As memórias de Corey Feldman (01)


Texto extraído do livro Coreography: A Memoir de Corey Feldman

 ''É claro que eu tinha ouvido falar de Michael Jackson, antes do evento no canal de música MTV. No sentido de que ele era muito popular e aconteceu de eu ouvir músicas como Rock With You e Don't Stop 'Til You Get Enough, embora na época, eu não sabia quem era o artista que estava cantando.

Somente no final dos anos 70 eu soube quem era Michael Jackson, e eu o assisti com admiração, sentado na sala de estar de meus avós em Maio de 1983 - e ele era alguém doo qual eu queria saber mais.

O show Motown 25: Yesterday, Today, and Forever, onde Jackson apareceu pela primeira vez com seus lendários movimentos de dança, foi um daqueles momentos de culto da história, semelhante à chegada do homem na lua ou o assassinato de Kennedy; todos se lembram exatamente onde estavam quando aconteceu.

Ele permaneceu na minha memória indelével. A luva de brilho! O Moonwalk! Eu não tinha visto nada parecido, nem antes ou depois! Até o meu avô [que era racista] ficou impressionado. A minha paixão por Michael começou com esse desempenho. Eu comprei o álbum, o primeiro com minhas economias. E pouco depois saiu Thriller, o maior vídeo de todos os tempos. Quatorze minutos de pura magia, orquestrada pelo talentoso John Landis.

A campanha promocional de Thriller foi de proporções gigantescas e a MTV exibia o dia todo. A cada hora, sem ouvir as razões, eu parava o que eu estava fazendo e ia para a frente da televisão. Eu assistia o vídeo, novamente e novamente, a fim de memorizar cada batida, cada respiração, cada palavra de diálogo e, é claro, cada único passo de dança.

Sete anos depois, a minha mãe me matriculou em uma escola de dança. Eram aulas de dança moderna que ensinavam passos de "shuffle heel" [para mover seus pés, especialmente girando sobre o metatarso e levantando os calcanhares] e "kick- bal- change" [apoio à mudança rápida de um pé para o outro].

A maior parte do tempo eu passei olhando para as paredes ou assistindo aos meus pés. Minha mãe olhou para mim na saída, sacudiu a cabeça, dizendo: "Meu Deus, você deve ser o cara mais descoordenado no mundo.''

Eu fiz outras audiências e o resultado foi tão desanimador - contra a minha vontade, eu cantei Raindrops Keep Fallin 'on My Head, uma canção que eu mal era capaz de cantar. Ficou claro que eu não tinha um talento artístico particular.

Mas assistir à dança de Michael me influenciou de alguma forma. Me mudou de uma maneira especial - suave, fluido, como se deslizasse sobre o gelo. Um dia, cheio de energia, de repente, eu comecei a dançar. Como Michael Jackson.

Claro, eu não estava pronto para mostrar a ninguém [pelo menos não para o momento]. Sozinho no meu quarto e na frente do espelho, eu fiz o Moonwalk, o que me fez sentir bem e ganhar gradualmente a confiança em mim mesmo. Isso é parte da magia de Michael. Basta ouvir a introdução de Billie Jean e o ritmo me leva e me faz sentir bem comigo mesmo.

No inverno de 1984, eu estava terminando as filmagens [do filme] Gremlins e minha paixão por Michael Jackson se tornou uma obsessão. Alguém, não me lembro exatamente quem, me comprou uma daquelas luvas brilhantes de Michael Jackson - uma pequena coisa barata, mal feita, coberta com cola e polvilhada com lantejoulas. Em meados dos anos oitenta, elas estavam por toda parte, e eu as adorava.

Eu comprava as revistas dedicadas a ele, passando horas admirando as fotos dos concertos de Michael e dentro de mim eu senti que, um dia, eu seria capaz de encontrar com ele. Eu não posso explicar o porquê. Eu tinha onze anos de idade e eu era incorrigível.

Um dia, eu trabalhava com Joe Dante para a gravação de um diálogo adicional. Para cada intervalo da sessão, eu lhe falava constantemente sobre Michael Jackson. Era mais forte que eu... eu não poderia me ajudar. Finalmente, exasperado, Joe olhou para mim e disse:

"Você sabe, um dia, ele veio para o set."

Eu estava petrificado. "O quê?"

"Sim, ele veio nos visitar."

"Sério?"

"Sim, ele é um amigo de Steven [Spielberg], então ele veio para ver as filmagens. Ele passou o dia inteiro com a gente. Na verdade, ele mesmo veio a minha casa. Steven o trouxe com ele.''

"E você viu ele dançar?", eu perguntei.

"Sim, claro, ele mostrou o moonwalk para todos nós."

Eu acho que Joe contou esta história só para me calar de uma vez por todas. Mas o efeito não foi satisfatório.

