Entrevista com o produtor musical Matt Forger

Matt e Michael no estúdio de Havenhurst em 1987
O produtor musical Matt Forger se uniu a Michael Jackson em vários projetos como Thriller, Victory Tour, Captain Eo e todos os projetos de Michael Jackson, até Thriller the 25th Anniversary Edition. Nessa matéria, Matt concedeu uma entrevista ao MJ Data Bank em 2007. (Trechos selecionados)

MJ DB: Como e quando você conheceu Michael Jackson? Qual foi o primeiro projeto relacionado a Michael Jackson no qual você trabalhou?

Matt: Conheci Michael quando a gravação do álbum Thriller começou. Eu estava trabalhando com Quincy Jones, Bruce Swedien e Rod Temperton em alguns projetos de álbuns e este era o próximo projeto dentro do cronograma de Quincy.

MJ DB: Você testemunhou como o álbum foi criado? E sobre as músicas selecionadas: na sua opinião, que tipo de material poderia entrar no álbum? Qual foi a abordagem global de Quincy, Bruce e Michael que os levaram a selecionar algumas músicas, em vez de outras?

Matt: A seleção de músicas foi uma evolução. Tudo começou com Quincy e Rod Temperton revendo inúmeras fitas e finalizações. Quincy procurava cobrir os vários lados do talento de Michael e queria ter certeza de que sua versatilidade seria exibida.

A única coisa que foi de suma importância foi a força das canções. Somente o melhor entraria no álbum. Depois de tudo, todo o processo de gravação de um disco é dependente da resistência do material. Se você não tem as melhores músicas, você não tem a base para construir uma grande produção, daí por diante. Nós todos tínhamos consciência disso.


MJ DB: Sobre a primeira finalização das gravações. Quincy Jones disse que foi terrível. Qual é o seu comentário sobre essa primeira versão que permanece inédita?

Nota deste blog: Devido à cobrança da gravadora de se cumprir os curtos prazos, MJ e a equipe trabalharam sob pressão e Michael não gostou do resultado final. Na verdade, ele caiu em choro, dentro do estúdio, desolado. Perfeccionista, decidiu enfrentar a gravadora e lhes mandou um recado do tipo: ''Vocês que esperem. Vamos refazer todo o processo de mixagem.''

Matt: Foi o fato de que o potencial do projeto não foi totalmente realizado. Todos nós sabíamos que as músicas eram grandes. Mas a pressão do prazo e a falta de tempo para concluir, colocaram enorme pressão sobre o processo.

Quando você está cansado pelas longas horas de trabalho pode não estar 100% em condições, e isso era necessário. Então, fizemos uma pausa no fim de semana e retomamos a mixagem na semana seguinte.

MJ DB: Como você descreveria o som de Thriller?

Matt: O som do álbum Thriller é uma riqueza em camadas, textura e profundidade. Tem clareza e presença, e está cheio de calor e emoção.


MJ DB: Como é trabalhar com Michael Jackson, em comparação com outros artistas? Quais são as suas orientações, como é que a química funciona quando ele quer alguma coisa e sobre trabalhar com você no estúdio?

Matt: Trabalhar com Michael é sempre um prazer e um desafio. Ele é perfeccionista e exige o melhor. Mas você não esperaria nada menos dele. Seu padrão de profissionalismo sempre foi do mais alto nível. Michael sempre procura os mais novos e interessantes sons e qualidades de gravação, e ainda assim sempre tem paciência e compreende o demorado processo de explorar o desenvolvimento de novos sons.

Eu tive a oportunidade de trabalhar com Michael em uma variedade de situações e trabalhamos duro para encontrar ou desenvolver novas tecnologias para atender as idéias criativas que pretende exercer. A regra do estúdio sempre foi a de permitir que a tecnologia siga a direção criativa da música.

Depois de ter tanta experiência de trabalhar com ele, torna-se uma segunda natureza seguir intuitivamente para onde a música leva, ou seguir as ideias de Michael, para onde a música o leva.

MJ DB: Você se lembra de algum momento difícil durante as sessões de Thriller... qualquer música que tenha sido particularmente difícil ou qualquer outra coisa?

Matt: Sim, Beat It foi particularmente complicada. Era uma canção que constantemente desafiava toda a equipe. Michael queria um som enérgico para coincidir com a emoção da pista, então todo mundo estava constantemente sendo empurrado ao seu limite.

O equipamento de estúdio pareceu sentir a luta e lutava do seu próprio jeito. Ao mesmo tempo, durante a reprodução da música, os alto-falantes literalmente pegaram fogo e a fumaça invadiu a sala.

É como se o estúdio estivesse lutando por conta própria, mas nós prevalecemos e Beat It tomou forma e o resultado fala por si próprio.


MJ DB: Sobre o E.T. Storybook: Eu considero esta é uma das gravações mais fascinantes já feitas por Michael Jackson: o quão difícil foi adaptar o filme e transformá-lo para um LP de 30 minutos?

Matt: A ideia parece simples, mas para a execução, foi necessário o desenvolvimento de novas abordagens para o processo de estúdio, a fim de acomodar as forças criativas no trabalho. 

Para ter Quincy, Steven Spielberg e Michael, todos trabalhando na narração da história da forma mais eficaz, significava que tínhamos de ser capaz de mudar de direção a qualquer momento.

