Entrevista com Sandrine Orabona


''Por Trás das Câmeras com Sandrine Orabona'' 
[Huffington Post, Outubro 2009]

''Claramente, This Is It de Michael Jackson tem vida própria. Eu assisti ao filme às 10h30 e me surpreendi. Eu estava esperando que o cinema estivesse vazio ainda tão cedo. Estava lotado. Eu também esperava que a plateia começasse a dançar nos corredores. Não foi o caso.

Minhas expectativas estavam totalmente furadas. Alguns minutos depois do início deste inacreditável filme, lágrimas derramaram dos meus olhos e começaram a se espalhar pelo meu rosto. Eu deixei o saco de pipocas já pela metade de lado e meus guardanapos se transformaram em lenços.

Eu sei que não estou sozinho quando digo que Michael Jackson esteve ausente da minha vida... uma vida da qual ele fez parte há muitos anos atrás. No documentário This Is It, ele está de volta! Wow!! 

Da primeira música do filme - Wanna Be Startin' Something - o talento, emoção e amor de Michael Jackson te atingem, não importa qual seja sua idade. Então, vem o turbilhão de emoções acompanhadas pelo curso da música... passado, presente e o fato de você o assistir pela última vez.

Guardanapos se transformam em lenços novamente. Enquanto eu tirava as lágrimas do meu rosto, chocado e envergonhado, eu levantei minha cabeça para dar uma olhada no restante no plateia. Parecia que todos estavam tendo uma experiência parecida com a minha. Ninguém pode evitar de assistir este filme com choque e admiração. É quase como se nós tivéssemos sidos destinados a ter esta obra final de Michael Jackson.

This Is It é agora o documentário de maior bilheteria na história. Atrás das câmeras, capturando esses momentos reveladores, especiais e finais com Michael Jackson estava a cinegrafista Sandrine Orabona. Ela é uma pequena documentarista em comparação à escala épica que o filme representa agora em todos os níveis.

Enquanto o mundo divide estes momentos com Michael neste extraordinário documentário, se pode apenas imaginar o que deve ter sido estar há apenas dois metros de distância do Mágico em ação! Por favor, nos conte Sandrine.

Trey Borzillien: Eu acabei de assistir This Is It.

Sandrine Orabona: E o que você achou?

TB: Eu fiquei maravilhado. Achei que só iria assistir a negócios. Então o filme me pegou e eu fiquei um desastre.

SO: Um desastre tipo, chorando?

TB: Eu comecei a chorar e chorar e chorar.

SO: Você sabe quantas pessoas já disseram isso para mim?

TB: Tipo na primeira música...

SO: Wanna Be Startin' Something.

TB: Sim, sim, quero dizer, eu não estava esperando nada naquilo. Eu acho que foi uma combinação da vida dele, o que ele representou na minha vida, seu talento e o fim de tudo isto.

SO: Eu estou tão feliz por ter sido uma documentarista nele e por apenas ter estado em sua presença. Eu acho que o que o diretor, Kenny Ortega, foi capaz de fazer foi destilar a emoção que todos nós sentíamos quando nós estávamos lá durante os ensaios.

Todos da equipe foram maravilhosos em suas funções. Nós nos sentíamos tão abençoados e felizes por estarmos no projeto e estar em volta deste homem por conta de tudo o que ele representa, por ele ser maravilhoso como músico, como artista e apenas estar no mesmo lugar que ele enquanto ele ensaiava e dançava.

Acompanhar seu processo todos os dias, eu chegava em casa e ficava tipo "Eu não acredito que sou parte disto, eu não acredito no que vivi hoje". E todo mundo sentiu isso.

Meu amigo Chucky, usando a jaqueta verde, ele é um coreógrafo vencedor do Emmy. Ele ganhou um Emmy por coreografar os filmes do High School Musical com o Kenny Ortega. Ele deixou um projeto grande para fazer um teste como dançarino sem garantias de que ele seria um dos dançarinos.

Ele conseguiu o emprego e todo dia ele olhava pra mim e dizia, "Eu não acredito que estou vivendo isso". Agora, esse é um cara que não é apenas um dançarino, mas ele é um coreógrafo vencedor do Emmy, então não foi um sentimento exclusivo de algumas pessoas, todos sabiam o quão maravilhosa essa experiência era. Eu acho que ela foi realmente captada no filme.

