As memórias de Ron Weisner (01)


''Viajar com Michael sozinho era muito fácil e divertido, especialmente nos estágios iniciais. Ele e eu viajamos para a Europa para [o álbum] Off the Wall. Michael trabalhava duro e agarrava qualquer oportunidade de brilhar em público, e eu tive que acompanhá-lo em todos os lugares. Era muito cansativo. Numa rara noite livre, depois do jantar, eu retornava ao meu quarto de hotel e, sem me despir, caí na cama. Assim que comecei a cochilar, o telefone tocou. Era Michael:

'Ron, vá para o corredor em dez minutos.'

'Mike, do que você está falando? Nós terminamos por hoje. Não temos mais reuniões agendadas.'

'Apenas desça para o corredor. Em dez minutos. Você precisa descer.'

Bem, 'não', eu pensei, 'hoje eu já fiz o meu trabalho.'

Mas Michael sabia como fazer você fazer o que ele precisava, então depois de 10 minutos eu fui pelo corredor com dois guarda-costas. Perguntei a eles para onde estávamos indo, mas eles não sabiam. Um par de minutos depois, estávamos dirigindo em um carro para a sala de concertos do London Palladium, onde Liberace estava se apresentando naquela noite. Eu perguntei para Michael:

- Por que você me arrastou com você? 

- Ron, você vai gostar.

'Isso é improvável', pensei.

'Espere um minuto, você vai ver o que eles têm em seu aquecimento', continuou ele. 'Fontes dançantes! Haverá água e ela disparará, e ela é multicolorida, e tudo é maravilhoso!'

Essas Fontes Dançantes não eram nada maravilhosas. Lembro que essas foram as primeiras tentativas de fazer um programa computadorizado, e essas tentativas foram bastante cruas. Mas Michael ficou encantado. Quando a água foi desligada, a luz se apagou, e um gordo cavalheiro de orientação homossexual saiu, vestido com um longo casaco de marta, Michael aplaudiu apaixonadamente e aplaudiu por um longo tempo e em voz alta.

Liberace (arquivo do blog)

Cerca de vinte minutos após o início do show, eu me virei para um dos guarda-costas e disse:

'Isso é o suficiente.'

Eu fui. Estava além da minha força. Eu saí sem dizer adeus a Michael, mas ele estava tão apaixonado pelo programa que ele provavelmente não notou minha ausência. 

Na manhã seguinte, ele me ligou na sala:

'Por que você foi embora? O show foi incrível! Nós passamos meia hora em seu camarim depois, e você perdeu tudo!'

Eu raramente observei Michael irritado, e em algum momento eu até acreditei que ele (a) me demitiria agora, e (b) ordenaria a um dos guarda-costas que me jogasse para fora do hotel. A moral da história era a seguinte: se Michael Jackson te arrasta para um concerto, sente até o final, e não importa quem se apresente - Liberace ou James Brown.

Tudo isso me lembrou de uma chamada tardia dele em 1978.

'Ron, acorde! Acorde, Fred está chegando!'

'Fred? Quem é Fred?'

'Bem, Fred. Fred!'

'Quem é Fred, Michael?'

'Fred Astaire! Ele será presenteado com um prêmio no American National Theatre no Century Plaza! Eu tenho que estar lá. Eu tenho que estar na primeira fila!'

Eu pedi uma mesa na frente do palco. Em ambos os lados do palco, havia prateleiras com fotografias de Fred Astaire medindo 50 x 50. Por toda a noite, Michael estava sorrindo como se tivesse nove anos de idade e era como se ele estivesse olhando para o Papai Noel em uma loja de departamentos local. 

No final do evento, quando íamos sair, Michael me disse:

'Não, não podemos sair ainda. Nós não vamos sair até chegarmos a uma dessas peças.'

'Que tipo de peças?'

Fiquei surpreso. Ele apontou para uma foto enorme no lado esquerdo do palco:

'Estas.'

'Mike, não posso simplesmente subir ao palco e pegá-la.'

Ele olhou em volta:

'Pode sim, ninguém está olhando. Agarre e é isso!'

Ele estava certo. Ninguém prestava atenção. Então eu peguei uma foto do suporte. Mas eu me senti como um idiota completo enquanto esperávamos no meu carro, e todo esse tempo eu tive que carregar essa foto em minhas mãos.

Um pouco mais tarde, na mesma semana, em Londres, Michael e eu assistimos Top of the Pops em seu quarto. Este programa me parecia a versão britânica do American Bandstand - artistas ao vivo cantaram a trilha sonora. 

Em algum lugar no meio do show, o apresentador anunciou: 'Senhoras e senhores, Adam Ant!'
Michael e eu conhecíamos Adam, mas nunca vimos sua performance. Ele não só parecia ótimo, mas isso era importante para Michael, ele também parecia empolgado: ele estava vestido com uniforme militar. Michael olhou para a tela, silenciosamente, atentamente. Eu já vi que as rodas giravam, mas para uma direção a qual eu não conseguia adivinhar.