Era como tentar conduzir um touro através de uma loja de porcelana - não por causa das personalidades envolvidas, todos estavam absolutamente em sintonia com o trabalho, mas o desafio de fazer a história a estrela da gravação.

MJ DB: Você acha que se envolver no projeto E.T. Storybook deixou a equipe menos focada em Thriller?

Matt: De certa forma sim, o trabalho em Thriller nos levou um bocado de tempo, mas também nos fez perceber que estávamos envolvidos com a história, em grande estilo.

MJ DB: Eu acho que ET tinha essa abordagem visual que a canção Thriller também tem. Acontece de você ser a pessoa que trabalhou em muitas trilhas sonoras utilizadas por Michael Jackson durante suas turnês, apresentações ou filmes (Kreeton Overture na Victory Tour, Captain Eo, montagens especiais e conceitos para performances como Superbowl 93): como é trabalhar com esse tipo de abordagem visual? Quais são os elementos que você traz para obter esse aproximação visual para a música?

Matt: Quando você está trabalhando em uma música que tem um componente visual tão forte, isto amplifica o aspecto da narração de histórias, de uma parte da música. Tem que fazer sentido a partir de várias perspectivas, então você pode considerá-lo a partir de mais de um ângulo.

Como é a história sendo contada visualmente e como é a história que está sendo contada a partir da música ou aspecto lírico. Trabalhar com Spielberg foi uma inspiração sobre os aspectos da narração de histórias, a partir de vários ângulos. 

A história, contada pela narração, a música a partir do ponto da nota, a natureza do visual como um reflexo do filme e a viagem emocional que surge, a partir dos elementos combinados. Você realmente sente a emoção da história.

MJ DB: Qual é a diferença entre trabalhar em um projeto de estúdio e um ao vivo ou encenado um?

Matt: Quando você está em um palco, se apresentando ao vivo... nada pode ser tão grande (como isso). As dinâmicas são enormes, som, iluminação, adereços e efeitos especiais, tudo contribui para a experiência. 

Enquanto no estúdio, você está trabalhando apenas com a música e as letras, mas tentando alcançar os mesmos resultados. Tudo deve caber em um pacote menor, então o desafio é maior e a manipulação é muito mais delicada no estúdio. Você tem que controlar cuidadosamente o fluxo emocional de energia.

MJ DB: Como você vê o álbum Thriller hoje?

Matt: Simples, grandes canções, grandes performances, grande produção.

MJ DB: Você trabalhou nos bastidores de Thriller 2001 Special Edition. Algumas faixas bônus originais foram retirados da lista final e substituídas por entrevistas. Você sabe porquê?

Matt: Na verdade não... enquanto elas são interessantes para ouvir e oferecer uma visão do processo, eles não resistem à escuta repetida, como uma boa música faz.

MJ DB: Qual foi a sua participação nos bastidores de Special Edition e no Ultimate Collection, lançado em 2004?

Matt: Eu trabalhei pesquisando as músicas que os produtores sentiram que iriam refletir a natureza de cada projeto. Em cada caso, foi um objectivo diferente. 

Nos bastidores do Special Edition nós buscamos por músicas que preenchessem o processo do que estava acontecendo por trás, para um álbum particular. Um pouco de conhecimento de como um álbum vem junto.

No Ultimate Collection havia um desejo de mostrar a evolução da carreira e como as músicas mudaram com os tempos e Michael cresceu como artista e como compositor.

MJ DB: Suas considerações finais sobre Thriller...

Matt: Thriller foi lançado em uma época em que a indústria da música estava em baixa, não muito diferente dos tempos em que estamos agora. A qualidade do álbum inspirou muitas pessoas, na indústria da música e nas pessoas também.

A energia e a emoção das performances de Michael eram surpreendentes. As pessoas se renovaram sua fé de que a música pode atingir bons resultados.

Isso foi comprovado pelos projetos que se seguiram - We Are The World, como um exemplo. Havia um tom de otimismo no mundo e as pessoas se sentiam bem sobre si mesmas e sobre o mundo ao seu redor. 

Foi a música que conseguiu isso. Ela é um poderoso meio. Somente agora podemos encontrar a mesma energia, a mesma emoção, o mesmo desejo de tornar o mundo um lugar melhor. 

Como Michael pede em Man In The Mirror, você tem que olhar e mudar a si mesmo, se você quiser ver uma mudança no mundo. Como isso é verdade!

* 2007 Richard Lecocq / MJ Data Bank.

Fonte: http://mjdatabank.com

2 comentários:

  1. Hoje amanheci sentindo uma saudade tao grande... chega a ser palpavel e, esta dificil superar. Eh sempre assim, ha momentos em que parece que nada faz com que passe essa falta que sinto, talvez seja o significativo mes de agosto, sei la, o fato eh que esta doendo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os meses de junho e agosto nos deixam mais sensiveis e vulneráveis a tanta saudade. O que me consola é ter a certeza de que seu espírito está muito bem amparado espiritualmente, porque Michael sempre foi um homem de Deus.

      Excluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

*Bem-vindos, Moonwalkers! Este é um espaço de amor à memória de Michael Jackson. Os comentários são moderados e estarão visíveis tão logo eu esteja on-line. [Rosane, admin. do blog]

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...