Remember The Time: Protecting Michael Jackson


''Enquanto se falava de um possível retorno de Michael Jackson, 19 de março seria o limite para salvar Neverland da execução da hipoteca, todavia ainda pairava no horizonte.

Poucos dias antes do ponto final, o advogado de Jackson - Londell McMillan - fez uma declaração para a Associated Press, afirmando que "um acordo secreto" tinha sido firmado a fim de evitar que a propriedade fosse leiloada.

Na verdade, essa "coisa" era apenas mais uma extensão, dando a Jackson um adicional de dois meses para encontrar um investidor disposto a pagar sua fiança.

Em seguida, em abril, através do seu irmão Jermaine, Michael conheceu um homem chamado Tohme Tohme, um forte empresário de origem libanesa, com um sotaque um tanto misterioso.

Tohme se referia a si mesmo como "Dr. Tohme Tohme", porém, você pode ver que ele não era um médico de qualquer espécie. Tohme era um intermediário, um facilitador. Um especialista no uso de sua rede para mediar as ofertas do setor imobiliário e de entretenimento.

Após o encontro com Michael e saber o destino iminente de Neverland, Tohme tomou essa rede para se conectar ao cantor com o bilionário proprietário Tom Barrack e diretor geral da empresa de capital privado Colony Capital.

Barack se encontrou com Michael Jackson em Las Vegas e mais tarde, concordou em conceder a Jackson um empréstimo de 23 milhões dólares em troca de uma participação de 50 por cento na propriedade. 

Devidamente restaurado, Barack acreditava, Neverland poderia facilmente valer 60 milhões dólares ou mais. Colony cobriria o custo da reabilitação do imóvel e depois a venderiam juntos, após cada um embolsar uma parte dos lucros. Para Tohme Tohme caberia uma comissão de intermediário, e pronto seria muito mais.

A velocidade com que o acordo de Neverland foi fechado, tinha convencido a Jackson de que Barack e Tohme eram o tipo de pessoas que deveriam estar com ele no negócio. Naquele verão, ele contratou Thome para suceder a Raymone Bain, mal sucedida como sua gerente. 

Depois de ver o estado dos assuntos financeiros de Jackson, Tohme começou a pressionar agressivamente seu novo cliente para voltar ao palco. Tom Barrack também viu o potencial para um retorno de Michael Jackson; ele sabia que a recuperação da imagem pública do cantor faria pelo valor de revenda de Neverland.

Colony Capital, entre os seus muitos interesses, era proprietária do Las Vegas Hilton, onde Elvis Presley fez seu retorno histórico em 1969, Barack abordou a ideia de que Jackson se apresentasse lá. mas Jackson ainda resistiu à ideia de um show em Las Vegas.

Em continuação, Barack faz uma chamada para o seu amigo e colega bilionário Philip Anschutz, dono da Anschutz Entertainment Group, com a ideia de colocar Jackson e AEG juntos para um show na O2 Arena, em Londres, sem saber que AEG já estava pensando em seguir a mesma linha. 

O promotor estava muito interessado em entrar no negócio de Michael Jackson e tinha estado desde que Raymone Bain estabeleceu o primeiro encontro entre Jackson e AEG Live e Randy Phillips no ano anterior.

Jackson tinha sido profundamente ambivalente sobre o acordo que AEG estava propondo. Desde então, as circunstâncias mudaram.''

Bill: ''Uma vez que eu entreguei as coisas para Michael Amir, começamos a ser menos consciente do que estava acontecendo com a parte comercial. Eu não queria saber. Quem era o seu novo gerente? Nós não nos importava. Quem era o seu novo advogado? Nós não nos importava. Não tinha nada a ver comigo.

Eu tive um par de relações com esta nova pessoa Tohme Tohme. Seu escritório tentou que eu e Javon assinássemos um acordo de não divulgação. Agora, este tipo Tohme Tohme estava tentando que aceitássemos, dizendo que não poderia conseguir nossos pagamentos até que nós o fizéssemos. 

Eles estavam usando nossos salários como alavanca novamente. Eu não assinei. Tomei isso como um sinal de desrespeito. Eu sabia que não era nada do Sr. Jackson; ele nunca havia pretendido isso de mim. Eu senti que eu tinha ganhado sua confiança, do jeito que eu fiz o meu trabalho. 

Então agora você está me pedindo para fazer isso, eu vi isso como um sinal do que estava acontecendo na organização: todas estas novas pessoas manobrando pelo controle, inseridos entre o Sr. Jackson e eu.

Depois disso, eu não tratei diretamente com as pessoas do Tohme Tohme. Eu deixei que tudo passasse por Michael Amir. Mas eu ainda recolhia os pedaços do que estava acontecendo.

