam a pensar, ''Se eu for o único no controle, eu vou ter a certeza que tudo estará bem''.

Assim, muito em breve, eles estão começando a falar em seu nome, em vez de deixar que ele tome suas próprias decisões. Eles sabem que se o fizerem, eles não vão receber uma série de críticas, porque eles sabem que Sr. Jackson não questiona as coisas.

Eles começam a se sentir como eles tivessem o controle, mas para manter o controle, o que eles fazem é manipular todas as pessoas que estão tentando se aproximar do Sr. Jackson. Então começam a espalhar mentiras sobre essa pessoa ou dizer que Sr. Jackson não confia nessa pessoa.

Em seguida, começam a mentir para Sr. Jackson, também. Eles estão dizendo, "Sim, senhor. Não tem problema, senhor." e ao mesmo tempo, ao dar as costas fazem outra coisa, porque elas sentem que é o melhor. Elas estão convencidas de que elas estão mentindo para ele para seu próprio benefício.

Isso é o que todos ao seu redor faziam, diante dos meus olhos. Isso é o que Feldman fez. Isso é o que Raymone. Greg Cruz e Michael Amir fizeram. Todos. Se Michael Jackson deixasse você entrar em seu círculo, você o faria, também.''

Bill: ''Ele tinha esse efeito sobre as pessoas, fazer com que elas se sentissem especiais e certamente também o sentimos, a forma como nos fazia sentir que trabalhar para ele era mais do que apenas um trabalho. Nos sentíamos protetores sobre ele dessa maneira, mas não sucumbimos a brigas mesquinhas, como todos os outros. Javon e vimos o que estava acontecendo e decidimos ficar de lado.

Não necessariamente essas outras eram más pessoas. Havia apenas uma força que ditava uma grande quantidade dessa loucura. Energia ruim. Rodeava Sr. Jackson. Raymone e Michael Amir? Eu estava bem com os dois quando nos conhecemos. Em outras circunstâncias, eu não sei se eu teria tido problemas com eles.

Mas do jeito que eles eram em torno do Sr. Jackson, ninguém confia em ninguém, muito dinheiro e poder em jogo, eles são sugados nesse drama.

As pessoas veem o que aconteceu com Sr. Jackson e querem culpar alguém. "Foi o Dr. Murray" ... "Foi Tohme Tohme". "Foi a sua família." Não. Não foi isso. Não foi somente uma pessoa. Foi tudo.

Extraído do livro Remember The Time: Protecting Michael Jackson in His Finals Days escrito por Bill Whitfield e Javon Beard - ex-guarda-costas de Michael Jackson.

Fonte: http://mjhideout.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...