TB: Sim, ela foi. Você descreveu o que me pegou tão forte no filme... todo mundo se sentindo tão feliz por estar lá e apreciando tanto isso. Do mesmo modo, era como um flashback para alguém que esteve ausente de sua vida musical, ausente de ser a pessoa que nós conhecemos em termos de performance e...

SO: Você quer dizer em relação ao retorno dele?

TB: Bem, este era o começo do retorno dele, então ele estava ausente dos palcos por um longo tempo e o filme deixa você conhecê-lo novamente, faz você apreciar o talento dele novamente e aí, no fundo da sua mente, você sabe que ele se foi... e isso se torna um soco enorme para a plateia que não pode fazer nada, além de se deixar afetar quando assiste ao filme.

SO: É realmente uma obra poderosa, por conta de tudo o que você disse. E eu acho que foi realmente importante o Kenny escolher mostrar a experiência que nós vivíamos no momento, o filme não foca o fato dele ter falecido porque já é compreendido. Eu acho que o poder dele é tirado da experiência que vivemos e por se concentrar nela, as pessoas podem se apegar essencialmente ao que vivemos [durante os ensaios].

Um amigo meu me disse, "Eu senti como se tivesse um assento na primeira fileira para esta experiência". E eu respondi: "Isto foi o que eu tive". Eu estava lá. Se você sente, sentado em sua poltrona, que Michael Jackson está cantando Billie Jean a dois metros de distância é porque ele, de fato, cantou Billie Jean a dois metros de distância de mim.

Se você sente aquele poder emanando da tela, você pode imaginar o que eu senti no palco quando aquilo estava acontecendo. E você pode ver isto também... tem um bom número de pessoas lá, eu ligo a câmera e tem tipo umas quinze pessoas da equipe e dançarinos no chão assistindo, e eles não podem acreditar no que estão vendo. Aquilo foi a experiência.

TB: Você pode descrever o que sentiu naquele momento?

SO: É exatamente o que você fala na experiência de ir assistir ao filme. É como se geneticamente todos tivéssemos Michael Jackson dentro de nós. De uma maneira ou outra, por conta do modo que crescemos com ele. Nós escutamos a sua música e percebemos que gênio este homem era.

E também nós [a equipe trabalhando no projeto] somos todos profissionais e apreciamos isso ainda mais como dançarinos, músicos, como documentarista nós entendemos ainda mais este lado.

E então, de repente, tudo isso vêm à sua cabeça e você pensa: "Eu estou assistindo um cara que eu já vi na TV, que eu gostei a uma distância, fazendo o que ele faz de melhor a dois metros de mim."

E eu tenho esta equipe atrás de mim se sentindo da mesma forma e a única razão pela qual eu não podia dançar como eles era porque eu estava segurando a câmera. Tantas vezes eu me peguei dançando enquanto filmava. O baixo de Thriller simplesmente te pega.

TB: Um momento muito legal foi quando ele fez vocalmente uma coisa da guitarra no ensaio de Wanna Be Startin' Something para mostrar como deveria ser feito. Ele fez o som da guitarra tão bem e por tanto tempo que realmente parecia o som de uma guitarra de verdade.

SO: Assistir a um processo de um artista assim... eu estava maravilhada. Para lendas como Michael Jackson ou Martin Scorcese, apenas estar em volta do processo deles e absorver como uma esponja é um aprendizado. Assistir essa gente trabalhando é como uma dádiva.

TB: Algum comentário sobre o processo ao qual você assistiu enquanto filmava?

SO: Todo mundo que estava no show, como Kenny Ortega, Michael Bearden, Travis Payne e Michael Bush. São todas pessoas que estiveram com Michael por um longo tempo e também são grandes artistas em seu próprio mérito.

Há um tipo de gíria criativa que eles preferem usar do que todos aqueles jargões técnicos. Tipo, quando Michael diz, "faça soar como se você estivesse se arrastando para fora da cama". Imediatamente evoca uma reação emocional e você pode então traduzi-la à música que você está fazendo e eu achei realmente que era um método maravilhoso de transmitir aquela emoção.

