''As Crônicas de Michael Jackson''


''O fato é que "especialistas" irritantes gostariam de parar esse ritmo de celebrações sobre Jackson. Sua hostilidade monótona é semelhante ao racismo enraizado em muitas instituições sociais e profissionais.''

''Depois de Thriller, a grande mídia tentou destronar Michael Jackson de sua posição no mundo do entretenimento, a qual ela mesma ajudou a construir - um processo circular para satisfazer sua sede de sangue e ressentimento político animalesco. Foi uma luta pelo poder.

Esta luta pelo poder continua após a morte de Jackson em 25 de junho de 2009. Os velhos argumentos sobre a importância de Jackson foram reabertos como se com reconhecimento ou não, no final isso significasse respeito e apreço.

A carreira de Jackson foi uma performance de sucção contínua. Como observou o Rev. Al Sharpton em 07 de julho no Memorial: "Michael nunca parou!"

Sim, ele prosseguiu. A importância de MJ no show business não foi o cenário habitual, ele abordou questões de raça, gênero, sexo, justiça, espiritualidade e estética. Bravamente ele se estableceu como uma figura cultural imponente, mas também como uma referência importante - para a mudança cultural global.

É por isso que jornalistas - como cães de caça em busca de pistas - foram parados pela demonstração evidente de carinho e tristeza do público. As humilhações de um ícone e um homem negro para o trabalho de mídia já não era aceitável.

A arte de Jackson tem um profundo e agitado afeto. Mesmo P. Diddy disse a um repórter da CNN: "Nós não vamos deixar o resto de vocês fazer isso." Não só os negros norte-americanos, mas as pessoas ao redor do mundo sentiram a mesma coisa - um sentimento de proteção e amor [por Michael].

A carreira crucial de MJ nos mostra como artistas afro-americanos tem que lutar contra a falta de respeito e perseverança tanto no trabalho criativo quanto na vida cotidiana. A maioria desses artigos foram escritos durante o período em que escrever sobre negros se tornou um tema favorito da grande imprensa, em um contraste elegante com a candura irreprimível entre os artistas da era da popular black music - um dos momentos de maior expressão dos negros a partir do período dos direitos civis.

Neste período, o crescimento expressivo de MJ é louvável pela forma como ele respondeu à cultura e à política com seu senso crítico. Sua voz única foi uma ferramenta poderosa a transmitir qualquer emoção, o que o presidente dos Estados Unidos [Barack Obama] tem diminuído [ao se referir a ele] como um entertainer.''

- O Renascimento do Século 21 -

''O renascimento de Michael Jackson [causado por sua passagem em Junho aos 50 anos] é um dos eventos da cultura pop que nos fez refletir mais sobre o último quarto de século. Durante todo o verão, um pouco por todo lugar, a música de Jackson soava por rádio, sistemas de som e o ouvido de qualquer indivíduo. [...]

No entanto, os detratores persistem: depois de uma pausa temporária no seu cinismo, em resposta ao sofrimento público e um maior interesse na música de MJ, abutres da mídia estão retornando com desinformação [lixo] e calúnia. Mas a afeição das pessoas por Jackson permanece; apesar da mídia, está em evidência ma boa vontade democrática em movimento.

O 'súbito' interesse nas canções de Jackson nasceu de uma necessidade pessoal profunda: as pessoas querem lembrar os bons tempos - a partir da energia do Jackson Five, com músicas como I Want You Back, ABC, The Love You Save, I'll Be There e o fenomenal e inovador Thriller - o apelo instintivo de pop-art é mais forte do que mera nostalgia.

Uma vez que os períodos da carreira musical de Michael Jackson acompanharam vários eventos na história do mundo e, sobretudo, as memórias pessoais, o ouvinte pode associar uma música em particular a aniversários, discotecas, casamentos, casos de amor, corações partidos, concertos, programas de TV, etc.

Mais uma vez, tocar essas músicas depois da notícia da passagem de MJ não tem nada a ver com a nostalgia de folhear um álbum de memórias, mas é sobre "dançar o blues" com a música criada, na paixão consagrada e emoções profundas de um artista sensível, portador de uma nova linguagem universal. Esta forma de arte popular se conecta às necessidades mais sinceras e comuns do ouvinte, incluindo a alegria e sensibilidade, para ouvir a sua vida importante.

Em resposta à excepcional afluência na internet após a passagem de MJ, o New York Times disse:
"[AOL] chamou isso de 'um momento revolucionário na história da Internet. Nós nunca experimentamos nada dessa magnitude e profundidade. A notícia sobre a estrela provocou uma manifestação global com esse tipo de comportamento por parte dos consumidores, historicamente diferentes, na busca de partilha de informação e resposta, seguido de tributos on-line, que se tornou a maneira moderna de participar da dor.''
Será que os "inimigos" estão revoltados com a bondade da obra de MJ? É a alegria de ABC, Rock With You e, sim, a perturbadora Bad? Ou é a complexidade em músicas como Beat It, Bad, Black or White, Scream, Stranger in Moscow e You Are Not Alone

MJ é descrito, cantado e representado nas dificuldades da vida através da dança, e ele o fez com graça e entusiasmo. Os meios de comunicação com seus comentários, no entanto, têm a certeza que as questões mais importantes foram negligenciadas e têm abordado as questões de sua posição limitada e presunçosa. 

Al Sharpton lembrou aos filhos de MJ: "Não havia nada de estranho com seu pai. Estranhas foram as coisas com as quais ele teve que lidar. Mas ele enfrentou.''

O fato é que "especialistas" irritantes gostaria de parar esse ritmo de celebrações sobre Jackson. Sua hostilidade monótona é semelhante ao racismo enraizado em muitas instituições sociais e profissionais. Quando o atual presidente dos Estados Unidos relutantemente admitiu que tinha "todas essas coisas em seu iPod," pareceu desrespeitoso ou apenas mais uma submissão à vontade da elite da mídia.

No entanto, a elite da mídia foi firmemente repreendida pela congressista [do Texas] Sheila Jackson Lee em seu elogio para os encargos sobre a vida privada do MJ.

Eles ignoram a arte de Jackson - e sua absolvição - como se eles quisessem difamar outro negro criminoso e trazer qualquer tipo de descrédito em defesa. Esses "inimigos" da música em sua falta de vergonha revelam a sua desumanidade. 

Apenas quando Jackson foi perseguido na década de oitenta, ficou também evidente que a sua confusão resultou da irreverência de costume, mostrando a cultura mainstream para a criatividade e o intelecto de artistas negros. Isso também levou Jackson para fazer ouvir a sua voz. 

Para os detratores, é fácil ignorar que as canções de MJ, agora enchendo as ruas, centros comerciais e discotecas, têm o significado de um plebiscito vitorioso. Aqueles que amam a música reproduzem o trabalho de MJ, que responde ao que de melhor tem para oferecer.''

*Trechos selecionados do livro KEEP MOVING - The Michael Jackson Chronicles do crítico e escritor Armond White.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...