Adam Ant
No dia seguinte, bem no meio de uma de entrevista para a imprensa, RP, Michael me chamou de lado e disse:

'Ron, eu preciso encontrar uma loja de fantasias.'

Há muito tempo que estou acostumado com os pedidos de Michael, mas ainda perguntei:

'Por que você precisa? Por que você precisa de uma loja de fantasias?'

Ele sorriu largamente e respondeu:

'Adam Ant.'

Fiz perguntas e encontrei um dos maiores trajes britânicos de guarda-roupa, Berman's e Nathan's Costumes de Londres. Eles faziam figurinos para filmes de guerra, incluindo Sem Mudança na Frente Ocidental, Os Três Mosqueteiros e O Império do Sol, então eles tinham tudo de que precisavam. 

No dia seguinte, eu e um figurinista local vasculhamos o armazém inteiro em busca de um traje de estilo militar semelhante ao de Adam. Eu escolhi cerca de vinte fantasias, as entreguei ao estilista e ordenei que costurasse cópias.

Ao longo de sua vida subsequente, Michael quase sempre apareceu em público em trajes de estilo militar. E para isso você pode agradecer a Adam Ant. [Michael, é claro, nunca mencionou ele. Quando perguntado sobre seu vício em jaquetas militares, ele respondeu: 'Elas apenas me inspiraram.'  E somente.]

O mesmo aconteceu com o Moonwalk. Os fãs e a imprensa atribuíram a criação desse movimento a Michael mas, como é o caso do uniforme militar, ele pegou emprestado de outras pessoas e o reformulou completamente e com seu estilo.

Eu sei por que ele nunca mencionou nem Adam nem os dançarinos que o ajudaram a desenvolver Moonwalk. Era porque ele queria fazer algo que ninguém havia feito antes. Ele repetia constantemente: 'Encontre alguém que ninguém jamais viu!'

Era difícil, porque naqueles dias, qualquer um que conseguisse pelo menos algo que valesse a pena, entrava na visão do público. Portanto, como em todos os casos quando se tratava de Michael, eu tive que inventar soluções muito além das soluções padrão.

Folheando uma revista, me deparei com um anúncio para um cara que se chamava "The Core Man". Foi algum italiano maluco que subiu em um canhão e "disparou" no lugar da bala de canhão usual. Obviamente Michael gostaria disso, então entrei em contato com a gerência e eles me enviaram uma fita de vídeo com uma nota do próprio Core Man: 'Eu só posso dar um show por dia.'

'Naturalmente', eu pensei, enquanto inseria uma cassete num video-cassete. Na tela, vi um homem de meia-idade, meio gordo, que subiu em um cano de canhão, depois do qual o canhão disparou na direção da rede de segurança. Cada vez que descia desta grade, o homenzinho estava tão trêmulo e mancando que parecia que se ele caísse agora, não se levantaria. Não era o desempenho mais ensaiado, mas eu ainda mostrei a Michael essa fita. 

Naturalmente, Michael ficou encantado.

'Bem, eu não sei, Mike', eu disse a ele, desejando ter até não ter mostrado esta fita. 'Eu não gosto muito disso. É mais como uma sala intermediária para entreter a multidão entre os números principais.'

Assim que eu disse isso, percebi que essa é a pior coisa que eu poderia dizer nessa situação, já que Michael amava muito o circo. No entanto, o bom senso prevaleceu e Michael e o homem-canhão - graças a Deus! - nunca cruzaram no mesmo palco.''

Texto escrito por Ron Weisner e retirado da biografia
Listen Out Loud: A Life in Music--Managing Mccartney, Madonna, and Michael Jackson
*Ron Weisner foi co-gerente de Michael Jackson entre 1978 até 1983, durante a produção de Off the Wall e Thriller.

Fonte: https://www.liveinternet.ru

6 comentários:

  1. Estou chocada sobre Adam Ant, Michael. :)

    ResponderExcluir
  2. Essa jaqueta do Adam Ant é muito parecida com uma das do Michael não é mesmo ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que é o contrário.. a do Michael é que se parece com a jaqueta do Adrian Ant.. rs

      Excluir
  3. sim, foi isso que eu quis dizer rs

    ResponderExcluir
  4. Fiquei um pouco chocada também com o relato de que Michael não atribuiu ao Adam Ant o “despertar” de seu gosto por jaquetas estilo militar. :D Mas o moonwalk , ele havia admitido que não criou, mas aprimorou o famoso passo de dança que se tornou uma das marcas registradas do Rei.
    Uma jaqueta muito parecida com a que Adan está usando na foto é a qual Michael usou no show em tributo ao Elvis, em Memphis, em outubro de 1994, ao qual ele e Lisa Marie foram, acompanhados por Priscila Presley e Janet Jackson.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, ela é incrivelmente parecida.
      Levei um susto quando fui buscar imagens do Adam Ant no Google e encontrei esta kkkk

      Excluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

*Bem-vindos, Moonwalkers! Este é um espaço de amor à memória de Michael Jackson. Os comentários são moderados e estarão visíveis tão logo eu esteja on-line. [Rosane, admin. do blog]

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...