TB: Ele tinha dias ruins?

SO: Não. Por causa do alto nível de energia que todo mundo compartilhava, eu mesma não tive meus dias ruins. O que você vê era o que acontecia todos os dias nos ensaios. Todo mundo estava realmente concentrado em criar este show maravilhoso.

TB: Algo também que me veio à cabeça... as mãos dele. Elas simplesmente saíam da tela, como mãos de um mágico; estavam em todo lugar.

SO: Eu estava tão concentrada na minha pequena tela [da câmera] que eu nunca percebi isto, mas algumas pessoas já mencionaram para mim.

TB: Uma das minhas partes favoritas do filme foi quando ele começa a trabalhar em Human Nature, a criatividade e a espontaneidade daquilo tudo.

SO: É disto que estou falando. Esse é o tipo de criatividade que inundava o palco todo. Foi um espaço muito criativo para todos os envolvidos. Todos os músicos eram excelentes.

TB: Todo mundo estava concentrado e pronto para fazer o seu melhor.

SO: Bem, você não ia conseguir esse tipo de emprego sem isto. Todo mundo estava incrivelmente feliz por fazer parte daquilo. Agradecidos.

TB: Eu estava esperando que as pessoas dançassem na plateia, mas eu poderia até escutar grilos. Parecia que a plateia estava em choque, emocionada e agradecida por poder assistir.

SO: Pessoas diferentes têm experiências diferentes; eu acho que depende da plateia. Eu já assisti algumas vezes e todas elas foram muito diferentes. Com a equipe foi como reviver toda a experiência. Eu já assisti com uma plateia que dançou e também com uma como você descreveu. Eu vejo coisas novas toda vez que o assisto.

TB: O filme é importante, graças a Deus que vocês estavam lá para filmar, do contrário, talvez nunca mais nós tivéssemos algo assim com Michael Jackson.

SO: Foi uma das coisas que o fez tão importante pra mim na época. O fato de que eu pessoalmente nunca havia visto algo do gênero. Eu nunca havia visto este lado de Michael Jackson. Até hoje eu continuo tratando o filme como um incrível presente. Eu acho que muitas pessoas se sentem assim agora, após assistirem ao documentário.

TB: Uma pergunta aleatória - ele usava uma camiseta com o Popeye apostando em um certo momento.

SO: Esta foi de Michael Bush. É a incrível arte de Michael Bush.

TB: Era figurino dos ensaios? Ou roupas do dia-a-dia dele?

SO: Michael Bush vestia Michael Jackson. Sempre.

TB: De que maneira todos lidaram com a notícia de seu falecimento?

SO: Foi uma dia muito difícil. Eu estava lá, na verdade, filmando no momento e quase derrubei a câmera. Eu estava filmando de joelhos e fiquei tão chocada e emocionada que disse, "Ok, eu acho que vou desmaiar".

Mas eu não podia porque eu tinha de filmar. O modo que posso descrever isto é... o mundo todo estava de luto naquele dia, imagine como foi então no palco dos ensaios. É muito difícil lembrar disso. Eu sinto como se fosse uma experiência extracorpórea.

TB: Você foi fã dele enquanto crescia?

SO: Quem não foi? Mas eu devo dizer que sou ainda mais agora depois de ter feito isto e observá-lo como profissional.

TB: Quem é você?

SO: Uma documentarista, mais especificamente uma documentarista musical. Uma documentarista, cinegrafista e editora.

TB: Mal posso esperar para ver seus próximos projetos. Obrigado.

Traduzido por Bruno Couto Pórpora.

2 comentários:

  1. Assisti This is it 3 vezes no cinema. A primeira quando estreou na minha cidade, estava lotado e esperei que pelo menos a platéia cantasse mas grande parte do filme era como se todos estivessem com a respiração suspensa, incrível ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não cheguei a assistir no cinema [minha rotina estava tumultuada naqueles dias], mas deve ter sido incrível assistir no telão..

      Excluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

*Bem-vindos, Moonwalkers! Os comentários são moderados e estarão visíveis tão logo eu esteja on-line. [Rosane, admin. do blog]

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...