Exposição sobre Michael Jackson


Uma série de exposições no MoAD - Museu da Diáspora Africana - olha para Michael Jackson através da lente do "colonialismo mental", e na construção da narrativa na África. Para isso chega Todd Gray - o primeiro fotógrafo oficial de Michael Jackson - analisando o Rei do Pop a partir de uma perspectiva totalmente original: a idéia de que Michael Jackson viveu sua vida sob a sombra do "colonialismo mental'' das pessoas.

Gray argumenta que a história de Michael estava ligada à longa história do colonialismo físico que - como o outro colonialismo - deixou um legado que continua a estrangular milhões de pessoas ao redor do mundo.
"O colonialismo mental é o que eu realmente queria trazer à luz, porque eu percebi que Michael não estava se afastando de sua negritude. Ele - como eu e muitos outros na cultura minoritária - tem pressões culturais que induzem complexos de inferioridade. E as pressões culturais, basicamente, criam uma equação que diz que a cultura dominante é superior e que você, como uma cultura minoritária, é inferior. Isso tem sido usado no colonialismo ocidental por centenas e centenas de anos e eu não estava ciente do meu próprio colonialismo mental até que eu comecei a pesquisar Michael e erroneamente pensando que ele estava se afastando de sua negritude e abraçando a brancura ou a cultura maioritária. Então eu percebi que ele estava realmente fisicamente - por seu trabalho no nariz e coisas dessa natureza - tentando se tornar mais bonito. Mas quem está definindo a beleza? A cultura da maioria está definindo a beleza. E em minha pesquisa, eu percebi que é assim que a cultura dominante mantém seu domínio."

Ainda assim, a arte de Gray não é demagógica. De fato, em nenhuma parte da exposição do MoAD se encontrarão as palavras "colonialismo mental". O próprio Jackson raramente faz uma aparição completa no MoAD. Em vez disso, Gray minimiza a imagem de Jackson, colocando outras imagens sobre o rosto de Jackson em algumas peças de arte, e apenas insinuando Jackson em outros. 

Um exemplo: Gray apresenta um membro da gangue de Jackson na filmagem do vídeo Beat It de1983. Para o vídeo, Jackson insistiu em usar os membros reais das gangues Crips e Bloods de Los Angeles. Gray tirou de seu arquivo uma imagem de um membro da gangue piscando um sinal de paz de dois dedos.


Mas não vemos o rosto do membro da gangue. Em vez disso, Gray o enquadrou com uma imagem circular do espaço tomada pelo Telescópio Hubble. E dentro dessa moldura está uma imagem de um jovem negro de pé em um barco em um corpo de água que está cercado por grandes samambaias - provavelmente do tempo de Gray em Gana, onde ele teve um estúdio fotográfico por muitos anos.


"Eu estava pensando sobre Rembrandt, e como Rembrandt pintou o plebeu", diz Gray por telefone da África do Sul, onde ele está fazendo um novo projeto de fotografia. "Ele foi um dos primeiros pintores que pintou pessoas comuns e não apenas a elite ou a aristocracia. Pensei: "Quem é o mais desprezado em nossa cultura?" E para nós, é o membro da gangue. Essa é a posição mais baixa no pólo social."

Gray continua:
 "Eu queria reconhecer a humanidade do membro da gangue. Eu queria realmente fazer uma bela imagem daquela pessoa e usar o Cosmos de uma forma que fala sobre chance. Somos todos um acúmulo de poeira das estrelas. Todos nós viemos do Cosmos. No entanto, por causa da forma como a sociedade está estruturada, com poder e opressão sistêmica, você tem essa cultura de gangues ... que é o produto da cultura capitalista. Eu queria fazer uma homenagem a isso. E algo que traz luz - não apenas escuridão. E os membros da gangue foram extras no vídeo Beat It. Eu os extraí do meu arquivo sobre Jackson."
A exposição Todd Gray: My Life In the Bush With MJ and Iggy segue até o dia 27 de Agosto no Museu da Diáspora Africana (MoAD).
Saiba mais clicando aqui

Fonte: http://www.sfweekly.com

Nenhum comentário

Postar um comentário

*Bem-vindos, Moonwalkers! :)
Os comentários são moderados [a fim de evitar spams]
e estarão visíveis tão logo eu esteja on-line.
Esta página é feita com amor e eu agradeço a sua presença.
*Rosane [admin. do blog]

Obs.: Para assuntos não referentes à matéria eu peço que utilize o email [cartasparamichael@gmail.com] ・。.。・゚゚・。.。・゚゚・。❊

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...