Um ano depois, eu comecei a trabalhar no filme Os Goonies e a amizade entre Steven Spielberg e Michael Jackson era conhecida. [Jackson também cantou a música Someone in the Dark para o filme "E. T."].

Então eu disse a mim mesmo: Se Michael Jackson foi ver as filmagens do filme Gremlins, por que não deveria vir para a filmagem de Os Goonies?



Imagem 1: Corey Feldman no filme 'Gremlins'
Imagem 2: Corey Feldman no filme 'The Goonies'

Tudo parecia resolvido, eu só tinha que pedir para Steven. E, na verdade, isso foi o que eu fiz. E eu fiz não sei quantas vezes por dia. Eu continuei imperturbável lhe fazendo o mesmo pedido durante os três meses passados ​​em Oregon e depois em Los Angeles, para onde nos mudamos a fim de continuar a filmagem.

Eu simplesmente não podia evitar. Para mim, havia se tornado uma questão de vida ou morte, eu teria que me encontrar com Michael Jackson.

Não muito tempo depois, sentado no trailer e ensaiando para Os Goonies, de repente, alguém bateu na porta. Entregaram para mim um pacote gigante, destinado a todas as crianças envolvidas no filme. Dentro havia sete casacos de cetim com o logotipo da turnê Victory.

Nesse instante, eu percebi que o meu sonho finalmente havia se tornado realidade. Na época, a Victory Tour foi, sem dúvida, o evento musical mais espetacular. Eu teria gostado de ir assistir ao concerto.

Eu pedi para Stephen conseguir um ingresso e eu liguei para a rádio KIIS-FM na esperança de ganhar um deles quando estes eram sorteados, mas as jaquetas da turnê de Michael Jackson excederam todos os meus sonhos mais inimagináveis.

Após as jaquetas, chegaram ingressos com um convite para conhecer Michael no final do concerto. Eram 16 ao todo - as crianças, um dos pais, dois dos nossos professores e Mark Marshall, assistente de Stephen no momento. O trabalho de Mark era o de supervisionar a nós, crianças, era ele que iria nos acompanhar ao estádio.

O concerto foi um dos últimos em que todos os seis irmãos Jacksons se apresentaram juntos. Foi em Dezembro de 1984, a última etapa da turnê. O único concerto que eu tinha visto na época era o da banda de rock Styx no Fórum, quando seu sucesso Mr. Roboto começou a subir nas paradas.

A Victory Tour era em um nível completamente diferente. O fluxo de energia da multidão latejante chegou até os nossos assentos na parte inferior do estádio. Nas arquibancadas nós estávamos sentados lá tão alto que os Jacksons no palco não pareciam maiores do que as formigas. Mas isso não importava para mim. Meu sonho tinha se tornado realidade.

O resto do concerto é uma memória distante, pelo contrário, eu muito bem me recordo do quão desesperadamente eu queria que rapidamente se acabasse, porque naquele momento eu iria conhecer Michael.

Eventualmente, as luzes do estádio se acenderam e as pessoas se encaminharam para a saída. Michael, no entanto, mudou o programa: ele foi encaminhado para o hotel. Por isso, seria lá que nós iríamos conhecer a ele. Mas, infelizmente, ao entrarmos no ônibus, nós descobrimos que estávamos indo para casa. Este não era o plano estabelecido! Éramos para assistir ao concerto, conhecer Michael e, certamente, fazer amizade com ele. Então, o que diabos tinha acontecido?

Na segunda-feira de manhã, de volta à Warner Brothers Studios, eu decidi descobrir o que tinha acontecido. Eu queria saber o futuro dos projetos de Michael. Talvez ele fosse sair em turnê na outra extremidade do mundo. Ou ele voltaria ao estúdio para trabalhar em um novo álbum. E desde que eu não queria perder outra ocasião, fui atrás de Steven Spielberg.

"O que aconteceu? Nós não conseguimos conhecer Michael!"

"Sim, eu sei. Sinto muito."

"Como? Por que você está arrependido?"

"Bem, Michael queria convidar todos para o seu quarto de hotel e eu o convenci do contrário. Eu pensei que isso seria inapropriado."

Eu olhei para ele.

"Eu pensei que seria um pouco demais", disse Steven. "Dezesseis pessoas em uma sala. Ele tinha acabado de terminar a turnê. Certamente, ele estava muito cansado."

Eu ri. "E eu pensei ingenuamente que Michael Jackson não poderia ficar cansado."

"Corey?" Stephen me chamou, sentindo a minha decepção. "Eu tenho uma boa notícia", ele fez uma pausa e eu olhei para ele, enquanto ele dizia: ''Michael estará no set!"

"Quando?"

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...