Em junho, Sr. Jackson teve uma reunião no Hilton em Las Vegas com o proprietário, Tom Cuartel. Eles jantaram no restaurante japonês lá, Benihana.

Barack estava lá para falar com ele sobre seus planos para salvar Neverland, em que ele poderia ser uma cabeça possível no Hilton.

Todas essas conversas em Las Vegas vinham acontecendo há mais de um ano, mas neste verão, e não ouvi nada sobre o show em Las Vegas, mas talvez uma turnê, um show no exterior. Londres, talvez. 

Mas então, eu soube de muitas coisas diferentes, concertos, apresentações, o que seja, e nada disso que se havia falado, jamais se levou a cabo, por isso não acreditamos muito nele.''

Javon: ''Não senti que ele quisesse. Eu não senti que ele, em alguma vez, quisesse voltar ao palco. quando ele estava conosco, não lhe parecia que estava perdendo nada em absoluto. Ele estava mais animado em começar um novo capítulo em sua vida, de estar perto de seus filhos todos os dias. 

Não saltar para realizar um show, e lhe fizeram algumas ofertas muito boas para realizar lá. Se falava de música ou de dança, era puramente do lado criativo. Sempre que a conversa se voltava para o lado do negócio ou parte comercial, não havia nenhuma alegria, nenhum entusiasmo.''

Bill: ''Mas de vez em quando, você conseguia ver o outro lado dele, como quando estávamos na sessão de fotos da Ebony em Brooklyn. Sempre o chamei de O Rei do Pop. Havia dois lados dele. Um era Michael Jackson, o pai de família, e ali estava o Rei do Pop

Michael Jackson queria sua privacidade. Ele estava desesperado por uma vida normal mas, ao mesmo tempo, se você tem sido o maior em outra coisa, eu acho que é difícil deixar que isso se acalme.

Ele dizia, ''Eu quero que todos me deixem em paz''. Mas então, quando nós o levávamos para fora e ele era cercado pelos fãs e via de novo todo o amor? Oh, sim. Ele gostava disso. Ele estava acontecendo. 

Quando vinha o estilista e cabelo, maquiagem e tinha sua nova equipe com Roberto Cavalli? Quando nós comemos no Wynn e ele atravessou os cassinos e as pessoas estavam gritando seu nome dizendo "Nós te amamos"? Era novamente o Rei do Pop. Ele se elevava.''

Extraído do livro Remember The Time: Protecting Michael Jackson in His Finals Days escrito por Bill Whitfield e Javon Beard - ex-guarda-costas de Michael Jackson.

Fonte: http://mjhideout.com

11 comentários:

  1. Oi angel, tá difícil p/ dar continuidade aos meus coments, sufoco...
    por isso não respondi a post. anterior, sobre o filme Ray, é isso mesmo, eu queria fazer um paralelo entre as histórias, mas não estou conseguindo concluir o raciocínio ok. E essa história aqui, a cada capítulo tá ficando mais pesada, não é? :(
    Meu Deus, tenho medo até de pensar o que realmente está por trás dessa história toda!!! Infelizmente não dá p/ continuar, então até a próxima. Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Esse Tohme Tohme é outra assombração que apareceu na vida de Michael.

    Sanguessuga de primeira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ...e se intitulava ''Doutor'' que coisa :(

      Excluir
    2. E ele esteve naquele helicóptero, no hospital no dia fatídico.

      Tudo muito estranho.

      :(

      Excluir
    3. Pode explicar melhor essa parte, amiga? ;)

      Excluir
    4. O Thome Thome, além de ter quinze minutos de fama no hospital UCLA no dia da passagem de Michael,estava também no helicóptero acompanhando os procedimentos do encaminhamento do corpo para a autópsia.

      Ao invés de ser um membro da família - o pai, algum irmão -, foi ele - "dr" Thome - quem apareceu acompanhando a saída do corpo do hospital. Tem vídeo no YT que confirma isso.

      Um absurdo, sendo que nem membro da família e e nem amigo de longa data, algo assim, ele era para ter tanto acesso em uma situação dessas.

      Excluir
    5. Estava ali de metido, então? Mas alguém deve ter pedido para ele ir... ou foi ideia dele? Que homem sinistro.

      Excluir
    6. ...mas devia ter alguma intenção [$$] por trás disso.

      Excluir
  3. Dr.. Para se aproximar d Michael, valia qualquer coisa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Michael é que era Dr. com titulo oficial e ninguém se lembra disso.

      'Poucas pessoas se lembram que ele era o Dr. Jackson'
      (Jennifer Viegas - repórter da Discovery News)


      http://cartasparamichael.blogspot.com.br/2012/04/homenagem-da-fisk-university-01.html

      Excluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

*Bem-vindos, Moonwalkers! Os comentários são moderados e estarão visíveis tão logo eu esteja on-line. [Rosane, admin. do blog]

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...